A oferta dos nobres – 03/12/2017

,

Há aqueles que pensam que, porque estão na graça dízimo e oferta não diz respeito a eles mais. Mas somos chamados a servir a Deus com tudo o que somos e com tudo o que temos. Servir a Deus com tudo o que somos e temos demonstra nossa paixão pelo Senhor e sua obra. Quando alguém entende a graça ele se apaixona pelo Senhor. A nossa visão não é célula, elas são apenas uma estratégia para que cumpramos a visão Bíblica para nós crentes. A visão que está no centro do coração de Deus é: cada crente é um ministro um sacerdote. Isso é importante você entender.

Hoje gostaria de falar sobre a oferta dos nobres, mas ao fazer isso precisamos tomar como base a visão de que cada um de nós é um ministro, um sacerdote da realeza.

“João, às sete igrejas que se encontram na Ásia, graça e paz a vós outros, da parte daquele que é, que era e que há de vir, da parte dos sete Espíritos que se acham diante do seu trono e da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da terra. Àquele que nos ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados, e nos constituiu reino, sacerdotes para o seu Deus e Pai, a ele a glória e o domínio pelos séculos dos séculos. Amém!” (Ap. 1:4-6)

1. Fomos feitos sacerdotes

Em Êxodo 19:5-6, lemos que a vontade de Deus era que toda a nação de Israel fosse constituída de sacerdotes, mas eles falharam e, em vez disso, fizeram um bezerro de ouro (Êx 32). Deus, então, usou a tribo de Levi para destruir três mil pessoas num dia, pois foi a única tribo que se posicionou pelo Senhor. Levi então foi separada como a tribo sacerdotal de Deus, mas Seu desejo era que toda a nação fosse de sacerdotes. Hoje, Deus tem a mesma intenção, Ele deseja que todo crente seja rei e sacerdote! Quem é o sacerdote? O sacerdote é aquele que pega na mão de Deus e na mão do homem e faz a reconciliação. O último livro do Velho Testamento, Malaquias, trata da importância do sacerdócio, na verdade ele constitui em inúmeras exortações aos sacerdotes. O que vemos é que, quando as pessoas não funcionam como sacerdotes, o resultado é problema financeiro, problemas nos negócios, problemas nas famílias e problemas espirituais. É por isso que o diabo quer impedir que a igreja toda funcione como sacerdotes.

2. Não apenas sacerdotes, mas reis

Somos da nobreza celestial. No Velho Testamento, um sacerdote não podia ser rei, mas hoje somos feitos sacerdócio real (1Pe. 2:9). O Senhor Jesus funcionava como sacerdote e havia algo de realeza a respeito d’Ele. Jesus tinha uma linhagem dupla da realeza. José era descendente do filho de Davi chamado Natã (Lc. 3:31), e Maria era descendente de Salomão (Mt. 1:6-7). Ambos eram descendentes do rei Davi.

Jesus vivia como uma pessoa normal entre pessoas comuns, mas quando as pessoas estavam com ele, elas sentiam a sua realeza, sabiam que estavam diante de um príncipe. Tudo o que ele falava e tudo o que ele fazia era incomum, era nobre. Você é rei também! Lembre-se, Ele é Reis de reis! Então veja, a nossa oferta das primícias, de final de ano, é de acordo com está visão. Na passagem de ano, dê a sua oferta de primícias como rei e sacerdote que você é! A sua oferta visa sustentar a obra que Deus nos designou fazer. Ela é importante, sem ela não conseguiremos avançar!

A oferta dos príncipes

“No dia em que Moisés acabou de levantar o tabernáculo, e o ungiu, e o consagrou e todos os seus utensílios, bem como o altar e todos os seus pertences, os príncipes de Israel, os cabeças da casa de seus pais, os que foram príncipes das tribos, que haviam presidido o censo, ofereceram e trouxeram a sua oferta perante o SENHOR: seis carros cobertos e doze bois; cada dois príncipes ofereceram um carro, e cada um deles, um boi; e os apresentaram diante do tabernáculo. Disse o SENHOR a Moisés: Recebe-os deles, e serão destinados ao serviço da tenda da congregação; e os darás aos levitas, a cada um segundo o seu serviço. Moisés recebeu os carros e os bois e os deu aos levitas”          (Nm. 7:1-6).

Este capítulo é o mais longo do livro de Números e um dos mais longos de toda a Bíblia. E quando o lemos, o que vemos não é nada além de uma lista de pessoas que deram ofertas. Por que Deus deu tanto espaço para essa relação de ofertas?

A primeira razão é porque eles são príncipes. Quando os príncipes ofertaram houve um registro especial diante de Deus! Você está sendo desafiado a vir trazer sua oferta de primícias como príncipe! Não é uma questão de valor, ainda que não seja como a oferta que se dá no domingo, mas de uma atitude, uma postura. Hoje, fomos feitos esses príncipes e precisamos demonstrar a nossa nobreza quando entregamos a nossa oferta. Podemos ver três características na oferta que os príncipes de Israel trouxeram ao Senhor.

 a) Ofertaram voluntariamente

Aqueles príncipes de Israel não foram convocados para ofertar, Deus não pediu!

Eles fizeram isso espontaneamente. Eles concluíram que era importante trazer aquela oferta generosa. No verso 3, diz-se que trouxeram seis carros repletos e doze bois. Um carro para cada duas tribos. Não havia nenhuma prescrição na lei para que fizessem isso. Aqueles que são príncipes possuem uma atitude de nobreza e por isso são generosos. Aquele que é da nobreza não pode ser avarento. Quem é nobre não dá de acordo com a necessidade do outro, mas de acordo com a sua grandeza. Príncipes não dão de acordo com o que é pedido, mas dão de acordo com a sua abundância.

Certa vez, Alexandre, o Grande, entrava pelas portas de uma cidade que havia conquistado quando um mendigo lhe pediu uma esmola. Ele, então, entregou-lhe uma moeda muito valiosa. Um dos seus generais replicou que, para o mendigo, bastava uma esmola. Ao que Alexandre respondeu: “Eu não dei de acordo com a necessidade dele, mas de acordo com a minha grandeza”. Nós somos parte da nobreza celestial, somos príncipes de Deus. Não seja pequeno, ande em grandeza.

b) Ofertaram para tornar a obra leve (Nm. 7:6)

Os carros e os bois foram dados aos levitas para facilitar o trabalho deles no Tabernáculo. Esse foi o destino que Deus orientou Moises a dar aos carros.

Os carros serviam para que o peso dos levitas pudesse ser leve. Eles eram encarregados de carregar todos as partes e móveis do Tabernáculo. Isso certamente era muito pesado, mas os príncipes tornaram o serviço leve por causa da sua oferta. Deus gostou da atitude dos príncipes de Israel.Eu creio que hoje também o Senhor deseja que ofertemos para facilitar o ministério, para que o alcance seja maior em menor tempo. As vezes os irmãos não têm noção do peso que a obra impõe aos pastores. Mas hoje, estou aqui para dizer: deixe Deus te usar para que essa obra se torne mais leve para os pastores conduzirem.

c) Ofertaram por amor ao altar (Nm. 7:10)

O que é o altar nos dias do Novo Testamento? Você sabe que o holocausto e as ofertas eram todas oferecidas sobre o altar. Hoje, o altar onde o Cordeiro foi imolado é a cruz. Quando amamos a mensagem da cruz, nossa nobreza se manifesta. Devemos ofertar por amor ao Evangelho! Os príncipes sabiam da redenção que acontecia sobre o altar. Eles queriam que a obra ali fosse feita de forma plena e permanente. Quantos de nós entendemos hoje que a nossa oferta é para sustentar o testemunho do altar do Novo Testamento, a cruz de Cristo? Os príncipes do Novo Testamento possuem uma grande estima pela obra do Senhor Jesus na cruz. Eles sabem do valor da obra da cruz e estão dispostos a fazer com que a mensagem chegue a todo o mundo. Precisamos crer que somos príncipes e andar como tal. Quanto mais assumirmos a identidade, mais teremos a sua realidade. Quanto mais assumimos nossa realeza, mais nós a temos. Você é príncipe na Casa e Deus, quanto mais você assumir isso, mais você terá. Todavia, quanto mais você achar que não é, até o que você tem lhe será tirado.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *