Mensagens em texto

Quem ama mais? – 19/11/2017

,

“Depois de terem comido, perguntou Jesus a Simão Pedro: Simão, filho de João, amas-me mais do que estes outros? Ele respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Ele lhe disse: Apascenta os meus cordeiros. Tornou a perguntar-lhe pela segunda vez: Simão, filho de João, tu me amas? Ele lhe respondeu: Sim, Senhor, tu sabes que te amo. Disse-lhe Jesus: Pastoreia as minhas ovelhas. Pela terceira vez Jesus lhe perguntou: Simão, filho de João, tu me amas? Pedro entristeceu-se por ele lhe ter dito, pela terceira vez: Tu me amas? E respondeu-lhe: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Jesus lhe disse: Apascenta as minhas ovelhas” (João 21.15-17).

Leia mais

Minhas testemunhas – 12/11/2017

,

…mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra (Atos 1:8).

Essa é uma das expressões poderosas a nosso respeito, dita por Jesus. Nós somos suas testemunhas. O revestimento de poder visa esse objetivo de sermos testemunhas de Jesus em nossa geração. O que significa ser minhas testemunhas? Significa que as pessoas ao meu redor irão ouvir, ver e reconhecer que eu tive um encontro com Deus e minha vida foi mudada. Essa grande confiança na missão de testemunhar Cristo a nós designada, é apresentada mais uma vez por Jesus em João 10:16:

Ainda tenho outras ovelhas, não deste aprisco; a mim me convém conduzi-las; elas ouvirão a minha voz; então, haverá um rebanho e um pastor (João 10:16).

Leia mais

Reis e Sacerdotes – 05/11/2017

,

… e para o nosso Deus os constituíste reino (basileus) e sacerdotes; e reinarão sobre a terra (Apocalipse 5:10).

Deus nos salvou por sua infinita graça, mas também por meio dela nos constituiu reis e sacerdotes. E como tais temos um desempenho duplo. Devemos ser os reis que exercem autoridade sobre a terra, mas também ser os sacerdotes, aqueles que conduzem muitos a Deus, através do ministério da reconciliação. Leia mais

A Vida está Nele – 29/10/2017

A vida estava nele… (Jo. 1:4a)

Tudo o que precisamos é da Vida. A Vida é a própria manifestação da Graça de Deus. Agora, é importante entender que a Graça não é uma doutrina. A graça é uma pessoa.

E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a sua glória, glória como do unigênito do Pai (João 1:14).

Então veja, compreender a graça não é uma questão de raciocínio, mas de experiência. Essa experiência precisa passar pelo entendimento, de pelo menos, três afirmações no contexto de João 1. Leia mais

Expressões poderosas da oração 22/10/2017

Hoje, gostaria de mostrar alguns tipos de expressões, que são poderosas orações diante de Deus. Nossa oração vai muito além de palavras elaboradas e organizadas.

  1. O poder do Vaso de Barro

A Bíblia diz que nós somos vasos de barro, não somos vaso de aço. Se é barro significa que você é frágil. Existe uma fragilidade inerente ao barro. Deus escolheu, com diz Paulo, manifestar o tesouro da sua glória em vasos de barro. Leia mais

Chamados a Sua glória – 08/10/2017

Chamados a Sua glória 

Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza… (2 Coríntios 12:9a).

Há casais que olham mais para a deformidade do pecado do que para a glória do casamento em Deus. Há líderes que olham mais para a sua incapacidade de realizar a obra de Deus, do que para o suprimento da glória de Deus em sua liderança. Há Jovens que vivem mais em função dos prazeres que a deformidade produziu, do que na satisfação que a glória de Deus nos dá por meio do Espírito Santo. Veja, nossa tendência é sempre de olharmos para nós, mas pelo poder do Evangelho somos direcionados a olhar somente para Cristo. Houve uma situação quando o povo estava no deserto que é uma sombra dessa verdade que mencionei, vejamos: Leia mais

Fé, a chave que abre a porta do impossível – 01/10/2017

,

Fé, a chave que abre a porta do impossível

… visto que andamos por fé e não pelo que vemos (2Co. 5:7).

Temos falado sobre algumas chaves para o nosso crescimento espiritual. Mas, a mais importante chave, sem dúvida, é a fé. Sem fé não podemos fazer nada para Deus, isso porque, tudo que diz respeito ao reino de Deus se baseia em fé. Se você diz que tem fé, mas vive fixamente das circunstâncias, ao seu redor, isso significa que você não vive pela fé. Paulo diz que os que andam pela fé, não deixam que as coisas que estão vendo, determine sua vida. A palavra vemos é eidos, que significa, aparência exterior. Ao dizer isso, não estou dizendo que você deve negar o que está acontecendo. Não é isso! Mas, que você, não permite, que as circunstâncias determinem o fim da sua história. Sua fé está em um Deus, que pode todas as coisas. Em um Deus que é todo gracioso! Por isso, é importante entender que a fé ativa a graça. A fé precisa ser balanceada com a graça. Fé sempre vem acompanhada da graça. Ela age por meio do grande amor de Deus Leia mais

O Poder da unção – 24/09/2017

O poder da unção

Texto: Mateus 3:13-17

Por esse tempo, dirigiu-se Jesus da Galiléia para o Jordão, a fim de que João o batizasse. Ele, porém, o dissuadia, dizendo: Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim? Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por enquanto, porque, assim, nos convém cumprir toda a justiça. Então, ele o admitiu. Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Leia mais

Princípios para o crescimento espiritual – 17/09/2017

Princípios para o crescimento espiritual

Para crescermos espiritualmente precisamos de seguir alguns princípios espirituais. É importante aprendermos princípios que nos conduza ao crescimento, pois ele será realizado em nós seja como for! Paulo escreveu: Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus (Filipenses 1:6). Seja pelas respostas certas, como as virgens prudentes, ou pela restrição que as néscias foram submetidas, Deus completará a sua obra em nós. Leia mais

A Nova Jerusalém e a Eternidade – 10/09/2017

A Nova Jerusalém e a Eternidade

O propósito de Deus era ter um homem com a Sua imagem, cheio de Sua vida, para que o homem pudesse reinar sobre a Terra. Esse era o propósito de Deus. Mas uma vez que o homem caiu, a redenção tornou-se necessária. Uma vez que o homem é redimido e salvo, Deus agora pode voltar ao Seu propósito original. O que veremos agora nos capítulos 21 e 22 de Apocalipse é simplesmente a conclusão do propósito original de Deus. Quando Deus criou o homem, em Gênesis 1 e 2, ele tinha em mente o que nós vamos ver agora em Apocalipse 21 e 22.

  1. O NOVO CÉU E A NOVA TERRA

Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram, e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo (Ap. 21:1-2).

Não somente nós, o povo de Deus, atingiremos o estágio de nova criação, mas todo o universo será renovado e se tornará a nova criação. A primeira descrição que temos de novo céu e da nova terra é que o mar deixará de existir. As águas, na Bíblia, têm um significado duplo. Podem representar morte ou vida. Se for o mar é morte, se for um rio ou fontes de água, é vida. Quando Deus faz algo, sempre realiza com harmonia e beleza. Quando vemos a descrição da terra em Genesis 1:2 ficamos assustados: a terra, porem, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo. Essa não é a descrição de uma obra de Deus, antes é a descrição de uma obra de arte de satanás. Entre os versículos 1 e 2 de Genesis satanás foi lançado na terra com a terça parte dos anjos. A Terra tornou-se habitação de demônios, por isso era cheia de água, em trevas, sem forma e vazia. Mas quando houver novos céus e nova Terra, não existirá. O fato de o mar deixar de existir, mostra que satanás e todos os seus seguidores malignos foram tratados e não serão encontrados no novo Céu e na nova Terra. Como não haverá mais morte, o mar deixará de existir. Isaías diz que não haverá mais lembrança das coisas passadas – Pois eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá lembrança das coisas passadas, jamais haverá memória delas (Is. 65:17)

Deus tem uma grande habilidade para esquecer. Primeiro, Ele esquece o nosso pecado e, por fim, se esquecerá das coisas passadas. E quanto a nós? Não teremos também memoria das coisas passadas. Ainda seremos capazes de nos lembrar das coisas, contudo elas serão remotas. Se depois de ter vivido na miséria, alguém se torna um milionário ele não terá amnesia, mas, certamente, não desejará se lembrar da vida na miséria.

  1. O VENCEDOR

O vencedor herdará estas coisas, e eu lhe serei Deus, e ele me será filho (Apocalipse 21:7).

O vencedor nesta passagem se refere a todos os santos, porque, nessa altura, todos os filhos de Deus já terão atingido a maturidade, a estatura do varão perfeito. O milênio será o tempo em que a obra de Deus será completa na vida deles. No final, toda a Igreja será feita vencedora, porque todos aqueles que estão em Cristo são mais que vencedores. Ainda que alguns não vivam como tais, são mais que vencedores por terem se tornado filhos do Senhor! E, por causa disso, serão disciplinados porque, sendo vencedores, viveram como derrotados, sendo fortes viveram como fracos, tendo a disposição toda provisão divina, viveram sem desfrutar coisa alguma. No final do milênio, teremos todos amadurecidos.

  1. A NOVA JERUSALEM

Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro; e me transportou, em espírito, até a uma grande e elevada montanha e me mostrou a santa cidade, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus (Ap. 21:9-10).

 A Nova Jerusalém é a composição de todos os remidos. É algo vivo, um edifício vivo. Na Bíblia, vemos duas obras básicas de Deus: a criação e a edificação. Na obra da criação, Deus ordena: “haja”. E aquilo, cuja existência foi ordenada, passa a existir. Mas na obra da edificação, Ele reúne os elementos que foram criados e deles faz uma outra obra. Na criação, Ele apenas ordena, mas na edificação, é empregado um processo laborioso. Se observamos os materiais em Genesis 2, veremos que eles repetem em Apocalipse 21 e 22. Isso ilustra a diferença entre a criação e a edificação. Os minerais, em forma bruta em Gênesis (2:11-12) são encontrados, em forma acabada, na muralha da Nova Jerusalém em Apocalipse 21. Sabemos que o rio simboliza o Espírito Santo, a Árvore da Vida, com os seus frutos, é uma imagem do Senhor Jesus. As pedras devem assim, simbolizar os santos. Isso pode ser ilustrado na Palavra de Deus em muitas ocasiões. O próprio Pedro diz que todos fomos feitos pedras espirituais por meio do novo nascimento:

… também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo (1Pe. 2:5).

A Nova Jerusalém é esse edifício vivo feito de pedras que vivem. Construído para a habitação eterna de Deus. A Nova Jerusalém é o cumprimento final do proposito eterno de Deus em ter o homem á Sua imagem para expressá-Lo e representá-Lo. A glória de Deus é a Sua imagem. Criar o homem á Sua imagem significa que Deus o criou com a Sua gloria e para a Sua glória. O nosso destino é a glória.

  1. A DESCRIÇÃO DA CIDADE

A Nova Jerusalém é um cubo perfeito, onde seu comprimento, largura e altura medem cerca de 2.200 quilômetros respectivamente (v.16). Á altura da muralha em torno da cidade é de 72 metros (Ap 21:17). Por que essas dimensões perfeitas como um cubo? A Bíblia fala no V.T. que o Santo dos santos também era um cubo. Assim, a Nova Jerusalém, na verdade, é o Santo dos santos expandido. E o que era o Santo dos santos? O lugar onde Deus manifestava Sua glória. A cidade é edificada basicamente com três elementos: ouro, pérola e pedras preciosas. O primeiro elemento é o ouro. Simboliza a natureza e a glória de Deus. A cidade é a expressão do Senhor. O Senhor habitará nela por toda a eternidade. O segundo elemento são as perolas. A pérola é uma mistura de mineral com animal. Isto certamente é um símbolo de transformação do crente. As portas da cidade são grandes pérolas para indicar que entramos nela pela transformação e santificação. O terceiro elemento são as pedras preciosas. A muralha e o alicerce são de pedras preciosas que apontam para a obra do Espírito Santo que nos transforma. Observe que cada um dos materiais básicos, refere-se a uma pessoa da Trindade. O ouro é o Pai, a pérola, é obra do Filho e as pedras preciosas são obra do Espírito Santo. Finalmente, vemos que a aparência da cidade é de jaspe (v.18 e 43). Na visão que João tece do trono, ele diz que aquele que está sentado no trono tem a aparência de pedra de jaspe (Ap. 4:3). Observe agora que a cidade tem a mesma aparência (Ap. 21:11). A Nova Jerusalém é a expressão do próprio Deus. Deus quer se unir ao homem eternamente e ser um com ele, assim como o homem e a mulher, ao se unirem, tornam-se uma só carne. Quando nos unirmos a Deus naquele dia, seremos um só com Ele.

  1. A ETERNIDADE

Em Apocalipse 22 temos a descrição das três coisas fundamentais da Nova Jerusalém e da eternidade: o Trono de Deus (Pai), o Rio da Vida (Espírito) e a Árvore da Vida (Filho).

a) O TRONO DE DEUS E O CORDEIRO

Deus é a origem de tudo. Ele é o trono de autoridade e, ao mesmo tempo, o trono da graça.

b) O RIO DA VIDA

Esse rio nada mais é que o próprio Espirito Santo de Deus. Em João 7:37-38 o Senhor falou a respeito do Espirito Santo que se torna uma fonte de água viva em nosso interior. O Rio de Água da Vida flui diretamente do trono que significa o senhorio, a autoridade e o governo divino em nossas vidas. O Espirito Santo só fluirá em nós e por meio de nós, se o trono estiver estabelecido em nosso coração.

c) A ÁRVORE DA VIDA

Essa árvore cresce para os lados. Isso mostra que ela é acessível. É uma árvore que se espalha, uma trepadeira, onde pegamos o fruto com a mão. As coisas de Deus são acessíveis, não estão distantes de você. Como disse Paulo – A palavra está perto de ti, na tua boca e no teu coração (Rm. 10:8). Fale com a boca, creia com o coração e você será transformado. Quando Deus criou o homem, colocou a Árvore da Vida no paraíso. Depois que ele pecou o caminho foi fechado. Hoje, porém, ele nos foi aberto por Cristo. Ao vencedor da Igreja de Éfeso foi prometido comer dela, mas agora se diz que, na eternidade, todos os remidos dela comerão. Sabemos que o Senhor é a própria Árvore da Vida. Assim as folhas da árvore são obras do Senhor Jesus. Isso significa que aquilo que Ele fez servirá para trazer perfeição para as nações eternamente.

d) O SENHOR VEM SEM DEMORA

Cremos que a volta do Senhor é próxima. Se estava próxima naqueles dias, muito mais hoje. Seremos bem-aventurados se guardamos as palavras da profecia. Portanto, o caráter de urgência que essa mensagem expressa não poder ser subestimando ou negligenciado por nós. Se em nós há um clamor pela volta de Jesus, deve haver também um desejo pela salvação dos pecadores – as duas coisas caminham juntas. Se quisermos ser uma Igreja de vencedores, temos que levantar a nossa voz e bradar aos perdidos: Venham e bebam, de graça, da água da vida! Se você é alguém que têm andado no Espirito, se o trono de Deus foi estabelecido dentro do seu coração, se o Rio da Vida tem fluido do seu interior, então esse rio, que é o Espírito Santo, vai começar a clamar dentro de você, dizendo: Vem! Vem, Senhor! E que possamos ser uma geração, um povo, uma nação de homens e mulheres de Deus que sabem que são a Noiva, que estão apaixonados e que podem dizer: Maranata! Vem, Senhor Jesus!

A Revelação de um Coração Apaixonado

A revelação de um coração apaixonado

(João 20:1-18).

O que essa mulher fez é um modelo para nós, mas também uma advertência. Depois de ressuscitar dos mortos, o Senhor Jesus apareceu a muitas pessoas. Mas a quem Ele apareceu primeiro? A Maria Madalena. Por que o Senhor apareceu primeiro a ela? Eu creio que Maria Madalena é um modelo de um crente apaixonado pelo Senhor. Creio que o Senhor queria me ensinar a atraí-Lo. Preste atenção: Amor não se obriga, você precisa ser conquistado por ele para tê-lo. O que falta para a Igreja não é mais líderes, mais unção, mais dinheiro, etc. O que falta é mais amor pelo Senhor. Se amarmos ao Senhor acima de tudo, todas essas coisas serão acrescentadas. Gostaria de falar sobre algumas características deste amor apaixonado pelo Senhor:

  1. O que ama é o último a partir e o primeiro a chegar

Maria Madalena foi a última a deixar o Calvário e a primeira a chegar ao túmulo (Mt. 27:55 e 61). Porque? Porque a sua atenção é para o Senhor. A primeira condição para se casar é estar apaixonado! Todos os crentes irão casar com Jesus, mas alguns dizem que podem esperar mais um pouco, deixa os outros desfrutarem do Noivo primeiro.O arrebatamento dos vencedores é o arrebatamento dos apaixonados! O primeiro ato do Senhor após a ressurreição não foi algo majestoso (o que Ele, de fato, fez depois, levando o seu sangue diante do santo dos santos no céu), mas foi algo simples e afetuoso, como enxugar as lágrimas de uma mulher.

Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, supondo ser ele o jardineiro, respondeu: Senhor, se tu o tiraste, dize-me onde o puseste, e eu o levarei. Disse-lhe Jesus: Maria! Ela, voltando-se, lhe disse, em hebraico: Raboni (que quer dizer Mestre)! (Jo 20.15-16)

Ela pensou que o Senhor fosse o jardineiro. Ela não estava tão errada assim, o primeiro jardineiro abriu mão de todo o jardim por causa de uma fruta. Mas o segundo Adão veio para comprar de volta todo o jardim para Deus. O que faz de Maria Madalena alguém especial é o seu interesse e paixão pelo próprio Senhor, e não por sua obra e bênção. Alguns conhecem a preciosidade da obra do Senhor, mas não são todos os que percebem a preciosidade do Senhor.

  1. Aquele que ama não tem para onde ir

Pedro e João voltaram à sua vida normal, mas Maria Madalena não conseguia deixar o túmulo. Muitos pensam que a vida cristã é cheia de proibições, mas não é. Depois de convertido, uns ainda desejam viver suas vidas a sua maneira. O problema é que muitos não provaram de algo melhor, que é o Senhor. Aquele que ama, não tem satisfação a não ser no Senhor. Ele está estragado para o mundo. Para ele, não há possibilidade ou alternativa de viver fora da esfera do reino de Deus, desfrutando de sua presença. Maria não teve opção, talvez tenha pensado: “Uma vez que o Senhor está morto talvez eu possa pelo menos contemplar o seu rosto uma última vez”. O interessante foi a surpresa dela em perceber que o corpo havia desaparecido! Ela comunicou a Pedro e João, que vieram e viram o túmulo vazio; mas, depois disso, eles simplesmente voltaram para casa. Mas Maria permaneceu na entrada do Túmulo chorando. Aqueles que possuem um profundo conhecimento do Senhor podem partir.

  1. Nada pode cativar a atenção de um coração apaixonado

Enquanto chorava, ela viu dois anjos sentados onde Jesus estivera. Mas quando Maria viu os anjos, ela não ficou nem surpresa nem assustada. Ela ficou completamente ocupada pensando onde teriam colocado o corpo do Senhor. Nem os anjos puderam cativar a atenção de Maria. É bom lembrar que esse anjo era extraordinário. Mateus 28.3-4 diz que eram fulgurantes como relâmpagos e suas vestes alvas como a neve. Nada de errado em ver anjos, mas há alguém que é muitíssimo superior aos anjos. Ela não estava interessada em anjos. Há irmãos que estão procurando ter experiência pela experiência, mas veja, Maria viu anjo, porém estava atrás de Cristo. O que tem que encher o nosso coração é a presença de Cristo e o conhecer mais Dele. Aqueles que conhecem ao Senhor aprendem a apreciar e valorizar a Sua presença, muito mais do que qualquer outra coisa. Quantos amam a presença Dele? Quando reunirmos, não aceite nada menos do que a presença Dele em nosso meio.

  1. Falta de conhecimento não é problema se nós temos um coração intenso e faminto pelo Senhor

O Senhor havia dito por quatro vezes que ressuscitaria dos mortos (Mt 16.21, 17.23, 20.19 e 26.32), mas Maria não sabia nada sobre isso. Todavia, apesar de sua ignorância, o Senhor se revelou primeiro a ela por causa do seu desejo intenso por Ele. Maria Madalena não tinha uma fé inteligente. O que é uma fé inteligente? É aquela que consegue ligar um ensino ao outro, uma revelação a outra. Tem irmãos que não são assim! Eles tem dificuldades como Maria Madalena. Mesmo depois de o Senhor ter dito várias vezes que iria morrer e depois ressuscitar ao terceiro dia, Maria Madalena não compreendia isso. Veja, sua fé não era correta, mas seu coração era cheio de amor. Eu creio que Deus pode tratar com pessoas cuja fé e doutrina não sejam completamente corretas, mas que possuem um coração para Ele. Enquanto você tiver um coração para Deus, haverá esperança! Depois disso, ela viu o Senhor, mas supôs ser o jardineiro. Ela apenas lhe perguntou: “Onde o colocaste?” Ela se esqueceu de mencionar o nome do Senhor. Para ela, todos deveriam conhecê-lo. Nós não precisamos de mais conhecimento, nós precisamos de um coração perfeito como o de Maria Madalena.  Você não erra em querer ver Cristo em tudo!

  1. Não há dificuldade grande demais para aquele que ama

Não sabemos se Maria Madalena era fraca ou forte, mas era apenas uma mulher.

Não obstante, ela disse: “Dize-me onde o puseste, e eu o levarei” (v. 15).

O amor não conhece dificuldade. Onde há amor, não há problema. Lembrando que não é fácil para uma mulher carregar um homem.Quem só vê dificuldade, ama pouco! Quem ama pouco, tudo é muito difícil, complicado e tudo dá muito trabalho. Sempre uma indisposição ao sacrifício! Quando vejo irmãos que lideram por obrigação, ofertam por constrangimento, servem apenas por submissão, fico triste, porque não entenderam ainda, sua motivação ainda é outra! Quando você está apaixonado, você não olha para o esforço, apenas para o prazer do outro, ou seja, fiz para Jesus! Veja os exemplos das mães, elas não conseguem deixar de fazer tudo, para o bem dos filhos. Elas não veem problema em ficar a noite toda acordada. Preste atenção, a obra de Deus que tem valor é aquela que é feita por amor. Deus ama quem dá com alegria, quem faz com alegria. Só dá e faz com alegria, quem ama. É por isso, que você precisa descobrir o quanto é amado. Pois só assim, você o servirá com alegria. Não tente amar sem ter revelação de onde você estava (condenado) e para onde Ele te levou (herdeiro). Isso é religião! Quando você entende isso, seu coração é conquistado. Diante de um coração assim, o Senhor não tem outra alternativa a não ser se revelar e consolar seu coração sedento.

  1. O Senhor conhece pelo nome os que o amam (16)

No v.15 o Senhor chamou: Mulher… Era o Deus criador falando com sua criatura. Mas quando Jesus, fala pela segunda vez: Maria… Já não é mais o Deus criador, mas o pastor falando com a sua ovelha. A ovelha conhece a voz do pastor! Como o Senhor se revelou a Maria? Ele apenas a chamou pelo nome. A maneira como o Senhor se revela a nós é nos chamando pelo nome. Ele sabe o seu nome, e te conhece na intimidade. Agora, assim que o pastor chama a ovelha, os seus olhos se abrem imediatamente. Ter os olhos abertos é algo tão importante e vital. Você precisa ter intimidade com Ele e ouvi-Lo chamar o seu nome. E assim, quando você o contemplar, será transformado na imagem do Senhor. Coisas complexas se tornaram simples, situações impossíveis se tornarão totalmente viáveis e possíveis.

  1. Um novo nível de comunhão e intimidade (v.17)

Por que Jesus proibiu Maria de tocá-lo? Alguns dizem que era porque Maria poderia segurá-lo e detê-lo por causa da grande alegria que sentiu ao vê-lo. Outros dizem que Jesus, sendo as primícias, deveria ser primeiro para o desfrute do Pai na Glória. Eu creio que tudo isso está correto, mas penso que há ainda uma outra razão: Ele desejava ensinar algo novo a Maria. A intimidade agora seria no espírito, e não pelo toque físico. Ela tinha conhecido o Senhor na carne, mas agora deveria conhecê-lo no espírito. É outra dispensação, outra forma de relacionamento. Nunca um homem havia subido ao céu. Jesus foi o primeiro, mas, depois d’Ele, todos os que creem também subirão. Ele era o unigênito, mas depois da ressurreição, Ele pôde dizer: “Subo para o meu Pai e Vosso Pai”. Agora Ele é o primogênito, e nós, os muitos filhos que serão conduzidos à glória. O maior segredo da vida cristã é um coração para Deus. Um coração para amá-lo e ser cheio de fome e sede por sua presença. Se houver em nós o coração de Maria Madalena, experimentaremos a revelação que ela teve antes de todos os outros. Os discípulos do caminho de Emaús tiveram seus olhos abertos quando assentaram a mesa com o Senhor e Ele partiu o pão. O coração deles ardia! Hoje vamos partir o pão, você pode ter seus olhos abertos, e ver o quanto é amado, e assim, ama-Lo como nunca. Fazendo o que nunca imaginou fazer. Maria é uma advertência para nós, para que tenhamos um coração para o Senhor nestes dias. Gostaria que hoje, ao participarmos da mesa do Senhor, o fizéssemos com uma expressão de quem ama. Ama porque sabe que foi perdoado. Ao erguer o seu cálice, apenas diga: Pai abre meus olhos para eu ver o quanto eu sou amado, e ver o preço que foi pago por mim. Você só vai entender o quanto é amado, o dia que entender o quanto o Pai ama a Cristo. E resolveu entrega-lo na cruz, para ter você! Esse é o tanto que Ele ama você. É por isso que precisamos de luz de Deus.

O Milênio – 27/08/2017

O Milênio

O reino milenar foi extensamente profetizado na Palavra de Deus. O salmista anuncia o reinado do Messias (Salmos 2:6,8-9). O Senhor Jesus receberá as nações da terra por herança, e as regerá com cetro de ferro. Durante o milênio, as nações viverão em paz e suas armas de guerra serão transformadas em arados. A terra produzirá frutos em abundância e não haverá fome (Isaías 2:2-4). Guerra será coisa de museu. Todas as nações subirão a Jerusalém para adorar o Senhor (Zacarias 14:16). O Reino de Jesus será de justiça e paz. A terra será liberta da maldição que atingiu quando o homem pecou. Sabemos que depois da queda, a terra passou a produzir cardos e abrolhos que simbolizam pragas como vírus e bactéria, porém no milênio essas coisas deixaram de existir (Romanos 8:21b). Naqueles dias, os animais carnívoros perderão sua ferocidade (Isaías 11:6-9; Isaías 35:6-7). Além dos animais serem restaurados, a própria terra o será. No Éden, o homem rejeitou o governo de Deus. No tempo de Samuel o povo de Deus rejeitou o seu governo preferindo ter reis sobre eles. Todavia, haverá um dia que o mundo será governado pelo próprio Deus. Agora, antes de vir este tempo de restauração, é importante entender o que acontecerá. Vejamos:

  1. O aprisionamento de Satanás – (Ap. 20:1-3)

Depois da guerra do Armagedon, o Senhor estabelecerá o Seu trono em Jerusalém, bem como ajuntará as nações para julgá-las como se lê em (Mateus 25:31). Aqueles que forem condenados serão lançado no inferno, e os que forem considerados justos participarão do reino do Príncipe da Paz. Durante o milênio, quando o Senhor Jesus estabelecer o seu reino sobre a terra, satanás estará na prisão, num lugar conhecido como abismo, de onde sairá por pouco tempo para sublevar as nações contra Deus.

Todavia, assim como foi no Éden, o homem precisa ter opção. Duas árvores foram colocadas no jardim para que ele pudesse escolher. O mesmo acontecerá no final do milênio, o Senhor permitirá que satanás saia e então deixará que as nações optem. Observe que essas nações já terão experimentado mil anos de paz, abundancia, justiça e prosperidade, porém, segundo a Bíblia, ainda assim, muitas escolherão a satanás. Esse será o ápice da rebelião, quando a humanidade terá a oportunidade de apontar as suas armas contra o próprio Deus e dizer: Mesmo depois de conhecer o Seu reino de paz e prosperidade, não queremos ser governados por Ti, preferimos administrar a nós mesmos. Nesse dia, virá o fim. Os exércitos das nações serão destruídos e haverá novos céus e nova terra.

  1. Os três povos do milênio –

Durante o milênio existirão três classes de pessoas na terra: os judeus, a Igreja e as nações que são chamadas de ovelhas em Mateus 25:31-46. O primeiro grupo são os judeus. Eles serão restaurados. Conforme a Bíblia, assumirão a função de sacerdotes para ensinar os mandamentos e o caminho divino às nações. O segundo é a Igreja. Será constituída dos crentes vencedores e dos demais salvos de um modo geral. O vencedor reinará com Cristo, mas o crente que não for qualificado não vai reinar. O terceiro grupo são as nações da terra. Sobre essas nações que reinaremos. É para elas que os judeus ensinarão a lei do Senhor.

  1. Os tronos para julgamento – Ap. 20:4

A autoridade para julgar as nações atua sobre os crentes vencedores, ou seja: aqueles que atingiram a maturidade espiritual. Os imaturos não poderão governar no reino, falta-lhes o pleno entendimento do Filho de Deus. E esse conhecimento só é adquirido por aqueles que mantêm um relacionamento pessoal e íntimo com o Criador e com a Sua Palavra. Para governar, é preciso antes conhecer os caminhos e a lei do Senhor, os Seus princípios e a maneira como Ele age. Se alguém não foi tratado por Deus, nem O conheceu pessoalmente na sua vida prática, como é que poderá reinar com o Pai? O Senhor não pode estabelecer como governo quem nem mesmo conhece a constituição do reino. Hoje, você está sendo preparado para ser um juiz com autoridade para julgar naqueles dias.

  1. A última rebeldia da humanidade

Sabemos que durante o milênio a humanidade será restaurada, mas não regenerada, e, ainda assim, haverá a natureza pecaminosa no homem. Não devemos pensar que o milênio será o céu. Será o tempo do reinado do Príncipe da Paz, ainda haverá imperfeições. Elas serão abolidas quando chegarem o novo céu e a nova terra. No final do milênio, satanás será solto e a humanidade o seguirá na última rebelião contra Deus. É inimaginável que depois de ter o próprio Senhor como rei, a humanidade ainda se rebelará, mas é, exatamente, isso o que acontecerá. Eles cercarão Jerusalém, marcharão sobre a terra, o fogo divino cairá eles e os consumirá.

  1. O julgamento do grande Trono Branco

A Bíblia afirma que três julgamentos devem acontecer. O primeiro, é o do tribunal de Cristo (2Co. 5:10). O segundo, é o das nações (Mateus 25:31-46). O terceiro, é chamado julgamento do Grande Trono Branco. Nele todos os ímpios de todas as épocas serão julgados segundo as suas obras, conforme o que se acha escrito nos livros que foram abertos diante do Senhor (20:11-12). Além desses livros, também foi aberto mais um chamado de Livro da Vida. E todos aqueles, cujos nomes não estiverem inscritos nele, serão lançados para dentro do lago de fogo (20:15). Esse julgamento acontecerá no final do milênio.

Talvez você pergunte: Que livros são esses? Cada homem possui um livro onde está anotado tudo o que o ele fez e falou. É o livro da sua vida. Porque de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo (Mt 12:36). Aquilo que o sangue de Jesus lava é apagado, mas o que o sangue não lava, fica escrito para memória do dia do juízo. Não foram apenas livros que foram abertos, também foi aberto o Livro da Vida. A Palavra de Deus comprova em muitos lugares, que o Senhor Jesus será o Juiz naquele dia. Hoje Ele ainda é o advogado, por isso você pode escolher como você quer tê-Lo, se como seu Salvador e Advogado ou como seu Juiz. O julgamento do Grande Trono Branco acontecerá na ressurreição dos ímpios ou segunda ressurreição. Jesus ensinou duas ressurreições (Jo. 5:28-29).

Agora, é importante entender que ao convidar Jesus para entrar em sua história de vida, Ele nos dá a chance de começar um novo livro, com uma nova história e um novo final. Há crentes que não acreditam que sua história possa ser mudada. Você está escrevendo um livro. Você pode dizer: Mas eu nem sei escrever! É que na verdade, você não esta escrevendo, você o esta ditando. Há um escrivão celestial que está anotando tudo pra você. É a sua autobiografia. Assim como um escritor, você pode definir que tipo de livro será: de terror, um melodrama, de aventura ou uma comédia. Veja, sua história não precisa ser ruim! (Rm. 5:20-21).

Muitos insistem em viver na experiência do caos e suas vidas e não permitem que a Palavra de Deus e o agir do Espírito os leve ao reino da superabundante graça! Esses, não deixam que a graça reine, de forma superabundante, pois só ela pode restaurar-nos das consequências do reinar do pecado em nós. Você já escolheu o personagem mais importante, aquele que é capaz de mudar o final da sua historia, Jesus! Ele tem poder para transformá-la. Com respeito digo, não importa o que você viveu. Você não precisa ficar sob os efeitos e consequências da velha vida, com os velhos personagens. Jesus já te deu uma nova história – eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância (João 10:10b).

O Senhor te fez para ser feliz! Com uma história de alegria completa. Sem os traumas e sequelas de um passado sem Deus. É importante você entender, que quando você recebe a graça de Deus, o seu desejo de ser feliz é legítimo. Apocalipse termina com uma demonstração de gozo completo, onde Deus direciona tudo para a satisfação Dele e nossa – A graça do Senhor Jesus seja com todos (Apocalipse 22:21). A palavra graça aqui é charis, que significa, aquilo que dá alegria, deleite, prazer, doçura, charme, amabilidade. Ou seja, tudo o que dá alegria, deleite, prazer, doçura, charme e amabilidade, que é o próprio Senhor Jesus, seja sobre você. Muitos crentes pensam que felicidade ou ser feliz é carnalidade, mas não é. Isso é a essência de Deus. Deus é alegria. Alegria é fruto do Espírito Santo em nós. Você foi chamado a ser feliz. E o diabo quer a todo custo roubar-lhe a alegria. E o diabo usa pessoas, circunstâncias, tribulações e até mesmo provações para roubar-lhe a alegria. Veja, a que ponto Tiago nos expõe o desejo de Deus de vivermos alegremente (Tiago 1:2). Não são as provações que determinam e definem até onde vai a nossa alegria, ou se somos amados pelo Pai.

Preste atenção, você é amado e Deus já lhe amou completamente. Ele espera é que você creia nessa verdade, e assim, viva alegremente independente de qualquer coisa. Viva escrevendo uma nova história! Isso é fé na justiça de Cristo! Sirva a Igreja de Jesus com esse coração, de que entendeu o quanto é amado! Você irá experimentar uma avalanche de bênçãos em sua vida! Talvez alguém diga: Mas só por isso, por estar alegre? É! A alegria é a expressão de que você teve uma experiência e desfruta de um relacionamento com Cristo e Sua justiça. Só quem entendeu que é herdeiro amado, alcança a recompensa, pois só esse vai edificar os irmãos com alegria e satisfação, que provem de Cristo!

 

Perguntas para o compartilhamento:

1) Você percebe o quão difícil é para a nossa mente entender como o Milênio será um tempo extraordinário e incrível? Você percebe que essa dificuldade te impede de desfrutar da vida abundante que Jesus te prometeu?

2) Você tem permitido que Jesus o ajude a escrever uma história que valha a pena ser vivida? Ou ainda vive a sina do passado, antes de Jesus entrar em sua vida?

3) Você tem aprendido a se alegrar no grande amor de Deus por você?

O Armagedon – 20/08/2017

O Armagedon

Depois que toda Igreja for arrebatada para estar com o Senhor nos ares, satanás, o anticristo e o falso profeta ajuntarão as nações para que pelejem contra Cristo e os vencedores. O capítulo 17:14 afirma que somente os eleitos ou escolhidos pelejarão. Haverá um tempo em que o homem vai declarar guerra contra Deus. A Guerra do Armagedon é necessária porque dará a Deus oportunidade de limpar a terra antes do milênio. Sabemos que satanás, o anticristo e o falso profeta ainda estarão atuando, por isso o Senhor virar para vencê-los. Ele virá montado em um cavalo branco para contrastar com a sua primeira vinda quando entrou em Jerusalém montado num jumentinho. Assim foi a primeira vinda do Senhor ele não tinha uma espada desembainhada na mão e não chegou como general. Veio como um servo humilde, para salvar, como Cordeiro de Deus. Por outro lado, na segunda vez que Ele vier não será montado num jumento. Virá num cavalo branco com os generais vencedores. Virá como o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Veja alguns aspectos do Senhor Jesus descrito em Apocalipse 19:

Se chama fiel e verdadeiro… (v.11). O branco indica aquilo que é puro e aprovado. Enquanto luta contra o inimigo, o Senhor mostra sua pureza e a sua justiça montado num cavalo branco. Ele é conhecido pelo nome de FIEL E VERDADEIRO. Ele há de cumprir cada um de suas promessas. O Senhor é fiel para com os que esperam nele. Por ser fiel, precisa ser o vingador e vir para destruir os inimigos.

Seus olhos são chama de fogo… (v.12). Isso significa que onde o Senhor olha não pode haver trevas. Tudo vai estar manifesto ante os Seus olhos. Seus olhos são perscrutadores e sondam todas as coisas.

O seu cavaleiro se chama Fiel e verdadeiro e julga e peleja com justiça (v.12). A Palavra do Senhor disse que todo julgamento foi entregue nas mãos Dele. Jesus vai julgar vivos e mortos. Mas Ele não apenas julga, também executa o julgamento.

Na sua cabeça há muitos diademas (v.12). Diademas representam glória e vitória. Cristo foi coroado e glorificado com muitos tipos de glória. Naqueles dias, quando um atleta vencia uma competição recebiam diadema representando sua vitória.

Tem um nome escrito que ninguém conhece senão ele mesmo (v.12). O que significa ter um nome desconhecido? Na Bíblia conhecer o nome é conhecer a pessoa. Quando Deus revela seu próprio nome ele está se dando a conhecer. Mas aqui está dizendo que quando Jesus voltar ele virá com um novo nome escrito nos diademas. O quanto nós conhecemos do Senhor Jesus? Na verdade, apesar de haver mais de 100 nomes do Senhor na Bíblia, nós precisamos reconhecer que conhecemos apenas alguns deles. Pois quantos desses nomes temos experimentado em nossas vidas? Precisamos conhece-lo ainda muito mais. Esse conhecimento é inexaurível.

Está vestido com o manto tinto de sangue… (v.13). As vestes de Jesus estão tingidas de sangue símbolo da aliança entre Deus e os homens. Jesus está voltando para tomar posse definitiva daqueles que ele comprou com seu próprio sangue. As roupas tingidas de sangue são o comprovante de que Ele comprou e pagou o preço de nossa redenção eterna.

E o seu nome se chama o verbo de Deus (v.13). No versículo anterior João afirma Jesus tem um nome que ninguém conhece, em seguida, porém, um dos nomes é revelado: verbo de Deus. Verbo é palavra. A palavra é a expressão e a explicação de algo. Sendo a Palavra de Deus, Jesus é a definição a explicação e a sua expressão. Cristo é Deus revelado.

E seguiam-no os exércitos que há no céu montando cavalos brancos com vestidos de linho finíssimo branco e puro (v.14).

Esse linho finíssimo branco e puro é uma referência aos vencedores que são os eleitos e fiéis. Num primeiro momento, o Senhor arrebata a Igreja para os ares, onde acontece o julgamento dos salvos para entrega dos galardões. Depois o Senhor desce a terra com os santos vencedores para pelejar na batalha do Armagedon. De acordo com Mateus 24:30 toda terra contemplará o sinal da vinda de Jesus. Será motivo suficiente para o anticristo e o falso profeta arregimentarem as nações para se defenderem de uma invasão supostamente alienígena. Em seguida marcharam contra a nação de Israel porque o Senhor virá nos ares sobre aquele país. Ele vem com a igreja, porque ela vai encontrar-se com Ele nos ares. Vamos ficar nos ares por algum tempo com Ele quando haverá o Tribunal de Cristo. Quando Senhor Jesus vier para pisar de fato na terra, isso não será um evento rápido. Lembre-se, somente estes vão participar da festa. O linho finíssimo que são os atos de justiça, não são apenas vestes nupciais, são roupas de guerra. Hoje também não existe uma batalha espiritual sem esse linho finíssimo.

 Sai da sua boca uma espada afiada, para com ele ferir as nações; e ele mesmo as regerá com cetro de ferro e, pessoalmente, pisa o lagar do vinho do furor da ira de Deus Todo-Poderoso (v.15).

No v.15 o Senhor virá para reger as nações com cetro de ferro, que simboliza poder e autoridade. As nações ainda terão uma natureza rebelde. Mas o Senhor Jesus não terá necessidade de nenhuma arma natural para combater seus inimigos. A palavra que sai de seus lábios é uma espada afiada, que ferirá as nações.

O v.16 conclui: tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: Rei dos reis e Senhor dos senhores.

O manto nos fala de dignidade e nobreza, enquanto a coxa nos fala da parte mais forte do corpo. O seu senhorio e realeza estão baseados em sua dignidade e poder.

As bodas do cordeiro – 13/08/2017

A Bodas do Cordeiro

Apocalipse 19:1-9

Depois destas coisas, ouvi no céu uma como grande voz de numerosa multidão, dizendo: Aleluia! A salvação, e a glória, e o poder são do nosso Deus, porquanto verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande meretriz que corrompia a terra com a sua prostituição e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos. Segunda vez disseram: Aleluia! E a sua fumaça sobe pelos séculos dos séculos. Os vinte e quatro anciãos e os quatro seres viventes prostraram-se e adoraram a Deus, que se acha sentado no trono, dizendo: Amém! Aleluia! Saiu uma voz do trono, exclamando: Dai louvores ao nosso Deus, todos os seus servos, os que o temeis, os pequenos e os grandes. Então, ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! Pois reina o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso. Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos. Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E acrescentou: São estas as verdadeiras palavras de Deus.

O principal propósito de Deus em relação ao ser humano não é apenas perdoar-lhe os pecados, e sim preparar “uma raça eleita, um sacerdócio real, uma nação santa e um povo de sua exclusiva propriedade (1Pe. 2:9)”a Noiva do Cordeiro.

O Senhor não criou o homem e a mulher no Éden para salvá-los do pecado. Ele os criou com outro propósito.

E uma vez que o nosso destino é corrigido através da salvação, o Senhor retoma o seu objetivo final: preparar uma noiva para o seu Filho, o Senhor Jesus.

Os melhores interpretes das Escrituras afirmam que, ao mandar Adão nomear os animais, Deus queria que ele percebesse o quanto era diferente dos demais seres criados.

Aqui está a consumação da história: Deus, em Cristo, terá para Si a Sua Noivaa Igreja, que está prestes a se apresentar ao Noivo. Haverá um casamento que implica numa fusão de vidas. Cada vez que um homem e uma mulher se casam, estão profeticamente anunciando que um dia, o Senhor Jesus vai se casar com a sua Igreja.

É por essa razão que a Noiva não pode ter nenhuma mancha, mácula ou ruga. Também não pode ser imatura, porque precisa ser uma companheira idônea. Vejamos alguns pontos do capítulo:

  1. As Bodas serão depois da destruição da babilônia

A festa das Bodas é mencionada depois da destruição da grande Babilônia, isso porque, esta é uma imitação maligna da Noiva. A imitação precisa sair de cena para que a realidade divina possa se manifestar.

  1. As Bodas serão depois do arrebatamento para os ares

As Bodas do Cordeiro dar-se-ão depois do arrebatamento dos crentes para os ares na vinda do Senhor.

Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor (1Ts. 4:15-17).

O Senhor Jesus virá até às nuvens, onde se encontrará com a Noiva. Neste primeiro momento, Ele não descerá à terra. Dos ares, Ele atrairá para Si os santos que foram salvos e estabelecerá o Seu tribunal onde cada crente será julgado de acordo com as suas obras. Nem todos os salvos participarão da festa das bodas, pelo mesmo motivo pelo qual nem todas as virgens da parábola puderam entrar.

  1. As Bodas serão depois do Tribunal de Cristo

A festa das bodas realizar-se-á depois do julgamento do Tribunal de Cristo.

Lembre-se que este Tribunal é para os crentes e não é um julgamento para a condenação, mas para recompensa. Aqueles que forem galardoados no Tribunal de Cristo participarão das bodas, os que não o forem, todavia, não irão para o inferno, embora, não participem da festa.

Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo (2Co. 5:10).

É possível ser salvo e não ter recompensa ou galardão, como é declarado em 1 Coríntios 3:15: se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele dano; mas esse mesmo será salvo, todavia, como que através do fogo.

De acordo com Mateus 25:1-13 as cinco virgens néscias não foram admitidas na festa das bodas. Os que sofrerão o dano em 1 Coríntios 3:15 também não vão participar da festa. O servo que enterrou o talento também foi deixado de fora.

O Tribunal de Cristo não é para determinar salvação e, sim, o galardão de cada crente. O Tribunal de Cristo existe para todos os salvos.

Se alguém não anda em fidelidade e temor ao Senhor, em santidade e obediência às ordenanças da palavra de Deus, como poderá reinar com Cristo? Quem não se dispõe a evangelizar seus parentes, amigos e conhecidos, como poderá reinar com Cristo? Quem não se dispõe a orar e a jejuar pela conversão de outras pessoas, quem acha tudo muito penoso e difícil, quem vive embriagado com a vida natural, com o dinheiro, com o trabalho e com os prazeres do mundo, como poderá chegar diante do Pai e reinar com Ele? Deus é justo, querido irmão!

  1. As vestes da Noiva

pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos. Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E acrescentou: São estas as verdadeiras palavras de Deus (Ap. 19:8-9).

Neste contexto a Noiva se refere aos vencedores. É importante entender que a prontidão da Noiva depende de sua maturidade. A Bíblia faz referência a dois tipos de roupas: as vestes de salvação e as de justiça. A primeira roupa que recebemos são as vestes de salvação porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes (Gl. 3:27).

Todo homem em seu esforço, tem tentado cobrir o seu pecado como Adão e Eva, no Éden, tentaram esconder o deles com folhas de figueira. Este intento é inútil, uma vez que a única maneira de cobrir o pecado é pelo sangue (Hb. 9:22).

Adão e Eva precisavam se cobrir, Deus veio, fez-lhe roupas e os vestiu. Para isso o Senhor teve de matar um animal (certamente, um cordeiro). Assim, quem olhava para Adão via o cordeiro. Por causa das vestimentas que foram colocadas neles, tinham aparência do cordeiro. Hoje, o Cordeiro de Deus nos cobre com o seu sangue, tornando-se, assim, vestes de salvação para todos aqueles que, crendo nele, O confessam como Senhor e Salvador pessoal.

Mas há uma segunda roupa, as vestes de justiça, também chamada de vestes nupciais. A Noiva está vestida de linho finíssimo resplandecente: o próprio texto explica que o tecido simboliza os atos de justiça dos santos. Atos de justiça são obras que praticamos diante de Deus. Essa é a roupa que nos qualifica para participar da festa das Bodas.

Durante o milênio, os crentes vencedores desfrutarão da glória do reino, enquanto os derrotados poderão sofrer disciplina deixando de participar da glória do reino.

No julgamento do Tribunal de Cristo, alguns receberão uma premiação maior que outros, alguns serão disciplinados e outros não serão nem uma coisa nem outra.

Não devemos nos iludir, quando Deus é gracioso, Ele é, verdadeiramente gracioso, porém quando é severo, é realmente severo. O Senhor foi muito enfático quando disse que muitos são chamados, mas poucos escolhidos. Ser chamado é receber a salvação, enquanto ser escolhido é ser qualificado para receber a recompensa. Muitos são os salvos, mas poucos os vencedores.

Querido irmão, não brinque com o pecado. Não deixe nenhum pecado oculto ou não confessado em sua vida. Ande em santidade, temor e fidelidade diante de Deus. Se houver mágoas ou ressentimentos de alguém, libere perdão para quem os causou. Se existem práticas erradas, abandone-as. Resista ao pecado até ao sangue, se necessário for. Se você confessar seu pecado hoje, naquele dia, não haverá nem lembrança dele.

Lembre-se disto: Pecado confessado é pecado perdoado, e uma vez perdoado, nada mais é imputado. Ouça o que o Espírito está dizendo à Igreja: Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de não seja manifesta a vergonha da tua nudez (Ap. 3:18).

Esta foi a palavra para a Igreja de Laodicéia, ou seja, para os salvos que ali havia.

Estavam precisando comprar o traje nupcial. Eles possuíam as vestes de salvação, que lhes foram dadas graciosamente. A salvação não tem preço. Entretanto, as vestes de justiça o têm. O meu grande anseio é estar entre os escolhidos. Eu quero ter minhas obras aceitas por Deus. Eu não pretendo estar entre aqueles que serão salvos como que pelo fogo. Pois, importa-me agradar a Deus. Mesmo que isso implique em ser criticado ou rejeitado pelos outros. No final, quero receber o elogio que está na boca do Pai.

A minha suprema aspiração é está, que naquele dia, ao aproximar-me do Trono, eu veja o meu Senhor sorrindo para mim, dizendo-me: SERVO BOM E FIEL, ENTRA NO GOZO DO SEU SENHOR.

A importância do Culto a Deus – 06/08/2017

A Importância do Culto a Deus

Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima (Hebreus 10:25).

Segundo esse versículo, somos admoestados a não deixar de congregar. Em nosso meio há pessoas que não congregam, mas mesmo no meio das que congregam não fazem isso constantemente. Sei que há razões lícitas para tal, não me refiro a essas razões. Me refiro as ausências por coisas secundárias (diversão, cansaço, desanimo, etc.).

No rol destas razões secundárias, alguns pensam que podem servir a Deus sem estar no culto, junto com os demais irmãos. Isso é um grande equívoco. Nenhum indivíduo é uma ilha. Gostaria de mostrar 4 motivos, com seus efeitos práticos em nossas vidas. O Culto é a Deus, mas nós também somos enriquecidos quando O cultuamos.

  1. Somos membros uns dos outros

 Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo (1Co. 12:12)…

Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos (1Co. 12:14)…

Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo (1Co. 12:27).

Eu pertenço a você, e você a mim. Não valorizar tal coisa, é desprezar o propósito de Deus para nós coletivamente. Você sabia, que uma maneira poderosa de anunciarmos a mensagem do Evangelho, é sermos um (Jo. 17:21-23). Agora, o amor é a base desta junção. Mas nesse processo de junção o congregar é a expressão de nossa unidade e singularidade.

Certa vez Moody visitou um homem, e o encorajou a aceitar a Cristo e a fazer de Jesus o centro de sua vida. O homem argumentou que podia ser tão bom homem tanto dentro como fora da vida da Igreja. Moody não deu resposta, mas foi até a lareira, e, tendo removido uma brasa viva do meio do fogo, deixou-a de lado, sozinha. Dentro de pouco tempo a brasa perdera seu brilho e seu calor, e finalmente apagou. Eles contemplaram em silêncio a cena. Finalmente, o homem disse: Percebo! Foi uma lição objetiva quanto a necessidade de estarmos juntos.

  1. O Culto racional

 Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional (Rm 12:1).

O Culto racional a Deus é o nosso sacrifício vivo. O Culto é racional é traduzido também por espiritual. No Culto devemos nos oferecer vivos, diante do fogo de Deus, esse é o culto racional, espiritual. E assim experimentamos a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. A boa, agradável e perfeita vontade de Deus, não é fruto apenas do conhecer mental da vontade de Deus, ou seja, a Bíblia. Antes de mais nada, para experimentá-la, eu preciso me apresentar a Deus para aprender a submeter a Ele e Sua vontade, em meio ao fogo de sua natureza. Peça a Deus que te mostre o que está dentro de você, que precisa ser queimado. E depois, se apresente a Ele, como sacrifício vivo, santo e agradável, pois isso é o culto espiritual. Você ficará surpreso com as mudanças em sua vida. Não há bênção maior do que experimentar a vontade de Deus. Pois não existe vontade humana ou satisfação que o homem possa experimentar que se compare com a vontade divina em nossa vida.

  1. A pregação

edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular (Efésios 2:20).

De qual fundamento Paulo está falando? Da doutrina ensinada, ou seja, da palavra pregada. A pregação nos edifica! A grande riqueza do ensino dos apóstolos e profetas é que gera fé. A fé vem pelo ouvir a pregação. É isso que alicerça a nossa vida cristã. Querer receber fé por ouvir a Deus diretamente pode produzir algum tipo de orgulho e independência. Na verdade, há alguns que pensam que nem mesmo precisam ir ao culto, pois Deus fala com eles diretamente. Como você pode querer fé se não ouve a pregação? Evidentemente a pregação deve ser da palavra de Cristo. Ouvir pregação não é hobby, mas uma necessidade espiritual.

O Senhor Jesus sempre pregava primeiro e depois operava os milagres. O milagre é sempre depois da pregação. Ele não é fruto de um tipo de crente poderoso, mas fruto da fé na pregação. Enquanto você está ouvindo a pregação o Espírito Santo está gerando fé em seu coração, através do que está sendo dito.

  1. O Louvor

A Bíblia diz que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Isso é afirmado repetidamente em todo o livro de Provérbios.

O temor do SENHOR é o princípio da sabedoria, e o conhecimento do Santo é prudência. Porque por mim se multiplicam os teus dias, e anos de vida se te acrescentarão (Pv 9.10-11)

A promessa não é apenas de uma vida longa, mas de uma vida plena e abundante. Mas não pense que o temor do Senhor consiste em ter medo de Deus. Nós sabemos que a Bíblia interpreta a Bíblia, e o próprio Senhor Jesus nos deu a definição de temor. Em Mateus 4.10, quando foi tentado pelo diabo, o Senhor disse: “[…] porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto”. Ele afirmou isso fazendo uma citação de Deuteronômio 6.13, que diz: “O Senhor, teu Deus, temerás, a ele servirás”.

O Senhor Jesus trocou a palavra “temor” por “adoração”. Ele disse, na verdade, que temer a Deus é adorá-lo. Assim sendo, quando dizemos que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria, nós estamos, na verdade, afirmando que, quando adoramos o Senhor, ganhamos sabedoria. Tem havido um entendimento muito comum entre os irmãos de que a adoração a Deus é muito mais do que cânticos de louvor e adoração, que a adoração seria um estilo de vida. Não existe lugar nenhuma na Bíblia que afirme que adoração é um estilo de vida. Nas Escrituras, a adoração está sempre relacionada com o culto a Deus.

Na verdade, tudo em nossas vidas precisa ser feito para a glória de Deus. Paulo diz que “quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus” (1Co 10.31). Mas isso não significa realmente que estamos adorando a Deus em todo o tempo. Tudo o que fazemos é para a glória d’Ele, mas é preciso haver um momento em que nos separamos para adorá-lo e declarar o quanto nós o amamos. Aquele crente que diz: “Minha vida inteira é de adoração” é como aquele marido que diz não ser preciso dizer que ama a sua esposa já que ele faz tudo por ela. Há algo muito especial quando separamos tempo aos domingos ou na célula para adorarmos a Deus. Quando fazemos isso, nós ganhamos sabedoria e até mesmo somos cheios do Espírito (Ef. 5:18-20).

Há muitas palavras para louvor no V.T. A mais usada é Hallal, de onde vem a palavra “aleluia”. O seu sentido é expressar celebração e alegria em louvor diante de Deus. Outra palavra traduzida como louvor é Iadar. A primeira menção dessa palavra é na história de Lia, esposa de Jacó. Como você sabe, Jacó teve duas esposas, Lia e Raquel. Jacó, porém, amava Raquel. Lia sempre desejava receber o amor de Jacó, mas nunca conseguia. Ela fez tudo o que podia para conquistar o amor de Jacó e podemos ver isso no nascimento dos seus filhos. O primeiro filho foi Rúben, que significa “eis o filho”. Ela gerou o filho com a intenção de ganhar o amor do marido, mas isso não foi suficiente. Ela disse: “Com esse filho, o meu marido me amará”. Ela, então, gerou um segundo filho, dizendo: “O Senhor sabe a minha intenção e me deu mais um filho”. Até agora, a sua preocupação era apenas com ela mesma. Simeão significa “ouça”. Podemos dizer “ouça o filho”, mas ela continuava sem ver ou ouvir o filho. Lembre-se que o filho aponta para Cristo. O terceiro filho chamou-se Levi, que significa “unido”. Quando o menino nasceu, ela disse: “Agora meu marido se unirá a mim”.

Preste atenção, você tem insistido numa estratégia pessoal para obter algum resultado em sua vida ou para ter uma mudança em seu casamento, liderança ou negócio. Em vez de olhar para o Senhor, você está sempre usando uma estratégia natural sem depender de Deus para alcançar o seu objetivo. Infelizmente, o resultado tem sido sempre desapontamento. Todavia, no quarto filho, Lia mudou sua atitude. Ela disse: “Eu vou louvar o Senhor. Não importa se meu marido me ama ou não, eu vou louvar o Senhor”. Ela deu o nome de Judá ao menino. Judá é Iadar em hebraico e significa “louvor”. Ela não estava mais interessada em impressionar seu marido, ela queria apenas louvar o Senhor. Nesta hora algo aconteceu, em Gênesis 49:29-33 diz que Jacó pediu para ser enterrado junto com Lia, e não junto com Raquel. Em algum momento durante a jornada, Jacó se apaixonou por Lia. Quando tiramos os olhos das outras coisas e louvamos o Senhor no meio das circunstâncias, Ele concede aquilo que deseja o nosso coração. Iadar é traduzido como louvor em pouco mais da metade das vezes em que é mencionado em nossas Bíblias, mas no restante é traduzido como ações de graças. Gratidão e louvor possuem a mesma raiz no hebraico. O contrário de louvor e gratidão é murmuração e reclamação. Nós louvamos quando reconhecemos que temos mais do que merecemos, mas reclamamos quando pensamos que não recebemos o que merecíamos. A raiz da murmuração é a justiça própria. Louvar é a melhor maneira de vigiarmos contra a justiça própria e ficarmos firmes na graça de Deus. Três coisas com respeito ao louvor:

a) O louvor é uma porta de esperança

E lhe darei as suas vinhas dali e o vale de Acor, por porta de esperança; e ali cantará, como nos dias da sua mocidade e como no dia em que subiu da terra do Egito (Os 2.15 – RC).

O Senhor diz que, se estivermos no vale de tristeza e tribulação (Acor), Ele nos dará uma porta de esperança. E a porta de esperança é que cantaremos como nos dias da mocidade, como nos dias em que fomos salvos. Cante no vale da tribulação e Deus abrirá uma porta de esperança. A esperança é uma confiante expectativa de que coisas boas virão no futuro. Há coisas tremendas atrás da porta de esperança.

b) O louvor traz vitória

 Depois da morte de Josué, os filhos de Israel consultaram o SENHOR, dizendo: Quem dentre nós, primeiro, subirá aos cananeus para pelejar contra eles? Respondeu o SENHOR: Judá subirá; eis que nas suas mãos entreguei a terra (Jz 1.1-2)

Cada vez que o povo de Israel partia de um lugar no deserto, a primeira tribo a seguir adiante era a tribo de Judá. Mas, em Juízes, lemos algo que é um princípio espiritual, Judá deve sempre lutar primeiro. Judá significa louvor, e o louvor deve sempre vir primeiro. Não importa o tipo de luta, adversidade ou inimigo que você está enfrentando, simplesmente louve.

c) O louvor é porta de riqueza

Dispõe-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do SENHOR nasce sobre ti. Porque eis que as trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos; mas sobre ti aparece resplendente o SENHOR, e a sua glória se vê sobre ti. (Is 60.1-2)

Normalmente, essa profecia é mencionada como se referindo ao milênio, mas o verso 3 fala a respeito das trevas que cobrem a terra, portanto é mais apropriado concluir que se refere aos dias de hoje, pois hoje as trevas cobrem as nações que há na terra. No verso 11, lemos que as portas ficarão abertas continuamente para recebermos as riquezas das nações. Se as portas estão abertas, as riquezas das nações serão trazidas a nós.

 As tuas portas estarão abertas de contínuo; nem de dia nem de noite se fecharão, para que te sejam trazidas riquezas das nações, e, conduzidos com elas, os seus reis (Is 60.11).

Mas o que essas portas representam hoje? A resposta está clara no verso 18 – Nunca mais se ouvirá de violência na tua terra, de desolação ou ruínas, nos teus limites; mas aos teus muros chamarás Salvação, e às tuas portas, Louvor. Os muros se chamam salvação. A palavra “salvação” é Yeshua em hebraico e é o próprio nome do Senhor Jesus. Mas é maravilhoso quando entendemos que as portas se chamam louvor. O verso 11 diz que a porta deve ficar aberta continuamente, o louvor deve ser contínuo em nossas vidas. E o resultado disso é que as riquezas das nações serão trazidas a nós. Não louvamos para sermos enriquecidos com coisas naturais, mas para nos encher d’Ele, que é a verdadeira riqueza.

Perguntas para o compartilhamento:

– Você tem entendido que o Culto é a Deus, mas que, quando você O cultua acaba recebendo toda sorte de bênçãos?

– Você entende o quão importante é parar para louvar ao Senhor?

– Qual a sua percepção acerca do louvor e de que maneira você tem louvado a Deus?

A grande Babilônia – 30/07/2017

A Grande Babilônia

Babilônia ou Babel é citada pela primeira vez em Gênesis 11, onde ocorreu a confusão das línguas. Ali, os homens se uniram para construir uma torre que chegasse até o céu, e tornasse célebre o nome deles pelas gerações futuras.

Ora, em toda a terra havia apenas uma linguagem e uma só maneira de falar. Sucedeu que, partindo eles do Oriente, deram com uma planície na terra de Sinar; e habitaram ali. E disseram uns aos outros: Vinde, façamos tijolos e queimemo-los bem. Os tijolos serviram-lhes de pedra, e o betume, de argamassa. Disseram: Vinde, edifiquemos para nós uma cidade e uma torre cujo tope chegue até aos céus e tornemos célebre o nosso nome, para que não sejamos espalhados por toda a terra. Então, desceu o SENHOR para ver a cidade e a torre, que os filhos dos homens edificavam; e o SENHOR disse: Eis que o povo é um, e todos têm a mesma linguagem. Isto é apenas o começo; agora não haverá restrição para tudo que intentam fazer. Vinde, desçamos e confundamos ali a sua linguagem, para que um não entenda a linguagem de outro. Destarte, o SENHOR os dispersou dali pela superfície da terra; e cessaram de edificar a cidade (Gênesis 11:1-8).

O princípio de Babel se desenvolve na Bíblia até tornar-se a Babilônia em Apocalipse. Em Gênesis 10:8-10 vemos o significado de Babel – Cuxe gerou a Ninrode, o qual começou a ser poderoso na terra. Foi valente caçador diante do SENHOR; daí dizer-se: Como Ninrode, poderoso caçador diante do SENHOR. O princípio do seu reino foi Babel, Ereque, Acade e Calné, na terra de Sinar. Alguns comentaristas dizem que a expressão: “valente caçador diante de Deus” foi traduzida na septuaginta como, “valente caçador contra Deus”. O próprio nome Ninrode significa rebelião.

As lendas a respeito de Ninrode sustentam que ele se tornou invencível e convenceu as pessoas a não mais dependerem de Deus, mas a dependerem de si mesmo. Também, de acordo com a lenda, ele temia o nascimento de um líder que levasse o povo de volta para Deus. À semelhança de Faraó e Herodes, ordenou a matança de crianças. A tradição judaica diz que fazendo isso ele tentava impedir o nascimento de Abraão.

O objetivo de Ninrode era construir uma torre que chegasse ao céu (11:4). Segundo alguns comentaristas essa frase seria melhor traduzida por, “cujo topo esteja no céu”. O objetivo era o ocultismo. O traçado da torre obedecia a uma lógica esotérica com o objetivo de canalizar poderes espirituais.

Além disso, eles queriam tornar seus nomes célebres. Todas as vezes que o nome do homem sobrepuja ou aparece mais que o nome de Deus, temos estabelecido o princípio de Babel ou Babilônia.

Babel evidencia a iniciativa do homem em querer chegar ao céu mediante seus próprios esforços. A torre foi construída com tijolos e argamassa que representam a obra humana. Na Palavra de Deus nunca se diz que Ele tenha edificado com tijolos, e sim com pedras. Jesus disse que Ele é a pedra angular e que a Igreja, também é constituída de pedras, e seria edificada sobre Ele (Mt. 16:17-18; IPe 2:4-5). No final, a Nova Jerusalém é edificada com pedras preciosas (Ap. 21:18-20).

Pedras são diferentes de tijolos. Elas são feitas e transformadas por Deus. Os tijolos são fabricados pelo homem. As cidades de Faraó eram feitas de tijolos (Êx. 1:11 e 14a). Isto nos mostra que as pedras representam a obra de Deus e os tijolos, por sua vez, simbolizam o esforço humano e a obra do inimigo. A Nova Jerusalém – antítese de Babel – é construída com pedras preciosas, significando uma obra divina. Portanto, Babel significa a obra produzida pelo esforço humano.

Tanto Deus quanto o diabo possuem uma linha de edificação na história bíblica. Em Gênesis satanás edifica Babel, mas Deus chama Abraão para habitar em tendas profetizando a cidade da qual Deus é o arquiteto e o construtor (Hb. 11:9-10). Depois vemos Faraó escravizando o povo de Israel para construir as cidades-celeiro, porém Deus chama Moisés que conduz o povo ao monte Sinai para ali levantar uma casa para Deus, o Tabernáculo. Salomão edificou o Templo com a Arca, mas depois Nabucodonosor veio e a tudo destruiu levando o ouro do templo para Babilônia.

A edificação de satanás tem avançado no decorrer da história até que em Apocalipse ela se torna a grande Babilônia. O Senhor tem igualmente edificado o seu propósito no decorrer da história até a sua consumação na Nova Jerusalém. Portanto, a grande Babilônia é colocada em oposição à Nova Jerusalém. A Babilônia possui três aspectos: o literal que é a cidade da Mesopotâmia, a religiosa (Ap. 17) e a material (Ap. 18).

No capítulo 17, temos a meretriz que se acha sentada sobre as muitas águas e a mulher que está sentada sobre a besta escarlate (v. 1,3). O próprio texto explica o significado dessas personagens. Essa mulher, que também é uma prostituta, se identifica com a grande cidade que domina sobre os reis da terra (v.18), e as águas onde a meretriz está assentada são os povos, multidões, nações e línguas (v.15).

A mulher do verso 1 é a mesma do 3, ela aparece em posições diferentes. Primeiro está sobre as águas (v.1), que simboliza povos e nações (15). Contudo, ela aparece também sobre a besta escarlate no v.3 que é o império do anticristo. Isto nos fala dos dois aspectos da grande Babilônia. Enquanto sentada sobre a besta, ela é um sistema religioso, no entanto, sentada nas águas, é uma cidade. São apenas dois aspectos de uma coisa só, espiritual e material. A ruína desta cidade é anunciada no capítulo 18. Vejamos ainda, alguns pontos importantes:

  1. A Grande Prostituta

A primeira pergunta a responder é: Quem é a grande Babilônia? Historicamente não existe outra instituição que caiba na descrição, a não ser a Igreja Católica Romana. No verso 4 diz: Achava-se a mulher vestida de púrpura e de escarlata, adornada de ouro, de pedras preciosas e de pérolas, tendo na mão um cálice de ouro transbordante de abominações e com as imundícias da sua prostituição.

O que é prostituição na Bíblia? Prostituição é idolatria e idolatria é prostituição. Não existe outro ramo do cristianismo mais idólatra que a Igreja Católica. É uma multidão de ídolos, imagens e santos. Eles chegam ao máximo em sua idolatria seguindo Maria e não Cristo. Apesar de não ter recebido o título de deusa, ela tem sido honrada como tal. A devoção e o amor dos católicos por Maria, transcende a devoção e amor que expressam a Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.

Maria foi usada pelo Senhor, da mesma forma, como também somos usados. Ela foi uma santa mulher, sem dúvida, e deve ser modelo e exemplo para as irmãs. Entretanto, nunca, em lugar nenhum, a palavra de Deus nos manda adorá-la ou a quem quer que seja! É blasfêmia dizer que Deus tem mãe! É blasfêmia dizer que a criatura pode ser adorada como se fosse Deus! Um cristão, que tem o Espírito de Deus, não pode adorar Maria.

O texto diz que ela tem um cálice de ouro, isto significa aparência de piedade. Mas o interior desse cálice, só existe abominação. Veja algumas das abominações: O dia dos mortos. Na Bíblia não existe nenhum diz dedicado aos mortos. Porque nós, evangélicos, não veneramos os mortos? Porque o ensino bíblico é que aqueles que morreram em Cristo não estão mortos, estão vivos com o Senhor! Deus não é um Deus de mortos, mas de vivos! A sontologia católica é outro aspecto da prostituição. Adorar santos é abominável, entretanto adorar santos que nem sequer existem é demoníaco. Até a missa é uma prostituição do catolicismo com o judaísmo. Nela estão presentes todos os aspectos do culto judeu do V.T. O padre é o sacerdote, o altr é o Santo dos Santos, a eucaristia é um sacrifício, as orações são literalmente incensos e as velas lembram o candelabro. Não há como falar de todo o sincretismo religioso que tem caracterizado a prostituição religiosa de Roma em todo o mundo.

  1. A descrição da Grande babilônia

No verso 5 lê-se que “Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistério: BABILÔNIA, A GRANDE, A MÃE DAS MERETRIZES E DAS ABOMINAÇÕES DA TERRA”. Porque a Babilônia é a mãe das meretrizes? Porque não é a única, possui filhas. De onde saíram as denominações evangélicas históricas? Da Igreja Católica. No Brasil, os protestantes históricos diferem um pouco dos do exterior. Contudo, em outros países, são muito parecidos com a Igreja Católica. Porém, não devemos pensar que apenas as denominações históricas estão contaminadas com a grande meretriz. Se um grupo tem algo de catolicismo, então é uma meretriz filha.

Assim como em Roma, muitas Igrejas evangélicas visam o lucro e o ganho, esse também é o sinal de prostituição. Devemos rejeitar em nossas Igrejas tudo aquilo que procede de Roma como, por exemplo, o clericalismo e o templismo. Algumas Igrejas idolatram o pastor, outras o próprio prédio.

O v.6 comenta que a meretriz está embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus (Ap. 17:6). A História denuncia que em trinta anos de Inquisição foram mortos milhares de crentes, mas de meio milhão, por julgá-los de hereges. Mas eram crentes fiéis a Deus e sua Palavra.

O fato de a meretriz ter se prostituído com os reis da terra, significa que esta instituição é também política. A babilônia material se mistura com a religiosa.

  1. A Besta Escarlate

Como já disse, a besta é tanto o império Romano ressurgido, como o próprio anticristo – a besta que viste, era e não é, está para emergir do abismo e caminha para a destruição (v.8). Era, não é e está para vir, significa que já veio, no momento, não existe, todavia, voltará a existir no futuro. Veja, ela e o dragão são da mesma cor, escarlata ou vermelha. Isso morta que o anticristo e o dragão são um, no propósito, na natureza e até na aparência.

No v.3 percebe-se que a besta está impregnada de blasfêmias. A grande blasfêmia do Império Romano no passado, era o fato dos seus imperadores chamarem-se a si mesmos de deuses. Está será a grande blasfêmia que irão proferir: Cada ser humano é um deus.

A mulher está assentada sobre a besta que tem sete cabeças. O v.9 diz que as sete cabeças são os sete montes. Qual é a cidade que está edificada sobre sete colinas ou montes? Todos sabem que é Roma. Agora, qual a parte da cidade de Roma a mulher representa? Certamente o Vaticano. Mas esses sete montes são também sete reis. A interpretação tradicional é que esses sete reis são os sete impérios mundiais que já houve sobre a terra. O texto diz que eles eram, já não são, mas tornarão a ser. São os seguintes Impérios: Egípcio, Assírio, Babilônico, Persa, Grego e Romano. É por isso que se diz que o sétimo império ainda reviverá. Trata-se da ressurreição do Império Romano, mas que na verdade é o Império do anticristo.

O interessante é que o Império do anticristo irá destruir a Babilônia religiosa. É incrível como o próprio Deus, aqui, está usando o anticristo. Deus incutirá coisas no coração dele. E o anticristo fará tal coisa porque Deus quer tratar com Tiatira (Ap. 2:23).

  1. A Queda da Babilônia material

No v.18 do capítulo 17 é anunciada a queda da Babilônia material. No capítulo 18 temos a queda de uma cidade, isso será no final da Grande tribulação. Essa cidade é a que está edificada sobre sete montes: O vaticano.

No v.4 ouve-se um chamado de Deus para que o seu povo saia da Babilônia: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos. O apelo para retirar-se deve envolver os dois aspectos, o religioso e o material.

É notável como o livro de Apocalipse usa um texto tão grande para falar a respeito de Babilônia! Se Deus abomina tanto a prostituição e a idolatria, nós também temos que abominá-la e sentir por ela a mesma repulsa.

O COMPARTILHAMENTO DA CÉLULA SERÁ A PARTIR DAQUI, SOMENTE SOBRE O 5º PONTO

  1. Babilônia ou Nova Jerusalém?

O ápice de Apocalipse são duas cidades: ou você está na grande Babilônia ou na Nova Jerusalém. A Nova Jerusalém é caracterizada pela pureza e pelo compromisso único – o Noivo. A grande Babilônia, por outro lado, é chamada de meretriz ou prostituta.

A prostituição da grande Babilônia simboliza, em primeiro lugar, a idolatria. O que a caracteriza é a prostituição da idolatria. É preciso ter cuidado com a idolatria, pois ela é sutil.

A prostituição, em segundo lugar, está ligada com o negar do nome. Toda mulher recebe o nome do marido. Se você é a senhora Santos, não será chamada de senhora Oliveira, etc. Porque isso seria prostituição. Então não negue o nome do Senhor na sua vida! Eu sou cristão e o meu marido é o Senhor Jesus. Eu sou casado com Ele e não aceito ser chamado por outro nome. Todavia, muitos, antes de serem cristãos, assumem o nome de sua denominação, isso também é prostituir-se. A Babilônia possui muitas filhas (17:5). Não pense que só uma Igreja, ou uma religião, é a grande Babilônia. Trata-se de um sistema religioso que vai envolver muitas religiões e Igrejas.

A terceira característica de Babilônia é o comércio. As nações se embriagaram como seu comércio e ela comercializava até almas humanas (18:13). Portanto, não se trata de um comércio qualquer e sim de um comércio de almas. Precisamos ter muito cuidado para que a nossa Igreja não se torne um lugar de comércio (Ap. 3:17). Tenha cuidado para que a sua vida cristã não seja baseada no comércio de fé. Pois, se a Igreja se tornou um meio de comércio, isso é Babilônia, não é Nova Jerusalém. Prostituição é apenas um tipo de comércio, o mais vil. Há Igrejas, pastores e crentes que vivem em função do dinheiro. Eles não estão preocupados em edificar os santos, apenas em saber se haverá retorno financeiro. Isto é prostituição!

A quarta forma de prostituição ocorre quando um homem é alçado a uma posição de intermediário entre Deus e os homens. Não pense que o pastor é um intermediário entre Deus e você. Não diga: Pastor, fala com Deus a meu respeito, porque Deus vai ouvir você. Isso é prostituição. Agora, não é só os líderes que se prostituem, liderados podem cais nessa cilada também, e viver uma vida cristã prostituída.

A quinta característica da prostituição espiritual é o ritual e a hipocrisia. Deus aprecia o coração. Babilônia é aquela que tem o cálice de ouro. Tremendo e lindo por fora, no entanto, por dentro está cheio de imundícia e sujeira. Deus não olha o exterior e sim o interior. Se o seu culto a Deus é baseado num ritual, se para você, agradar a Deus é uma questão de cantar só a música X várias vezes ou fazer um movimento ou repetição mecânica, formal e impessoal, sem que o seu coração participe, saiba que isso é prostituição. Deus procura homens e mulheres que o tenham completamente no coração.

O sexto e último aspecto da prostituição a ser compartilhado, é o compromisso assumido com muitos ao mesmo tempo. Prostitutas não têm alianças e nem respeitam compromissos. Você conhece algum crente que não tem compromisso com lugar algum e nenhuma Igreja? Eles fazem isso porque amam a prostituição. Você não pode ter compromisso do mesmo nível com mais de uma pessoa. O compromisso que eu tenho com a minha esposa, eu tenho só com ela. O compromisso que um irmão tem com o seu pastor é só com ele. Caso contrário será prostituição!

Há pessoas que dizem: meu compromisso é com Deus! Ninguém pode afirmar que tem compromisso com Deus se não tiver com os homens. Pois, assim como você não pode dizer que ama a Deus que não vê, se você não ama a seu irmão que vê, o mesmo se aplica ao compromisso. Como é que se pode ter compromisso com um Deus invisível não tendo com os homens aos quais se vê e toca? Quem não se compromete com homens de Deus, também não se compromete com Deus.

Então a grande questão é: O que da grande Babilônia existe em nós? E o que da Nova Jerusalém há em nós? Precisamos avaliar se estamos edificando a Nova Jerusalém ou cooperando para que venha a grande Babilônia. Apocalipse conclui com essas duas cidades, em qual delas você está? Precisamos abandonar toda a prática de Babilônia e avançarmos a fim de vivermos no padrão da Nova Jerusalém.

Perguntas para o compartilhamento

  • Há algo entre nós e Deus? Isso porque Ele deve ser o primeiro em nossa vida.
  • As pessoas ao seu redor sabem que você serve a Jesus?
  • Como você se relaciona com o dinheiro e qual o lugar que ele ocupa em sua vida?
  • Você crê que a sua oração é ouvida pelo Pai?
  • O culto é importante para você?
  • Você é alguém compromissado com sua célula e Igreja?

As sete taças – 23/07/2017

,

As Sete Taças
Apocalipse 15 e 16

As sete taças tratam do juízo de Deus sobre o trono do anticristo e sobre a grande Babilônia. No capítulo quinze logo de inicio são apresentados os vencedores da Grande Tribulação.

Apocalipse 15:1-2 “Vi no céu outro sinal grande e admirável: sete anjos tendo os sete últimos flagelos, pois com estes se consumou a cólera de Deus. Vi como que um mar de vidro, mesclado de fogo, e os vencedores da besta, da sua imagem e do número do seu nome, que se achavam em pé no mar de vidro, tendo harpas de Deus;”.

Existem três tipos de vencedores, os que já morreram vencedores, os que foram arrebatados vivos, e os que vencerão a besta na Grande tribulação, a sua imagem, e o número do seu nome. Enquanto você estiver vivo ainda pode ser um vencedor, pois a sua carreira ainda não foi completada. A vitória nunca é decidida no inicio da corrida, mas no final. Os vencedores da Grande Tribulação são aqueles que não temeram a besta e não amaram a própria vida, por isso foram mortos como mártires por não negaram o testemunho de Cristo. O texto diz que eles venceram o número do seu nome, o 666. Sabemos que o número 6 é o número do homem e o número 3 indica algo pleno e completo, um dos significados do 666 é o homem plenamente no centro, totalmente independente de Deus, esse é o número do anticristo. Sendo assim somos desafiados hoje a sermos vencedores e não aceitarmos o estilo de vida do 666.

AS SETE TAÇAS – A CONSUMAÇÃO DA CÓLERA DE DEUS.

PRIMEIRA TAÇA.

Ap 16:1-2 Ouvi, vinda do santuário, uma grande voz, dizendo aos sete anjos: Ide e derramai pela terra as sete taças da cólera de Deus. Saiu, pois, o primeiro anjo e derramou a sua taça pela terra, e, aos homens portadores da marca da besta e adoradores da sua imagem, sobrevieram úlceras malignas e perniciosas”.

O juízo da primeira taça é sobre os homens que receberam a marca da besta por adorarem a estátua do anticristo que será colocada no santuário em Jerusalém.

Particularmente cremos que essas úlcera será um tipo de câncer que surgira justamente no local da marca da besta, isso comprova que a marca será algo físico. Agora, não vale apena ficar especulando que marca é essa, ela será revelada somente no período da Grande Tribulação, e somente aqueles que ficarem realmente saberão qual é a marca da besta.

SEGUNDA TAÇA.

Ap 16:3 “Derramou o segundo a sua taça no mar, e este se tornou em sangue como de morto, e morreu todo ser vivente que havia no mar”.

Sabemos que os mares na bíblia apontam para as nações, o mundo, suas águas tornam-se em sangue como de morto, porque essa é a essência do mundo, morte. Tudo que há no mundo ainda que não seja pecaminoso em si, tem em sua essência a morte. Alguém que vive para trabalhar, estudar, se divertir, nunca vai acabar cheio do Espírito, mas cada vez mais frio, esgotado e desanimado.

TERCEIRA TAÇA.

Ap 16:4-6 “Derramou o terceiro a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue. Então, ouvi o anjo das águas dizendo: Tu és justo, tu que és e que eras, o Santo, pois julgaste estas coisas; porquanto derramaram sangue de santos e de profetas, também sangue lhes tens dado a beber; são dignos disso”.

O anjo explica porque derramou esta taça, porque esses homens derramaram sangue de santos e profetas. Esse é o dia da vingança do Senhor, resposta do clamor dos mártires no quinto selo.(Ap 6:9). Não foram todos os países do mundo que derramaram esse sangue, a maior perseguição á Igreja ocorreu na Europa, na época do Império Romano, e depois em países como França, Espanha e Itália. A Europa é o maior cemitério de santos e profetas do planeta, isso é mais uma evidência de que as taças são para o império da besta – Império Romano ressurgido.

QUARTA TAÇA.

Ap 16:8-9 “O quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe dado queimar os homens com fogo. Com efeito, os homens se queimaram com o intenso calor, e blasfemaram o nome de Deus, que tem autoridade sobre estes flagelos, e nem se arrependeram para lhe darem glória”.

Primeiro as pessoas tiveram a marca transformada em algo como câncer. Depois as águas dos mares e rios contaminadas, e por fim pessoas queimadas pelo sol. A angústia será muito grande, e o mais impressionante é que, mesmo assim pessoas não se arrependerão, como diz o texto, irão blasfemar contra Deus.

QUINTA TAÇA.

Ap 16:10-11 “Derramou o quinto a sua taça sobre o trono da besta, cujo reino se tornou em trevas, e os homens remordiam a língua por causa da dor que sentiam e blasfemaram o Deus do céu por causa das angústias e das úlceras que sofriam; e não se arrependeram de suas obras”.

Essa taça trará trevas iguais ás que vieram sobre o Egito, o que tornará o sofrimento ainda mais angustiante. A escuridão traz consigo o significado da cegueira espiritual, esses homens mesmo conscientes de que todos esses juízos procedem de Deus por adorarem a besta, ainda assim não se permitem serem iluminados pela verdade. O texto diz que, não se arrependeram de suas obras.

João nos exorta a caminharmos na luz e assim manteremos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus nos purificará de todo pecado. A luz que vem pela comunhão da igreja tem o poder de gerar arrependimento das más obras, muitos se endireitam por causa da comunhão.

SEXTA TAÇA.

Ap 16:12-14“Derramou o sexto a sua taça sobre o grande rio Eufrates, cujas águas secaram, para que se preparasse o caminho dos reis que vêm do lado do nascimento do sol. Então, vi sair da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta três espíritos imundos semelhantes a rãs; porque eles são espíritos de demônios, operadores de sinais, e se dirigem aos reis do mundo inteiro com o fim de ajuntá-los para a peleja do grande Dia do Deus Todo-Poderoso.”

Caminhamos para o desfecho final, quando os exércitos da terra se reunirão em Israel, num lugar chamado Armagedon. Vs.16 “Então, os ajuntaram no lugar que em hebraico se chama Armagedom”. O alvo do inimigo é destruir Israel e lutar contra Cristo e o Seu exercito que estarão vindo nas nuvens. Podemos observar no texto a trindade satânica reunida, o dragão, a besta e o falso profeta, da boca deles saem espíritos enganadores, ou seja, eles irão iludir os reis da terra para lutarem contra Cristo e seu exército. A sexta taça na verdade é uma preparação, Deus está permitindo que todas as nações se ajuntem, será um exercito de pelo menos, duzentos milhões de soldados vindos do Oriente, além desse virão também do Ocidente. Será uma mobilização mundial sob o engano de satanás. É por isso que o mundo é inimigo de Deus, o mundo ainda nos tolera pelo politicamente correto, mas irá chegar um dia que se voltarão completamente contra Deus.

Naqueles dias já se verá o sinal do Filho do Homem no céu, Jesus disse que aparecerá um sinal no céu antes dEle descer á terra.

Mateus 24:30  “Então, aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem; todos os povos da terra se lamentarão e verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória”

Talvez o anticristo irá convencer as nações de se tratar de uma invasão alienígena, e que todos devem se reunir para defender a terra. Será neste dia em que o Senhor esmagará o lagar da sua ira, naquele dia um só será o Senhor, e um só será o seu nome, e todo joelho terá que se dobrar e toda língua terá que confessar que Jesus Cristo é o Senhor de toda glória.

SÉTIMA TAÇA.

Ap 16:17-18 “Então, derramou o sétimo anjo a sua taça pelo ar, e saiu grande voz do santuário, do lado do trono, dizendo: Feito está! E sobrevieram relâmpagos, vozes e trovões, e ocorreu grande terremoto, como nunca houve igual desde que há gente sobre a terra; tal foi o terremoto, forte e grande”.

Esse terremoto é aquele que Isaías se refere quando diz que a terra vai cambalear como bêbado. Isaías 24:20 “A terra cambaleará como um bêbado e balanceará como rede de dormir; a sua transgressão pesa sobre ela, ela cairá e jamais se levantará”. Esse será o maior terremoto registrado desde a criação do homem até os últimos dias.

Ap 16:19-21 “E a grande cidade se dividiu em três partes, e caíram as cidades das nações. E lembrou-se Deus da grande Babilônia para dar-lhe o cálice do vinho do furor da sua ira. Todas as ilhas fugiram, e os montes não foram achados; também desabou do céu sobre os homens grande saraivada, com pedras que pesavam cerca de um talento; e, por causa do flagelo da chuva de pedras, os homens blasfemaram de Deus, porquanto o seu flagelo era sobremodo grande”.

Nada resistirá a essa chuva de pedras, cada uma pesará trinta quilos, ou seja, um talento. E mesmo assim, os homens blasfemarão de Deus. A Grande Babilônia cairá justamente na sétima taça. Existe uma Babilônia espiritual e uma material representada por uma cidade, mas veremos no próximo capitulo.

Conclusão

Como já foi dito, as sete taças é o derramar da cólera de Deus sobre o império do anticristo, porém, o que mais me impressiona diante do derramar de cada flagelo é a dureza e a cegueira do coração dos homens. Essa é a característica do coração ímpio, totalmente fechado, duro e rebelde a Deus. A cada dia precisamos permitir que o Espírito Santo trabalhe em nosso viver, pois recebemos um coração novo, de carne, e podemos nos comportar de maneira oposta ao ímpio coração. Vencedores tem os seus corações completamente entregues nas mãos do Senhor, pois isso, não são independentes, não andam debaixo da influência do 666. Entregue hoje seu coração ao governo de Cristo, viva completamente para Ele, Sua vontade, Seus planos.

O anticristo, o falso profeta e a Grande Tribulação – 16/07/2017

O anticristo, o falso profeta e a Grande Tribulação

(COMPARTILHE SOMENTE A CONCLUSÃO EM SUA CÉLULA) 

Falamos na semana passada sobre o arrebatamento dos vencedores. Hoje vamos falar do anticristo, o falso profeta e a Grande Tribulação na ótica de Deus. Depois do arrebatamento dos vencedores o anticristo se manifestará, e assim, iniciará a septuagésima semana de Daniel, uma semana de 7 anos que é chamada Tribulação, os três anos e meio finais é chamado de G.T. Serão dias de tribulação como nunca houve na terra.

Porque aqueles dias serão de tamanha tribulação como nunca houve desde o princípio do mundo, que Deus criou, até agora e nunca jamais haverá (Marcos 13:19).

É importante entender que houve e há muitos anticristos para os quais esta palavra é apenas um adjetivo, porém há apenas um que o nome anticristo é substantivoVi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças (Ap. 13:1). A palavra besta significa um animal feroz e indescritível, que não possui similar. Para compreendermos melhor Apocalipse 13, temos de ver o que o restante da Palavra de Deus diz a respeito do Anticristo e seu reino. Para isso temos de entender um pouco a profecia de Daniel.

  1. O reino do anticristo – A Estátua de Nabucodonosor – Daniel 2:31 a 44 (586 a.C.)

Tu, ó rei, estavas vendo, e eis aqui uma grande estátua; esta, que era imensa e de extraordinário esplendor, estava em pé diante de ti; e a sua aparência era terrível. A cabeça era de fino ouro, o peito e os braços, de prata, o ventre e os quadris, de bronze; as pernas, de ferro, os pés, em parte, de ferro, em parte, de barro. Quando estavas olhando, uma pedra foi cortada sem auxílio de mãos, feriu a estátua nos pés de ferro e de barro e os esmiuçou. Então, foi juntamente esmiuçado o ferro, o barro, o bronze, a prata e o ouro, os quais se fizeram como a palha das eiras no estio, e o vento os levou, e deles não se viram mais vestígios. Mas a pedra que feriu a estátua se tornou em grande montanha, que encheu toda a terra. Este é o sonho; e também a sua interpretação diremos ao rei. Tu, ó rei, rei de reis, a quem o Deus do céu conferiu o reino, o poder, a força e a glória; a cujas mãos foram entregues os filhos dos homens, onde quer que eles habitem, e os animais do campo e as aves do céu, para que dominasses sobre todos eles, tu és a cabeça de ouro. Depois de ti, se levantará outro reino, inferior ao teu; e um terceiro reino, de bronze, o qual terá domínio sobre toda a terra. O quarto reino será forte como ferro; pois o ferro a tudo quebra e esmiúça; como o ferro quebra todas as coisas, assim ele fará em pedaços e esmiuçará. Quanto ao que viste dos pés e dos artelhos, em parte, de barro de oleiro e, em parte, de ferro, será esse um reino dividido; contudo, haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro, pois que viste o ferro misturado com barro de lodo. Como os artelhos dos pés eram, em parte, de ferro e, em parte, de barro, assim, por uma parte, o reino será forte e, por outra, será frágil. Quanto ao que viste do ferro misturado com barro de lodo, misturar-se-ão mediante casamento, mas não se ligarão um ao outro, assim como o ferro não se mistura com o barro. Mas, nos dias destes reis, o Deus do céu suscitará um reino que não será jamais destruído; este reino não passará a outro povo; esmiuçará e consumirá todos estes reinos, mas ele mesmo subsistirá para sempre,

A estátua de Nabucodonosor simboliza o sistema político mundial, cada parte da estátua corresponde a um império mundial desde os dias de Daniel até o final dos tempos.

A Cabeça de ouro – O império Babilônico, do ponto de vista espiritual Nabucodonosor era o rei dos reis. Ele era alguém que o Deus do céu conferiu o reino, o poder, a força e a glória (2:37-38)O peito e os braços de prata – O império Medo-persa sob o domínio de Ciro. É representado pelos dois braços porque era constituído de dois reinos. O ventre e os quadris de bronze – O império macedônico (Grego), a frente deste império, Alexandre o Grande conquistou todo o mundo conhecido naquela época até a Índia. Observe que a medida que os impérios vão passando, o poder perde em qualidade (valor dos materiais), mas ganha em força (resistência dos materiais).

As pernas de ferro – O império romano, tão poderoso que ninguém podia resisti-los.

Ele não foi derrotado por nenhum outro império, simplesmente caiu sozinho. Na verdade o cristianismo o derrubou. Ele ressurgirá no governo do anticristo.

Os dedos, parte de barro e parte de ferro – O futuro reino do Anticristo no período da tribulação, os sete anos.

Não será como na antiguidade (romano), ele será de ferro, porque terá poder, porém, terá pouca consistência, porque vai estar misturado ao barro.

É um reino de força e fragilidade. É frágil porque dependerá de alianças e conchavos políticos para manter-se no poder.

Sobre ele cairá a grande pedra que é Jesus. E assim, este reino será substituído pelo reino de Jesus (44a).

A estátua será totalmente destruída pela pedra, dela não sobrará nenhum vestígio, ou seja, todos os impérios passarão, no reino de Cristo, não haverá sequer uma lembranças deles.

  1. A besta que emerge do mar – Os quatro animais em Daniel 7:1-27

O sonho sobre os quatro animais corresponde às quatro primeiras partes da estátua.

O Primeiro animal – O Leão com asas de águia – O império babilônico

O Segundo animal – O Urso com três costelas entre os dentes – O império Medo-persa. O urso sai do leão como o império persa saiu do babilônico.

O Terceiro animal – O Leopardo com quatro cabeças e quatro asas – O império macedônico que foi dividido entre os seus quatro generais.

O Quarto animal – Uma fera com dez chifres e dentes de ferro – O império romano.

Essas duas visões, a de Nabucodonosor e a de Daniel, têm o mesmo significado.

Entretanto, acontecem sob pontos de vistas diferente.

A de Nabucodonosor foi a de um homem sem Deus, que se deslumbra com esses impérios, achando-os maravilhosos e extraordinários.

Mas do ponto de vista de divino, esses impérios não passam de animais horrendos e bestiais.

Esse quarto animal aponta para o império do anticristo, mas também se refere a ele próprio.

Tanto em Daniel quanto em Apocalipse a besta vinda do mar refere-se não somente ao império romano, mas especificamente ao Anticristo. A besta vinda do mar é o Anticristo.

O império do Anticristo será uma espécie de extensão do império romano nos últimos dias.

Ele é o príncipe em Daniel 9:26-27, e que Mateus 24:15 chama de abominável da desolação.

O anticristo será a cristalização de tudo o que satanás possui só que na forma humana.

Ele fará aliança com os judeus por uma semana de anos. Fazendo cessar o sacrifício no meio da semana (Dn. 9:27). Ele é chamado também de o homem da iniquidade (II Ts. 2:3-10). O filho da perdição ou da destruição.

Se opõe contra toda forma de culto. Proclamando-se deus, será morto pelo sopro do Senhor. Virá com poder, sinais e prodígios da mentira.

Nos dias da Tribulação, o arrebatamento terá acontecido. E, consequentemente, o anticristo terá que dar explicações sobre o ocorrido.

Provavelmente, os cristãos que ficaram serão tomados de um grande fervor e zelo, e pregarão o Evangelho com muita ousadia.

Eles estarão cientes de que uma parte da Igreja foi arrebatada, e que o Senhor Jesus estará prestes a voltar para reinar, e eles desejarão se manter fiéis diante de Deus.

Os cristãos que não forem arrebatados serão entregues nas mãos do anticristo. Sofrerão toda sorte de privações e perseguições, por três anos e meio (Ap. 12:12-17; 13:7).

O anticristo se engrandecerá acima de tudo aquilo que se diz Deus. Ele é contra Deus.

Ele não terá respeito nem ao desejo de mulheres. Ele é contra o casamento, chegando mesmo a proibi-lo.

É importante entender que os valores serão invertidos naqueles dias.

E que, aos olhos de Deus o mundo não está melhorando, pelo contrário, ele está caminhando de mal a pior.

O mundo pode estar melhor do ponto de vista tecnológico, do conforto, do conhecimento humano, porém, do ponto de vista de Deus, que é a verdade, o mundo está apodrecendo.

  1. A besta que emerge da terra. Ap. 13:11 a 18

Essa besta que emerge da terra é o falso profeta (16:13, 19:20 e 20:10). A primeira besta vem do mar. Representa o Anticristo que deverá vir de nações gentílicas.

A segunda vem da terra. Essa besta representa o falso profeta que deve vir de Israel. A terra simboliza Israel.

Ele tem dois chifres, parecido com um cordeiro e falando como um dragão (Ap. 13:11-13). O falso profeta vai tentar desviar a atenção das duas testemunhas fazendo também cair fogo do céu.

Será difícil distinguir o falso profeta das duas testemunhas, assim como foi com os magos no Egito.

Vemos assim que os sinais não são o critério de discernimento entre o falso e o verdadeiro (Mt. 24:24 e II Ts. 2:9-10).

Ele vai estar trabalhando para o Anticristo, para promove-lo (v.14). Exercendo autoridade do anticristo (v.12). Fazendo com que adorem a imagem do anticristo. Fazendo as pessoas levarem a marca (v. 16).

O anticristo será uma pessoa tão extraordinária que os homens pensarão ser ele o próprio Messias.

Isto acontecerá justamente quando ele for ferido mortalmente e, após ser dado como morto, ressuscitar. Diante disso, o falso profeta proclamará: “Este é o Messias que veio para reinar, e estabelecer seu reino na terra”.

Após a cura milagrosa, o falso profeta mandará fazer uma imagem do anticristo, e exigirá adoração de todos. O anticristo dará fôlego à imagem e ela falará. Quem não adorá-la será morto por ela (Ap. 13:13-15).

O que você acha que acontecerá quando aparecer uma estátua prodigiosa como esta? Certamente haverá uma peregrinação mundial para vê-la.

É importante você tentar construir em sua mente um cenário da Grande Tribulação. Serão tempos extraordinários, nos quais muitos prodígios jamais vistos acontecerão.

Neste momento o falso profeta fará um sinal para marcar todos que confessarem a besta, de tal maneira que quem receber esse sinal não terá mais salvação.

Por quê? Porque não se trata somente de um sinal envolvendo tecnologia. Será um sinal que vai envolver fé (Ap. 13:16-18).

Serão os piores três anos e meio da história. O anticristo ainda não está aqui, porque o que o detém ainda não foi removido, que são os vencedores.

Por isso, o alerta é prepare-se para o arrebatamento dos vencedores e não fique esperando pelo aparecimento do anticristo.

É isso que importa para nós. É importante lembrar, você não perde a salvação, mas pode perder a glória do reino.

Ser salvo é uma questão de graça. Todavia, participar da festa nupcial é uma questão de qualificação espiritual, de ser vencedor.

O arrebatamento dos vencedores acontecerá antes da G.T., mas a volta de Jesus será depois no final da G.T.

Isso significa que muitos passarão por todo o período da G.T.

É fato, o Senhor os poupará do juízo que há de vir sobre o mundo, mas não vai poupá-los das perseguições que virão sobre a Igreja.

Estamos chegando a um momento crítico da nossa vida cristã e da própria História. É o instante de parar de brincar de ser cristão!

É hora de buscar uma obediência completa a vontade do Pai. É tempo de santidade e compromisso, acima de tudo.

De viver para o Senhor e usar tudo o que Deus lhe deu para a glória do reino de Deus!

A grande tribulação na ótica de Deus – Apocalipse 14

O capítulo 14 trata de coisas que estarão acontecendo durante a grande tribulação até a consumação final.

O primeiro ponto que nos deparamos é com os 144.000. Eles se referem a Igreja ou Israel? O número é literal ou simbólico? Minha convicção é que se refere à igreja.

Uma vez que o texto diz claramente que se trata das primícias do Senhor: “São os que foram redimidos dentre os homens, primícias para Deus e para o Cordeiro” (v.4).

As primícias serão os vencedores que serão arrebatados antes da grande tribulação. Essas primícias são o filho varão.

É bem clara a sequencia dos eventos deste capítulo. Primeiro temos as primícias que serão arrebatadas antes da G.T.

Depois disso temos as quatro vozes que relatam fatos que ocorrerão durante a G.T..

Após as quatro vozes temos a ceifa que é o arrebatamento de todos os santos por ocasião da volta do Senhor. E por fim, temos a vindima que acontecerá na volta do Senhor.

  1. As primícias antes da grande tribulação.

Ser as primícias significa ser os primeiros, são os vencedores. As primícias já estão com o Cordeiro (Ap. 14:1).

Portanto, 144.000 representam a plenitude dos vencedores, ou seja, aqueles que cumpriram o propósito do Pai em sua geração.

Eles amadureceram antes dos demais, são as virgens prudentes, o filho varão.

Eles entoarão um cântico que só eles podem cantar, nem mesmo os anjos podem cantar esse cântico.

O que significa cantar um novo cântico? Cânticos falam de experiências que homens e mulheres tiverem em Deus.

Esse cântico possui três características:

1) Ruído de muitas águas. 2) Com a solenidade do trovão. 3) Com a beleza do canto e da harpa. Eles cantarão o cântico da redenção, do perdão e da salvação.

O texto diz que “não tocaram em mulheres”. A castidade aqui é simbólica, certamente em oposição à prostituição da grande Babilônia. A prostituição da grande Babilônia não é literal, mas simbólica, indicando a idolatria.

Na Bíblia, a idolatria é simbolizada pela prostituição. Lembrando que idolatria é tudo o que ocupa o lugar de Deus.

Os vencedores são pessoas que não se macularam com outras coisas. O coração deles está voltado exclusivamente para Deus.

Eles são seguidores do Cordeiro (v.4). Seguem o Cordeiro aonde quer que Ele vá ou os direcione!

É por isso que não se achou mentira em sua boca. Isso significa que eles não tem vinculo com o diabo.

O que é ser vencedor? É ser maduro no tempo em que se espera maturidade.

Todos os crentes são lavoura de Deus, e no final todos serão colhidos. Mas os vencedores são as primícias, porque amadureceram antes dos demais.

Ser um vencedor custa caro, mas a recompensa será muito maior do que qualquer sacrifício feito.

Se hoje nós o louvamos, naquele dia Ele nos honrará. Se hoje nós O servimos, naquele dia Ela vai colocar a mesa e nos servirá. Se hoje, para Ele, somos a recompensa e a herança nos santos, naquele dia Ele será para nós a nossa herança e a nossa recompensa.

  1. As quatro vozes

Logo após o arrebatamento vem a grande tribulação e na ótica celestial quatro coisas devem acontecer.

  1. A primeira voz – 14:6-7

O evangelho eterno será pregado por anjos.

E será pregado este evangelho do reino por todo o mundo, para testemunho a todas as nações. Então, virá o fim (Mt. 24:14).

O evangelho eterno é diferente do evangelho da graça que é pregado pela igreja. Onde o conteúdo básico é arrependimento e fé, para perdão e regeneração.

Este evangelho eterno é o evangelho da criação, temam a Deus, testemunham as maravilhas, as obras e o poder de Deus. Daí-lhe glória pois o seu juízo vem… (v.7).

Porque desta mensagem? Porque naquele momento, a imagem do anticristo está sendo adorada.

Este evangelho eterno, desafia o homem a adorar a Deus como único Criador.

  1. A segunda voz – Caiu, caiu a grande Babilônia…

Apesar do verbo estar no passado, indica algo ainda por vir ou se cumprir durante a G.T.

A grande Babilônia será a organização religiosa dirigida pelo falso profeta para exaltar o anticristo. Ele será á mãe de todas as idolatrias.

  1. A terceira voz – Se alguém adora a besta e a sua imagem e recebe a sua marca… Esse beberá do vinho da cólera de Deus (v. 9-10).

Aqui está uma advertência contra adorar a Besta. Qualquer um que receber a marca e adorar a besta e a sua imagem, esses beberam o cálice da ira de Deus.

O homem só será condenado se quiser, uma vez que Deus nos dá o escape em Cristo Jesus.

  1. A quarta voz – Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor (v.13).

Esses aqui são certamente os que serão martirizados pelo anticristo. Morrem no Senhor e são felizes por sofrerem ao crer no Senhor, rejeitando a adorarem a Besta. Essa quarta voz é um consolo para os martirizados.

  1. A colheita de todos os crentes no final da grande tribulação

A ceifa

Olhei, e eis uma nuvem branca, e sentado sobre a nuvem um semelhante a filho de homem, tendo na cabeça uma coroa de ouro e na mão uma foice afiada (Ap. 14:14).

Esta colheita será por ocasião da volta de Jesus. É a colheita de todos os santos maduros no final da G.T.

depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor (1Ts. 4:17).

A foice representa os anjos – o inimigo que o semeou é o diabo; a ceifa é a consumação do século, e os ceifeiros são os anjos (Mt. 13:39).

Você pode escolher se quer fazer parte das primícias ou da ceifa. As primícias é antes da Tribulação, a ceifa no final da G.T., será por ocasião da última trombeta.

num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados (ICo. 15:51-52).

A vindima

Saiu ainda do altar outro anjo, aquele que tem autoridade sobre o fogo, e falou em grande voz ao que tinha a foice afiada, dizendo: Toma a tua foice afiada e ajunta os cachos da videira da terra, porquanto as suas uvas estão amadurecidas! Então, o anjo passou a sua foice na terra, e vindimou a videira da terra, e lançou-a no grande lagar da cólera de Deus (Ap. 14:18-19).

A vindima é a colheita das uvas produzidas pela videira falsa. Jesus é a videira verdadeira, a outra videira é o mundo, e é falsa.

É por isso que suas uvas, ou seja, seu fruto será lançado no lagar da cólera de Deus. Isso acontecerá no final da grande tribulação.

O lagar da cólera de Deus é o Armagedon.

O Armagedon é um campo de batalha profético onde todos os exércitos da terra se reunirão para guerrear contra o Senhor (Ap. 16:16). E serão esmagados pelo poder de Deus.

Conclusão (COMPARTILHE ESSA PARTE EM SUA CÉLULA)

Gostaria de terminar falando das qualificações para se entrar no reino de Jesus. Todavia, para se qualificar é necessário cumprir uma condição, a de ser salvo. Vejamos quais são as qualificações para entrar no reino de Jesus:

1) Fazer a vontade do Pai – Mateus 7:21

O Senhor deixa claro que não deveríamos chamá-lo de Senhor apenas com a boca. Mesmo que tenhamos obras como, profetizar, expelir demônios e fazer milagres, essas obras não deveriam substituir a vontade do Pai.

2) Esmurrar o corpo para agradar ao Senhor – 1 Co 9:23-27

Paulo se compara a alguém que está participado de uma corrida para ganhar o prêmio. O que devemos fazer para receber o prêmio? Paulo disse que dominava seu corpo. Ele diz que era capaz de controlá-lo. Paulo podia controlar: a concupiscência de seu corpo, as exigências excessivas de seu corpo e os desejos do corpo. Ele não deixava que seu corpo prevalecesse.

3) Edificar com ouro, prata e pedras preciosas – 1 Co 3:14-15

A recompensa está relacionada com a edificação da Igreja. Porém, não podemos edificar sem os materiais apropriados, que são: ouro, prata e pedras preciosas. Ouro, prata e pedra preciosa fala de coisas com valor eterno. O homem deve crer e também trabalhar, e esse trabalho não é propriamente dele, mas é aquilo que o Espírito Santo tem trabalhado nele e através dele.

4) Participando da glória de Deus – Jo 17:4

Cristo glorificou a Deus de tal maneira e sofreu a pior de todas as mortes, a cruz (Jo. 12:28). A recompensa vai sobrepor ao sofrimento. Aquele que glorifica a Deus hoje, tomando a sua cruz e seguindo-O, participará da gloria vindoura. O reino será o tempo no qual Cristo e os vencedores, receberão a glória juntos.

Perguntas para o compartilhamento:

1) Você está percebendo o tempo que estamos vivendo?

2) Você tem se preparado para ser encontrado vencedor e ser arrebatado antes da Tribulação?

3) Como você se relaciona com ela? Com prazer ou com medo?

O filho varão – Arrebatamento dos Vencedores – 09/07/2017

O filho varão
Arrebatamento dos Vencedores

“Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida do sol com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça, que, achando-se grávida, grita com as dores de parto, sofrendo tormentos para dar à luz. Viu-se, também, outro sinal no céu, e eis um dragão, grande, vermelho, com sete cabeças, dez chifres e, nas cabeças, sete diademas. A sua cauda arrastava a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a terra; e o dragão se deteve em frente da mulher que estava para dar à luz, a fim de lhe devorar o filho quando nascesse. Nasceu-lhe, pois, um filho varão, que há de reger todas as nações com cetro de ferro. E o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono” (Ap 12:1-5).

A Bíblia fala que João viu um “sinal”. A palavra “sinal”, aqui é chave para você entender este texto. Isso aqui não é algo literal, um sinal é como uma placa de trânsito, sinaliza a respeito de uma realidade, mas em si mesmo não é a realidade.

1 – QUEM É ESTA MULHER DE APOCALIPSE 12?

Precisamos perceber que a mulher é um sinal. Não se trata, portanto, de uma pessoa, mas de um símbolo espiritual. Alguns dizem que é Maria a mãe de Jesus, outros dizem que simboliza Israel. Mas segundo a Bíblia não pode ser nem Maria nem Israel. Uma vez que essa visão é revelada no céu (v.1), essa mulher é totalmente do céu. Nem Maria nem Israel têm esta posição, somente a Noiva de Cristo, Igreja, está assentada nos lugares celestiais. O texto nos diz que a descendência dela é constituída de dois grupos, os que guardam os mandamentos de Deus, e os que tem o testemunho de Jesus. Fica claro que se refere aos judeus e a igreja, então a mulher representa a totalidade do povo de Deus.

2 – A DESCRIÇÃO DA MULHER.

Existe uma correlação interessante entre a mulher de apocalipse e Eva em Gênesis. Ambas foram perseguidas por uma serpente e as duas produziram uma semente para o cumprimento do proposito de Deus.A mulher de Genesis foi derrotada, mas a de Apocalipse gerou uma semente, o filho varão, que esmagará a cabeça da serpente! Aqui em Apocalipse temos o cumprimento final da profecia de Gênesis.

3 – O FILHO VARÃO.

A mulher está gravida, e se a mulher é um sinal, o filho também é. O filho não pode ser Jesus uma vez que a mulher representa a Igreja, ou seja, a sua Noiva de Jesus e não a sua mãe. Então, o que significa o Filho Varão? Na Bíblia a mulher está associada a dependência. A vida feminina simboliza dependência, por isso o povo de Deus em todas as épocas é comparado a uma mulher ou noiva. Por outro lado, a vida masculina simboliza forca e liderança, por isso Deus é sempre masculina. Sendo assim, o filho varão represente a parte mais forte da mulher, que são os crentes vencedores. Assim como o filho constitui uma parte da mulher, os vencedores constituem em uma parte da igreja e não toda a igreja! O texto diz que o Filho Varão foi arrebatado até o Trono, porém a mulher, ou seja, o restante da igreja, foi perseguida pelo Dragão. (Perseguição do Anticristo na Grande Tribulação)

4 – O GRANDE DRAGÃO.

O texto no diz que a antiga serpente tornou-se um dragão. Ela cresceu porque se alimentou por todos esses milênios que se passaram. Em Gênesis três o Senhor condenou a serpente a comer pó da terra. Sabemos que cobra não come pó, então isso é um sinal espiritual que aponta para a carne do homem que foi feita do pó da terra. A comida da serpente é a carne não no sentido físico, mas no sentido pecaminoso. Por isso existem demônios do sexo, da bebida, da prostituição e etc. Ao pecar atraímos demônios, mas quando continuamos pecando, passamos a alimentar demônios em nossas vidas que irão adquirir cada vez mais força para nos escravizar.

5 – O FILHO VARÃO ARREBATADO.

Depois que o Filho Varão é arrebatado, satanás é lançado na terra, isso porque o que detinha satanás nos lugares celestiais era os santos vencedores. O sal é o que impede o apodrecimento do mundo, Jesus disse que alguns crentes podem perder o sabor, mas o vencedores representam o verdadeiro sal que impede a ação completa do maligno na terra. Quando o sal for retirado da terra então, não haverá restrição para o diabo agir. Por isso somos chamados a sermos uma igreja de vencedores, para resistirmos a ação do maligno até que se cumpra o tempo da volta do Senhor.

6 – QUAL A ATITUDE DOS VENCEDORES?

Apocalipse no mostra que os vencedores irão sentar-se no trono, mas como eles vencerão?

1 – Pelo sangue do Cordeiro.

V.11 “Eles pois o venceram pelo sangue do Cordeio”.

O sangue não é apenas para nossa purificação, mas para vencermos o diabo. Não se trata de falar como se fosse uma frase mágica “o sangue de Jesus tem poder”! Mas de declarar para o diabo que já fomos perdoados e sobre nós não pesa nenhuma condenação. Quando o diabo vier lembrar o seu passado, lembre-o do seu futuro, que é no lago de fogo.

2 – Pela palavra do testemunho. (V.11)

Vencemos o diabo quando colocamos em nossa boca a confissão da verdade de Deus. Não olhe para os fatos, firme-se na verdade. É fato que eu não posso, mas é verdade que tudo posso naquele que me fortalece. É fato que ficamos doentes, mas a verdade é que Ele levou sobre si as nossas enfermidades. É fato que eu sou fraco, mas a verdade é que o Seu poder se aperfeiçoa na minha fraqueza! Aleluia. É fato que eu não tenho dinheiro, mas a verdade é que o meu Deus, segunda a Sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus cada uma das minhas necessidades.

3 – Mesmo em face da morte não amaram a própria vida. (V.11)

A palavra vida aqui é a vida da alma. Precisamos rejeitar tudo aquilo que procede de nosso esforço próprio. Não amar a vida significa também não se preservar, não medir esforços para fazer a vontade de Deus, não buscar o próprio conforto, e se necessário for, estar disposto até a morrer para que venha o reino de Deus. Mateus 16:24-25 “ Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á.” O padrão do discípulo é o padrão do vencedor, dos que serão arrebatados e preservados da Grande Tribulação.

Conclusão

Algo que é indispensável para participarmos do arrebatamento dos vencedores é Amar a vinda do Senhor. É ter no coração um desejo ardente de estar com o Senhor. Muitos não desejam, não esperam e nem amam a vinda do Senhor, tais não são vencedores.

Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda. II Tm. 4:8

A grandeza da Graça de Deus – 02/07/2017

A grandeza da Graça de Deus

Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé (Romanos 1:16-17). 

e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé (Filipenses 3:9).

Muitos irmãos até hoje não conseguem entender a grandeza da graça de Deus. Para eles a graça ainda é apenas uma doutrina, um ensino e não uma experiência com o Evangelho de Deus pela fé. Fé no quê? Na obra que Deus realizou e que está consumada! Esses irmãos, além de não compreenderem a graça, ficam amedrontados, pois acham que a mensagem da graça vai conduzir os irmãos a libertinagem. Muito pelo contrário, a mensagem da graça de Deus quando recebido corretamente, nos leva a viver a vontade de Deus. Faze-la se torna algo espontâneo e prazeroso.  Quem entende a graça valoriza demais o que foi feito por Deus, para o libertar do pecado e da condenação que ele produz. Quem é que é irresponsável e que desvaloriza o pecado? É aquele crente ou pregador insensato e sem revelação que acredita que pode vencer o pecado, só com o esforço próprio. Quem acredita que basta um pouquinho de esforço próprio para vencer o pecado, está desmerecendo toda a obra da cruz. Paulo em Romanos 5:10 nos mostra essa verdade da grandeza da graça de Deus. Pois Deus não morreu por amigos, gente boa, cara legal. Ele morreu por inimigos.

Nós éramos inimigos de Deus, mas ele nos tornou seus amigos por meio da morte do seu Filho. E, agora que somos amigos de Deus, é mais certo ainda que seremos salvos pela vida de Cristo (Romanos 5:10 – NTLH).

Deus prova o seu próprio amor para conosco, aonde? No calvário! Custou muito caro nosso pecado! Existem irmãos que se tornaram libertinos, porque abusam da graça, e acham que ela lhes dá permissão para fazerem o que quiserem. Tem irmão que não vai na célula porque diz que não é religioso e está na graça, já outro irmão não deixa de ir a célula porque entendeu de fato a graça. A célula não é o problema, mas sim a revelação de cada um. Preste atenção, criar o universo foi fácil. Deus fez em seis dias. Em uma semana, Ele criou tudo! Mas, aí, o homem caiu no pecado. Agora Deus tinha um problema e tinha que resolver o problema do pecado. Sabe irmãos, Deus não pôde resolver o problema do pecado em uma semana! Precisou de milênios! Deus precisou fazer um projeto detalhado. Precisou encontrar um homem que fizesse aliança com Ele, depois fazer deste homem uma nação. E depois de mais ou menos 2.000 anos, no meio desta nação, encontrar uma virgem. E não parou aí! Ele teve que se diminuir, diminuir, diminuir até se transformar em uma célula embrionária no útero desta virgem. Olha o trabalhão que foi para Deus esvaziar-se! Para você se esvaziar dos seus sentimentos é algo difícil, imagine Deus esvaziar de quem Ele é! Sabe porque há irmãos que tem dificuldade de se humilhar? Porque nunca entenderam o que Deus fez na encarnação! Não entenderam o desejo de Paulo em Filipenses 2 para que houvesse em cada crente o mesmo sentimento que houve em Jesus.

Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai (Filipenses 2:5-11).

Ele se esvaziou até ser um embrião na barriga de uma mulher. Depois o Deus que virou embrião, o mesmo que criou o universo, virou um bebe indefeso. Precisou de um casal interiorano para cuidar Dele. Não foi no berço dos poderosos, nem dos ricos e abastados, mas um simples casal galileu. Porque desta escolha? Simples, Deus não vê como o homem, que só vê o exterior, Ele vê o coração. Não havia na terra pais melhores para Jesus, Deus encarnado, do que José e Maria. Jesus cresceu, e teve que vencer todo tipo de tentação. Toda tentação que você tem, Ele teve, só que Ele nunca pecou. Ele passou por isso, só para poder te socorrer na hora que você estiver sendo tentado.

Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado (Hebreus 4:15).

Deus não precisava passar por isso, mas o fez por amor de nós! Ele teve que ser rejeitado. Ele teve que ser esbofeteado, torturado, cuspido e traído! E depois vem o ápice, Deus teve que provar a morte. E por três dias o Senhor esteve na morte, no inferno. Mas no terceiro dia Ele ressuscitou! Olha o trabalho que deu! A Igreja precisa meditar no Evangelho da graça de Deus! Se fosse possível um homem vencer qualquer pecado, por força de vontade, não precisava Dele ter vindo. Ele veio porque você não conseguiu, não consegue e nunca conseguirá vencer o pecado. Para você é impossível, mas para Ele não é! Depois que Ele ressuscitou, Ele enviou o Espírito Santo para dentro de você. E na cruz Ele venceu o pecado e o diabo. E agora, Ele vem e te dá a vitória! Esse é o Evangelho! Você não precisa conquistar nada, apenas recebe pela fé!

Os escribas e fariseus trouxeram à sua presença uma mulher surpreendida em adultério e, fazendo-a ficar de pé no meio de todos, disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério. E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes? Isto diziam eles tentando-o, para terem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo. Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra. E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão. Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava. Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais (João 8:3-11).

A Bíblia fala que quando trouxeram para Ele, aquela mulher que tinha acabado de ser pega em adultério, veja os termos – uma mulher surpreendida em adultério…. foi apanhada em flagrante adultério. Ela e o seu amante, estavam apaixonadamente, fazendo sexo em algum lugar, de repente a porta abriu, alguém chutou a porta, e foi ouvida a sentença: Adúlteros! O homem provavelmente saiu correndo, mas a mulher foi pega e trazida a Jesus. Provavelmente embrulhada em um lençol, desnuda. As pessoas iriam cuspir naquela mulher e apedreja-la, porque ela é imoral, suja, imunda e adúltera. Sabe irmãos, adultério depois de alguns meses perde sua imoralidade, passa a ser apenas um erro, uma falha. Alguns dizem: ah, foi apenas um deslize, um momento de bobeira, sem consequências maiores. Mas quando é pego na hora é diferente, produz indignação. Muitos já assassinaram seus cônjuges no fervor da ira que esse momento produz. Então veja, aquela mulher, foi pega na hora que estava na cama com o seu amante, e foi trazida imediatamente para Jesus. O que o Senhor falou para ela? Está perdoado, vai e não peques mais. O que você acha que é diminuir o pecado? Você acha que é viver pecando sem se importar? Eu digo o que é diminuir o pecado. É dizer essa frase: está perdoado o seu pecado. Isso porque alguns desconsideram que custou milênios de trabalho para Deus poder dizer essa frase. Depois que foi proclamado no calvário a sentença libertadora da graça: Está Consumado! O pecado se tornou pequeno sem peso, porque Jesus suportou todo o peso do pecado na cruz. Agora o Deus gracioso pode dizer livremente: Nem eu te condeno, vai e não peques mais. Antes teria que morrer um animal, derramar sangue, agora, não precisa de mais nada, apenas um coração que tem revelação da graça de Deus. Nunca pense que perdoar alguém lhe custa caro. É muito barato para você dizer: está perdoado! É barato porque Jesus pagou o preço até a última gota do Seu precioso sangue, para que nós pudéssemos dizer: está perdoado! O Espírito Santo vai trazendo mais luz a você, todas as vezes que você se expõe a essas verdades do Evangelho da graça de Deus. O Espírito de Deus está levantando uma geração de crentes que fazem a obra por constrangimento de amor. Uma geração que entende o quanto custou o preço do seu pecado, e que por isso, sabe dizer: Está perdoado! Meu desejo é que não seja apenas um entendimento, mas que você possa em todos os seus relacionamentos expressar essa maravilhosa graça de Deus. Digo isso, porque muitos dizem compreender a graça, mas pelos seus comportamentos e atitudes ainda estão longe de compreende-la de fato. O entendimento da graça não é neutro, Paulo disse:

Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça (Romanos 6:14).

A graça altera a sua relação com o pecado, e certamente com o mundo que é uma fonte de pecado, mas também com as pessoas. Que você seja a manifestação e canal desta graça a todos ao seu redor. Esse é o povo que vai ganhar seus familiares, amigos, colegas, vizinhos e essa geração!

A experiência do Batismo – 25/06/2017 (esboço na íntegra)

A experiência do Batismo

A experiência do batismo é essencial na vida daquele que se diz cristão. Cristianismo começa com a revelação da pessoa de Cristo, e consequentemente a confissão de sua divindade, mas termina com a prática, ou obediência a vontade de Deus que é o batismo. Dizer-se cristão e não batizar é incoerente. Não me refiro a batismo de crianças, mas o batismo de arrependimento para remissão de pecados.

Ouvindo eles estas coisas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo (Atos 2:37-38).

Mas o que tenho observado é que mesmo no meio daqueles que se batizam, há alguns que não entraram na plenitude da experiência do batismo. Eles não conseguem viver a verdade do batismo em suas vidas. São salvos pela fé, mas não conseguem viver pela fé as verdades do cristianismo. Digo verdades, mas somente as do batismo. Qual o problema que podemos incorrer? Se não conseguimos experimentar as verdades do batismo da forma correta, será comprometido todos os outros fundamentos da fé cristã. Pois todos os outros também são recebidos pela fé. Hoje gostaria de mostrar quatro experiências que fazem parte do batismo. Mas ao fazer isso, desejo apresentar os argumentos para aqueles que ainda não se decidiram a se batizar. Mas também, mostrar para aqueles que já se batizaram, as implicações em seu viver diário, pois há irmãos que não desfrutam da vida planejada por Deus. Eles creem em sua salvação, mas não conseguem viver a plenitude dela. Para eles Deus já fez muito em salvá-los. Ouça, Deus não fez uma obra pela metade, Ele fez uma obra completa. Não faltou nada!

1ª) O Batismo representado pela experiência do Dilúvio – A questão do Juízo

1 Pedro 3:20-21 – os quais, noutro tempo, foram desobedientes (negar a fé e obediência) quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca, na qual poucos, a saber, oito pessoas, foram salvos, através da água, a qual, figurando o batismo, agora também vos salva (o batismo salva como a arca salvou), não sendo a remoção da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus (da certeza do juízo), por meio da ressurreição de Jesus Cristo;

Pedro afirma que as águas do Dilúvio prefiguravam o Batismo. Essa prefiguração nos remete ao juízo de Deus para com toda aquela geração, mas também o que virá (2Pe. 3:7). Deus esperava através de Sua longanimidade que eles arrependessem, porém isso não aconteceu. Por isso, precisamos entender que as águas do Dilúvio simbolizavam o juízo de Deus, mas a Arca (batismo) era a salvação do juízo. Mas a salvação só poderia vir se o Dilúvio viesse. A fé na arca era crucial (em Cristo), mas a fé nas águas que viriam (batismo) era imprescindível. Eram elas que iriam fazer separação entre salvos e condenados. Eles não pereceram junto com aquela geração. Pois experimentaram o poder da vida de ressurreição pelas águas do Dilúvio. Só há sentido na salvação se houver juízo. Não haveria necessidade da Arca se não houvesse o juízo pelas águas do Dilúvio. Isso significa que se não fosse por causa do juízo que está sobre a humanidade, por causa do pecado, não haveria a necessidade da fé em Cristo e do batismo. Quem experimenta a verdade do batismo pelas águas do juízo, vivem uma vida de fé, pois reconhecem que Deus os salvou de tão grande condenação. Imagine depois do Dilúvio como era a consciência da salvação na vida da família de Noé?Posso ver a alegria da salvação neles, pelo fato de Noé plantar uma vinha. Ele queria celebrar uma festa! Hoje o batismo deveria trazer a luz tal consciência. Há irmãos que mesmo depois de passar pela experiência do batismo ainda vivem uma vida de acusação e condenação. Para eles, todas as vezes que pecam estão debaixo de condenação. Mas isso não é verdade!

Pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus (Rm. 8:1).

Porque eles pensam que estão debaixo de condenação? Porque pensam que a sua salvação foi fruto do seu esforço e comportamento corretoE na hora que falham sentem-se condenados. Nesta posição ninguém conseguirá sustentar a sua própria salvação por um dia se quer! Nossa salvação passa pela eleição de Deus Pai quanto a nossa pessoa, pela obra salvadora da cruz de Deus Filho e por último, na obra convencedora de Deus Espírito Santo nos dado fé. Ou seja, tudo foi feito pela divindade, nós apenas recebemos pela fé. Nós, que cremos na eleição divina, descansamos na obra da cruz e cremos na justiça de Cristo somos salvos. Não pesa sobre nós condenação. Um crente que vive angustiado quanto ao seu futuro eterno é uma incoerência! A sua preocupação deve ser quanto a disciplina e não o juízo. Noé descansou durante 100 anos nesta verdade, período o qual ele estava construindo a Arca e esperando o Dilúvio. A nossa Arca está pronta, estamos aguardando o juízo de Deus, mas deveríamos aguardá-lo tranquilamente. Isso porque o Juízo não é mais sobre nós!

2ª) O Batismo representado pela experiência do Mar Vermelho – A questão da escravidão

1 Coríntios 10:1-2 – Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés.

Paulo diz que todos os que saíram do Egito (um tipo do mundo), foram Batizados nas águas do mar, (um tipo do batismo). Foram também batizados na nuvem, tipificado pelo batismo do Espírito Santo. Eles quando estavam no Egito receberam a salvação tipificada pela fé no sangue do cordeiro pascal aplicado nos umbrais das casas. Quando o anjo destruidor passasse ele não poderia trazer a sentença de morte, ou seja, a condenação, nas casas que estavam debaixo da fé no sangue aplicado nos umbrais. Esse sangue aplicado nos umbrais das casas aponta para a salvação que há no sangue de Cristo Jesus, o cordeiro de Deus. Neste ponto precisamos entender o que o sangue de Jesus fez por nós. Ele nos salvou da condenação do destruidor! Mas era necessário atravessar o Mar Vermelho para ser liberto da escravidão. Você conhece algum crente que  ainda é escravo? Eu conheço. Antes, vivíamos debaixo de condenação e estávamos escravizados pelo diabo. A experiência do Dilúvio nos salvou do juízo, e a experiência da travessia do Mar Vermelho nos libertou das mãos de satanás. Crê que foi liberto das garras de satanás tem implicações profundas em sua vida. Antes você não podia dizer não as vontades do diabo para a sua vida. Porém hoje pode! Você agora pode alinhar a sua vontade com a de Deus. Quando o diabo sugestionar a você algo, você pode dizer NÃO! Veja a mentira por exemplo, a Bíblia diz que ele é o pai da mentira. Até uma criança mente, e porque ela mente? Tem medo de dizer a verdade. Mas hoje existe crente que mente? Sim, ele ainda vive debaixo da escravidão do pai da mentira. É alguém livre vivendo aprisionado. Porque isso acontece? Porque ele até que se batizou, mas não teve revelação das implicações do batismo em sua vida. Mesmo estando fora da esfera do governo de satanás, sua mente se mantem sob o governo do diabo.

3ª) O Batismo representado pela experiência da morte e ressurreição de Cristo – A questão da natureza

Além de te salvar da condenação que era sobre você. Deus te libertou das garras da escravidão de satanás, mas agora Ele te dá uma nova natureza. Como eu disse não foi uma obra incompleta, ou que em algum momento iria depender de você. Ele providenciou tudo! Aleluia!

tendo sido sepultados, juntamente com ele, no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos (Colossenses 2:12).

Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida (Romanos 6:3-4).

Tanto em Romanos e Colossenses Paulo deixa claro que a morte e ressurreição de Cristo são representadas pelo batismo (submergir e emergir). Mas Romanos mostra nos que agora temos uma nova vida. Na morte de Cristo, nós os pecadores que creram, morremos com Ele, pois o salário do pecado é a morte. Por um lado, fomos substituídos, nós éramos Barabas, mas por outro fomos incluídos com Jesus na cruz, era o Adão caído (natureza pecaminosa). A morte na cruz era o exercício da justiça divina sobre o pecado. Por um lado, somos livres da condenação do pecado, pois morremos com Cristo. Mas também fomos incluídos na morte Dele para sermos livres da natureza do diabo que operava em nós. Agora, quando Jesus ressuscitou ressuscitamos com Ele. Na inclusão em sua morte, fomos libertos da velha natureza, mas quando ressuscitamos com Ele, nos foi transmitido uma nova natureza.

Assim, meus irmãos, também vós morrestes relativamente à lei, por meio do corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, a saber, aquele que ressuscitou dentre os mortos, a fim de que frutifiquemos para Deus. Porque, quando vivíamos segundo a carne, as paixões pecaminosas postas em realce pela lei operavam em nossos membros, a fim de frutificarem para a morte. Agora, porém, libertados da lei, estamos mortos para aquilo a que estávamos sujeitos, de modo que servimos em novidade de espírito e não na caducidade da letra. (Rm. 7:4-6).

Nós fomos substituídos, mas também incluídos, nós morremos para a velha natureza e ressuscitamos com uma nova natureza, agora pertencemos a outro Senhor. Nós antes frutificávamos segundo a natureza que operava em nós (pecaminosa), mas hoje, frutificamos segundo a natureza de Deus que está em nós, pois nascemos de novo. O novo nascimento é a primeira experiência, o primeiro estágio de sua vida cristã. O que significa o novo nascimento? Significa que você ganhou a vida de Deus em acréscimo à sua vida natural. Você antes tinha apenas a sua vida natural, mas agora você recebeu uma vida espiritual, a vida do próprio Deus. Também chamamos essa experiência de regeneração. A salvação de Deus é extremamente plena e completa. Ela inclui o perdão dos pecados, a purificação, a santificação, a justificação, a libertação da escravidão, a regeneração, etc. Tudo isso aconteceu com você. O poder do Evangelho se manifesta quando cremos nestas verdades. Mas de todos esses itens, a regeneração é a mais importante, porque ela é o centro da nossa salvação. O objetivo central de Deus, ao nos salvar, é que tenhamos a Sua vida. A única maneira de nos salvar era nos dando a Sua vida. Ele nos perdoou os pecados, nos justificou, nos libertou e nos santificou. Ele realizou tudo isso com um propósito: para que você pudesse receber a Sua vida dentro de si. Pudesse nascer de novo. É porque temos essa vida dentro de nós, que podemos afirmar que somos filhos de Deus. Todo filho traz dentro de si a natureza de seu pai. Nós trazemos a vida e a natureza de Deus dentro de nós, por isso somos transformados em Seus filhos. Essa natureza opera em nós, nos conformado a imagem de Jesus. O novo nascimento ou regeneração é a entrada da vida de Deus dentro de você. Isso é poderoso, pois não adianta nos livrar da condenação e escravidão se não houver expectativa de uma nova vida.

4ª) O Batismo representado pela experiência do revestimento – A questão da Nova Identidade

porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes (Gálatas 3:27).

Um dos maiores problemas dos recém convertidos é a questão da nova identidade. Ele até entende que tem uma nova natureza, mas não sabe como usufruir dela. Ou como ela vai colaborar em seu dia-a-dia quando as pressões e tentações vierem sobre ele. Você pode agir diferente, isso porque está revestido de Cristo. Você e Cristo são um só! Necessitamos nos ver assim, bem como a cada irmão também. E a partir de agora, tudo o que diz respeito a Cristo diz respeito a você também. Porque você está em Cristo! Alguém pode perguntar: Pastor quando é que fui colocado em Cristo? Paulo diz, porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes. É o batismo que torna esse fato uma experiência real para você. O batismo não pode ser meramente um ritual. Não pode ser uma doutrina. Tem que ser uma experiência. Paulo diz que o batismo é a imersão em Cristo. De maneira que, quando você entra nesta água você está sendo mergulhado em Cristo. Depois disso, você não sai mais Dele e nem Ele de você. Por isso dizemos que nEle existimos, vivemos e nos movemos.

pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somos geração. (Atos 17:28).

Não tem como nos separar Dele. Essa união agora é inseparável e eterna. Paulo diz também em Romanos 6:3:

Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? (Romanos 6:3).

O batismo não é só em Cristo é também na Sua morte. Isso significa que o batismo é uma experiência de terminação e recomeço. O seu velho homem vai ser terminado ali. E a partir de agora será um novo homem revestido de Cristo. Com uma nova identidade. E essa experiência é para uma nova vida. O batismo é a fronteira de dois mundos. A vida cristã é toda baseada na filiação. O ponto central de todo o mistério de Deus é que nós somos Seus filhos. O batismo é esse momento que decreta essa mudança de identidade. Qual foi a primeira coisa que Jesus ouviu quando saiu das águas do batismo?

Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo (Mateus 3:16-17).

Você precisa entender que essa afirmação é para com a sua vida também – Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Se você não recebe essa verdade pela fé, ficará destituído de todos os benefícios que essa nova identidade lhe proporciona. Foi exatamente isso que aconteceu com os hebreus depois da travessia do Mar Vermelho. Eles não creram em sua nova identidade de filhos de Deus. Eles ainda se viam como escravos. Para eles sua identidade era egípcia. É por isso que alguns irmãos não conseguem avançar, pois vivem olhando para o que eram e não conseguem ver a sua nova identidade. A nova identidade em vezes de ser uma alegria se torna um dilema. Todo o dilema do povo hebreu, que pereceu no deserto, foi porque eles não receberam sua nova identidade. Depois de terem passado pela experiência do Mar Vermelho, eles continuavam se vendo como gafanhotos, ou seja, egípcios.

Também vimos ali gigantes (os filhos de Anaque são descendentes de gigantes), e éramos, aos nossos próprios olhos, como gafanhotos e assim também o éramos aos seus olhos (Números 13:33).

E por isso não usufruíram de todos os benefícios que lhes fora conferido como filhos de Deus. Você não foi apenas livre da condenação e da escravidão. Você recebeu uma nova natureza que lhe conferiu uma nova identidade. Você é o filho amado de Deus. Se você crê, entra na posse de tudo o que seu Pai preparou para a sua vida. O diabo sempre irá questionar sua identidade por causa do seu comportamento. E por mais que o seu comportamento em alguns momentos não seja apropriado para um filho de Deus, isso não significa que você não seja um legítimo filho de Deus. Mas além disso em 1 Coríntios 12:13 diz:

Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito.

Você foi batizado em Cristo, na plenitude dos desígnios de Deus. Foi batizado na morte de Jesus, para dentro de uma nova natureza, com uma nova identidade e o texto também diz que você foi batizado no Corpo. O Corpo é a Igreja. Isso significa que a Igreja é parte de Cristo, e agora parte sua também. Você agora tem uma nova família. Somos todos filhos de um mesmo Pai e participamos de um mesmo Corpo.

Consideração Final

Deus te salvou do juízo eterno, te libertou da escravidão do diabo, te deu uma nova natureza e te revestiu Dele mesmo.

Qual era seu objetivo? Qual o desejo do Seu coração? Te fazer participante de tudo o que Ele é e tem. Que você participe conjuntamente com a divindade e com os irmãos, de um estilo de vida mútua, em família.

1ª Consideração: Se você crê na verdade da Palavra de Deus, o que te impedi de batizar?

Tome hoje mesmo a decisão de se batizar e entre na experiência da completa salvação.

2ª Consideração: Se você já se batizou tome posse de tudo o que Jesus já conquistou para a sua vida.

Experimente aquilo que o Pai preparou para os seus filhos antes da fundação do mundo. Você não precisa viver como o povo no deserto. Com o dilema de sua nova identidade. Seja o que Deus planejou que você fosse, um filho amado!

A experiência do Batismo – 25/06/2017

A experiência do Batismo

A experiência do batismo é essencial na vida daquele que se diz cristão. Dizer-se cristão e não batizar é incoerente.

Ouvindo eles estas coisas, compungiu-se-lhes o coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, irmãos? Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo (Atos 2:37-38).

Mas o que tenho observado é que mesmo no meio daqueles que se batizam, há alguns que não entraram na plenitude da experiência do batismo. Hoje gostaria de mostrar quatro experiências que fazem parte do batismo.

1ª) O Batismo representado pela experiência do Dilúvio – A questão do Juízo

1 Pedro 3:20-21 – os quais, noutro tempo, foram desobedientes (negar a fé e obediência) quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca, na qual poucos, a saber, oito pessoas, foram salvos, através da água, a qual, figurando o batismo, agora também vos salva (o batismo salva como a arca salvou), não sendo a remoção da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus (da certeza do juízo), por meio da ressurreição de Jesus Cristo;

Pedro afirma que as águas do Dilúvio prefiguravam o Batismo. (2Pe. 3:7). Deus esperava através de Sua longanimidade que eles arrependessem, porém isso não aconteceu. Por isso, precisamos entender que as águas do Dilúvio simbolizavam o juízo de Deus, mas a Arca (batismo) era a salvação do juízo. Mas a salvação só poderia vir se o Dilúvio viesse. A fé na arca era crucial (em Cristo), mas a fé nas águas que viriam (batismo) era imprescindível. Eram elas que iriam fazer separação entre salvos e condenados. Quem experimenta a verdade do batismo pelas águas do juízo, vivem uma vida de fé, pois reconhecem que Deus os salvou de tão grande condenação. A nossa Arca está pronta, estamos aguardando o juízo de Deus, mas deveríamos aguardá-lo tranquilamente. Isso porque o Juízo não é mais sobre nós!

2ª) O Batismo representado pela experiência do Mar Vermelho – A questão da escravidão

1 Coríntios 10:1-2 – Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos sob a nuvem, e todos passaram pelo mar, tendo sido todos batizados, assim na nuvem como no mar, com respeito a Moisés.

Paulo diz que todos os que saíram do Egito (um tipo do mundo), foram Batizados nas águas do mar, (um tipo do batismo). Foram também batizados na nuvem, tipificado pelo batismo do Espírito Santo. Eles quando estavam no Egito receberam a salvação tipificada pela fé no sangue do cordeiro pascal aplicado nos umbrais das casas. Esse sangue aplicado nos umbrais das casas aponta para a salvação que há no sangue de Cristo Jesus, o cordeiro de Deus. Mas era necessário atravessar o Mar Vermelho para ser liberto da escravidão. A experiência do Dilúvio nos salvou do juízo, e a experiência da travessia do Mar Vermelho nos libertou das mãos de satanás. Crê que foi liberto das garras de satanás tem implicações profundas em sua vida. Quando o diabo sugestionar a você algo, você pode dizer NÃO! Mesmo estando fora da esfera do governo de satanás, muitos irmãos mantém sua mente sob o governo do diabo.

3ª) O Batismo representado pela experiência da morte e ressurreição de Cristo – A questão da natureza

Além de te salvar da condenação que era sobre você. Deus te libertou das garras da escravidão de satanás, mas agora Ele te dá uma nova natureza.

tendo sido sepultados, juntamente com ele, no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos (Colossenses 2:12).

Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida (Romanos 6:3-4).

Tanto em Romanos e Colossenses Paulo deixa claro que a morte e ressurreição de Cristo são representadas pelo batismo (submergir e emergir). Mas Romanos mostra nos que agora temos uma nova vida. Na inclusão em sua morte, fomos libertos da velha natureza, mas quando ressuscitamos com Ele, nos foi transmitido uma nova natureza. O novo nascimento é a primeira experiência, o primeiro estágio de sua vida cristã. O que significa o novo nascimento? Significa que você ganhou a vida de Deus em acréscimo à sua vida natural. Isso é poderoso, pois não adianta nos livrar da condenação e escravidão se não houver expectativa de uma nova vida.

4ª) O Batismo representado pela experiência do revestimento – A questão da Nova Identidade

porque todos quantos fostes batizados em Cristo de Cristo vos revestistes (Gálatas 3:27).

Um dos maiores problemas dos recém convertidos é a questão da nova identidade. Ele até entende que tem uma nova natureza, mas não sabe como usufruir dela. É o batismo que torna esse fato uma experiência real para você. O batismo não pode ser meramente um ritual. Não pode ser uma doutrina. Tem que ser uma experiência. Paulo diz que o batismo é a imersão em Cristo. De maneira que, quando você entra nesta água você está sendo mergulhado em Cristo. Depois disso, você não sai mais Dele e nem Ele de você. Por isso dizemos que nEle existimos, vivemos e nos movemos.

pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos, como alguns dos vossos poetas têm dito: Porque dele também somos geração. (Atos 17:28).

Não tem como nos separar Dele. Essa união agora é inseparável e eterna. Paulo diz também: Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? (Romanos 6:3).

O batismo não é só em Cristo é também na Sua morte. Isso significa que o batismo é uma experiência de terminação e recomeço. O seu velho homem vai ser terminado ali. E a partir de agora será um novo homem revestido de Cristo. Com uma nova identidade. Qual foi a primeira coisa que Jesus ouviu quando saiu das águas do batismo?

Batizado Jesus, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba, vindo sobre ele. E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo (Mateus 3:16-17).

Você precisa entender que essa afirmação é para com a sua vida também – Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo. Você agora tem uma nova família. Somos todos filhos de um mesmo Pai e participamos de um mesmo Corpo.

Consideração Final

Deus te salvou do juízo eterno, te libertou da escravidão do diabo, te deu uma nova natureza e te revestiu Dele mesmo. Qual era seu objetivo? Qual o desejo do Seu coração? Te fazer participante de tudo o que Ele é e tem. Que você participe conjuntamente com a divindade e com os irmãos, de um estilo de vida mútua, em família.

1ª Consideração: Se você crê na verdade da Palavra de Deus, o que te impede de batizar?  Tome hoje mesmo a decisão de se batizar e entre na experiência da completa salvação.

2ª Consideração: Se você já se batizou tome posse de tudo o que Jesus já conquistou para a sua vida. Experimente aquilo que o Pai preparou para os seus filhos antes da fundação do mundo. Você não precisa viver como o povo no deserto com o dilema de sua nova identidade. Seja o que Deus planejou que você fosse, um filho amado!

A visão do Anjo – 18/06/2017

A visão do Anjo

Este Anjo é na verdade o próprio Cristo. Neste ponto do livro de Apocalipse o Senhor Jesus é visto, vindo para possuir a terra. A Grande Tribulação está chegando ao fim, e o Reino de Jesus se aproxima, mas antes Ele tomará posse da terra, pois Ele a comprou com o seu precioso Sangue. Mas a grande questão é: Você está percebendo o momento que temos vivido como cristãos na terra? Você percebe o mover do Espírito Santo para trazer a luz todo esse cumprimento?

Jesus disse: Cingido esteja o vosso corpo, e acesas, as vossas candeias (Lucas 12:35). Nos dias de Noé a maioria das pessoas dormiam! Vivemos dias de Noé! (Mateus 24:37-38)

Vejamos as características atribuídas ao anjo, que são na verdade de Cristo:

  1. A visão do Anjo – 10:1-3
  2. Vestido de uma nuvem

Ele ainda não está “sobre a nuvem”, como em Apocalipse 14:14. Vir sobre a nuvem é vir abertamente e vir vestido de uma nuvem é vir secretamente.

a. Tem um arco-íris sobre a cabeça

O arco-íris também estava presente ao redor do trono de Deus Apocalipse 4:3.

Ele é um sinal da aliança de Deus com Noé em Gênesis 9:8-17. Isto indica que o julgamento de Cristo é de acordo com a aliança.

b. O rosto como o sol

Em Apocalipse 1:16 se diz que o rosto de Cristo é como o sol em seu fulgor. Por isso podemos dizer que esse anjo é na verdade Cristo vindo para tomar posse da terra.

c. Os pés como colunas de fogo

O fogo indica a santidade de Deus, com a qual, executará o julgamento sobre a terra (Ex. 19:18; Hb. 12:29)

d. Tendo um livrinho na mão direita.

Este é o livro de Apocalipse 5:1, o qual, somente Cristo era digno de abrir. Ele tomou este livro da mão de Deus. Ele estava selado no capítulo 5, mas agora está quase completamente aberto, porque todos os selos foram abertos. Parece que por ter sido aberto na sua maior parte tornou-se pequeno. Isso indica que falta pouco para a consumação de todas as cosias. Lembre-se, Apocalipse é o livro da conclusão.

e.  O pé direito sobre o mar e o esquerdo na terra.

Colocar os pés na Bíblia significa tomar posse (Dt. 11:24, Js. 1:3 e Sl. 8:6). Isto indica que Cristo está descendo para tomar posse da terra. Quando os filhos de Israel receberam a terra por herança eles foram orientados a pisar a terra, e onde quer que pisassem, ali seria sua possessão. Embora hoje o inimigo esteja usurpando a terra e o mar, haverá o dia em que o Senhor não tolerará mais isso e virá para tomar posse de sua conquista.

f. Falando como leão

Provérbios 19:12 diz que a ira do rei é como o bramido do leão. O anjo bradou como leão, isso significa que Ele é o próprio Rei. Cristo como Rei, é provocado à ira e sua indignação ressoará por toda a terra. Nos evangelhos ele é o cordeiro de Deus para fazer a redenção, mas agora ele é o leão da tribo de Judá para julgar a Satanás e o mundo.

  1. A completação do mistério de Deus – 10:6-7

A sétima trombeta inclui as sete taças dos flagelos de Deus e inclui o final da grande tribulação, o milênio, o grande trono branco, a nova Jerusalém e o novo céu e a nova terra. A sétima trombeta é muito abrangente e inclui a completação do mistério de Deus.

Ao tocar a sétima trombeta

A sétima trombeta é a última trombeta mencionada em 1Coríntios 15:52 e 1Tessalonicenses 4:16. Paulo teve também a mesma revelação de João, ele ouviu essa trombeta. Quando se diz “ouviu-se uma voz: eis o noivo…” também é a voz da trombeta.

O mistério de Deus se completará.

De Adão a Cristo tudo foi desvendado. Mas nesse tempo da graça tudo é um mistério. Podemos ver pelo menos sete mistérios que são mencionados e revelados no N.T.

  1. A encarnação de Cristo – As pessoas não entendem como Deus pôde se fazer homem, elas preferem pensar que Cristo era apenas um homem, mas ele era Deus e isto é um mistério. A encarnação é um grande mistério!
  2. O próprio Cristo – ainda hoje muitos não sabem como se posicionar a respeito de Cristo: se ele era um bom homem, um mestre ou um enganador. Cristo se refere a Jesus como cabeça e à Igreja o seu corpo. Cristo é um mistério que será desvendado naqueles dias.
  3. A igreja – Nós somos um mistério para eles. Nosso comportamento, nossa ética e nossa moral parecem completamente louco para eles.
  4. O reino dos céus – a maneira como Deus opera hoje por meio de seu povo é um grande mistério. O reino do Senhor ainda é enigmático, porque esse reino hoje está oculto dentro de nós (Lc. 17:21). Mas será manifestado a todos!
  5. O habitar interior de Cristo – o mundo pensa que somos loucos quando dizemos que temos Cristo habitando dentro de nós, por que isso é um mistério. A única maneira de Deus realizar a sua obra no homem, é vindo habitar dentro dele. Ser cristão nada mais é que, se deixar ser conduzido por esse Cristo que habita em nosso interior.
  6. A ressurreição dos santos – não sabemos como corpos que foram queimados, destruídos, comido por feras poderão ressuscitar, mas naqueles dias esse mistério se completará. A glorificação se dará pelo poder da ressurreição. Aleluia!
  7. O evangelho – a própria mensagem que pregamos é loucura para os que se perdem e não pode ser entendida pelo homem natural (I Cor. 2:14).
  1. João comendo o livrinho – 10:8 a 11

Antes que tudo isso se complete e aconteça tudo o que foi dito, o Senhor dá uma ordem para João. Essa ordem é para nós também, se desejamos escapar de todas essas coisas que vão de acontecer. João recebeu o livro e a ordem era para come-lo, devorá-lo. Devorar alguma coisa é recebê-la para dentro de todo o nosso ser. Pois, assim como o alimento, depois de digerido, vem a fazer parte de nós. A Palavra recebida por revelação, depois de digerida em nosso espírito, também tem o poder de vir a fazer parte de nós. Quando temos essa experiência, alguns resultados são inevitáveis, assim como quando comemos algum alimento. Simplesmente porque algo foi incorporado a nossa vida.

Gera vida (Jo.6:63) – A vida sobrepõe a morte, que o pecado trouxe para dentro de nós.

Gera fé (Rm.10:17) – A fé é gerada pela Palavra que nos alimenta. Esse alimento gera fé, para avançarmos.

Gera mudança (Mt.16:16-18) – Aquilo que nos parece impossível quanto a nosso caráter e comportamento é transformado pelo processar da Palavra de Deus em nosso espírito.

Sustenta na tentação (Pv.4:18-19) – A Palavra viva vem da iluminação espírito e destrói as obras do diabo. Nos faz andar no caminho do justo.

Quando João devorou o livro, seu sabor era doce na boca e amargo no estômago. Aquele livro era a Palavra de Deus. João teria ainda muito que profetizar, e para profetizar a Palavra, era-lhe necessário antes comê-la. Comer a Palavra do Senhor é um princípio espiritual válido para nós em qualquer circunstância. Seja ela boa ou não! Para falarmos da parte de Deus, primeiro temos de comer a Palavra. Agora, esse ato de comer a Palavra tem dois momentos:

1º Momento – No primeiro momento ela é doce como mel. É o momento em que recebemos a revelação, quando o Senhor abre o nosso entendimento quando o nosso coração é convertido pela Palavra. Mas em nossa experiência de vencedores precisamos avançar.

2º Momento – Depois disso, vem o segundo momento, quando o Senhor vem para tornar essa Palavra uma experiência na nossa vida. E isso, as vezes, é amargo. Mas o resultado é muito bom. É muito bom quando percebemos a paz que vem sobre nós, quando liberamos perdão sobre alguém. Todavia o restabelecer do relacionamento é algo com sabor amargo para muitos. A sua vida só é edificada quando você sai da experiência do doce como mel e entra na esfera do amargo da prática. Porque é amargo? Porque viver a verdade da Palavra ouvida não é prazeroso para a velha criatura. Mas aquele que tem fome de Deus até o amargo se torna doce como o mel. A alma farta pisa o favo de mel, mas à alma faminta todo amargo é doce (Pv. 27:7). Depois de comer o livro João é estimulado a continuar profetizando. Antes de profetizarmos ao mundo, necessitamos que esse alimento celestial seja dirigido em nosso espírito tornando-se algo visível em nós.

Conclusão

Outra forma de compreendermos esse processo, é vendo como as porcelanas são pintadas. Quando uma porcelana é pintada, a princípio aquela tinta pode ser removida. Depois que aquela porcelana pintada é levada ao fogo, a tinta penetra e fica impregnada de tal forma que chega mesmo a fazer parte dela. Nós somos essa porcelana e a tinta é a Palavra de Deus. Somos pintados quando recebemos a Palavra, nesse momento, ela pode facilmente ser apagada pelo esquecimento ou pelas circunstâncias que estamos vivendo. Mas se depois de recebermos a Palavra, formos levados ao fogo de Deus da prática, então aquilo que aprendemos vem a fazer parte de nós e nunca mais esqueceremos. Somos como Ezequiel em meio a um vale de ossos sequíssimos. Somos chamados a trazer vida, pela palavra profética, mas para tal necessitamos comer a Palavra de Deus e assimila-la em nosso viver diário.

As sete trombetas – 11/06/2017

As sete trombetas (Cap. 8 e 9)

Estas sete trombetas constituem aquilo que chamamos de Grande Tribulação ou o tempo da ira divina ou O Grande e Terrível Dia do Senhor.

A CENA APÓS A ABERTURA DO SÉTIMO SELO.

Ap 8:1-3 “Quando o Cordeiro abriu o sétimo selo, houve silêncio no céu cerca de meia hora. Então, vi os sete anjos que se acham em pé diante de Deus, e lhes foram dadas sete trombetas. Veio outro anjo e ficou de pé junto ao altar, com um incensário de ouro, e foi-lhe dado muito incenso para oferecê-lo com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro que se acha diante do trono”.

A) SILÊNCIO NO CÉU POR CERCA DE MEIA HORA. (V.1)

O silêncio indica solenidade. É o fim da era da tolerância para era da ira de Deus. É o prelúdio que prepara a plateia para o ato principal, todos estão atentos para o que está prestes a acontecer.

B) O OITAVO ANJO APONTANDO PARA CRISTO. (V.3)

No Velho Testamento Cristo era chamado o Anjo do Senhor. O fato de Ele ser descrito como o outro anjo nos mostra que Ele é especial, é o oitavo anjo.

C) OFERECENDO ORAÇÕES DOS SANTOS A DEUS. (V.3-5)

Observe que há a menção de dois altares no verso 3. Isto nos leva aperceber que há uma realidade do tabernáculo no céu do qual o terreno, de Moisés, era apenas uma sombra do celestial. (Toda ação terrena é um reflexo das ações espirituais). E assim como o sumo sacerdote oferecia incenso a Deus representando as orações do povo, Cristo o nosso Sumo Sacerdote, também está oferecendo as orações dos santos a Deus. (Ele está nos servindo o tempo todo.) Nossas orações tem poder, coisas acontecem na terra por meio delas. Provavelmente as sete trombetas são a resposta destas orações, vejamos cada uma delas:

1ª Trombeta.

V.7 O primeiro anjo tocou a trombeta, e houve saraiva e fogo de mistura com sangue, e foram atirados à terra. Foi, então, queimada a terça parte da terra, e das árvores, e também toda erva verde”

Cremos que a terça parte da terra se refere a uma parte específica do planeta que corresponde a um terço da terra. É possível que Deus use coisas naturais para executar esse juízo da primeira trombeta. Saraiva é uma chuva de pedras incendiadas, se trata de uma assombrosa chuva de meteoritos que vai incendiar e devastar um terço do planeta.

2ª Trombeta.

V.8-9 O segundo anjo tocou a trombeta, e uma como que grande montanha ardendo em chamas foi atirada ao mar, cuja terça parte se tornou em sangue, e morreu a terça parte da criação que tinha vida, existente no mar, e foi destruída a terça parte das embarcações.”

Mais um vez a imagem que nos vem é de algo caindo do céu, provável meteoro. A Nasa afirma que o impacto de um meteoro de apenas 15km de diâmetro produziria uma onda de 2 mil metros de altura no mar. Ele ainda poderia levar os vulcões a entrarem em erupção de forma monumental. O fato é que a terça parte dos animais marinhos morrerá e a terça parte das embarcações será destruída.

3ª Trombeta.

V.10-11 O terceiro anjo tocou a trombeta, e caiu do céu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas uma grande estrela, ardendo como tocha. O nome da estrela é Absinto; e a terça parte das águas se tornou em absinto, e muitos dos homens morreram por causa dessas águas, porque se tornaram amargosas.”

O julgamento aqui será restrito sobre os rios e as fontes das águas. Observe que depois de ter uma parte do planeta destruída, uma parte das embarcações destruídas agora vemos que a água se tornará escassa. A vida na terra vai ser tornando cada vez mais insuportável.

 Trombeta.

V.12-13 O quarto anjo tocou a trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, da lua e das estrelas, para que a terça parte deles escurecesse e, na sua terça parte, não brilhasse, tanto o dia como também a noite. Então, vi e ouvi uma águia que, voando pelo meio do céu, dizia em grande voz: Ai! Ai! Ai dos que moram na terra, por causa das restantes vozes da trombeta dos três anjos que ainda têm de tocar.”

Apocalipse está sendo escrito sob o ponto de vista de quem está na terra. E para os que nela estiverem, ou seja, os que não foram arrebatados, nessa ocasião o sol, a lua e as estrelas escurecerá. Provavelmente essa escuridão será produzida por uma nuvem espessa de cinza vulcânica e fumaça por causa das trombetas anteriores.

Como já dissemos nas ministrações passadas, o numero 7 na bíblia é encontrado divido em um grupo de 4 e outro de 3. As quatro primeiras trombetas é o juízo de Deus sobre a terra, no sentido da criação, porém as três ultimas atingem diretamente os homens, elas são os três ais referidos no texto. É importante entender que os crentes que ficarem na Grande Tribulação foram selados, o juízo não é para eles, serão guardados por Deus. Porém eles sofrerão a perseguição do anticristo.

Antes do anjo tocar a quinta trombeta uma águia no céu proclama com grande voz três “ais”: “Ai, Ai, Ai dos que moram na terra por causa das restantes vozes da trombeta dos três anjos que ainda têm de tocar”. Nas primeiras quatro trombetas haverá uma explicação natural para as calamidades e não atingirá o homem diretamente. Portanto as últimas três trombetas não são naturais e sim sobrenaturais. Todo esse quadro da Grande Tribulação deveria nos levar a refletir em que estamos gastando nossa vida! Será que vale apena? Sua vida está passando, no que você tem depositado valor?

 Trombeta.

Cap 9:1-6 O quinto anjo tocou a trombeta, e vi uma estrela caída do céu na terra. E foi-lhe dada a chave do poço do abismo. Ela abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço como fumaça de grande fornalha, e, com a fumaceira saída do poço, escureceu-se o sol e o ar. Também da fumaça saíram gafanhotos para a terra; e foi-lhes dado poder como o que têm os escorpiões da terra, e foi-lhes dito que não causassem dano à erva da terra, nem a qualquer coisa verde, nem a árvore alguma e tão-somente aos homens que não têm o selo de Deus sobre a fronte. Foi-lhes também dado, não que os matassem, e sim que os atormentassem durante cinco meses. E o seu tormento era como tormento de escorpião quando fere alguém. Naqueles dias, os homens buscarão a morte e não a acharão; também terão ardente desejo de morrer, mas a morte fugirá deles.

Quando a Bíblia atribui características humanas as coisas inanimadas isto sinaliza para um símbolo. Nesse caso a quinta trombeta começa com um anjo caindo do céu. Anjos são comparados a estrelas (Jó. 38:7, Ap. 12:4). Satanás como o arcanjo era a estrela da manhã (Is. 14:12). O abismo é o lugar da habitação dos demônios, a ele foi dada a chave para libertar demônios que estão aprisionados. Hoje Satanás habita as regiões celestiais, mas na quinta trombeta ele será lançado na terra. No capitulo 12 apocalipse narra este acontecimento. Pela descrição dos gafanhotos podemos concluir que são demônios. Eles ferroam como escorpiões. Na Bíblia os escorpiões simbolizam demônios (Lc.10:19). A sua descrição com rostos como de homens e coroas na cabeça, os cabelos como de mulheres e os dentes como de leão denotam que são seres sobrenaturais. Têm sobre eles como rei o anjo do abismo cujo nome é Abadom ou Apolion. É mais uma descrição de satanás.

Com a terra parcialmente escura, as fontes de água danificada, os mares atingidos e parte da terra destruída como vemos nas primeiras quatro trombetas, um tipo de praga assim torna a vida na terra intensamente angustiante.

6 – Trombeta.

V.13-16 O sexto anjo tocou a trombeta, e ouvi uma voz procedente dos quatro ângulos do altar de ouro que se encontra na presença de Deus, dizendo ao sexto anjo, o mesmo que tem a trombeta: Solta os quatro anjos que se encontram atados junto ao grande rio Eufrates. Foram, então, soltos os quatro anjos que se achavam preparados para a hora, o dia, o mês e o ano, para que matassem a terça parte dos homens. O número dos exércitos da cavalaria era de vinte mil vezes dez milhares; eu ouvi o seu número”.

Os 4 ângulos do altar são os quatro chifres do altar de incenso onde era colocado o sangue para fazer a redenção no Velho Testamento (Lv. 16:18). Isto indica que o julgamento de Deus é baseado na redenção de Cristo. Pelo fato dos homens não crerem na redenção em Cristo, por isso Deus envia seu juízo. O número desses demônios que serão liberados será de 200 milhões liderados por quatro anjos caídos.(demônios). Os demônios da quinta trombeta não tinha autoridade para tirar a vida dos homens, apenas de afligi-los. Porém estes 200 milhões terão o poder de matar os homens. Hoje com 7 Bilhões de pessoas sobre a terra, a terça parte seria 2 bilhões e 300 milhões de pessoas mortas. Não haveria covas suficientes para tantos mortos, além do impacto emocional, haveria uma série de epidemias causadas por tantos cadáveres em decomposição. Não temos noção de quão terrível será a vida na terra, Jesus disse que a Grande Tribulação serão dias que nunca houve e nunca haverá como tal na historia da terra.

Conclusão.

O que precisamos aprender com todo esse quadro do capitulo 8 e 9 é:

1 – Como é fundamental orarmos sem cessar, grande parte do cumprimento de apocalipse é fruto das orações dos santos, nós. Nada acontecerá por acaso na sua vida, a não ser que você se disponha a orar!

2 – Precisamos ser achados como vencedores para sermos arrebatados e tanto nós como nossa família não estarem aqui durante os juízos do Senhor sobre a terra e seus habitantes, serão dias difíceis.

3 – Todo esse quadro catastrófico deveria despertar em nós como igreja uma urgência ainda maior para anunciarmos o evangelho enquanto ainda vivemos a era da Graça Divina!

4 – Apocalipse não pode ser encarado por nós como um livro de terror, mas sim, como um livro que trás a nossa memoria aquilo que nos da esperança, ele é a conclusão do plano de Deus, vamos estar com nosso Amado Jesus por toda a eternidade, não haverá mais pranto, dor, etc.

Senhor e servo – 04/06/2017

Senhor e servo

Uma verdade fundamental do evangelho é que Jesus é plenamente Deus (Jo. 1:1-3, 14), mas Ele veio à terra como homem. Ele é filho de Deus e filho do homem. A Bíblia diz que: tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz (Fp. 2:7-8). Ele deixou a sua glória e os poderes divinos e tornou-se homem. Isto significa que, como qualquer outro ser humano, ele tinha sentimentos, dores e tentações, mas nunca pecou. No Getsêmani ele viveu um grande sofrimento e agonia quando orou dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua. (Lc.22:42) . Mas há um sofrimento espiritual aqui que às vezes não percebemos.

  1. A separação do Pai

Havia um cálice espiritual oferecido ao Senhor, e nele estavam todos os nossos pecados e maldições. E beber dele significava se separar de seu Pai, a quem amava.

Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também…. Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão somente aquilo que vir fazer o Pai; porque tudo o que este fizer, o Filho também semelhantemente o faz (Jo. 5:17 e 19) 

Então a Jesus foi dada uma escolha: beber o cálice de nossos pecados ou voltar para casa, para a glória. Se Ele rejeitasse o cálice, o Pai lhe traria para casa, e todo nós iríamos para o inferno, por causa do nosso pecado. Mas Jesus nos amou tanto que ficou. Ele bebeu o cálice de nossos pecados até o fim.

  1. Deus pode sorrir para você hoje

Como homem, Jesus definitivamente sentiu a dor física da flagelação, espinhos e pregos, mas certamente seu maior sofrimento foi a separação do Pai. Na cruz, Ele clamou: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? (Mt. 27:46). Deus virou as costas para ele. No momento em que Ele mais precisava, seu pai teve que virar as costas para ele. Você sabe por quê? Porque se Deus não virasse as costas para Jesus, Ele teria que virar as costas para você! Jesus tomou o seu lugar para que você possa tomar o lugar dEle, onde a face de Deus está sempre sorrindo para você. Jesus pagou o preço para que Deus possa sempre sorrir para você.

  1. O Pai chorou

Deus virou as costas para seu filho, porque ele teve que puni-lo por nossos pecados. Ele é o juiz do universo. Mas, como Pai, eu creio que Ele chorou. Paulo diz que o sacrifício de Jesus foi de aroma suave ao Pai (Ef. 5: 2). Sim, como Deus e juiz, Deus teve que virar as costas para seu filho, porque Seus olhos são muito puros para contemplar o mal e o pecado (Hc. 1:13). Mas, como Pai, Seu coração estava quebrado, porque Cristo nunca foi mais agradável a Ele do que naquele momento. O Senhor Jesus sabia que o Pai o amava, porque ele dava a sua vida.

Por isso, o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai (Jo. 10:17-18).

Aqueles que possuem crianças pequenas amam seus filhos o tempo todo, mas, às vezes, seu filho faz algo especial por amor a você, e aquilo toca tanto o seu coração que você quer apenas abraçá-lo. Deus sentiu o mesmo por Seu Filho quando Ele estava na cruz. Mas ele não podia abraçá-lo mesmo quando Jesus gritou por ele! Jesus não conheceu pecado. Ele não cometeu pecado. E Nele não havia pecado (II Cor. 5:21). No entanto, Ele sofreu e morreu pelos nossos pecados, porque Ele amava o Pai e também porque nos amou até o fim.

  1. Açoitado para nossa cura

Provavelmente Jesus não recebeu 40 açoites menos um de acordo com a lei judaica (Dt 25:3, II Co. 11:24). Os soldados romanos que executaram a flagelação odiavam os judeus e não teriam observado o seu direito. Não sei quantas vezes o Senhor Jesus foi chicoteado, mas foi o suficiente para expor os ossos em suas costas. O Salmo 129:3, diz: Sobre o meu dorso lavraram os aradores; nele abriram longos sulcos. O Salmo 22:17 diz: Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim. A Bíblia diz que “pelas suas pisaduras nós fomos sarados” (Is. 53: 5). Por essas pisaduras o câncer morreu. Por essas pisaduras a asma do seu filho foi derrotada. Por essas chagas somos saudáveis e fortes! Algumas pessoas erroneamente presumem que Deus tem oscilações de humor. Se Ele está de bom humor hoje, Ele vai te curar, se está de mau humor, ele não vai curar. Como você pode colocar a sua fé em um Deus de humores? Mas isso não verdade. Deus é um Deus de Palavra. Ele vai curar você porque o Seu Filho pagou o preço para a sua cura. E a obra de Seu Filho é perfeita.

  1. Um sinal de amor

No Getsêmani podemos ver a completa obediência do Senhor Jesus. Em Filipenses 2:7-8 Paulo diz que:

ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.

É algo extraordinário ver que o Filho de Deus se fez escravo por nós. A palavra servo aqui é doulos que significa escravo. Há uma imagem muito bonita do que Jesus fez por nós, escondida na lei do escravo hebreu. Depois que Deus deu a Moisés os Dez Mandamentos em Êxodo 20, ele deu uma lei sobre os escravos em Israel.

Se comprares um escravo hebreu, seis anos servirá; mas, ao sétimo, sairá forro, de graça. Se entrou solteiro, sozinho sairá; se era homem casado, com ele sairá sua mulher. Se o seu senhor lhe der mulher, e ela der à luz filhos e filhas, a mulher e seus filhos serão do seu senhor, e ele sairá sozinho. Porém, se o escravo expressamente disser: Eu amo meu senhor, minha mulher e meus filhos, não quero sair forro. Então, o seu senhor o levará aos juízes, e o fará chegar à porta ou à ombreira, e o seu senhor lhe furará a orelha com uma sovela; e ele o servirá para sempre. Ex. 21:2-6 

Um escravo hebreu só podia servir seu senhor por seis anos, no sétimo anos ele saía livre. Se tivesse se casado e tido filhos nesses seis anos, ele não poderia levar a sua esposa e filhos junto quando ele saísse. Sua esposa e filhos pertenciam ao seu senhor. Essa era a lei então. Mas se o servo dissesse: Eu não quero sair livre, mesmo que esse seja o meu direito, porque eu amo a meu senhor, minha esposa e meus filhos. Então o seu senhor o levava diante dos juízes de Israel e aquele escravo então tinha a sua orelha furada na porta da casa. Ao fazer isso seu sangue seria derramado na porta. Sua orelha furada serviria como um sinal para os outros que Ele era agora um escravo por opção. Ele poderia ter saído livre, mas preferiu ficar porque amava o seu senhor, esposa e filhos. Assim ele deveria ficar na casa e servir o seu senhor para sempre. Você acha que um servo hebreu iria desistir de sua chance de ser livre depois de seis anos de escravidão? Talvez, mas eu não creio que um servo diria: “Eu amo meu senhor” em primeiro lugar, antes de expressar seu amor por sua esposa e filhos. Obviamente, o Espírito Santo tinha alguém em mente quando Ele mencionou essa lei em Êxodo 21. Quem você pensa que é essa pessoa? É claro que se refere a Cristo. O escravo hebreu guardava o buraco na orelha como sinal da sua escolha, mas o Senhor traz nas mãos os cravos da cruz.

  1. Se alegre com a plenitude do perdão

Jesus o perfeito Servo disse: Eu amo a meu senhor, e também amo minha esposa. Eu não vou sair livre. É um erro você pensar que ainda possui algum pecado que não foi perdoado. Se você acredita nisso, está dizendo: Jesus sofreu, sim, mas não é o suficiente. Eu sei que ele clamou “Está consumado”, mas no meu caso é diferente. O maior insulto a Cristo é crer que seus pecados ainda não foram perdoados. Ele tomou a plenitude da punição para que você possa desfrutar a plenitude do perdão.

  1. Um homem que nos serve para sempre

Quando Jesus optou por não ir embora livre, mas permanecer e ser traspassado na cruz, ele estava na verdade escolhendo permanecer um homem e um servo para sempre! Essa afirmação pode chocar algumas pessoas religiosas, mas no céu hoje, Jesus é sempre um homem e sempre o um Servo. Foi sua escolha. Ele disse: Eu não vim para ser servido, mas para servir (Mt. 20:28). Queremos ministrar ao Senhor. Queremos dar ao Senhor. Queremos fazer as coisas para o Senhor. A questão é que, nós somos completamente impotentes em nossos recursos. Só podemos dar aquilo que temos recebido. Portanto, a melhor coisa que você pode fazer é receber Dele. O que alegra o Senhor é quando ele encontra um pecador disposto a receber dEle. No céu, um dia, nós vamos ver as feridas de Jesus. E vamos lembrar que Ele não tinha que ter permanecido aqui e ser ferido por nossos pecados, mas Ele escolheu ficar porque nos ama!

Crescendo nas experiências do Espírito Santo – 28/05/2017

Crescendo nas experiências do Espírito Santo (Ezequiel 47:1-9)

Ezequiel mostra o desejo do Espírito Santo com relação a nos inundar da vida de Deus. Ter um coração ardente, fogo queimando no seu coração, é a chave para que não estagnemos na experiência crescente do Espírito Santo. Nosso fracasso repousa no fato de que demasiadas vezes usamos somente nossos sentidos naturais e intelecto para identificarmos as impressões que o Espírito Santo deseja nos passar. A vida que nos guia é a vida que flui de nós. Se o que nos guia é a vida da alma o que flui de nós é só a vida da alma!

Vamos entender por que fracassamos no fluir da Vida do Espírito, através das experiências das águas crescentes do Espírito Santo, e assim, despertar o seu desejo em ter as águas da Vida crescendo em sua vida:

  1. A experiência das águas nos tornozelos

mediu mil côvados e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos tornozelos.

As águas nos tornozelos é a primeira experiência com a Vida do Espírito Santo. Neste ponto, ainda temos liberdade para decidirmos. Essa experiência aponta para a fase inicial da vida cristã. É o Espírito Santo que te faz passar por essas experiências. Porque o Espírito Santo ainda não tem o controle sobre nós, tomamos algumas decisões que nos levam a experimentar a conduta da velha vida. Não permitimos o governo do Espírito Santo em nossa vida. É por isso que o apóstolo João escreveu:

Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo (1 João 2:1).

João ao escrever demonstra que o seu desejo é que os filhinhos avancem. Mas a questão é que muitos querem ficar nesta experiência e por isso não conseguem avançar no propósito de Deus para as suas vidas. Há crentes que não gostam de perder o controle de suas vidas. Eles querem continuar decidindo até onde ir e o que fazer. Esta é a razão pela qual eles permanecem com as águas em seus tornozelos.

  1. A experiência das águas nos joelhos

Mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos joelhos

Há irmãos que são como crianças que tem medo de água, querem sempre ficar no rasinho, só molhando os pezinhos. Para estes a segurança é a rasura. O que eles não percebem, é que, não há nada mais inseguro na vida de um filho de Deus do que a rasura.

Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno (1João 2:14b).

Neste ponto, o Espírito Santo consegue nos guiar de forma a prevalecermos contra os ataques do diabo. Mas é neste ponto que podemos cair no maior de todos os erros, achar que não nos falta nada e somos imbatíveis. Não é essa a marca dos jovens? Quando isso acontece retrocedemos e voltamos para a rasura, isso porque nos tornamos independentes. Neste ponto, o problema é o mesclar da condução do Espírito, com a vontade própria.

  1. A experiência das águas nos lombos

mediu mais mil e me fez passar pelas águas, águas que me davam pelos lombos

O fato das águas darem no lombo mostra esse aspecto da Vida do Espírito para conosco. Ele é o parakletos (o está do nosso lado nos guiando). O Espírito Santo é o seu verdadeiro amigo. Neste ponto nós experimentamos essa dependência, experimentamos a alegria de saber que não estamos sozinhos. Mas ainda não é tudo, tem mais!

  1. A experiência das águas que não podia atravessar

águas que se deviam passar a nado, rio pelo qual não se podia passar.

Nós fomos gerados por Deus para viver desta forma, entregues e guiados completamente pelo Espírito Santo. Nos outros três níveis a expressão chave é: me fez passar. Aqui há somente a entrega: rio pelo qual não se podia passar. Neste ponto, a satisfação, a alegria e o desfrute não depende de nada exterior, mas da Vida do Espírito que flui. Sua compreensão não está baseada na vida terrena, mas no Deus eterno que nos amou completamente, para sermos para o louvor da Sua glória. O desejo de Deus é que você seja completamente conquistado por Ele e que permita as águas da influência do Espírito Santo cresça em sua vida.

Conclusão

Deixe as águas subirem em sua vida e seja cheio transbordante. Se você está com águas nos tornozelos deixa elas subirem. Se você está com águas no joelho, deixe subirem. Se você está com águas nos lombos, deixe ser tomado completamente pelo oceano da graça de Deus. O lugar mais seguro para se viver, é nas águas profundas do Espírito Santo. Aonde você, como homem, não tem segurança, mas é neste lugar que o Espírito Santo governa – na nossa entrega.

A visão de Isaías – 21/05/2017

A Visão de Isaías (Isaías 6:1-8)

A visão que Isaías recebeu tinha por objetivo equipá-lo para a sua tarefa naquela hora crítica que o povo de Deus vivia. Isso é aprendizado para nós. Temos quatro pontos de partida dentro da perspectiva da visão de Isaías.

Primeiro, a do rei Uzias. Ele serviu a Deus por 52 anos, mas o final de sua vida foi uma tragédia. Não adianta começar bem, tem que terminar bem a sua carreira.

O segundo ponto, é de Isaías, alguém sensível vendo a Deus, mas também a si mesmo, pois não se julgava melhor do que o próprio Uzias, que morreu em decadência espiritual.

Temos ainda os Serafins, que com duas asas cobriam o rosto, porque reconheciam toda a santidade de Deus ao ponto de não serem dignos de contemplá-Lo diretamente.

E por último, temos a perspectiva de Deus como soberano, independente das nossas escolhas.

Um fato importante dentro da perspectiva de Deus, é o Seu desejo de compartilhar com o homem o propósito do seu coração, de sermos seus representantes na geração que vivemos, de sermos uma Voz que anuncia a sua mensagem. Toda essa experiência da visão de Isaias produziu marcas em sua vida e chamado naquela geração.

1ª marca –  Eu vi o Senhor

Quando temos uma visão de Deus ou uma percepção clara de quem Ele é, tudo em nós muda. A primeira experiência de todos nós, é com a luz, ela dissipa a nossa condição de treva. 2 Coríntios 4:6 A luz que brilha em nossos corações é o Evangelho. Ele nos revela Cristo e essa experiência tem o poder de nos salvar. Isaías viu o trono de Deus nós vimos Jesus. Todo aquele que se aproxima de Jesus em humildade de coração desfruta do Seu favor. Todos quantos ansiavam em apenas tocar em suas vestes, viram a Sua realeza, Ele era o Filho de Deus, e desfrutaram do Seu favor e graça. Não há nada mais poderoso do que: Eu vi o Senhor! A visão de Isaías foi suficiente para mudar o rumo de sua vida. Você pode vê-Lo em todo o momento! Toca-Lo a qualquer hora! Você pode desfrutar de um íntimo relacionamento com Ele!

2ª marca – Estou perdido!

Como resultado de sua visão a base do trono se moveu e a casa se encheu de fumaça. Mas o interessante é que quando a casa fica cheia da glória a primeira coisa que acontece é que enxergamos nosso pecado. Mas também enxergamos a graça de Deus.

Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna (Hebreus 4:16).

Hoje podemos nos achegar ao trono da graça sem culpa e condenação. Podemos olhar e ver o Sangue da Nova Aliança que é o novo e vivo caminho ao Pai. Não precisamos viver uma vida fora do posicionamento que a graça de Deus nos colocou. Quando Isaías deu esse grito: Ai de mim! Imediatamente a graça operou a favor dele e o anjo tocou os teus lábios; a tua iniqüidade foi tirada, e perdoado, o teu pecado. Aquele grito era o reconhecimento do seu pecado e sua confissão dele. Com o que o anjo tocou os lábios dele e retirou o seu pecado? Com uma brasa viva do altar. A cruz hoje, é o altar de Deus, e a brasa que tira o pecado é o Sangue de Jesus. A cruz é o trono e também o altar. É do trono de Deus que veio o verdadeiro sacrifício pelos nossos pecados, Jesus o Cordeiro de Deus! Essa brasa que removeu o pecado de Isaías é um símbolo do poder do Sangue de Jesus para nós hoje. Isaías entendeu a graça de Deus e foi um canal para liberar graça em sua geração. Você também pode ser um poderoso instrumento nas mãos de Deus. Pois a cruz está em seu coração. Você foi chamado a viver por meio de um coração ardente. Há uma tocha dentro de você!

3ª marca – Eis-me aqui!

Isaías em resposta a visão da graça de Deus diz: Eis-me aqui, envia-me a mim! Hoje, toda aquele que entende a graça de Deus, porque viu o Senhor, não consegue ficar omisso e nem parado. A graça faz de condenados inúteis, filhos amados e úteis em toda a boa obra do Pai. Seu Pai deseja te usar nesta geração! Esse é o desejo Dele para com você meu irmão! Mas para isso, é preciso que cada um de nós responda à pergunta: A quem enviarei, e quem há de ir por nós?

Conclusão

Há uma brasa viva dentro do coração que precisa arder constantemente. Essa brasa é o amor do Pai por nós e pelos irmãos que estão perdidos. Esse amor fervoroso nos impele incondicionalmente a pregar o Evangelho. Esse amor fervoroso nos leva espontaneamente a dizer: eis-me aqui. Esse amor fervoroso remove as nossas desculpas e dificuldades de sermos uteis nas mãos do nosso Pai. Esse amor fervoroso nos leva a satisfazer o coração do nosso Pai.

O caminho de Emaús – 14/05/2017

O caminho de Emaús

No livro de Lucas, temos a história do Caminho de Emaús, onde dois discípulos tiveram um encontro com Jesus depois da Sua ressurreição, mas não O reconheceram pois seus olhos estavam impedidos de reconhecer o Senhor.  (Lucas 24:13-35)

Durante a caminhada os olhos deles foram se abrindo gradualmente até que no final eles reconheceram o Senhor. Creio que todos nós, alegoricamente, estamos nessa estrada e enquanto caminhamos recebemos luz para conhecer o Senhor intimamente em nosso espírito. Nosso caminhar precisa ser uma experiência de constante ardor em nosso coração. Vejamos alguns princípios nos quais o Senhor os conduziu enquanto caminhavam:

  1. Os olhos estavam impedidos de ver, pois o Senhor ainda não era o centro

Eles estavam tristes e o Senhor lhes pergunta o motivo da tristeza. A resposta deles é significativa: nós esperávamos que fosse ele quem havia de redimir a Israel” (Lc. 24:21). Então eles criam no Senhor, mas o Senhor não era o ponto central, o ponto central era Israel. Muitos agem como aqueles discípulos. Eles dizem: “estamos tristes porque pensamos que Jesus iria fazer nosso filho passar no concurso”, “nós pensamos que Jesus iria prosperar nossa família”. A verdade é que Jesus não é o centro, nós queremos usá-lo para alcançar o que realmente pensamos que é o centro. O Senhor é tão amoroso e tão bondoso que tem prazer de dar tudo o que desejamos. No Velho Testamento a presença de Deus era tipificada pela Arca da Aliança. Saul foi levantado como rei, mas nunca ligou para a Arca, ele nunca buscou um lugar para a presença de Deus. O Senhor se agradou de Davi porque ele tinha a Arca como algo central. Para nós hoje isso significa trazer Cristo para o centro da vida da Igreja, o centro da nossa mensagem. Os discípulos no caminho de Emaús não reconheceram o Senhor porque não O tinham como centro do seu pensamento. Muitos não conseguem ouvir e relacionar com o Senhor apropriadamente porque Ele não é o centro de seu pensamento.

  1. Conhecer a Jesus hoje é vê-lo nas escrituras

E, começando por Moisés, discorrendo por todos os Profetas, expunha-lhes o que a seu respeito constava em todas as Escrituras. (Lucas 24:27)

O Senhor poderia ter simplesmente dito aos discípulos: “Olha! Sou eu!”. Mas em vez disso Ele passou a mostrar nas Escrituras tudo o que estava escrito a respeito Dele. Isso aconteceu para nos mostrar que a maneira como conhecemos o Senhor hoje na Nova Aliança é pela revelação da Palavra de Deus.

Nesses dias vamos meditar nas 21 mensagens do livro Coração Ardente, cada texto, cada afirmação é importante enxergarmos Jesus. Não podemos caminhar na experiência cristã sem ter esse ardor em nosso coração constantemente, ignorando que Ele está ao nosso lado.

  1. Quando o pão é partido nossos olhos se abrem

Quando eles chegaram em casa constrangeram o Senhor para que entrasse e quando Jesus partiu o pão os olhos deles se abriram e eles reconheceram que era Jesus. (Lucas 24:30-31) É interessante que a mesma expressão é usada para Adão e Eva (se lhes abriram os olhos) quando comeram da árvore do conhecimento do bem e do mal. Mas agora os olhos dos discípulos se abriram quando o pão foi partido. No Velho Testamento, Adão e Eva comeram da comida errada e tiveram os olhos abertos para o pecado. Mas no Novo Testamento, os discípulos comem da comida certa e seus olhos são abertos para ver o Autor da vida. Então tudo depende da comida, se comermos a comida certa nossos olhos serão abertos para ver Cristo, mas comermos da comida errada veremos o pecado.

  1. O coração aquecido é sinal de olhos abertos

No final a prova incontestável de que eles tinham estado com o Senhor Jesus era o coração deles que ardia enquanto Ele lhes falava. Quando desfrutamos do Senhor em nosso espírito espontaneamente nosso coração entra em santa combustão. Paulo diz aos Romanos: Sede fervorosos de espírito, servindo ao Senhor! (Romanos 12.11). Ou seja, sirvam ao Senhor com o espírito em chamas. Tenham um coração ardente. Se o seu coração arde pode estar certo que o Senhor está se revelando a você. Nesses dias Ele irá te surpreender e seu coração arderá em amor e encargo por Sua presença.

Conclusão

Tome essa palavra neste dia como um recomeço, uma renovação e um estímulo para a sua vida. Não fique parado nos fatos negativos da vida, como os discípulos, mas permita-se a receber Vida da parte de Jesus para a sua vida. A partir de amanhã começamos uma jornada crescente e constante de revelação da pessoa Maravilhosa do Senhor Jesus, que os nossos olhos se abra, pois comeremos a sua Palavra, a verdadeira comida e beberemos do Seu Espírito, a verdadeira bebida.

Desfrutando da Vida – 07/05/2017

Desfrutando da Vida

O seu coração é o alvo do Espírito Santo. A vontade de nosso Pai é que desfrutemos da Vida que flui de dentro do nosso espírito e tenhamos uma alegria completa em todas as áreas de nossas vidas. Agora, para desfrutarmos desta Vida é importante entender sobre a comunhão com o Pai e os irmãos.

O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo da vida (e a vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a vida eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada), o que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós, igualmente, mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho, Jesus Cristo. Estas coisas, pois, vos escrevemos para que a nossa alegria seja completa (1João 1:1-4).

João diz que eles tinham ouvido, visto, contemplado e suas mãos apalparam com respeito ao Verbo da vida, e continuavam a lembrar o que tinham vivido junto com Jesus (testemunhamos e anunciamos). João traz uma revelação crescente da Pessoa de Jesus.

Primeiro é ouvir – suas palavras produziam admiração nos seus ouvintes, pois não falava como os escribas, mas como quem tinha autoridade (Mc 1:22). Ouvir e crer nas palavras que Jesus disse é a porta de entrada para a comunhão com Cristo.

Segundo é ver – Ver diz respeito ao agir de Jesus em nossa vida e circunstancias. As implicações de ter ouvido, foram seguidas de mudanças visíveis em suas vidas.

Terceiro é contemplar – Contemplar é olhar com admiração. E assim, tudo o que Ele falou, fez e nos ordenou passa a ser um encargo em nosso coração. Não é uma questão de segui-Lo por obediência, mas de obedecê-Lo em amor e admiração. Quando contemplamos o Senhor, obediência se torna algo pequeno. Como Pedro disse: para quem iremos?(Jo 6:68-69) – Pedro estava dizendo que todas as possibilidades se esgotam em Jesus, quando experimentamos sua Vida em nossa vida.

Quarto é apalpar Algo diferente acontece quando tocamos em Jesus, quando O apalpamos. Foi isso que a mulher hemorrágica fez, e sua vida nunca mais foi a mesma. Quando Ele nos toca somos abençoados, mas quando tocamos Nele somos transformado.  Podemos apalpá-Lo e receber Vida constantemente.Todavia, para isso, o ciclo precisa se completar. Creio que o ponto crucial deste ciclo é o contemplar. Chegar ao fim com Cristo e dizer: para onde iremos!

Quando temos essas experiências, somos inundados com uma alegria completa em nossos relacionamentos. João visava a Igreja e nossos relacionamentos. É importante entendermos que o nosso relacionamento com Deus será na mesma medida com os irmãos. Quem relaciona corretamente com Deus, relaciona corretamente com os irmãos.

  1. A comunhão com o Pai

No verso 2 João diz que a Vida eterna se manifestou. Cristo é a própria Vida eterna. A palavra eterna não significa sem fim somente, mas a ênfase está na qualidade de vida. É ter a vida do tipo da vida que Deus vive, é sua natureza. Isso é glória! Jesus disse em João 17:22 que nos transmitiu a glória, para que sejamos um, como o Pai, o Espírito e o Filho são. O fim da Vide eterna é sermos UM como a divindade é. Podemos amar como Ele ama, podemos trabalhar como Ele trabalha, podemos perdoar como Ele perdoa, podemos servir como Ele serve…

Isso não precisa ser um esforço, antes deve ser a manifestação da Vida que está em nós.

  1. A comunhão com os irmãos

A comunhão da Vida nos leva a relacionar com o Pai, mas como resultado somos conduzidos a relacionar uns com os outros, os irmãos, na mesma Vida. A palavra comunhão (koinonia), significa participação conjunta ou participação em comum da mesma Vida. Se retirarmos a Unção do Espírito não haverá comunhão. Pois é por meio Dele que a Vida flui, sem Ele, a carne domina (Gl. 5 :17). Não há como manter a comunhão de Vida relacionando com base na carne. Portanto comunhão é uma questão de compartilhar do mesmo tipo de Vida.

O resultado da comunhão deve ser em primeiro lugar, alegria completa. Se você não tem alegria de estar com os irmãos está errado! Mas há um segundo resultado na comunhão, a luz de Deus:

Ora, a mensagem que, da parte dele, temos ouvido e vos anunciamos é esta: que Deus é luz, e não há nele treva nenhuma. Se dissermos que mantemos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não praticamos a verdade. Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado (1João 1:5-7).

Depois de provarmos algo tão doce como o Senhor, não teremos paladar para mais nada, tudo fica sem sabor. A Vida de Deus já está em nós, mas se quisermos desfrutar da comunhão dessa Vida, tanto com o Pai e como os irmãos, precisamos cumprir certas condições:

1ª Condição – Não podemos ter comunhão com Deus e os irmãos e ainda andarmos em trevas

Toda vez que pecamos o interruptor é desligado e ficamos em trevas. Sempre que estamos fora da comunhão, estamos em trevas. A luz faz com que as coisas de Deus sejam reais, e não meramente doutrina. Se estamos na luz mantemos comunhão uns com os outros. Então o raciocínio inverso também é verdadeiro, se perdemos a comunhão uns com os outros estamos em trevas.

2ª Condição – Não podemos ter comunhão com Deus e os irmãos sem reconhecer que temos o pecado em nós

No v.8 diz que precisamos reconhecer que temos pecado, ou seja que possuímos uma natureza pecaminosa. O Senhor morreu na cruz para tratar com o pecado que habita dentro de nós. Isso significa que o pecado foi tratado – fomos perdoados, purificados e libertos do que éramos. Mas isso não significa que o pecado foi erradicado do nosso ser. Veja o que João diz:

Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós (1João 1:8).

O vencedor não é aquele que diz: nada me atinge, mas aquele que sabe que possui a semente do pecado em si, por isso, vigia e foge de toda ocasião oportuna ao pecado. Quando confessamos nossos pecados por meio do Sangue de Jesus, Deus não tem escolha senão de perdoar-nos. Porque temos dificuldade em perdoar? Porque não entendemos qual é a diferença entre perdoar e purificar. Por isso precisamos conhecer a diferença entre pecado e injustiça. Os pecados referem-se as nossas ofensas. Pecados precisam ser perdoados. A injustiça é o sinal, a mancha, em nossa conduta, causada por cometer uma ofensa repetidamente.  Purificar é remover a mancha, o estigma que fica por causa da ofensa que cometemos. É assim que Deus nos trata, é assim que devemos tratar os irmãos que nos ofendem. Há cônjuges e também irmãos que não conseguem manter um coração ardente na presença de Deus porque não conseguem viver essa verdade. As implicações espirituais de ouvir, ver, contemplar e apalpar o Senhor Jesus, precisam ser profundas o suficiente para que, todos possam viver o desfrute da Vida à qual foram inseridos.

Os selados pelo Espírito Santo – 30/04/2017

Os selados pelo Espírito Santo

Apocalipse 7:1-8

O capítulo 7 que é um parêntese entre o sexto selo e o sétimo. Observe que o sétimo selo é retomado no capítulo oito. Vimos que o sexto selo é uma advertência de Deus da tribulação que está vindo. Mas antes disso ocorrer Deus selará os seus dois povos: os judeus (1-8) e a igreja (9-17). Desde o começo do mundo tem havido calamidades naturais, mas a partir do sexto selo as calamidades serão sobrenaturais, Deus mesmo estará derramando sua ira sobre a terra. Agora é importante entender que o arrebatamento dos vencedores é eminente. Nós vivemos os dias que antecedem ao arrebatamento dos vencedores. É importante lembrar que não há sinais para o arrebatamento dos vencedores. Jesus vem como ladrão antes da Grande Tribulação. Este selo é uma preparação para os grandes eventos da conclusão da história da redenção.

  1. Os 144 mil selados de Israel

João viu quatro anjos em pé nos quatros cantos da terra, conservando seguros os quatro ventos da terra. O Senhor manda que os anjos aguardem até que todo servo de Deus seja selado. Isso porque a partir do sétimo selo, tem início a Grande Tribulação. O anticristo neste período também marcará os que lhe pertence. Por que o Senhor irá marcar os que lhe pertence? Porque a Sua ira não virá sobre aqueles que lhe pertence. Mas mesmo assim, não serão dias fáceis para os que ficarem, pois o anticristo os perseguirá até a morte.

  1. A marca

Não sabemos que marca será está, mas é algo que será reconhecido pelos anjos enviados para julgar a terra. Esta é a maneira de Deus preservar seus escolhidos enquanto executa seu juízo. Embora Israel seja amado por Deus, é preciso reconhecer que eles estão em incredulidade. Eles ainda se apegam à sua velha religião. Eles na verdade estão em rebelião contra Deus. As profecias indicam que eles continuarão assim até ao último dia. Deus, todavia, permanece fiel à sua aliança com o povo de Israel. Ele cuidará de Israel por causa da sua aliança com Abraão. Esses 144 mil que serão selados não sofrerão com a Grande Tribulação.

b) A relação das 12 tribos de Israel

A respeito da relação das 12 tribos três fatos devem ser observados:

1º)Rúben era o primogênito de Israel, mas devido à sua pecaminosidade perdeu o seu direito de primogenitura para Judá (I Cr. 5:1-2). Assim Judá, que era o segundo, é mencionada primeiro. A primogenitura não reside apenas na questão de nascer primeiro, primordialmente ele deveria responder a Deus primeiro. A pecaminosidade remove-nos da nossa função sacerdotal. É por isso que o Senhor os adverte: venho sem demora, conserva o que tem para que ninguém tome a sua coroa. Judá acabou ficando com algo que era para ser de Rúben.

2º) A tribo de José recebeu porção dupla, uma vez que Manassés era seu filho e o próprio José é mencionado (I Cr. 5:1-2, Ez. 48:4-5).

Durante o milênio José terá porção dobrada, que era direito do primogenitura. Apesar de José não ter recebido a preeminência de Judá, recebeu uma herança dobrada, que era destinada ao primogênito. Porque ele recebeu tal porção? Devido a sua obediência. Você deve lembrar que ele foi tentado pela mulher de Potifar, e porque passou no teste, foi qualificado para sentar-se no trono do Egito. Que possamos como José, ser qualificado diante das tentações que nos sobrevém. Pois esse é o caminho do trono!

3º) A omissão da tribo de Dã por causa da sua idolatria (Jz. 18:30-31, I Rs. 12:29-30, II Rs. 10:29 e Dn. 49:17).

O pecado de Rúben lhe tirou a recompensa, mas a idolatria de Dã levou-o a ser cortado fora. Já a obediência de José lhe garantiu porção dobrada.

O número

Assim como não podemos saber como será a marca, também parece difícil afirmar se esse número 144.000 é literal ou simbólico. Minha opinião pessoal é que nesse ponto se refere ao um número literal. Podemos no entanto, estar certos de que se refere a Israel e não a Igreja. Uma das promessas feitas a Israel é que o remanescente dos judeus será salvo.

O arrebatamento dos santos vencedores. 7:9-17

Como vimos, Deus tem dois povos, Israel e a igreja. Eles são representados segundo a promessa de Deus feita a Abraão pela areia do mar (judeus) e as estrelas do mar (igreja). Deus preserva os judeus através de um selo, mas os santos vencedores da igreja serão arrebatados. Os judeus serão preservados, mas ficarão aqui na terra, enquanto os vencedores serão arrebatados. Todavia os crentes derrotados também ficarão aqui na terra, não sofrerão os juízos, porém o anticristo os perseguirá e matará a muitos. É importante entender que os crentes já são selados. Quando uma pessoa se converte a Jesus, ela recebe o selo do Espírito Santo. Fisicamente ninguém consegue perceber nada de diferente em nós, porém o mundo espiritual sabe que há um selo sobre a nossa vida.

em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; (Ef. 1:13).

A grande multidão inumerável – v. 9

A grande multidão mencionada aqui consiste nos redimidos das nações através de todas as gerações, que são inumeráveis e que constituem a igreja. Essa multidão é procedente de toda tribo, língua, povo e nação. Deus será glorificado em todas as línguas que já existiram sobre a terra.  Estes são os vencedores de todos os tempos, são os crentes vencedores vivos e as virgens prudentes que dormem, mas que serão despertadas para as bodas.

Tendo vestiduras brancas e ramos de palmeira nas mãos – v. 9

As vestes estão no plural indicando a veste de salvação (Gl. 3:27) e a veste que é tecida pelos atos de justiça (Ap. 19:8). A primeira é para a salvação a segunda é para entrar no reino. A primeira é recebida de graça a segunda temos que tecê-la no dia a dia com nossos atos de justiça diante de Deus. Eles também estão com palmas nas mãos. Os ramos de palmeira são uma alusão à festa dos tabernáculos onde o povo se alegrava na salvação de Deus. Assim vemos que essa multidão vai desfrutar de uma eterna festa dos tabernáculos. Os ramos de palmeira eram para lembrar o povo o suprimento de Deus no deserto e na tribulação. Assim a multidão dos remidos celebra a vitória sobre a tribulação. O nosso Deus é um Deus de festa, um Deus de alegria. Ele deseja festejar com seus filhos, pois ama a intimidade da sua família. Foi isso que o pai do filho pródigo fez quando ele retornou, uma grande festa.

Vindo da grande tribulação – v. 13 e 14

Em seguida um dos anciãos pergunta donde vieram essa multidão. Ele mesmo responde que vieram da grande tribulação (não é o Grande e Terrível Dia do Senhor). É indiscutível que a nossa vida é chamada de grande tribulação. Afinal, a vida não é um mar de rosas. No mundo passamos por aflições, como disse Jesus (Jo. 16:33). Paulo diz que a tribulação é importante porque produz perseverança, e esta, experiência. A tribulação desencadeia um processo de crescimento importante para cada um de nós. Não podemos nos esquecer, que em todas essas coisas somos mais que vencedores.

De pé diante do trono

Isto se refere claramente ao que Jesus disse em Lucas 21:34-36, o que indica claramente o arrebatamento dos vencedores.  Isto nos mostra que o arrebatamento dos crentes vencedores acontecerá antes da grande tribulação. O Senhor nos explica em Lucas o que significa estar em pé e quais são as condições para alguém estar ali, em pé, diante do trono do Cordeiro. Só estarão de pé diante do Filho do Homem, aqueles que venceram as orgias (excessos, trbalho demais, estudo demais, …) dessa vida e que não se deixaram embriagar pelas preocupações desse mundo.

A vida na eternidade

Podemos ter um vislumbre da vida na eternidade nesse trecho do capítulo sete. Nós vemos que, serviremos ao Senhor dia e noite no seu santuário. Como uma galinha que estende suas asas e protege e guarda seus pintinhos, o Cordeiro nos apascentará e nos guiará às fontes das águas vivas. Apascentar aqui significa alimentar. Naquele tempo nada nos faltará (Sl. 23:1). Beberemos das fontes das águas da vida que é o próprio Pai. Não teremos fome nem sede e nem calor. Debaixo do apascentamento de Deus nada nos faltará e nunca mais sentiremos qualquer necessidade. Deus nos enxugará dos olhos toda lágrima. Hoje estamos com o Senhor no espírito, no entanto, naquele dia nossos olhos O verão e nossos ouvidos O ouvirão. Vamos contempla-lo face a face e seremos tal qual Ele é. Não é possível ser um filho de Deus e não ansiar por esse dia. Paulo diz que somente aquele que ama a vinda do Senhor, e anseia por ela, receberá a recompensa naquele dia. (2Tm. 4:8). Agora, ele deseja o céu não porque a vida aqui está ruim, mas porque anseia estar com o Senhor. Precisa haver um anseio verdadeiro pelo céu em nosso coração. Você sabe porque o Senhor se tornou Cordeiro? Para nos compreender. Uma coisa é entender alguém ouvindo explicações, outra é sofrendo as mesmas coisas e tendo as mesmas experiências. Deus se fez Cordeiro, por isso é capaz de compreender-nos. Ele é ovelha como nós! Por um lado Ele, o Cordeiro nos leva para as águas da vida, por outro, o Senhor tira as águas de insatisfação dos nossos olhos. Se atualmente, nossa bebida têm sido nossas lágrima, naquele dia Ele vai nos conduzir às fontes da água da vida. Neste capítulo vemos o cuidado de Deus pelo Seu povo.

Os sete selos, o Cordeiro-Leão – 23/04/2017

Os sete selos, o Cordeiro-Leão

No Capitulo 6 João coloca em questão os sete selos que selavam o livro o qual ninguém podia abrir, exceto o Cordeiro de Deus. A abertura de cada selo desencadeia um acontecimento em seguida, vejamos então cada um deles.

  1. O primeiro selo. 6:1-2

O cavalo branco é a pregação do evangelho. Até a volta do Senhor o evangelho sempre prevalecerá. Isto significa que por mais que haja perseguição e resistência, a igreja sempre estará aqui e a mensagem do evangelho sempre será pregada.

  1. O segundo selo. 6:3-4

O cavalo vermelho simboliza a guerra. O vermelho aqui simboliza o derramamento de sangue. Desde a ascensão de Cristo tem havido guerra na terra e nunca houve sequer um tempo de paz em toda a terra. Tirar a paz da terra, matarem uns aos outros e com uma espada nos fala claramente de guerra.

  1. O terceiro selo. 6:5-6

O cavalo preto simboliza a fome. A balança aqui é usada para simbolizar a escassez. A fome sempre segue a guerra; assim o cavalo preto segue o cavalo vermelho.

  1. O quarto selo. 6:7-8

O cavalo pálido ou amarelo-esverdeado é a morte. O inferno aqui é o Hades. É o lugar onde estão as almas dos não salvos aguardando o julgamento do trono branco (Ap. 20:11-15). O Hades e o lago de fogo são duas coisas diferentes. O Hades ou inferno é como uma prisão provisória e o Lago de fogo e enxofre uma prisão definitiva. Durante estes vinte séculos estas quatro coisas tem marcado a história da humanidade. A pregação do evangelho, a guerra que produz fome e a morte. Esses cavaleiros estão numa corrida e os três últimos fazem com que o primeiro vença. Onde há guerra, fome ou morte o evangelho é sempre bem sucedido.

  1. O quinto selo. 6:9-11

O quinto selo muda o padrão indicando que os selos são um grupo de três mais quatro. Na Bíblia o sete é quase sempre a soma de quatro mais três, ou seja, a união de dois grupos.

O martírio: O quinto selo fala daqueles que foram martirizados desde o primeiro século até a vinda de Cristo. Enquanto o primeiro cavaleiro sai para anunciar o evangelho sempre há muito martírio dos santos fiéis.

O clamor: Vemos que as almas estão debaixo do altar. Isto é uma figura dos sacrifícios oferecidos sobre o altar no Velho Testamento. Quando um sacrifício era oferecido no altar o seu sangue descia até a base do altar. O fato das almas dos mártires estarem debaixo do altar indica que para Deus eles foram oferecidos como sacrifício sobre o altar, e que seus sangues e suas vidas foram derramados lá.

  1. O sexto selo. 6:12-17

O sexto selo parece ser a resposta de Deus ao clamor dos santos martirizados e marca o começo das calamidades sobrenaturais da grande tribulação. O sexto selo ainda não é a grande tribulação propriamente dita, é apenas uma advertência para os homens para que se arrependam e se voltem para Deus. Joel diz que haverá um sinal no céu antes da grande tribulação.

E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões;  até sobre os servos e sobre as servas derramarei o meu Espírito naqueles dias. Mostrarei prodígios no céu e na terra: sangue, fogo e colunas de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua, em sangue, antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR. (Jl. 2:28-31)

A grande tribulação começa no sétimo selo que inclui as sete trombetas. Como resposta à advertência de Deus os habitantes da terra se esconderão nas cavernas e nos penhascos. Esta é a atitude da consciência deles os acusando diante de Deus, como Adão.

O CORDEIRO-LEÃO CAP 5

Apocalipse 5:1-2 “Vi, na mão direita daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora, de todo selado com sete selos. Vi, também, um anjo forte, que proclamava em grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de lhe desatar os selos?”

Vs. 5-6 “Todavia, um dos anciãos me disse: Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos. Então, vi, no meio do trono e dos quatro seres viventes e entre os anciãos, de pé, um Cordeiro como tendo sido morto. Ele tinha sete chifres, bem como sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus enviados por toda a terra”.

Esse livro que João viu possui 2 significados. Em primeiro lugar o livro aponta para um testamento. Era um costume antigo antes da morte de alguém, se escrever o seu testamento na presença de sete testemunhas que selavam o livro com sete selos até a morte do testador. Esse livro visto por João é o testamento, a herança de Deus, mas como abri-lo uma vez que só pode ser aberto com a morte do testador? Deus como testador jamais pode morrer! Por isso Cristo é o único que pode abrir o livro, Jesus é  Deus-Homem e quando se fez homem experimentou a morte e por isso agora o testamento pode ser aberto e a herança pode ser repartida entre todos os filhos. Aleluia! O segunto significado do livro é que ele aponta também para a redenção da terra e do homem. Na lei de Moisés quando alguém empobrecia em Israel a única opção era vender sua propriedade, mas aquele que comprava sabia que não estava adquirindo uma posse definitiva. A qualquer momento um membro da família dessa pessoa com poder aquisitivo poderia reaver a terra de seu parente, este era chamado de, parente resgatador ou remidor. Nas mãos de Deus, o Juiz da terra, está o livro da posse e a escritura da terra, pois a terra foi perdida pelo homem no Éden, Jesus como nosso parente resgatador quitou a nossa dívida e agora pôde reaver toda nossa herança que havia sido perdida.

Jesus é chamado de Leão pelo anjo, contudo João viu um Cordeiro.

Há dois problemas no universo, o pecado e o diabo. Como Leão Jesus resolveu o problema do diabo e como Cordeiro ele solucionou o problema do pecado. Os anjos sabem que um dentre eles se tornou inimigo de Deus e que se fazia necessário que alguém se levantasse para derrotar esse inimigo, o Leão da Tribo de Judá esmagou a cabeça da antiga serpente na cruz. É dito também que Jesus é a raiz de Davi e não mais o descendente de Davi, mostrando que tudo foi feito por meio Dele, Ele é a origem de todas as coisas! Sobre Davi é dito que ele agradava o coração de Deus, pois ele era apenas um símbolo Daquele que cumpriu com toda a vontade de Deus, Jesus Cristo.

João viu um Cordeiro como tendo sido morto recentemente.

Jesus não é um cordeiro comum, Ele é um Cordeiro com sete chifres e sete olhos. O fato de ser sete chifres significa que Ele tem todo poder, toda autoridade. O fato dos sete olhos que são os sete Espíritos de Deus significa que Ele tudo sonda e tudo julga. O maravilhoso é que seremos apascentados pelo Bom Pastor mas que também sabe o que é ser cordeiro, ovelha. Ele entende as nossas fraquezas, foi tentado e provado em tudo, por isso nos apascenta com graça e misericórdia!

Conclusão

Apocalipse 5:7-14  Veio, pois, e tomou o livro da mão direita daquele que estava sentado no trono; e, quando tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos, e entoavam novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro e de abrir-lhe os selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra. Vi e ouvi uma voz de muitos anjos ao redor do trono, dos seres viventes e dos anciãos, cujo número era de milhões de milhões e milhares de milhares, proclamando em grande voz: Digno é o Cordeiro que foi morto de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. Então, ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo o que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos. E os quatro seres viventes respondiam: Amém! Também os anciãos prostraram-se e adoraram”.

Aqui os anjos estão catando ao nosso respeito. O Senhor abriu o livro ao qual relata que Ele comprou para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação. Estes que Ele comprou, nós, os constituiu reino e sacerdotes, imagem e semelhança, vasos e instrumentos. Quando Deus criou o homem o criou para um propósito, e o livro que está na mão direita daquele que está no trono contém esse propósito que se cumpriu em Cristo. O alvo de Deus era que Adão fosse rei sobre a terra e também sacerdote para expressá-lO. Jesus não morreu só para nos salvar, morreu para que o propósito de Deus pudesse se cumprir, fomos chamados para reinar sobre esta terra e ser a expressão Dele! Por isso, precisamos pregar um evangelho mais profundo do que simplesmente dizer as pessoas que venha para o Senhor para terem paz, descanso, prosperidade e etc. Há muito a mais. Precisamos pregar o evangelho do plano e da vontade eterna de Deus, o evangelho do reino. Qual é o evangelho do Reino? Imagem e semelhança para sermos reis e sacerdotes! (ex. Policial / farda / autoridade). Muitos não tem tido autoridade porque não tem expressado a imagem de Cristo. O que seus familiares, amigos, pais, colegas de trabalho vêem em você? Qual a imagem as pessoas vêem em você? Talvez você queira influenciar pessoas na sua célula. Mas você só vai ter autoridade para isso contemplando o Senhor e transmitindo a sua imagem.

E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito. (2 Co 3:18)

A revelação do trono de Deus – 16/04/2017

A REVELAÇÃO DO TRONO DE DEUS – Ap. 4

Há um trono no centro do universo e esse trono deve estar no centro de nossas vidas. Todo mover de Deus na história aconteceu porque alguém viu o trono. O Trono representa o governo, a autoridade, a soberania e o senhorio de Deus sobre o universo. Vejamos então como João descreve a revelação do Trono.

1 – HÁ ALGUÉM SENTADO NO TRONO. 4:1-3

João não ousou definir Deus. Ele se refere a Deus como alguém sentado no trono.

João diz que há “alguém no trono”. Ele é alguém porque é pessoa, diferente do ensino da nova era que crê em algo, um ente, um ser ou qualquer coisa impessoal. João também diz que ele é “semelhante”. Tal é o temor de João que ele não ousa a falar de Deus a não ser usando comparações.  Nós temos o santo privilegio de nos referirmos aquele que esta assentado no trono de Pai! E a maneira de permitirmos que esse trono governe as nossas vidas é se relacionando com o Pai amoroso que está assentado no trono.

  1. HÁ UM ARCO-ÍRIS AO REDOR DO TRONO. 4:3

Esse arco simboliza a aliança de Deus conosco:

Gn 9:13 “Porei nas nuvens o meu arco; será por sinal da aliança entre mim e a terra”.

Depois que Nóe saiu da arca Deus fez uma aliança com ele e sua descendência que jamais destruiria a terra através de um diluvio. Então quando contemplamos o trono contemplamos também a aliança que Deus fez conosco e assim podemos nos achegar com confiança diante do trono.

Hb 4:16 Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna

Para aqueles que fazem parte dessa aliança o trono não é um lugar de pavor e medo, mas sim de graça e misericórdia!

3.DO TRONO SAEM RELÂMPAGOS, VOZES E TROVÕES. 4:5

O que significam? A princípio nos falam do juízo de Deus e do seu poder julgador. Porém no capitulo 8:3-5 esses mesmo sinais acontecem quando nossas orações são lançadas na terra. Por isso não devemos cessar de orar, pois quando oramos de acordo com o trono, ou seja, com a Sua vontade, coisas misteriosas acontecem, cadeias são quebradas, circunstancias são mudadas, etc. Ás vezes achamos que a obra é feita por “grandes homens de Deus”, a verdade é que o Todo-poderoso esta agindo através das orações dos milhões de fiéis que estão clamando nesta terra. Por isso, não pare de orar!

4.DIANTE DO TRONO ARDE O FOGO DO ESPÍRITO. 4:5

Se você deseja o fogo de Deus em sua vida, você precisa ir para diante do trono. Muitos irmãos acham que ser cheio do fogo é somente uma questão de orar e jejuar. Ainda que, essas duas disciplinas espirituais seja meios para nos enchermos do fogo de Deus, sem submissão ao trono não há mover de Deus. Há muitos irmãos cheios do fogo do Espírito não por orarem ou jejuarem muito, mas porque se submetem ao governo da vontade de Deus! João diz que diante do Trono há sete tochas de fogo que são os sete Espíritos de Deus, isso simboliza a plenitude do Espírito. Devemos orar, jejuar, adorar, mas só alcançaremos a plenitude do Espírito se acrescentarmos o ingrediente mais importante de todos, o trono de Deus em nossas vidas. Se o seu problema for de insubmissão a vontade de Deus, você nunca será plenamente cheio do fogo do Espírito!

5.HÁ UM MAR DE VIDRO COMO CRISTAL. 4:6

Isso significa que diante do trono só há lugar para transparência e verdade.

Diante do trono não há lugar para dissimulação e fingimento porque estamos pisando em algo muito limpo e transparente! Por isso o grande sinal de alguém que contemplou o trono é o arrependimento e a contrição. Quando Isaias viu o trono ele enxergou também o seu pecado, e ao reconhecer o seu pecado imediatamente ele foi purificado. (Isaías 6:1-7) Não estou dizendo que devemos viver debaixo de condenação, mas uma coisa é fato, quanto mais nos aproximamos da luz, mais percebemos nossas imperfeições. (Ex da mão aproximada da luz) Assim pode ser mais misericordiosos com as imperfeições dos nossos irmãos.

6.DO TRONO SAI O RIO DA VIDA. 22:1

O rio sempre sai do trono, quando o trono está posto no nosso interior é dali que o rio vai fluir. Sequidão é a condição de quem está longe do trono. O rio só flui para baixo, se ficarmos debaixo do trono, nos submetendo a ele, o rio fluirá espontaneamente. Por isso, a vida de alguém cheio do Espírito é a vida de alguém que não faz mais o que acha ser o melhor, mas que faz apenas o que o Rei que esta no trono determinou. Interessante observar como que hoje em dia a Palavra de Deus não basta, não basta estar escrito, as pessoas precisam ser convencidas com inúmeros argumentos. É por isso que vivemos uma geração tão seca do fluir de Deus!

OS QUE VIVEM DIANTE DO TRONO

Há pelo menos três categorias de seres que habitam diante do trono. Os anjos, os seres viventes e os vinte e quatro anciões.  Estudar suas características nos ajudam a entender quais são as características de alguém que vive diante do trono.

1 – OS ANJOS

Talvez alguém conclua que os anjos nos servem como modelos espirituais, mas eles não estão tão distantes de nós.

Ap 21:17 “Mediu também a sua muralha, cento e quarenta e quatro côvados, medida de homem, isto é, de anjo”

A medida de anjo é a mesma medida de homem, eles se misturam com os homens e por toda a bíblia encontramos relatos onde pessoas receberam anjos pensando estar recebendo homens comuns. Tudo aquilo que os anjos fazem nós também fazemos, como eles temos uma missão profética anunciando os juízos divinos. Eles são testemunhas e nós também o somos. Eles pregam o evangelho eterno e nós o da graça. Eles declaram os oráculos e mistérios de Deus e nós, ensinamos sua Palavra. Eles fazem guerra espiritual, nós também fazemos. Tudo isso nos mostra que, o ministério dos anjos é modelo indispensável para aqueles que querem viver na presença do trono e em harmonia com ele. Hebreus 1:14 diz que eles são espíritos ministradores enviados para servir aqueles que hão de herdar a salvação. A idéia católica do anjo da guarda certamente é uma realidade, em Sl 34:7 a palavra diz que o anjo Senhor acampa ao redor daqueles que O temem. Acredite, além do Espírito Santo em você, existe um anjo ao seu redor para lhe guardar.

2 – OS SERES VIVENTES.

A grande característica dos seres viventes é o trabalho sacerdotal (ministrar a Deus). A razão de existir deles é Deus, o culto e o trono. Cultuar e adorar é mais um sinal de todo aquele que teve revelação do trono! Quem não atribui valor ao culto não conheceu o trono e aquele se assenta nele. Uma coisa marcante nesses seres é a quantidade de olhos. Olhos por diante, por detrás, ao redor e para dentro. Os olhos são a porta da alma. Ter olhos é não ser alienado, é ter visão espiritual, é não ter uma fé cega é ter revelação!Eles possuem olhos em todos os lados. Isto nos mostra a visão em quatro dimensões. Vs. 6 e 8 . Ver para a frente é ver o futuro; ver para trás é ver o passado e avaliar o que fez; ver ao redor é ver a sociedade; ver para dentro é ver a sua alma nua. Esses seres possuem a face do leão, do novilho, do homem e da águia. Cada uma delas aponta para um aspecto de Jesus. Ele é o leão da tribo de Judá, o novilho que foi sacrificado, e o homem que veio do céu como águia! Essas faces também aponta para cada evangelho – Mateus o evangelho do reino (leão), Marcos a face do novilho onde Jesus é aquele que trabalha arduamente, Lucas a face do homem pois em Lucas Ele é o filho do homem, João a face a águia pois Ele é o filho de Deus que desceu do céu. Os seres viventes falam também de uma espiritualidade completa daqueles que vivem diante do trono. O leão simboliza força, o novilho trabalho e sacrifício, o homem inteligência, e a águia visão e objetividade. Essas são características que se manifestam na vida daquele que vivem diante do trono de Deus, precisamos avaliar se temos manifestado cada uma delas! O último aspecto mais importante dos seres viventes é a adoração. Eles proclamam continuamente; Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso… A Bíblia cita apenas três anjos; Miguel, Gabriel e Lúcifer. Eles são revestidos de funções especificas. Miguel é associado a guerra, Gabriel as comunicações e Lúcifer a adoração, mas este caiu. Há então um espaço vago no governo celestial e é por isso que Jesus diz que o Pai procura por verdadeiros adoradores. Maior parte dos teólogos afirmam que a igreja vai preencher esta lacuna no governo de Deus, e é por isso que todos nós fomos chamados para a adoração. Para você que gosta de chegar após o louvor, ou atrasado, que acha chato este momento, minha pergunta é, como você vai permanecer diante do trono? Lá é o lugar de adoradores!

3 – OS VINTE E QUATRO ANCIÕES.

Existe um que está assentado no trono e ao redor Dele existem mais vinte e quatro igualmente assentados em tronos com coroas na cabeça e que vivem e reinam em nome de Deus. Eles são os primeiros da criação divina, a ancianidade deles é a prova disso. Eles governam o universo juntamente com Deus, por isso as coroas e o estar assentados no trono. Contudo governam debaixo da submissão de Deus, por isso o texto narra que eles se prostram e lançam suas coroas diante do trono. É dessa forma que fomos chamados para reinar nesta terra, exercer liderança, autoridade, reconhecendo que todo governo procedem do trono.  Não há autoridade para aqueles que não se submetem ao trono, a vontade de Deus e as autoridades delegadas por Ele. O fato de entregarem suas coroas aponta também ao fato em que o tempo do governo deles já estar se acabando. Nós somos os herdeiros do trono e do reino, enfim, tomaremos os seus lugares no governo do universo.

Conclusão

Hoje precisamos ter revelação do trono, é dele que flui o rio de Deus, o fogo e a autoridade para exercemos governo. Muitos estão sem o fluir, e sem a autoridade porque não tem se submetidos ao governo de Deus. Hoje o Espírito está nos convidando a permitir o estabelecimento do trono de Deus em nossos corações. Precisamos fazer a pergunta hoje, quem nos governa? O trono de Deus? A vontade do Rei? Ou a nossa própria vontade?

A Igreja de Laodicéia – 09/04/2017

A Igreja de Laodicéia (Apocalipse 3:14-22)

Laodicéia vem de duas palavras: Laos – povo comum; Dicéia – costume ou opinião. Deve significar, portanto, costume ou governo das tradições e opiniões do povo. É o contrário dos Nicolaítas, onde o povo não tem autoridade. Em Laodicéia é o povo quem manda. Ela é a Igreja democrática. Se o clero não é de Deus a democracia também não é. Nenhuma igreja democrática vai crescer e impactar uma cidade. O desejo do coração de Deus é que na Igreja existam homens capazes de ouvi-lo. O anjo de cada Igreja deve governar, mas não com clericalismo, tentando abafar a função dos membros do corpo, nem tampouco ignorando o clamor e as percepções dos demais irmãos. Laodicéia são todos aqueles que um dia provaram o mover de Deus, mas, que infelizmente, esfriaram. Laodicéia um dia foi Filadélfia.

  1. A revelação do Senhor

Estas coisas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus…

O Senhor se apresenta como o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus. O Senhor está declarando que tudo aquilo que Ele disse se cumprirá. Essa Igreja, mais do que todas as outras, precisa reconhecer quem é a fonte e o sustentador de todas as coisas.

  1. A condição da igreja

Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca;

A principal característica de Laodicéia é ser morna. O que leva a Igreja a não ser quente nem fria? O desejo de agradar a todos. Então mornidão é o desejo de agradar a homens antes de agradar a Deus. Um outro aspecto da mornidão é o desejo de ser equilibrado. Volta e meia ouvimos a exortação: seja equilibrado. A igreja de Laodicéia era uma igreja equilibrada para agradar as pessoas: não era nem quente nem fria. A intensão do morno é não desagradar ninguém. O desejo de agradar os outros parece muito bonito e até muito espiritual, mas não agrada a Deus. A Igreja de Laodicéia é assim, muito simpática, o povo gosta muito dela, menos o Senhor, que está a ponto de vomitá-la da boca. O Senhor não suporta esse meio termo: nunca é de mais, nunca é de menos; nunca ataca, nunca defende; não cheira nem fede; não é fria nem quente. O equilíbrio para Deus, é uma definição clara. Você é equilibrado quando é claro nos seus posicionamentos. Além disso, Laodicéia se achava rica e abastada. Isso não se refere à riqueza material, ainda que ela seja rica, mas a riqueza espiritual. Quantas Igrejas são fechadas para o mover de Deus, porque julgam já possuí-lo. Laodicéia é os estudiosos orgulhosos de Filadélfia! Pois eles possuem os melhores teólogos e mestres. Quem pode ensiná-los? Precisamos ser ensináveis, essa é uma virtude que se desenvolve. O diagnostico do Senhor é duro: você não percebe, mas é miserável, pobre, cego e nu. Como pode alguém se achar rico, e Deus taxa-lo de miserável? Certamente, é porque o que julga ter não possui valor espiritual genuíno. Talvez possua muito saber, mas nenhuma revelação, muita música, mas nenhuma adoração, muito trabalho, mas nenhum fruto, muito barulho, mas nenhuma unção, muito patrimônio, mas nenhuma riqueza espiritual. Além de pobres e cegos, eles estavam nus aos olhos de Deus. Vestes falam de relacionamento com Deus. Todo crente recebe uma quando converteu, mas o Senhor diz que esta Igreja está nua! Mesmo diante deste quadro lamentável, Laodicéia não deixou de ser Igreja. Ela precisa pagar o preço para adquirir as coisas genuinamente espirituais. Em 1 Coríntios 3:12 lemos que alguns edificavam com materiais baratos como madeira, palha e feno, isso porque não queriam pagar o preço pelo ouro, prata e pedras preciosas. É importante mencionar que os que edificam com madeira, palha e feno, estão trabalhando, estão fazendo segundo eles a obra. Eles estão sobre o fundamento que é Cristo, são salvos. Eles só estão usando os materiais errados na edificação da Igreja – madeira, palha e feno. Madeira significa natureza humana, palha é as obras humanas e o feno é a inutilidade da vida natural. Qual o problema desses edificadores? Não estão dispostos a edificar com os materiais apropriados, que Deus nos disponibilizou. Não estão dispostos a compra-los. Vejamos o que eles precisam comprar. O primeiro item é o ouro, na Bíblia, ouro aponta para a glória de Deus. Ouro aponta para a Sua presença e natureza. A unção de Deus é ouro. Quem não tem unção é pobre, não tem nada. Pobre é aquele que nunca tem nada para compartilhar, nada para dizer da parte de Deus, esse é pobre. Esse ouro não é de graça, tem que pagar o preço para possuí-lo. O Senhor aconselhou eles a compra-lo. Unção não acontece por acaso, alguém a adquiriu. O segundo item a ser adquirido são vestiduras brancas. Depois das vestes da salvação que são de graça, pela fé, precisamos comprar as vestes nupciais, o linho finíssimo. Elas são feitas com atos de justiça. O que são os atos de justiça dos santos? Tudo aquilo que fazemos segundo a justiça de Cristo, confiados unicamente na obra da cruz, é ouro, prata e pedras preciosas. Se lideramos neste princípio isso é ato de justiça. Se pregamos neste princípio é ato de justiça.Se o casamento é edificado nesse principio é ato de justiça. Etc… E por fim, o Senhor aconselha a eles que comprem colírio para que possa ver. Esse ver é algo próprio do espírito. Colocar colírio nos olhos significa buscar um coração receptível. A Igreja de Laodicéia era arrogante e julgava que não precisava aprender nada com ninguém. Quem não se dispõe a aprender com os outros, também não vai aprender diretamente com o Senhor.Quando pensamos que não precisamos aprender coisa alguma e que já temos toda a revelação de Deus, então o precipício da ruína está próximo. Um segredo do crescimento é o aprendizado constante.

  1. O problema desta Igreja

A situação dramática dessa Igreja pode ser percebida no verso 20: Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. Que espécie de Igreja é esta que o Senhor está de fora batendo na porta? Que condição miserável é esta que coloca Jesus do lado de fora, chamando? Os comentaristas concordam que esta porta que o Senhor está batendo é a porta do coração. Laodicéia é, portanto, uma Igreja que não possui Jesus no coração. Ainda assim, o Senhor reafirma: ainda há tempo para vocês – eu disciplino a quem amo e eu estou batendo na sua porta agora. A entrada do Senhor no coração dessa Igreja não é para salvá-la, mas para restaurá-los. O Senhor quer cear com eles. Cear é uma questão de comunhão, de querer estar com Ele e amá-lo. Na Bíblia comer junto é algo muito sério, pois compartilhar o pão é só para amigos. Essa Igreja não tem comunhão com o Senhor porque não tem amizade com Ele. Jesus disse que seus amigos são aqueles que fazem a sua vontade. Laodicéia não conhece e não pratica a vontade do Senhor, apenas a deles. É difícil abrir a porta quando a casa está cheia e não há mais espaço.

Ilustração: Certa vez um professor colocou uma jarra com uma pedra dentro e perguntou: a jarra está cheia? Todos concordaram que estava. Ele foi e colocou areia até encher e perguntou: está cheia? Ninguém falou nada. Depois veio e colocou água que preencheu todos os espaços vazios. Depois de tudo isso perguntou: que lição vocês aprenderam com essa experiência? Responderam: não importa o quão ocupados estejamos, sempre há espaço para mais algum compromisso. O professor retrucou: está lição é boa, mas há uma mais profunda – se você não colocar a pedra primeiro, depois não tem mais jeito.

Se não formos criteriosos, poderemos encher nossas vidas de outras coisas até o ponto de não haver mais espaço para a Pedra, Jesus!

  1. A recompensa

Ao vencedor, dar-lhe-ei sentar-se comigo no meu trono, assim como também eu venci e me sentei com meu Pai no seu trono.

O que é ser um vencedor? Ser um vencedor não é ser alguém extraordinário, é ser alguém normal dentro do padrão do Senhor. Entretanto o vencedor é aquele que não abandona o primeiro amor. Ele rejeita as obras dos Nicolaítas, a doutrina de Balaão e a Jezabel. O vencedor é um Antipas, que não apenas tem o nome de que vive, mas está vivo realmente. Vencedor é aquele que conserva o que tem, que não é morno, mas quente. Enfim, é aquele que não tem medo de ser radical em Deus, nem de abrir a porta do seu coração para o Senhor entrar e cear. A esse vencedor, o Senhor promete uma maravilhosa recompensa: Sentar-se com o Senhor no trono. Porque Ele faz tal promessa? Porque a era da Igreja findará. O vencedor está aguardando a vinda do Senhor Jesus. Assentar-se no trono significa que Ele já voltou! Esse é o seu chamado querido irmão, esse é o seu destino!

Ouvir é a melhor parte – 02/04/2017

Ouvir é a melhor parte

Dá, pois, ao teu servo coração compreensivo para julgar a teu povo, para que prudentemente discirna entre o bem e o mal; pois quem poderia julgar a este grande povo? Estas palavras agradaram ao Senhor, por haver Salomão pedido tal coisa. IRs. 3:9-10

A sabedoria é a coisa mais importante em nossas vidas. Na verdade todos os nossos problemas são um problema de sabedoria. Porque você tem problemas no casamento? Porque tem algo a respeito de casamento que você não sabe. Por que você tem problemas financeiros? Porque tem algo a respeito de finanças que você não sabe. Portanto ter sabedoria é a chave para todas as coisas. O Senhor apareceu em sonho a Salomão e lhe disse: “Pede-me o que queres que eu te dê.” O que você pediria se o Senhor lhe perguntasse isso? Ele pediu um coração que ouve. Salomão tinha apenas 20 anos! Veja, é quando ouvimos que temos discernimento. Assim a primeira coisa que ele fez no dia seguinte foi ir a Jerusalém e estar perante a Arca. O primeiro sinal de alguém que ganhou sabedoria é valorizar a presença de Deus. A arca é símbolo da presença do Senhor. Quando Deus lhe perguntou: que queres que eu te dê? O que Salomão pediu? Ele pediu um coração compreensivo. A palavra traduzida como compreensivo é shama que literalmente significa ouvir em hebraico. Então quando Salomão pediu sabedoria ao Senhor ele na verdade pediu um coração que ouve, um coração pronto para ouvir. A sabedoria envolve um coração que ouve. Um coração sábio é o que ouve. Evidentemente a coisa mais importante é ouvir a Palavra de Deus, mas infelizmente muitos têm negligenciado o ouvir a palavra entre nós. Há aqueles que em nome da graça pensam que podem abrir mão da pregação aos domingos e há aqueles que simplesmente não ouvem a palavra por pensarem que há coisas mais importantes para fazer na igreja.

  1. A fé vem pelo ouvir

Estamos habituados a pensar que Deus fala conosco diretamente e é isso que gera fé em nosso coração. Isso certamente é verdade, mas o raciocínio de Paulo é que a fé vem pelo ouvir a pregação.Em Romanos 10:14 mostra o pensamento do apóstolo:

“Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue?”

Querer receber fé por ouvir a Deus diretamente pode produzir algum tipo de orgulho e independência. Na verdade há alguns que pensam que nem mesmo precisam ir ao culto, pois Deus fala com eles diretamente. A fé vem pelo ouvir, mas como crerão se não há quem pregue? Como você pode querer fé se não ouve a pregação? Evidentemente a pregação deve ser da palavra de Cristo, pois se pregamos a Palavra do V.T. que é segundo a lei, isso não vai gerar fé, mas morte. Ouvir pregação não é hobby, mas uma necessidade espiritual. Há muitos cristãos que desprezam a pregação da palavra como sendo meramente uma parte monótona do ritual do culto. Deus, no entanto, atribui um grande valor à pregação. E feliz a Igreja que não tem problema em repetir pregações.

Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não o conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que crêem pela loucura da pregação. I Cor. 1:21

Loucura para Paulo é o que os gregos diziam, para eles a pregação do Evangelho era absurdo, inútil! O ímpio encara a pregação como algo que não serve para nada. As vezes o próprio crente enxerga de maneira depreciativa. A maneira de Deus liberar todas as riquezas do céu, bênçãos, milagres e salvação é pela loucura da pregação. O método de Deus parece tão desprezível, por causa da reação das pessoas na hora da Palavra: um homem se levanta e prega a palavra, então as pessoas recebem as bênçãos de Deus. Esse é o método de Deus. A palavra salvar é sozo no grego e significa muito mais que salvar do inferno. Sozo significa salvar, curar, preservar, restaurar, proteger e prosperar. Quando o pregador libera a palavra, então a fé vem ao nosso coração. Nos dias de Jesus as pessoas o seguiam para ouvir a sua palavra e quando a ouviam eles ganhavam fé para receber os milagres.

Porém o que se dizia a seu respeito cada vez mais se divulgava, e grandes multidões afluíam para o ouvirem e serem curadas de suas enfermidades. Lc. 5:15

E, descendo com eles, parou numa planura onde se encontravam muitos discípulos seus e grande multidão do povo, de toda a Judéia, de Jerusalém e do litoral de Tiro e de Sidom, que vieram para o ouvirem e serem curados de suas enfermidades; também os atormentados por espíritos imundos eram curados. Lc. 6:17-18

O Senhor Jesus sempre pregava primeiro e depois operava os milagres. A sequência era pregar, ensinar e curar… expulsar demônios, etc. Enquanto ele pregava as pessoas ouviam e enquanto ouviam recebiam fé para, então, receberem seus milagres.

  1. Recebemos o Espírito e os milagres quando ouvimos

Quero apenas saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Gl. 3:2.

Aqueles que procuram ter a sua vida totalmente correta cumprindo todos os mandamentos antes de receberem o Espírito vão ficar esperando para sempre. Em Atos 10:44 lemos que o Espírito Santo foi derramado sobre Cornélio e sua família enquanto ouviam a pregação de Pedro.  Mas não apenas o Espírito nos é dado por meio da pregação, mas os milagres também são liberados por causa da pregação. Em Atos 14 temos o relato da cura de um paralítico :

Em Listra, costumava estar assentado certo homem aleijado, paralítico desde o seu nascimento, o qual jamais pudera andar. Esse homem ouviu falar Paulo, que, fixando nele os olhos e vendo que possuía fé para ser curado, disse-lhe em alta voz: Apruma-te direito sobre os pés! Ele saltou e andava. At. 14:8-10

Como o paralítico foi curado? Porque teve fé. E como ele recebeu fé? Porque ouviu a pregação de Paulo. Antes ele não tinha fé, mas ao ouvir passou a crer na sua cura. E o que Paulo estava pregando? O verso 7 diz que ele pregava o evangelho. Assim, não é qualquer pregação que vai gerar fé, apenas a pregação do evangelho. Hoje temos muita pregação, mas não há muita pregação simples do evangelho. Se lermos o verso 3 veremos que o evangelho que Paulo pregava era a palavra da sua graça. Mas qual era essa palavra da sua graça que Paulo pregava? No caítulo 13 de Atos temos a narração de uma pregação inteira de Paulo. Ali podemos ver qual era o conteúdo da sua pregação. Não vamos ler toda a pregação, mas o final deixa bem clara a sua mensagem.

Tomai, pois, irmãos, conhecimento de que se vos anuncia remissão de pecados por intermédio deste; e, por meio dele, todo o que crê é justificado de todas as coisas das quais vós não pudestes ser justificados pela lei de Moisés. At. 13:38-39

Se você prega que deve-se fazer algo para receber, não vai gerar fé. Se queremos ter os resultados de Paulo devemos pregar o que ele pregava. Certamente foi essa pregação que o paralítico ouviu que encheu seu coração de fé para ser curado. Observe que Paulo nada disse sobre cura, mas sobre perdão dos pecados e justificação pela fé. Nem Jesus pregou sobre cura! Quanto mais você ouve, mais fé você recebe então mais milagres você vê. É precioso ver que o paralítico conseguiu ver a conexão entre o perdão dos pecados, justificação pela fé e a sua cura. Isso significa que ele recebeu iluminação enquanto ouvia a palavra. Na luz da palavra nós recebemos iluminação e entendimento.

Pois em ti está o manancial da vida; na tua luz, vemos a luz. Sl. 36:9

A revelação das tuas palavras esclarece e dá entendimento aos simples. Sl 119:130… Na RC – A exposição das tuas palavras dá luz…..

Tudo o que precisamos é de receber luz e essa luz vem quando a palavra de Deus é exposta, pregada! Quando vem luz, o resultado é FÉ! Ouça, todas as vezes que você diz que não tem jeito, significa que a sua fé acabou naquela circunstância, o remédio é ouvir a pregação do Evangelho! Deus faz em um segundo o que homem nenhum poderia fazer, mas a condição é, ouvir a pregação para gerar fé e continuar crendo.

  1. Ouvir a palavra é a melhor parte

A expressão predileta do Senhor durante seu ministério era: “quem tem ouvidos para ouvir, ouça!” O diabo quer desprestigiar o ouvir. Somos nutridos espiritualmente quando ouvimos a palavra. Se você crê que Deus o plantou nessa igreja local, então você precisa receber o alimento que vem daqui. Seu primeiro alimento deve ser a comida de casa. Você pode comer fora todo tipo de comida, mas aquela que vai sustentá-lo, aquela mais saudável certamente é a comida de casa. Se na sua vida não existe tal coisa como comida de casa, então você estará sujeito a todo tipo de intoxicação e não terá uma vida saudável. Muitos irmãos frequentam essa igreja, mas se alimentam de comida ruim na internet e na televisão. Quando comemos em casa podemos ter certeza da qualidade e da higiene, mas mais do que isso, nós comemos até mesmo aquilo de que não gostamos, por que nossa mãe ou nossa esposa cuidam de nós. Não existe tal cuidado quando comemos fora. Lá você come o que gosta. Não estou dizendo que você não pode ouvir outros pregadores, estou apenas dizendo que essa não pode ser a sua maneira normal de se alimentar. Muitos estão ouvindo pregações da lei e outros ouvem um tipo de autoajuda sentimental que nada tem a ver com o evangelho. Você precisa avaliar se aqui a pregação é de improviso ou preparada com cuidado. Com amor e higiene espiritual. Precisamos investir tempo ouvindo a mensagem saudável do evangelho. Em Lucas 10 o Senhor foi à casa de Marta e Maria. A escritura diz que Marta andava de um lado para o outro preparando a comida para aquele que tinha multiplicado pães e peixes, não uma, mas duas vezes. Maria, porém estava aos pés de Jesus ouvindo sua palavra. Marta se incomodava de que só ela trabalhava enquanto Maria ficava apenas ouvindo. O Senhor, porém, responde que Maria escolheu a melhor parte. Ouvir a palavra é a melhor parte.

Indo eles de caminho, entrou Jesus num povoado. E certa mulher, chamada Marta, hospedou-o na sua casa. Tinha ela uma irmã, chamada Maria, e esta quedava-se assentada aos pés do Senhor a ouvir-lhe os ensinamentos. Marta agitava-se de um lado para outro, ocupada em muitos serviços. Então, se aproximou de Jesus e disse: Senhor, não te importas de que minha irmã tenha deixado que eu fique a servir sozinha? Ordena-lhe, pois, que venha ajudar-me. Respondeu-lhe o Senhor: Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou mesmo uma só coisa (ouvir); Maria, pois, escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada. Lc. 10:38-42

É incrível, mas há muitas pessoas entre nós que preferem servir do que ouvir. Gostam de ficar envolvidos em muitas coisas e nunca param para ouvir a pregação. Isso porque, perderam a fome de ouvir. Porque não ouvem, acabam perdendo a motivação para servir, e pior, caem na amargura e até deixam a igreja. Como Marta ficam ressentidos de que só eles trabalham, por causa do mérito. Tais irmãos precisam entender o que o Senhor disse ser a melhor parte: ouvir a palavra. Maria depois de ouvir a Jesus, ungiu-O com o perfume. E o Senhor disse que onde fosse pregado o evangelho as pessoas saberiam o que ela fez (Jo. 12:1-8 e Mc. 14:1-9). Todo serviço será recompensado, mas ouvir a palavra é a melhor parte. Pensamos que devemos dar algo ao Senhor, mas ele deseja que recebamos dele. O princípio espiritual de que é melhor dar do que receber só é válido na nossa relação com homens, quando nos relacionamos com Deus é melhor receber do que dar. Mas aqueles que recebem, em algum momento, darão ao Senhor algo que possui valor eterno.

Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não praticante, assemelha-se ao homem que contempla, num espelho, o seu rosto natural; pois a si mesmo se contempla, e se retira, e para logo se esquece de como era a sua aparência. Mas aquele que considera, atentamente, na lei perfeita, lei da liberdade (de Cristo), e nela persevera, não sendo ouvinte negligente, mas operoso praticante, esse será bem-aventurado no que realizar. Tg. 1:23-25

Se observarmos atentamente o contexto veremos que Tiago está exortando os irmãos a não serem ouvintes negligentes da lei da liberdade. Essa lei da liberdade é o evangelho, pois a lei de Moisés era na verdade escravidão. O que ele diz na verdade é que se formos ouvintes diligentes no final seremos praticantes da palavra. Mas os que negligenciam o ouvir não conseguem praticar.

  1. Uma forma prática de receber a unção

O SENHOR Deus me deu língua de eruditos, para que eu saiba dizer boa palavra ao cansado. Ele me desperta todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que eu ouça como os eruditos. Is. 50:4

Sabe como é que ele tem língua de erudito? Tendo ouvidos de erudito. De fato é algo maravilhoso poder dizer a palavra certa no momento certo que traz consolo e vida. Feliz é o casamento onde a mulher tem a palavra certa para falar e o marido a palavra de sabedoria no meio da crise. Muitos querem falar sem nunca terem ouvido. Precisamos ouvir a pregação todos os dias pela manhã. Não basta ouvir a palavra aos domingos, é preciso aprender a ruminá-la para ganharmos a língua dos sábios. Assim, adquiro ouvido de erudito. Creio que a unção tem sido liberada, mas nem todos tem sido um vaso pronto para recebê-la. Por que alguns não conseguem receber? Creio que tem faltado um coração simples para ouvir a palavra de Deus que é liberada na pregação. Se quero receber a unção que está sobre um homem de Deus eu preciso comer as suas palavras e assim participar da sua vida espiritual. Essa é a maneira bíblica se participar de uma unção. Lembre-se, é o ouvir que vai te dar a língua do sábio.Ouvir é a melhor parte, o perfume de Maria já dura quase 2.000 anos e comida de Marta apenas uma noite.

A Igreja de Filadélfia – 26/03/2017

A Igreja de Filadélfia (Ap. 3:7-13).

Filadélfia significa amor fraternal. Então, precisamos ter em nossa igreja um verdadeiro ambiente de amor. Um ambiente amoroso normalmente propicia as seguintes características vitais: 1º) Riso, festa e alegria; 2º) Liberdade e espontaneidade; 3º) Criatividade e empolgação e 4º) Aprendizado sem culpa quando errar.

A palavra Filadélfia é composta de duas palavras, o significado de uma é amar um ao outro e da outra é irmão. Você consegue perceber como a sua carne e o diabo intentam contra a verdade de Filadélfia de amar uns aos outros incondicionalmente? Ser Filadélfia é perceber essas coisas e guarda-las! Uma outra questão sobre Filadélfia é que eles tinham clareza da habitação do Espírito de Deus neles e sabiam que podiam confiar suas vidas à condução do Espírito Santo. Eles permaneceram sobre a base de duas claras verdades: Primeiramente, a Igreja é o Corpo de Cristo e em segundo lugar, no N.T. não existe classe clerical. Por isso eles recebiam calorosamente todos os que vinham para o seu meio, porque cada crente é um membro do Corpo de Cristo.

Darby foi um clérigo da igreja Anglicana que estava muito insatisfeito, em 1827 ele oficialmente, deixou a igreja e se uniu aos irmãos. Em seu livreto A natureza e a Unidade da Igreja de Cristo disse:

“A unidade verdadeira é a unidade do Espírito, e ela deve ser trabalhada pelo operar do Espírito (…) Nenhuma reunião, que não concebe incluir todos os filhos de Deus na base completa do reino do Filho, consegue encontrar a plenitude da bênção, porque ela não a contempla – porque a sua fé não a inclui (…) Onde dois ou três estão reunidos em Seu nome, Seu nome é lembrado ali para bênção (…)” Continua… “Além do mais, unidade é a glória da Igreja, mas a unidade para assegurar e promover nossos próprios interesses não é a unidade da Igreja, mas uma confederação e negação da natureza e esperança da Igreja. A unidade, que é da Igreja, é a unidade do Espírito e somente pode estar nas coisas do Espírito; e, portanto, só pode ser aperfeiçoada nas pessoas espirituais. Continua… “Porque a nossa mesa é a mesa do Senhor, não a nossa, recebemos todos os que Deus recebe, todos pobres pecadores fugindo para o Senhor como refúgio, não descansando em si mesmos, mas somente em Cristo.” Filadélfia nos dá aquilo que a Reforma não nos deu, VIDA!

  1. A revelação do Senhor

Estas coisas diz o santo, o verdadeiro, aquele que tem a chave de Davi, que abre, e ninguém fechará, e que fecha, e ninguém abrirá

O santo e verdadeiro. O que tem as chaves de Davi. Isso é maravilhoso! O Senhor dá àquele que ouve a voz do Espírito uma segurança inabalável em Deus. Isso porque ninguém pode fechar o que Ele abre, ou seja, se Deus nos colocou numa posição, só Ele pode nos tirar de lá. Agora não podemos pensar que toda porta que Ele abre é para ficarmos indefinidamente nela. Óbvio que a porta do casamento é para o resto da vida, mas a do emprego não! É por isso que o Senhor fecha uma porta hoje, para poder abrir outra amanha maior! Uma oração que devemos constantemente fazer é essa: Senhor mostra-me a porta aberta que o Senhor tem hoje para mim. Saber discernir estas portas e aproveitar as oportunidades é uma condição essencial para o nosso crescimento e da igreja também. Jesus era alguém que percebia rapidamente e antecipava as situações.

E Jesus, percebendo logo por seu espírito que eles assim arrazoavam, disse-lhes: Por que arrazoais sobre estas coisas em vosso coração?(Marcos 2:8).

Jesus tinha a chave do discernimento, e você também pode ter! Agora, porque Jesus tinha essa chave? A resposta é, intimidade! O seu crescimento pessoal depende da sua intimidade com o Pai. O crescimento da sua célula depende da sua intimidade com o Pai. Isso porque só Ele tem as chaves, e só Ele abre para nós. Porta que homens abrem não permanecem abertas, logo passam. Podemos ver isso na vida de Jacó e Raquel. Ela queria ter filhos e pediu para o seu esposo, mas a resposta dele definiu para Raquel.

Vendo Raquel que não dava filhos a Jacó, teve ciúmes de sua irmã e disse a Jacó: Dá-me filhos, senão morrerei. Então, Jacó se irou contra Raquel e disse: Acaso, estou eu em lugar de Deus que ao teu ventre impediu frutificar? (Gn. 30:1-2).

Você precisa, como Jacó, ter a certeza onde estão as chaves para tudo na vida. Elas estão em Deus!

  1. O Elogio

…guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome.

Muitos pensam que elogio é um problema, mas não é. Problema é não saber o que fazer com ele. A maioria acaba se envaidecendo quando o recebe. Mas elogio é algo bom, e o Senhor Jesus fez a essa Igreja. Elogio desprovida de carne é extremamente motivacional. É interessante que Sardes valoriza muito o nome que tem. Para eles o nome vem antes de ser cristão. É comum ouvir as pessoas dizerem eu sou isso ou eu sou aquilo, antes de se declararem cristão. Se você declara ser cristão antes, se espera uma conduta diferenciada sua. Mas como muitos estão preocupados com homens e não com Deus, o nome delas é mais importante. Porém Filadélfia não é assim, o nome não importa, nem o meu e nem a da Igreja onde congrego. O mais importante é o Nome do Senhor Jesus. O que importa dizer é: Eu sou de Jesus, Eu sou um cristão. Mas pastor, se eu falar isso vou ser perseguido! Pois é, mas essa é a condição de ser arrebatado, não negar o nome do Senhor. Pare de lutar para sustentar uma reputação que não tem valor diante de Deus. Por isso, lembre-se, a vergonha Dele é a sua, mas a Glória Dele é a sua também. Essa é a razão da perseverança, receber o que Jesus recebeu, coroa de glória. Nosso encargo é ser Filadélfia. Nosso anseio é ser qualificado como ela é diante de Deus.

  1. Um Conselho

Venho sem demora. Conserva o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.

Conserva o que tens é o conselho. Obviamente se refere a atitude que eles tinham. Os irmãos de Filadélfia já possuem a coroa, todavia ela pode ser tomada. É importante lembrar, a sua salvação já está definida, mas o reino, a coroa não. Só recebe ela dependendo de como nós terminamos a corrida. Um atleta pode até começar mal uma corrida, mas no meio do trajeto pode se recuperar e até vencê-la. Então, o que importa é a maneira como se finaliza. Algumas pessoas começam bem e terminam mal, outros, porém, começam mal e terminam bem. O que é essa coroa? Sua posição de vencedora todos os dias. Nas outras Igrejas há o problema de ganhar a coroa, aqui o problema é perde-la. Então não basta ser vencedor hoje, é preciso conservar o que temos, a coroa. Senão ela poderá passar para outro. É importante entender que a coroa não é forçosamente tomada, simplesmente a entregamos a outros. A advertência do Senhor é para não perdermos o que já conseguimos. O perigo está em não progredirmos, e assim, retrocedermos. Vencedores não retrocedem!

  1. A recompensa

fá-lo-ei coluna no santuário do meu Deus, e daí jamais sairá; gravarei também sobre ele o nome do meu Deus, o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém que desce do céu, vinda da parte do meu Deus, e o meu novo nome.

Ser coluna é uma grande glória. Será coluna no futuro aquele que já é coluna hoje na Igreja. Deus nos deu um testemunho para sustentarmos. Então aquele que resiste a carne, o diabo e o mundo e sustenta o testemunho de Deus nesta geração, é coluna. Ser considerado coluna é ter a primazia, posição de muito maior honra. Retire a coluna e o prédio cairá, pois uma coisa é ser parede, outra é ser coluna. Alguns são pedras de edificação, outros são colunas de sustentação. Sem coluna não há prédio, não há paredes. Esse é o nosso chamado, a edificação da Casa de Deus. Uns são paredes outros são colunas. Todos são preciosos, mas há uns que devem sustentar com mais vigor a obra. Esses são os líderes. Então veja, ser um vencedor é responder em cada uma das advertências que o Senhor faz a cada uma das Igrejas. Porque essa igreja era a desejada e aprovada por Deus? Porque eles desejavam o Senhor e relacionavam com Ele. Esse é o segredo de se manter vencedor até que Ele venha.  Não esqueça, Deus relaciona-se bem com todos, então se me relaciono bem com Deus, posso relacionar com qualquer pessoa. Nós podemos ser a Igreja do amor fraternal, onde todos são aceitos e edificados segundo a vontade de Deus. É por isso que o diabo investe tanto, para que você viva uma vida distante de Deus, pois quem vive distante de Deus não consegue ter vínculos profundos de amor, e assim, não permitirá ser edificado em relacionamentos de amor. O Espírito Santo não clama por justiça, Ele clama por perdão, amor e edificação.

A Igreja de Sardes – 19/03/2017

A Igreja de Sardes (Apocalipse 3:1-6)

Sardes significa remanescente. Profeticamente aponta para as igrejas protestantes.

Foi um tempo onde Deus usou muitos homens para trazerem luz numa época de densas trevas. Em Tiatira, a Igreja perdeu o conhecimento completo de Deus. Diante do reavivamento da reforma, alguns homens até perderam as suas vidas para trazerem de novo ao mundo:

1) A revelação da justificação pela fé; 2) O sacerdócio universal de todo crente; 3) E a questão do livre acesso à Palavra de Deus.

Eles eram corretas na ortodoxia, mas se tornaram frios em seus corações para com o Senhor. O próprio Lutero disse que não deveríamos achar que justificação pela fé fosse suficiente. Para ele havia muitas coisas a serem mudadas. Contudo, as pessoas nas igrejas protestantes pararam exatamente neste ponto. Mas não é isso o que muitos crentes fazem? Param na conversão, param no batismo do Espírito Santo, param no Cursão, param na liderança. Esse é o espírito de Sardes, começa como algo vivo, mas aos poucos vai se tronando morto, exatamente porque parou. Todo crente que para na vida cristã, começa a desenvolver um ciclo de morte em sua vida espiritual, até culminar na morte de outras áreas de suas vidas. A reforma foi viva, mas havia ainda muitas coisas mortas em Sardes.

  1. O problema

Apesar de toda a revolução que esta Igreja provocou, o Senhor coloca aqui um problema: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto.

Isso significa que Sardes tinha a aparência, mas não possuía a realidade. Havia uma forte ênfase sobre a doutrina, mas não sobre ter um coração para Deus. Eles não se preocupavam em ter um relacionamento vivo com Deus. Ter uma ortodoxia (conjunto de doutrinas) correta sem um coração intenso, é o mesmo que morte diante de Deus. Deus está preocupado em conquistar nosso coração. A igreja de Sardes usou a estratégia errada de marketing. Vendeu uma boa imagem da igreja, mas não tinha a realidade para sustentá-la. O Senhor diz que as obras de Sardes não eram inteiras e completas. O vencedor é aquele que tem realidade e não apenas nome. Isso nos lembra os fariseus, eles falavam a coisa certa, mas não praticavam. Jesus exortou os discípulos:

Fazei e guardai, pois, tudo quanto eles (fariseus) vos disserem, porém não os imiteis nas suas obras; porque dizem e não fazem (Mt. 23:3).

Veja, nós gostamos de desqualificar o que alguém que está ensinando, porque não vemos realidade nele.  Jesus disse para ouvi-los, se estão falando a verdade, mas não devemos imitá-los, porque falam e não vivem o que falam. Uma outra questão, é melhor ser um pecador que bate a mão no peito, clamando a Deus, do que ser um fariseu cheio de ensinamentos corretos, sem a prática, pois é morto. Eles não sabem o que é um coração intenso e apaixonado pelo Senhor. Tem irmãos que não entendem porque as vezes alguns choram na presença de Deus, porque no momento do louvor outros são tão intensos, para tais isso é desnecessário. Esse tipo de crente está interessado apenas em que as pessoas aprendam doutrinas exatas, mas não se preocupa em levar as pessoas a se relacionarem com o noivo COMO UMA NOIVA APAIXONADA. Para se casar não basta que a noiva seja correta, ela precisa estar apaixonada. No verso 3 podemos ver que essa Igreja vai estar aqui por ocasião da volta do Senhor:

Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Porquanto, se não vigiares, virei como ladrão, e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti.

Essa expressão virei como ladrão, pode ser melhor traduzida como: Virei e passarei por você, contudo você não saberá. Devemos ser preciosos o suficiente para sermos roubados pelo Senhor!

  1. A recompensa

O senhor diz aos vencedores que: de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos.

Ter o nome escrito é salvação, mas ser confessado é a honra da recompensa. A questão aqui não é se o nome está registrado, mas se o nome será confessado. Andar com o Senhor naquele dia, vestido de branco como Ele está vestido, é uma recompensa e nem todos a receberão, porque nem todos são dignos de andar com o Senhor. Só andará com o Senhor lá, quem já caminha com Ele aqui. Se hoje seguirmos as suas pegadas, nossa vida se encherá das Suas obras. Naquele dia, porém, já não mais andaremos após Ele, e sim, ao Seu lado. Só anda ao lado quem é amigo e digno, escravos anda após. Nossa glória será ser visto ao lado Dele. Qual é a glória das pessoas hoje em dia? E ser fotografado ao lado de pessoas importantes e famosas. Estar ao lado de pessoas importantes nos faz sentir importantes também. Essa será a grande glória dos vencedores, quando alguém perguntar, quem é aquele que está andando ao lado de Jesus? É o ……….! O que é melhor? Conhecer alguém importante, ou ser conhecido por alguém importante? Melhor ainda é ser conhecido! Provavelmente não existe palavra mais linda nos lábios dos outros do que o nosso próprio nome. Hoje nós o confessamos diante dos homens, mas naquele dia Ele vai nos confessar diante do Pai e dos anjos. Jesus vai dizer: Pai, esse aqui é o Antônio, meu amigo. Certamente o Antônio vai inchar de tanta glória. Conhecê-Lo garante a salvação, mas ser conhecido por Ele, dá direito ao reino.

Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido por ele (1Co. 8:3).

A respeito da expressão: de maneira alguma apagarei o seu nome do Livro da Vida, parece que muitos a entendem como sendo uma ameaça da perda da salvação. O texto não diz que de fato Ele apagará, só diz que de jeito nenhum vai apagar. O Livro da Vida não é bagunçado, uma vez escrito o seu nome lá, nunca mais poderá ser apagado. Precisamos descansar na fidelidade de Deus. O nosso nome foi escrito e jamais será apagado, porque foi escrito com sangue de Jesus, que é uma marca. Hoje nós o louvamos, mas Naquele Dia, Ele nos louvará. Hoje nós o exaltamos, então naquele dia, Ele nos tomará pela mão e ao Seu lado caminharemos juntos. Há um ditado: “dize-me com quem andas e eu direi quem tu és”. Eu ando com Jesus, agora me diga: Quem eu sou? E você, com quem anda? Sabe o que é bom na fidelidade e bondade do nosso Deus? Ele é a solução até mesmo para a nossa frieza espiritual e para áreas que estavam mortas em nossas vidas. Hoje, Ele pode aquecer o seu coração, e assim, você pode andar após as Suas pegadas. Se hoje você está morno ou até mesmo frio, deixe Ele aquecer o seu coração. Para que Naquele dia, você ande ao seu lado! Ouça a voz do Espírito te chamando a seguir os passos de Jesus, e assim, sair de toda frieza e acomodação espiritual, seguindo-O.

  1. A revelação do Senhor

O Senhor se apresenta como aquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas. O sete simboliza o que é pleno e sete vezes intensificado. É uma manifestação mais intensa, porque esta é a necessidade dessa Igreja. Por mais que o Senhor estava reavivando-os, ainda havia morte. Eles precisavam entender que a vida é fruto da presença do Espírito de Deus. Veja, se seu discipulado ou célula esta morrendo, o remédio não está em estratégias humanas, por mais que o Senhor use tais coisas, mas na presença do Espírito Santo. Não é em vão, valorizarmos o ambiente espiritual do culto e da célula. Nosso objetivo é que esse ambiente nos mantenha vivos pela presença do Espírito e ávidos para a realização da obra Senhor. Porque Jesus se apresenta a Sardes como aquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas? As sete estrelas são os anjos das Igrejas, isto significa, que o Senhor deseja incendiar a Igreja através do seu líder! O líder seja da Igreja, o discipulador ou o líder de célula, é a chave para Deus mover e produzir um incêndio no coração dos irmãos adormecidos.

A Igreja de Tiatira – 12/03/2017

Igreja de Tiatira (Apocalipse 2:18-29)

A igreja de Tiatira refere-se ao quinto século em diante, o período da idade média, até os dias de hoje. Tempo que foi estabelecido o governo do papado de Roma. São mil anos de trevas. Tiatira significa “odor de aflição”. As consequências do casamento da igreja com o mundo, a levou a se unir ao Estado também. Pois de um lado havia a doutrina dos nicolaítas, estabelecendo uma casta clerical na Igreja, extinguindo assim, as funções do corpo. E por outro lado, o estabelecimento da sede em Roma, ela alcançou hegemonia sobre as demais e estabeleceu o papado (no século VI).

  1. A revelação do Senhor

Para cada Igreja, o Senhor se revela de uma maneira diferente para atender uma necessidade. Para Tiatira o Senhor se revela como o filho de Deus – Estas coisas diz o Filho de Deus… Ele é o Filho de Deus e não de Maria. A Bíblia desfaz o matriarcado de Tiatira ao apresentar Jesus como o Juiz Soberano e Absoluto. Ele tem olhos como chama de fogo e os pés semelhante ao do bronze polido. Tanto o fogo como o bronze simbolizam o julgamento e o juízo de Deus na Bíblia. O que os olhos vêem, os pés julgam. Veja, o Senhor está andando no meu de sua Igreja para julgá-la tambémSeu julgamento é acompanhado por olhos semelhantes à chama de fogo.É um olhar que a tudo perscruta e diante do qual nada fica oculto ou obscuro.

  1. Conheço as tuas obras…v. 19

O Senhor diz que conhece as obras dessa Igreja – Conheço as tuas obras, o teu amor, a tua fé, o teu serviço, a tua perseverança e as tuas últimas obras, mais numerosas do que as primeiras.

Existe algo de bom dentro da igreja católica. É provável que existam pessoas salvas dentro da Igreja católica. O Senhor mostra que suas obras são crescentes – as tuas últimas obras, mais numerosas do que as primeiras. Isso nos mostra que o segredo do crescimento é manter um ritmo. Esta igreja fez o improvável, chegou mesmo a acelerar. Na medida em que crescemos precisamos ampliar a área de influência de nossas obras e serviços. É importante dizer que, muitos de nós temos a tendência de achar que o catolicismo é completamente maligno, mas isso é um exagero. Catolicismo também é cristianismo. É possível que a qualifiquemos como uma Igreja apóstata. Mas é Igreja, e, como tal, existe ou existiu alguma coisa boa nela. Esse é o testemunho de Jesus sobre Tiatira, independente do que você ache.

  1. O problema

Tenho, porém, contra ti o tolerares que essa mulher, Jezabel

Quem era Jezabel? A esposa de Acabe que seduziu o povo de Israel a adorar a Baal (1Rs. 16:30-32).

Acabe era o rei, mas quem governava, de fato, era ela. Em Apocalipse 12 a mulher é a igreja, enquanto, no capítulo 17 é uma meretriz simbolizando a grande Babilônia. Por uma questão de coerência a mulher aqui deve significar a própria igreja de Tiatira, mas por ser adúltera, possui algo da grande meretriz. Prostituição na Palavra de Deus é um símbolo de idolatria, e isso, a identifica com a igreja católica e suas práticas em país onde ela entrou. Prostituição é confusão. O que Deus vê aqui é uma mulher que está misturando coisas às palavras de Deus e ao povo de Deus. Assim como Jezabel, a igreja Católica matou muitos homens de Deus.  Assim como o Senhor conservou sete mil nos dias de Elias, Ele também deve conservar em nossos dias. Vejamos quatro problemas no comportamento de Tiatira:

1) Não prioriza o que a Palavra diz

É importante entender que, pelo fato, de Jezabel ser mencionado aqui, é em decorrência ao governo dela, sem se importar com a Palavra de Deus. Na Igreja católica a Palavra de Deus não é a última voz, mas sim da Igreja. A Igreja é a mulher e a Palavra a voz do Rei. Em Tiatira é a Igreja que governa! Ao referir a Jezabel, me refiro a influência de um espírito errado. Nós somos uma igreja que seguimos a Palavra de Deus e a voz do Espírito. É a voz do Espírito, seguindo o caminho das Escrituras, que nos norteia na edificação. Quando saímos desta esfera entramos na esfera de Jezabel. Talvez alguma irmã depois de ouvir o que eu falei diga: Pastor tenho dúvida se posso dar uma palavra de direção para o meu marido? Isso porque, alguns maridos veem isso como submissão, mas não é. Uma esposa não erra dando uma palavra de direção para o seu marido. Você é livre esposa para dar, e você é livre esposo para ouvir! Ex. Sara e Abraão. O que Deus falou para Abraão quando ele o buscou? Em tudo o que disser Sara, ouve a sua voz (Gn. 21:12). Porque isso está na Palavra de Deus? Para mostrar que nem você esposa e nem você marido é a palavra final. O que homens e mulheres de Deus casados fazem? Ajoelham e oram! Eles não estão preocupados por meio de quem o Espírito vai falar. O importante é que o Espírito fale. Esse foi o problema de Tiatira, eles seguiam suas opiniões e preferências, e criaram todo tipo de dogma para legitimar suas preferências. Esse espírito maligno de Jezabel não afeta só mulheres, mas homens também. Mas, se nós estamos em Cristo, nós seguimos a voz do Espírito.

2) A tolerância indevida

A igreja tolerava Jezabel que incitava o povo à idolatria. Sem entrar no mérito histórico ou doutrinário, gostaria de enfatizar a questão da tolerância. Há uma tolerância que é sinônimo de paciência e é, portanto, algo bom. Mas há uma tolerância que é sinônimo de indulgência (pena, dó), com certeza é maligna. recisamos ser tolerantes com a infantilidade, mas implacáveis com o pecado que contamina. Nós não iremos edificar uma Igreja de vencedores agindo pelo sentimento de pena com relação as faltas dos irmãos! Porque senão até o pecado vai ter justificativas: Coitadinho pastor, ele roubou porque a infância dele foi de muitas perdas… Tadinho pastor, ele transou porque é cheio de carências… Pastor o senhor precisa ser mais humano será que o senhor não entende que é difícil perdoar? Veja, esse sentimento destrói a Igreja, porque já não é mais uma questão da Palavra de Deus, mas sim, da tolerância indevida com os erros, por dó! Erros precisam ser tratados, mas isso não significa que alguém será rejeitado por causa dos seus erros. De maneira alguma!

3) A questão do governo feminino

Naturalmente o problema de Jezabel coloca em foco a questão do governo feminino na Igreja. Pensamos que toda mulher pode e deve ter ministério, e deve até mesmo ser reconhecida dentro da igreja e ter um salário. Mas ela não deveria governar sobre a igreja e nem sobre o marido por causa da ordem que Deus estabeleceu. Quero, entretanto, que saibais ser Cristo o cabeça de todo homem, e o homem, o cabeça da mulher, e Deus, o cabeça de Cristo (1Co. 11:3). Nós não temos fundamento Bíblico nem no V.T. e nem no N.T. para ter mulher pastora. É preciso ser honesto com relação a isso. No entanto, Paulo diz, que a mulher profetiza! Mas ele diz que ela não deve profetizar com a cabeça descoberta. Aquele véu que ele fala simboliza submissão à autoridade. Isso significa que as mulheres que vivem debaixo de submissão elas profetizam! Veja bem, Paulo proíbe a mulher de ensinar na Igreja, mas ele não proíbe a mulher de repetir o ensino da Igreja. Quando Paulo diz que a mulher não pode ensinar, significa que ela não deveria trazer doutrina nova ou definições doutrinárias. Isso cabe a liderança que Deus colocou sobre os presbíteros (pastores), que devem ser homens. Mas depois que é definida a doutrina, elas podem e devem ensinarA mulher pode ensinar, pode profetizar e pode evangelizar! A mulher samaritana não foi evangelizar? Foi! Veja, já falei três ministérios para você mulher! E a mulher pode também apascentar obviamente. Mas ela não pode exercer governo na Igreja. Então veja bem, como é na Hebrom. Na Hebrom quem governa são os pastores. Não tem mulher no presbitério. Porque? Porque somos contra as mulheres ou porque Deus não fale através das mulheres? Não! Só porque os apóstolos disseram que o governo está sobre os ombros dos homens. Mas se o pastor tem uma esposa que tem demonstrado fruto e ministério, ela também pode ser uma pastora, mas não pode exercer governo. No nosso caso, a pastora cuida das mulheres e crianças. Então, não é direção nossa que as irmãs aconselhem homens. O seu marido é que deve dar uma palavra a algum homem que esteja precisando na célula. E você esposa, as irmãs que necessitarem. Esse é o melhor caminho! Em nosso meio há espaço para o ministério feminino, inclusive pastoral. Agora, se o marido não é pastor na Hebrom ela não pode ser pastora.

4) O governo dissimulado

Precisamos também ser cuidadosos com o governo dissimulado. Sabemos que Acabe era rei de Israel, mas quem de fato governava era sua esposa Jezabel. Governava de forma dissimulada. Tal situação, pode ser ainda mais insidiosa e prejudicial para o propósito de Deus. O espírito dissimulado usa a chantagem emocional para conquistar seus fins, usa a artimanha e astúcia para convencer o outro que é melhor da maneira dela, não importando a Palavra de Deus (Nabote – 1Rs 21). As irmãs e os irmãos precisam ser sensíveis a esse espírito, pois Deus não aceita, e vocês deveriam a todo custo rejeitá-lo também. Talvez as irmãs pensem que essa exortação sobre Jezabel é só para vocês, de maneira alguma. Antes, essa exortação é aos maridos, porque são eles que permitem a ação deste espírito de dissimulação. E as vezes, até cultivam em suas esposas. Porque elas os paparicam o tempo todo para conseguir o que desejam. Foi isso que Jezabel fez, e Acabe amava ser tratado assim. Por isso cuidado querido irmão para você não ser enlaçado por esse espírito.

  1. As coisas profundas de satanás

A palavra usada no original para coisas profundas é “Bathea” que também pode ser traduzido como mistério. A igreja católica adora a palavra mistério. Ela está repleta de mistérios (Maria assunta aos céus, transubstanciação do pão e vinho, etc.) O Senhor chama esses mistérios, de coisas profundas de satanás.

  1. A recompensa

Ao vencedor, que guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei autoridade sobre as nações…

Veja, mesmo numa igreja com um quadro tão desfavorável como essa, ainda há um chamado para os vencedores, que reinarão sobre as nações. Em cada geração Deus tem um remanescente fiel, mesmo no meio da mais absoluta treva. É preconceito achar que é impossível Deus estar ali. Ele sempre vai aonde o Seu nome é invocado de todo o coração. dar-lhe-ei ainda a estrela da manhã… Dar a estrela da manhã é participar do arrebatamento. Malaquias 4:2 diz que Jesus é o sol da justiça e Apocalipse 22:16 diz que Jesus é a estrela da manhã. Mateus 24:30 diz que todo olho verá a volta de Jesus e Apocalipse 3:3 diz que o Senhor vem como o ladrão. Dai concluímos que a volta de Jesus é diferente do arrebatamento. O arrebatamento dos vencedores é oculto, numa noite quando somente a estrela da manhã (d’alva) pode ser vista. Aquele que vê a estrela da manhã é alguém que prepara um momento especial para levantar-se e contemplar, enquanto os outros estão dormindo. A questão aqui não diz respeito a levantar de madrugado para orar e vigiar, mas sim a viver uma vida de constante vigilância, acordado. Por isso quer estejamos dormindo ou acordados precisamos nos manter despertados para as coisas do Espírito de Deus. Como me mantenho despertado? Em primeiro lugar, tendo consciência do momento que vive. Muitos crentes vivem pensando só nesta vida, não conseguem erguer os olhos e ver além da vida temporal. Esses serão pegos de surpresa. Em segundo lugar, tendo uma atitude para o momento que vive. Então, não basta ter consciência do momento, é necessário ter uma atitude prática para com esse momento. Isso diz respeito a agir apropriadamente com relação ao propósito de sua existência e o porque da Igreja existir.

É importante lembra-lo, essas cartas mostram o desenvolvimento da Igreja nos últimos dois mil anos. Deus Pai esteve, está e sempre estará dando o Seu melhor por Sua Igreja, cabe a você também fazer o mesmo.

A Igreja de Pérgamo – 05/03/2017

Igreja de Pérgamo

Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve: Estas coisas diz aquele que tem a espada afiada de dois gumes: Conheço o lugar em que habitas, onde está o trono de Satanás, e que conservas o meu nome e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha testemunha, meu fiel, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita. Tenho, todavia, contra ti algumas coisas, pois que tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel para comerem coisas sacrificadas aos ídolos e praticarem a prostituição. Outrossim, também tu tens os que da mesma forma sustentam a doutrina dos nicolaítas. Portanto, arrepende-te; e, se não, venho a ti sem demora e contra eles pelejarei com a espada da minha boca. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe (Apocalipse 2:12-17).

Uma das coisas que são impressionante nas cartas a Igreja é que em todas o Senhor diz: Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas… Essa afirmação deve nos levar a refletir se estamos ouvindo o Espírito. Nosso relacionamento com o Espírito Santo tem nos levado a ouvi-Lo? O vencedor é alguém que ouve o que o Espírito está dizendo a Igreja. Agora de que forma o Espirito fala a Igreja? Através do anjo da Igreja, o pastor. Você tem ouvido o Espírito através da mensagem pregada pelos pastores? Veja, ouvir a voz do Espírito não pode ser visto como algo só dos irmãos mais experientes. Todo novo convertido está apto a ouvir o Espírito Santo. Sei que ele precisa aprender a ouvir, é como uma criança que começa ouvir a voz do seu pai, no primeiro momento ela não entende. Mas de tanto ouvir vai aprendendo a discernir a voz de seu pai. O clericalismo trouxe frieza e mistura com o mundo, levando-os a perder o propósito de ser Igreja. O problema do clericalismo é que ele estabelece um critério de espiritualidade para os lideres (pastores) e outro para os leigos (membros). Nós cremos no sacerdócio de cada crente (1Pe. 2:9). Você é sacerdote de Deus! Esse é um ponto crucial para nós como igreja, pois não é nosso intuito ter apenas participantes de cultoQuem está envolvido na obra, com entendimento que é um sacerdote, não esfria e nem se mistura, antes, em todo o tempo está pronto para servir a Deus. Essa é a razão porque o diabo mente para você dizendo que você não é útil. Que liderar é só para alguns. Lembre-se, esse foi o argumento do diabo nos dias de Pérgamo, o clericalismo. Onde só alguns, os mais capacitados iriam fazer a obra e os demais apenas participar do culto. Foi esse conceito que conduziu a Igreja a frieza e mistura com o mundo.

A igreja de Pérgamo é a igreja do quarto século, o período em que a igreja se uniu ao Império romano sob Constantino. A palavra Pérgamo significa altura ou elevaçãoNa época de Constantino, a igreja foi elevada a religião oficial do Império. Constantino teve uma visão, em uma de suas batalhas, que dizia “com este sinal vencerás”. O sinal era a cruz. Ele colocou a cruz como emblema nos escudos dos guerreiros. Mais tarde ficou sabendo que os cristãos é que adotavam a cruz como símbolo de sua fé. Assim ele se “converteu”, e a partir daí cada cidadão do império que se convertesse à religião do imperador ganharia uma roupa nova, pão e duas moedas de prata. Se não convertesse, se colocaria numa posição contrária ao Império. Então, Pérgamo nos fala do dia em que a Igreja se casou com o mundo. Vejamos o que o Senhor tem a dizer sobre essa Igreja:

  1. Conheço o lugar em que habitas

…onde está o trono de Satanás, e que conservas o meu nome e não negaste a minha fé…

No cristianismo genuíno de Éfeso e Esmirna, não havia templos, mas a partir de Pérgamo eles se espalharam por todo o Império. Sua sede seria em Roma, e com certeza lá estava o trono de satanás. Até Pérgamo, a Igreja crescia e era edificada de casa em casa e as reuniões maiores eram feitas nas catacumbas, escondidos, pois eram perseguidos. Agora, apesar de ter casado com o mundo, havia algo de bom nessa Igreja. Eles conservaram o nome do Senhor e a fé. Havia um irmão chamado Antipas. Por não termos o significado da palavra, usamos seu aspecto profético. Antipas é donde vem a palavra antipático. Antipas = “Anti” significa contra e “pas” significa tudo. Não que ele é do contra só para contrariar, mas que ele fica do lado de Deus e se opõe a todas as coisas do mundo. Se a nossa maneira de viver não é contrária ao mundo, não somos vencedores. Não dá para ficar bem com todo mundo o tempo todo. Mas também devemos tomar cuidado com o estilo de vida duplo – um na Igreja e outro lá fora. Cuidado com aqueles que dizem: “negócios são negócios” e que “Igreja é coisa à parte”. A Palavra de Deus deve permear tudo: casamento, negócios, família, relações trabalhistas, escola, etc.

  1. Tenho, todavia, contra ti algumas coisas

1º Erro – A doutrina de Balaão.

Quem era Balaão? Um profeta pagão e corrupto, que recebeu dinheiro do rei Balaque para amaldiçoar Israel (Nm. 22:5-6). Por três vezes ele tentou amaldiçoar, mas foi impedido pelo Senhor, e abençoou a Israel. Vendo que sobre o povo de Deus não vale encantamento, aconselhou a Balaque a enviar mulheres de Moabe para o meio de Israel, para prostituir com eles (Nm. 25:1; 31:16).

No N.T. temos três aspectos de Balaão que representam princípios espirituais:

1) O caminho de Balaão

…abandonando o reto caminho, se extraviaram, seguindo pelo caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça (2Pe. 2:15).

O caminho de Balaão é fazer a obra por amor ao prêmio da injustiça. Isso se refere ao dinheiro, mas também ao reconhecimento do mérito. Isso porque ele faz para si mesmo. Isso nos fala do profissionalismo na liderança. Precisamos ser excelentes na obra, mas não profissionais. Ninguém vai chorar pelo propósito de Deus profissionalmente, ou você é conquistado para isso, ou não vai acontecer.

2) O erro de Balaão

Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Corá. (Jd.11).

Qual foi o erro? Ele pensou que Deus estava irado com o seu povo, por isso ser-lhe-ia permitido amaldiçoá-lo. Não é isso que o diabo faz com os desviados? Deus não permitiu e não permitirá que nenhuma maldição proferida contra você prevaleça. Vamos falar a verdade, o povo de Israel era rebelde e desobediente? Sim! Mas mesmo assim, quando Balaão foi amaldiçoa-los, Deus não permitiu. Veja o que Deus fala através de Balaão: Não viu iniqüidade em Jacó, nem contemplou desventura em Israel; o SENHOR, seu Deus, está com ele, no meio dele se ouvem aclamações ao seu Rei (Nm. 23:21). Como Deus não viu iniquidades neles? O tempo todo eles faziam o que era mal? A questão é que eles estavam debaixo do sangue do cordeiro. Todos os dias havia sacrifício um as 9hs e outro as 15hs, esse foi o tempo que Jesus ficou na cruz, e assim, Deus não via a iniquidade deles. Agora, quando eles adoravam a outros desus, eles paravam o sacrifício a Deus, e saiam de debaixo da proteção do sangue. O que acontecia? Eles eram dominados pelo inimigo. Quando eles voltavam a sacrificar, não tinha espaço para o inimigo. Quando você está debaixo do sangue Deus não vê pecado em você. Veja, não estou dizendo que você não tem pecado, nem a Bíblia diz que você não tem pecado. Só estou dizendo que, Deus não vê. Se Deus não vê não tem juízo. Deus só julga aquilo que Ele vê. Na cruz Ele viu todos os seus pecados e os julgou! Isso não significa que aquele que peca não sofre as consequências do pecado, claro que sofre! Então lembre, não há mais condenação sobre nós, MAS, há disciplina, portas fechadas, vergonha, vexame, exposição, etc. Agora, tudo isso é para o seu bem, mas lembre-se, não há rejeição a sua pessoa, você é filho(a) amado. 

3) A doutrina de Balaão

Disse-lhes Moisés: Deixastes viver todas as mulheres? Eis que estas, por conselho de Balaão, fizeram prevaricar os filhos de Israel contra o SENHOR, no caso de Peor, pelo que houve a praga entre a congregação do SENHOR (Nm. 31:15-16).

Sua doutrina é o casamento da Igreja com o mundo. É o princípio da indiferenciação. Não conseguindo amaldiçoar, Balaão dá um conselho a Balaque, para mandar que as mulheres de Moabe se misturem com os filhos de Israel e os levem ao erro. O Conselho trouxe prostituição e idolatria para dentro de Israel e provocou uma praga que matou 24.000 pessoas (Nm. 25:9). A doutrina de Balaão incentiva a queda de toda a separação entre Igreja e o mundo. Deixa de stress! Deixa de ser Antipas! Esse é o conselho dos seguidores de Balaão. Isso trás o mal para o meio do povo de Deus. Não pense que o mundo é inofensivo, não é!

Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus (Tiago 4:4).

Veja, mesmo não valendo maldição o mal pode vir sobre os crentes. Tudo é uma questão da sua posição. Se você está na posição certa, mesmo tendo pecado nenhum mal lhe sobrevêm, a não ser as consequências do seu pecado. Todavia se você esta na posição errada, o mal inevitavelmente virá sobre você.

2º Erro – A doutrina dos Nicolaítas

O fato dos nicolaitas aparecerem junto com os que praticam a doutrina de Balaão, isso nos mostra o surgimento de um tipo de clero mercenário. Em Éfeso havia a obra dos nicolaítas, mas aqui está a doutrina, houve um avanço. Eu estou aqui para te treinar e não para te dominar. O que era apenas um comportamento agora se tornou uma ideologia. Temos que tomar o cuidado de não sermos o clero que acha que somente através de nós (liderança) é que as pessoas podem ser abençoadas. Passar a idéia de que somente o pastor ou os líderes estão diante de Deus é um grande erro.  Há vários pessoas que se intitulam profeta nesta geração, e fazem tais coisas, não se submetem a ninguém, pois se acham superiores. Corra deles! O apelo do Senhor é para que se arrependam!

…se não, venho a ti sem demora e contra eles pelejarei com a espada da minha boca.

Porque o Senhor se apresenta assim a essa Igreja? Porque a espada é instrumento de separação. A espada é a Palavra de Deus. A forma do Senhor separar a sua Igreja do mundo é pela verdade da Sua Palavra. Mas tem que ouvir a voz do Espírito! O apelo é para não mais se misturarem com o mundo! Nós vivemos no mundo, mas não devemos nos misturar a ele. Repito, o mundo não é inofensivo!

  1. A recompensa

Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe.

a) O maná escondido

O maná escondido é o maná que estava dentro da arca no Tabernáculo. Sabemos que somente o sumo sacerdote podia entrar no santo dos santos, mas ele não podia come-lo. O maná escondido é um privilégio ainda maior, mas só os sacerdotes do N.T. pode come-lo! Aqueles que entendem sua posição sacerdotal e andam nesta verdade de acessibilidade ao trono da graça, desfruta de uma intimidade com Jesus (Hb. 4:16).

O maná escondido é um intimo relacionamento com Jesus. Os discípulos comeram do maná escondido e nós podemos comer Dele hoje!

b) Um novo nome

O maná escondido visa transformar-nos em pedra de edificação com um novo nome escrito. Receber um novo nome significa mudança de vida. A base para sermos úteis na edificação é a mudança de vida (de nome). Quando temos comunhão intima com o Senhor podemos ter uma mudança em nossa vida.

O clamor do céu: Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela (Babilônia = mundo), povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos (Ap. 18:4).

Igreja de Esmirna – Apocalipse 2:8-11 – 26/02/2017

,

Igreja de Esmirna – Apocalipse 2:8-11

Do ponto de vista profético Esmirna representa a Igreja do segundo e terceiro século, do ano 101 a 300 d.C. Ela foi a igreja perseguida pelo império romano. Foi uma época em que se tornar um cristão era simplesmente comprar um bilhete para a eternidade. Por essa razão, o Senhor se manifesta a eles com o Primeiro e o Último, estive morto, mas revivi, ou seja, vocês estão morrendo, mas vão reviver. O Senhor está vendo o começo e também está vendo e garantindo o final da história. O nome do Senhor supre a nossa fé.

  1. Conheço a tua tribulação

A Igreja de Esmirna são os vencedores de Éfeso que voltaram ao primeiro amor e se entregaram ao propósito de Deus e sua obra. E por isso foram perseguidos (2 Tm. 3:12). Ao dizer que se entregaram, não quer dizer que pararam de trabalhar e ficaram exclusivamente por conta da obra. Mas que onde estavam, o alvo era o reino de Deus e não o conforto deles. Nada de errado com o nosso conforto, é legítimo o conforto, mas não deve ser o nosso alvo. É importante entender que a tribulação é um meio que Deus usa para que possamos experimentar o poder da ressurreição (Fl. 3:10).

  1. Conheço a tua pobreza

Além de atribulada a Igreja de Esmirna é pobre. Alguém pode perguntar: É preciso ser pobre para tornar-se um vencedor? Certamente não, mas Jesus disse que é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus (Mt. 19:24). Ele falou isso com respeito ao reino e não com respeito à salvação. Todos concordamos que um rico pode ser salvo, mas a chance de um rico vir a ser um vencedor é a mesma de um camelo vir a passar pelo fundo da agulha, palavras de Jesus!

Evidentemente pobreza material não resulta automaticamente em riqueza para com Deus. Infelizmente existem pessoas que são pobres de dinheiro, pobres de mente, e também pobres de experiências com Deus. Pobreza por si só não é sinônimo de humildade. Mas sobre os ricos não há o que discutir, sua atitude é sempre pretenciosa e autossuficiente. Por pensarem que não precisam de Deus, sua postura é de arrogância e independência (1Tm. 6:17). Então, podemos ser rico, porém devemos ser completamente dependente de Deus. A esse, Deus dá mais e mais.

Apesar disso não devemos olhar para o exterior, pois o valor do homem não está nos bens que ele possui (Lc. 12:15). Então, o que importa ao homem é o quanto ele acumulou diante de Deus. O vencedor é aquele que é rico para com Deus.

  1. Conheço a blasfêmia dos que a si mesmo se declaram judeus

Paulo diz que o verdadeiro judeu o é interiormente (Rm. 2:29). O verdadeiro judeu é aquele que tem o coração circuncidado para amar a Deus. Então, ser um vencedor nessa Igreja é rejeitar tudo aquilo que vem do judaísmo. Como podemos identificar conceitos e práticas judaicas na Igreja? Bom, o judaísmo possui quatro características básicas.

A primeira delas é o templo. Se voltarmos a estabelecer prédios como templos, ocorrerá um retrocesso ao judaísmo. O prédio é importante, mas não é o templo. Ser um vencedor hoje é entender que somos o templo de Deus. E que o sagrado é você e o irmão que está ao seu lado.

A segunda coisa básica do judaísmo é a lei. A lei dos judeus foi escrita em tábuas de pedras, mas em Hebreus 8:10 diz que a lei do Espírito foi impressa dentro do nosso coração e não precisamos mais seguir a lei de Moisés. Seguindo a lei do Espírito nós acabamos por cumprir a lei de Moisés, porque a lei do N.T. é superior. O cumprimento de tudo, e tudo se resume Nele, Cristo (Rm. 10:4).

A terceira característica do judaísmo é a sua classe sacerdotal. No cristianismo não existe uma classe sacerdotal, mas todos somos sacerdotes do Senhor (1Pe. 2:9).

Quarta característica distinta do judaísmo são as promessas de Deus. O Senhor cumprirá as promessas feitas aos judeus porque Ele é fiel! No entanto, Hebreus diz que as nossas promessas são superiores, porque são baseadas em uma aliança superior (Hb. 8:6). Deus já nos deu o sim para todas as promessas e a nós cabe dizer amém a cada uma delas.

  1. Tereis tribulação de dez dias

Eles já estavam passando por uma grande tribulação, que era a perseguição e martírio.

Mas o Senhor ainda fala que iriam passar por uma tribulação de dez dias. Como não ficou no registro da História nada acerca de uma tribulação específica de dez dias. Deve então, se tratar de algo simbólico. Baseado em Gn. 24:55 e Dn. 1:12-16 esses dez dias significam um período pequeno, porém completo, de teste e de prova. O vencedor será testado em um tempo completo de tribulação, conhecido e determinado por Deus, segundo sua soberania. Isso é um grande consolo. Ela nunca vai além do que está estabelecido. Também jamais excede os limites de nossas próprias forças (1Co. 10:13).

  1. A recompensa do vencedor

Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. A coroa da vida é um prêmio concedido apenas ao vencedor. A coroa da vida é a recompensa a todos os que se manterem fiéis ao Senhor e sua obra. A fidelidade tem a ver com a atitude e o tempo. A atitude de ser fiel até ao ponto de morrer. E quanto ao tempo, ser fiel até a morte chegar, ou seja, por toda a sua vida.

O vencedor de nenhum modo sofrerá dano da segunda morte. O dano da segunda morte mencionado, se refere ao prejuízo que alguns crentes terão por ocasião do tribunal de Cristo. Embora a segunda morte não tenha poder sobre nós, podemos vir a sofrer algum dano semelhante (disciplina para o crente derrotado). O crente com obras erradas sofrerá um dano por meio do fogo. Ele mesmo será salvo, mas haverá um dano. Exemplo: Suponhamos que haja uma chuva de pedras, você pode se abrigar (salvação), mas seu carro não, será destruído (suas obras erradas – madeira, palha e feno).

Perguntas para o compartilhamento:

  • Você tem vivido perseguições nestes dias? O que tem aprendido com elas?
  • Você acha que a riqueza pode te atrapalhar na conquista da coroa da vida?
  • O judaísmo representa a religião, você percebe em sua vida traços de religiosidade?

A Igreja em Éfeso – 19/12/2017

Igreja de Éfeso

No final do capítulo 1, vemos o Senhor Jesus andando em meio aos candeeiros. E porque Ele anda, Ele vê. E por ter autoridade sobre todas as coisas Ele vê e julga todas as coisas. Nada a respeito da obra que estamos realizando está fora do foco dos olhos de Jesus. É por isso que Ele exorta cada uma das sete Igrejas, segundo a necessidade que cada uma tem de arrependimento. A exortação é para arrependimento. Então, enquanto ministramos esta mensagem revelada de Apocalipse, é importante permitirmos ser ministrados por essas exortações de Jesus.

Os Vencedores

Quem são os vencedores? Não são pessoas extraordinárias. São pessoas normais em tempos de anormalidade. O vencedor é aquele que permanece perseverando constantemente. Jesus nos exorta em João 15: Permanecei em mim e eu permanecerei em ti. Então, permaneço no caminho, permaneço acordado, permaneço vigilante, permaneço na oração, permaneço na fé, permaneço na santidade, etc.

O derrotado não permanece em Cristo, ele se desvia para andar na carne. Ele até tem boas intenções, mas não consegue prosseguir permanecendo. Por isso, não dizemos que já somos, mas continuamos a esmurrar o corpo, continuamos a tomar a cruz todos os dias fazendo a vontade de Deus. Esse é o vencedor! Veja, mesmo estando apto, preciso continuar a corrida, a qual só vencerei quando terminar de combater o bom combate e completar a carreira.

Não adianta começar bem, tem que terminar.

  1. A Igreja de Éfeso – Texto: Apocalipse 2:1-7 Conheço as suas obras

Essa expressão “conheço as tuas obras” é recorrente nas cartas. O Senhor os elogiou, pois eram excelentes na realização da obra. E esse é o primeiro sinal do vencedor, ele tem obras. Mas apenas ter obras não é suficiente. A origem pela qual elas foram feitas é mais importante. O Senhor viu as obras, eram corretas, mas reprovou a fonte. A motivação pela qual as obras eram feitas não era mais o primeiro amor. O primeiro amor é fruto do entendimento da justificação pela fé. Vejamos então quais eram as obras dos efésios:

1º) O Senhor conhece as obras, o labor e a perseverança. v. 2

Obras é diferente de labor. Trabalhar é algo bom, mas laborar é fazer com encargo, veja o exemplo de um jogador de futebol – Obra: é fazer parte da equipe, mesmo na reserva. Labor: é jogar quando está escalado, dá tudo de si dentro de sua função, fazendo o seu trabalho e suando a camisa. Perseverança: é fazer de forma sacrificial, é ir além, no jogo, é o jogador que mesmo contundido não se exime. Perseverar é fazer o que ninguém teria coragem de nos pedir.

2º) Testar os que se declaram apóstolos

Não é errado testar aqueles que desejam liderar. O problema é que somos cheios de respeitos humanos. Talvez você diga: Porque criar uma situação desconfortável? Pois é, os efésios testavam aqueles que se diziam enviados de Deus. O problema é que atentamos mais para o que as pessoas dizem de si mesmo do que a sua realidade de vida. Não seguimos a homens, mas a realidade da vida destes homens.

3º) Tinha perseverança no meio de provas sem esmorecer

A perseverança somente pode ser observada no meio de adversidades e perseguições. O grande teste de todos nós, é a pressão. O vencedor é testado no meio da pressão. Normalmente quando estamos com muita pressão e explodimos, alguém diz: liga não, ele está de cabeça quente. Em outras palavras: ele não é assim. Isso é um engano! O que falamos de cabeça fria mostra o que queremos ser. Mas o que falamos com a cabeça quente mostra aquilo que realmente somos. A única forma de conhecermos o que ocorre em nosso interior é sendo submetidos à pressão.

  1. A exortação – Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor.

A palavra primeiro aqui é “Próten” que pode significar o primeiro e o melhor. O primeiro amor é aquele fervor inicial, é manter a intensidade, a paixão, o fogo, a vida de Deus dentro do nosso coração. As grandes obras dos efésios ficaram ofuscadas pelo coração frio. O que os levaram a perder o primeiro amor? O texto não diz, mas conhecendo a natureza humana, não é difícil concluir que foi por causa da justiça própria. Veja, se hoje faço a obra porque amo ao Senhor, está tudo certo. Todavia depois de certo tempo já consigo dominar o que faço, e assim, corro o risco de não depender mais do Senhor. Neste ponto o amor esfria, e passo a fazer apenas pela recompensa. Já não me preocupo com o meu relacionamento com Jesus, minha energia é toda canalizada para realizar a obra.

Mas o Senhor diz aos efésios que eles caíram, e se caíram, suas obras também caíram. Não vai sobrar nada para o dia do Tribunal de Cristo. Pois foram feitas para eles mesmos, isso tem nome, justiça própria. O primeiro amor é uma das chaves para o crescimento da igreja. E o nosso desafio é mantê-lo até o Dia de Cristo.

  1. O remédio – arrepende-te e volta à prática das primeiras obras;

As primeiras obras as quais o Senhor se refere é o primeiro amor. Então, é possível que, apesar de todo trabalho, labor e perseverança o Senhor não esteja satisfeito conosco. O que mantem o fogo no candeeiro é o amor. Porque o amor esfriou o fogo apagou, e assim, o candeeiro se tornou inútil e foi removido. O Senhor está no meio da Igreja cuidando para que o fogo não se apague, mas cabe a nós manter a chama do nosso coração. De certa forma, temos o controle para voltar ao primeiro amor se cairmos, pois um dia andamos nele, mas cabe a nós se arrepender. Depende de nós ativarmos a nossa vontade – é uma decisão.

  1. Um encorajamento através de um elogio – Odeia as obras do nicolaítas

Os nicolaítas não são encontrados na história. Por ser uma profecia devemos então atentar ao significado das palavras. Nikao – conquistar, estar sobre. Laos – povo, comum, secular. Nikolaikos significa aquele que domina sobre o povo. Pelo significado do nome concluímos que aponta para o clericalismo dentro da Igreja. Precisamos lembrar que na igreja não há clero e leigos. Todos são sacerdotes.

Existem enganos com respeito ao clericalismo. Primeiro, alguns pensam que ser anticlerical, é condenar todo tipo de autoridade. Isso é um erro, pois o Senhor sustenta nas mãos o anjo da Igreja! Se não temos governo o que resta é o caos. O clericalismo surge quando os líderes tentam impedir que os demais membros do corpo funcionem. E assim, a Igreja tornou-se um lugar aonde as pessoas simplesmente assistem o culto. É por isso que a visão de células é importante. Elas são um instrumento de Deus para matar essa doença maligna, e assim, restaurar as funções do Corpo de Cristo, pois todos funcionam. No Novo Testamento o projeto de Deus é concretizado como diz I Pe. 2:9 e Ap. 1:5-6. Clericalismo é tudo aquilo que deixa o meu irmão intimidado.

  1. A recompensa ao vencedor – Ao vencedor, dar-lhe-ei que se alimente da árvore da vida que se encontra no paraíso de Deus.

A árvore da vida foi colocada no jardim para que o homem pudesse comer dela. Todavia, não comeu. Depois que ele caiu no pecado, foi vedado a eles o acesso a ela. A grande questão não é o que a Árvore da vida é, mas se você quer seguir a intenção original de Deus lá no Éden. Esta árvore da vida continua a existir, hoje pela cruz podemos passar pelos querubins com espada desembainhada e alimentar-nos livremente dela.

Veja, houve vencedores na Igreja de Éfeso? Certamente, eles são os irmãos de Esmirna que padeceram nas arenas romanas. O amor foi restaurado ao ponto de darem por completo suas vidas ao reino de Deus. Hoje também, se você deixou o primeiro amor, volte, e se entregue novamente nas mãos d’Aquele que tanto te ama.

Perguntas para o compartilhamento:

  • Você tem tido dificuldade para permanecer em alguma área?
  • As suas obras tem sido fruto do entendimento do quanto você é amado (a)?
  • O que você tem feito para manter acessa a chama do primeiro amor?
  • Você compreende a importância do sacerdócio universal através das células?

Compreendendo as coisas que vistes, e as que são e as que hão de vir – 12/02/2017

Compreendendo as coisas que vistes, e as que são e as que hão de vir

Observação: Os irmãos que desejarem o esboço completo me solicite via e-mail. Foi necessário retirar as informações históricas e conceitos gerais para poder facilitar os líderes compartilharem a palavra na célula. Segue meu e-mail: claudiogouveiapr@gmail.com

Apocalipse não é um livro enigmático e misterioso. Ele pode ser entendido por qualquer cristão nascido de novo. O alvo de Deus é nos revelar e não ocultar a sua vontade para o futuro da Igreja e do mundo. O nome do livro é: Revelação (apokalupsis = ato de tornar descoberto). Apocalipse é um livro que trata da relação de amor entre o cristão e o Senhor Jesus Cristo. Nós precisamos conhecer o Jesus dos Evangelhos, mas também o Cristo glorificado.

  1. Porque o Livro de apocalipse é tão negligenciado?

a) Satanás deseja esconder a verdade da sua derrota; b) O livro não desperta bons sentimentos em crentes relaxados; c) O livro trata da ira e do julgamento de Deus; d) O livro trata de fenômenos sobrenaturais; e) A atitude do ativismo versus o primeiro amor; f) O livro contradiz o conceito do universalismo (salvação universal).

O versículo chave é: Escreve, pois, as coisas que viste, e as que são, e as que hão de acontecer depois destas (Apocalipse 1:19).

  1. Compreender a diferença entre salvação e recompensa.

Para compreender apropriadamente Apocalipse precisamos compreender a diferença entre salvação e galardão. A salvação é o dom de Deus, o presente. Mas, o galardão é a recompensa dos crentes. Quando somos pecadores nosso alvo deve ser a salvação, mas uma vez que somos salvos nosso alvo deve ser a recompensa.

Podemos ilustrar esta situação da seguinte maneira: Um homem rico resolve pagar a escola para que pessoas pobres possam estudar. Ele faz isso graciosamente e a única exigência é que as pessoas se matriculem. Este ato de se matricular é de graça e representa a salvação que nos foi concedida de graça, mediante a fé em Jesus. Mas uma vez que estamos na escola somente receberemos o diploma se estudarmos arduamente e chegarmos até o fim do curso. A escola é de graça, mas o diploma exige trabalho duro. A salvação é a escola paga, tudo já foi pago, mas você agora deve trabalhar arduamente. Esse trabalho árduo é a qualificação para receber o diploma. No final haverá uma avaliação e se você não for aprovado, não receberá o diploma de servo bom e fiel. Ninguém é expulso da escola por se sair mal na avaliação. Do mesmo modo, ninguém perderá a salvação se for reprovado. O que acontece com o aluno que não sai bem na avaliação? Repete o ano, ou fica para recuperação.

O que será o milênio então? A repetência. O problema é que são mil anos de repetência. É importante entender que apesar de um crente nascido de novo, ser um vencedor legalmente, ele as vezes não o é posicionalmente. Então mesmo sendo mais que vencedor legalmente, ele ainda, em sua experiência vive em derrota. O crente derrotado é salvo? Claro que é! Só não terá recompensa.

  1. Apocalipse é um livro de conclusões

Deus é um Deus de propósito e em Gênesis vemos a revelação de seu propósito de ter o homem como sua imagem e semelhança para representá-lo na terra e para ter comunhão com ele. Mas o diabo tentou frustrar o propósito de Deus e o homem veio a cair. Temos então a história da redenção, de como Deus resgatou os homens, e então a conclusão em Apocalipse.

É na conclusão que vemos que Deus nos fez reino e sacerdotes (Ap. 1:6). Um dos objetivos de Apocalipse é mostrar o estabelecimento do reino de Deus. Deus está restaurando o seu direito sobre a terra, para fazer dela o seu reino (Ap. 11:15). Assim vemos que Apocalipse é a conclusão dos quatro tópicos principais: a) O propósito de Deus; b) A redenção do homem; c) A igreja e o; d) Destino de Satanás.

  1. Ele vem com as nuvens

De acordo com Atos o Senhor virá da mesma maneira que subiu ao céu. Uma vez que ele subiu do monte das Oliveiras é de lá que ele virá (At. 1:11-12). Neste ponto é importante entender que a volta de Jesus tem dois aspectos: Um antes da grande tribulação e outro depois da grande tribulação. O primeiro será secreto, o segundo às claras. O primeiro aspecto secreto nós também chamamos de arrebatamento dos crentes vencedores. O vencedor, como João (v.9), é companheiro na tribulação, no reino e inclusive na perseverança. Somos exortados aqui o tempo todo a perseverar até o fim. Há um caminho colocado diante de nós – a porta e o caminho são estreitos. Todos passamos por tribulações, mas a vontade de Deus é que reinemos em vida. Mas para isso precisamos aprender a perseverar. Perseverança está relacionado a superação (ex. maratonista). Vencedor é o que se supera os seus limites.

  1. Jesus andando no meio dos candeeiros

Ainda que houvesse mais igrejas, mas João viu sete, isso porque essas representam todas as outras. Jesus anda no meio dos candeeiros como Sumo-sacerdote, Ele intercede por nós diante de Deus. Ele cuida e apascenta o seu povo.

A Igreja possui dois aspectos: A Igreja universal que é a reunião de todos os santos, que formam o Corpo de Cristo. E a Igreja local, que são as comunidades espalhadas pelas cidades do mundo inteiro. Apocalipse diz que cada Igreja local é um candeeiro. É a Igreja local que sustenta o testemunho de Deus na terra. Agora, em Ap. 2:5 diz que o Senhor pode remover o candeeiro, a Igreja local. Quando isso acontece? Quando a sua luz apaga. Se o testemunho apaga, a Igreja perde o sentido de existir. Isso pode acontecer com células também, quando essas perdem o testemunho, perdem o sentido de existir. Esses candelabros possuíam as seguintes características:

a) Os candelabros eram de ouro. Em tipologia o ouro simboliza a natureza divina, a divindade. Isso mostra que só será Igreja se tiver o ouro da presença de Deus.

b) Estes candelabros estão resplandecendo no meio das trevas desse mundo. Precisamos constantemente da unção do Espírito Santo.

c) Podemos dizer que estes candelabros são basicamente iguais. E por isso, todas as Igrejas possuem o mesmo padrão. Duas Igrejas cheias do Espírito Santo não serão diferentes, mas muito iguais. Quando o Espírito de Deus se move na igreja elas se tornam muito semelhantes. Tentar ser diferente é vaidade humana.

d) Os sete simbolizam a unidade do Corpo, mas cada candeeiro tinha sete haste, isso nos fala da unidade da igreja local. É por isso que o diabo tenta o tempo todo quebrar a unidade dos irmãos nas células e discipulados. Porque ele conhece o poder da unidade. É pela unidade que desfazemos as obras do diabo, pois as portas do inferno não podem resistir a Igreja local. Precisamos aprender a lutar pela unidade!

Perguntas para o compartilhamento:

  1. Você está seguro quando a certeza da sua salvação?
  2. Você compreende a diferença entre salvação e recompensa?
  3. Você tem se preparado para a volta de Jesus?
  4. Qual o preço você acha que devemos pagar para ter a unidade em nosso meio?

O dízimo como revelação espiritual – 05/02/2017

O dízimo como revelação espiritual

Uma pergunta que sempre é feita: Se já fui liberto da Lei, por que ainda preciso entregar o dízimo?  Você não precisa entregar, mas agora você pode entrega-lo, pois ganhou uma oportunidade de fazê-lo.  O problema é que muitos pensam que ser liberto da Lei significa que não existe mais Lei. Isso é uma heresia, chamada antinomianismo – nomos é Lei, e anti contra. Essa é a heresia que vai contra toda a Lei.

A lei agora está escrita dentro de você, de modo que você a cumpre espontaneamente porque isso é próprio da sua nova natureza. Se você vê o dízimo como uma obrigação da lei, você não está qualificado para entregá-lo.

Alguns têm medo da maldição, outros querem merecer uma bênção, e muitos o fazem apenas porque é um mandamento. Porque você dá o seu dízimo? Infelizmente, muitos entregam o dízimo por essas mesmas razões. Quando você entende o quanto você é amado, você é conquistado por esse amor, e assim, passa a amar a Deus. Isso é ser liberto da Lei. Então por qual razão alguns não querem dar o dízimo? Porque ainda não foram conquistado em amor. Esse é o sinal de quem ama, quem ama dá (Jo. 3:16).

Você não vai ser abençoado por que você é fiel, mas porque Ele é fiel. Pare de fazer negócios e barganhas com Deus, creia que Ele te ama e que preparou coisas maravilhosas para a sua vida.

Gostaria de compartilhar algumas verdades sobre o dízimo.

  1. O dízimo que se perdeu

Em Lucas 15, temos três parábolas de itens que foram perdidos. A primeira é a parábola da ovelha perdida; a segunda é da moeda perdida, e a terceira, a do filho perdido.

Na primeira parábola, o Senhor fala do pastor que possuía cem ovelhas e perdeu uma. Ele então deixou as noventa e nove e foi buscar a que se havia perdido. Não faz sentido deixar noventa e nove para procurar apenas uma. Nenhum pastor faria isso, apenas o Senhor Jesus.

A segunda parábola, é a da dracma perdida. Uma mulher tinha dez moedas de prata (dracmas), mas perdeu uma. Ela então varre toda a casa à procura da moeda que havia perdido.

Na terceira parábola, temos um pai com dois filhos, mas um dos filhos sai de casa e se perde. Quando o filho perdido volta para casa, o pai o recebe com uma festa.

Essas três parábolas mostram as três pessoas da Trindade. A primeira, aponta para Cristo, o pastor. A segunda, aponta para o Espírito Santo. Embora a parábola fale de mulher, sabemos que a mulher aponta para a igreja hoje. E o Espírito Santo habita na mulher que é a Igreja. Por fim, a terceira parábola, aponta para o Pai.

Primeiro, veio Jesus, o bom pastor, para buscar e salvar o perdido. A segunda parábola, nos fala da mulher que simboliza a igreja com o Espírito Santo nesses dois mil anos. Mas no fim, os filhos serão trazidos ao Pai, que já preparou a festa.

Ovelhas apenas comem e seguem, mas filhos reinam. Esta é a revelação das cem ovelhas e dos dois filhos. Mas, depois disso, temos dez moedas de prata (dracma). Por que o Espírito Santo usa a figura das moedas? Porque isso nos fala de dinheiro e prosperidade.

Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, e varre a casa, e busca com diligência até a achar? E, achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida (Lc. 15:8-9)

A mulher em tipologia é a igreja, a prata nos fala de redenção e as moedas apontam para finanças e prosperidade. A igreja foi redimida da maldição da pobreza e da miséria. E por que dez moedas? A mulher tinha perdido dez por cento. A igreja perdeu a revelação do dízimo no decorrer da história. Hoje quando se fala de dízimo qual é a primeira reação dos irmãos? O pastor está querendo o meu dinheiro. A primeira reação é aquilo que o diabo fala em sua mente. A revelação da moeda perdida é importante. A parábola diz que a mulher tomou a candeia, que simboliza a Palavra de Deus, para procurar a parte perdida. Como é que a moeda foi achada? Porque ela acendeu a candeia! Se você acender a lâmpada você vai enxergar a revelação do Senhor. E vai encontrar a revelação perdida. E o resultado vai ser celebração. Veja, para que as ovelhas sejam achadas e os filhos voltem para a casa é preciso que haja recurso financeiro. É por isso que a Igreja precisa achar a revelação do dízimo, pois para pregar o Evangelho custa, e as vezes muito caro. A moeda não foi perdida lá fora, mas dentro da casa. Isso significa que o que é necessário para fazer a obra, Deus já nos deu, só precisamos achar. Sabe quando é que você vai achar? Quando tiver a revelação. Quando você acender a luz você vai ver o dízimo em sua vida. Quando o dízimo for achado pelos irmãos coisas espirituais vão acontecer no meio da igreja, e vamos todos alegrar na presença de Deus. Eu insisto que você tome a candeia hoje e vasculhe nas Escrituras a verdade do dízimo.

  1. O dízimo santifica o todo

Se um homem bom usa o dinheiro, o dinheiro se torna bom, mas se um homem mau usa o dinheiro para a sua perversidade, então o dinheiro se torna mau.  omo não existe homem bom, a Escritura trata sempre do dinheiro e o lucro que ele dá, como algo ligando a iniquidade (injustiça).

E eu vos recomendo: das riquezas de origem iníqua fazei amigos (faça amigos entre ricos); para que, quando aquelas vos faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos. Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto no muito (nós somos testados na fidelidade nas pequenas coisas, e não nas grandes). Se, pois, não vos tornastes fiéis na aplicação das riquezas de origem injusta, quem vos confiará a verdadeira riqueza? (se você não tornou fiel na aplicação do dinheiro que você ganha que nem é santo, como é que Deus pode lhe confiar as riquezas do Espírito?) (Lc. 16:9-11)

Muitos acham que, se forem fiéis nas coisas espirituais, o Senhor lhes dará dinheiro, mas o Senhor diz exatamente o contrário, se formos fiéis com o dinheiro, Deus nos dará as coisas espirituais. Muitos querem prosperar sendo fieis nas coisas espirituais, mas Jesus disse que você precisa primeiro ser fiel nas riquezas de origem iníquo, aí você vai receber de Deus riquezas espirituais. O seu dinheiro é o sinal se você está qualificado para receber riqueza espiritual de Deus. A verdade é que todo dinheiro que recebemos está associado com a iniquidade, porque este mundo é maligno. Como podemos fazer para que o nosso dinheiro seja puro? Paulo nos dá a resposta.

E, se forem santas as primícias da massa, igualmente o será a sua totalidade; se for santa a raiz, também os ramos o serão. (Romanos 11:16).

Quando entregamos o dízimo, nós abençoamos todo o nosso dinheiro. Paulo diz que, se as primícias forem santas, assim será toda a massa. Depois de dar o dízimo, seu dinheiro é santificado. Veja, em nenhum momento diz que você é obrigado a fazer isso, mas se você tiver revelação, vai desejar profundamente entregar seus dízimos e ofertas.

  1. O dízimo representa o todo

Muitos resistem a dar o dízimo dizendo que tudo o que possuem já pertencem a Deus. É como aquele marido que diz para sua esposa: Tudo o que tenho é seu. Para que precisamos separar um dia para ficarmos juntos? Todo o meu tempo é seu. Pergunte a qualquer esposa o que ela acha disso. O resultado desse tipo de conversa é que o marido não quer dar tempo algum. O Senhor diz que, se damos dez por cento, Ele recebe como se fossem todos os nossos bens. Por que há dez mandamentos? Simplesmente porque esses dez representam toda a lei. Se você cumprir esses dez, estará cumprindo toda a lei, pois Tiago 2.10 diz que qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, torna-se culpado de todos.

Mas, de fato, Cristo ressuscitou dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem. Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vida (1Co. 15:20-23).

Cristo é as primícias, e uma vez que as primícias ressuscitaram, temos a garantia de que toda a colheita vai ressuscitar também. As primícias são o dízimo, e uma vez que o dízimo é abençoado, todo o resto é também abençoado. Assim o que vai acontecer com Cristo, vai acontecer conosco. O que vai acontecer ao dízimo vai acontecer ao resto. Precisamos abandonar toda hipocrisia em relação à prosperidade. Se você deseja coisas boas para os seus filhos, muito mais Deus. Você quer que seu filho prospere? Você quer que ele tenha mais do que o suficiente para viver? É evidente que sim. Você pensa que você é melhor do que Deus? Você pensa que é mais amoroso do que o Senhor? Creio que não! É do interesse do Senhor que seus filhos experimentem a prosperidade e cura conforme Mateus 7.7-11. O dízimo representa Cristo diante de Deus. Cristo é as primícias, assim como é o dízimo. Quando Deus recebeu Cristo, recebeu também todos nós, seus filhos. Essa é a sua garantia, se Deus recebeu a Cristo, vai receber você também, pois primeiro Cristo as primícias, depois, os que são de Cristo, ou seja, nós! Se você entrega o dízimo, ele é a garantia que também os 90% estão sendo dado para Deus. Este é o princípio do dez na Palavra de Deus.

  1. Dê o dízimo por revelação

Abraão foi o primeiro a entregar o dízimo. Quando Abraão voltou da batalha contra os reis, ele trouxe todas as pessoas e todas as riquezas de Sodoma consigo. Foi nesse momento que dois reis vieram ao seu encontro: o rei de Sodoma e Melquisedeque, rei de Salém. Isso não foi por acaso.

Após voltar Abrão de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele, saiu-lhe ao encontro o rei de Sodoma no vale de Savé, que é o vale do Rei. Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo; abençoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe deu Abrão o dízimo. Então, disse o rei de Sodoma a Abrão: Dá-me as pessoas, e os bens ficarão contigo. Mas Abrão lhe respondeu: Levanto a mão ao SENHOR, o Deus Altíssimo, o que possui os céus e a terra, e juro que nada tomarei de tudo o que te pertence, nem um fio, nem uma correia de sandália, para que não digas: Eu enriqueci a Abrão; (Gn. 14:17-23).

Por que Melquisedeque apareceu a Abraão aqui e não em outro momento? Creio que a razão disso é porque esse foi o momento em que o rei de Sodoma (tipo do diabo) veio para tentar Abraão. Assim, era essa a hora que Abraão necessitava da ministração de Melquisedeque. Ele trouxe pão e vinho para nutrir Abraão. Depois de uma grande batalha, Abraão estava cansado e fraco. Esse é o momento em que somos mais propensos a cair em tentação. Mas o Senhor Jesus, na pessoa de Melquisedeque, trouxe pão e vinho para fortalecer Abraão contra a tentação financeira do rei de Sodoma. O rei de Sodoma disse a Abraão que ele poderia ficar com todas as riquezas, mas Melquisedeque abençoou Abraão dizendo que o Deus Altíssimo possui os céus e a terra. O diabo pode oferecer riquezas, mas apenas Deus possui todas as coisas. Nós servimos a esse Deus. Qual foi a resposta de Abraão? Entregou o dízimo! Veja, não é que Abraão não queria ser rico, ele apenas não queria se enriquecer da maneira do rei de Sodoma. Ele preferiu entregar o dízimo de tudo que possuía. Nós enriquecemos entregando o dízimo. Abraão não queria ser rico com a ajuda do rei de Sodoma, o diabo. A Palavra de Deus diz que Ló seguiu o rei de Sodoma em vez de seguir Melquisedeque. Ele foi morar em Sodoma. Abraão trouxe de volta todos os bens do seu sobrinho, mas Ló não entregou o dízimo e no fim todos os seus bens foram destruídos em Sodoma. Não se menciona que Melquisedeque tenha oferecido pão e vinho a Ló. Isso nos mostra que Ló não tinha a revelação da ceia do Senhor, e nem do dízimo, pois não entregou. E se tem alguém que deveria entregar o dízimo era ele, pois tinha perdido tudo e foi restituído de tudo. Mas, ele preferiu aceitar a proposta do rei de Sodoma, o diabo. O dízimo não é para todos, é somente para os crentes do tipo de Abraão. Na Nova Aliança todos deveriam ser crentes como Abraão. Eu creio que o dízimo não é para toda a igreja, mas somente para aqueles que têm experimentado a bondade de Deus e têm entendido que o Deus Altíssimo possui os céus e a terra. Abraão teve revelação de que ele não precisava seguir o rei de Sodoma para ficar rico. Ele sabia que servia a um Deus que possui todas as coisas. A mentalidade natural pensa que Deus tira de uns para dar a outros, mas a verdade é que Deus é tão rico que Ele tem mais que o suficiente para abençoar a todos os que o buscam. Infelizmente, Ló não teve essa revelação e seguiu o rei de Sodoma. Por um momento, teve riqueza e posição, mas no fim perdeu tudo. Sua esposa se tornou em estátua de sal, porque olhou para traz quando Sodoma era destruída, ou seja, ficou com pesar de ter deixado tudo para traz. Ló morreu na miséria, Abraão se tornou riquíssimo.

Abraão repetiu ao rei de Sodoma a mesma frase que Melquisedeque lhe tinha dito: Levantei minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra (Gn. 14:22).

Ele sabia que seria muito rico, por isso não queria que ninguém pensasse que sua riqueza procederia do rei de Sodoma. Ele queria que todos soubessem que sua riqueza procedia do Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra. Eu sou pastor e preciso de recursos, mas eu não prego para ter recursos, isso porque eu sirvo Elohiym, o Deus que possui os céus e a terra. Dele é que vem o recurso. Mas hoje estou dando a você oportunidade de participar de uma obra que é abençoada. Quantos creem que essa é uma obra abençoada? Estou te dando oportunidade de santificar todos os seus bens entregando seu dizimo que deve ser as primícias.

Considerações finais

Quanto mais cresço na revelação do quanto sou amado por Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, mais dou resposta a este amor gracioso. E como resultado deste amor, o dízimo é apenas um detalhe.

Não amemos de palavras – 29/01/2017

NÃO AMEMOS SÓ DE PALAVRAS

1João 3:18  “Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade”.

Cada um acha que tem o “seu jeito” de amar, e no fim, o amor acaba tomando formas muito distantes da verdade bíblica. Mas a verdade é que a Bíblia não considera muito esse “sentimento” amor, mas sim a sua prática. É isso que conta no final: a ação e a verdade. O amor é a essência do próprio Deus. E a sua prática é a essência do seu Reino, portanto aqueles que dizem fazer parte do Reino de Deus precisam também andar na pratica da essência desse Reino, o amor.

Se neste momento eu perguntar, quantos aqui amam a Deus? Tenho certeza que a maior parte se não todos, iram dizer em uníssono que sim. Mas que amor é esse? Ele pode ser visto? Esta sendo expresso de que forma? Somente em palavras? Canções? Será que um amor só de palavras ou canções seria suficiente para provar a alguém o quanto ele é amado? Creio que não. O próprio Deus quando quis mostrar seu grande amor pela humanidade não apenas disse que amou o mundo, mas logo em seguida ao dizer que amou o mundo Ele teve uma ação para demonstrar o seu amor.

João 3:16  “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”.

Quando Jesus foi questionado pelos religiosos sobre qual seria o principal de todos os mandamentos Ele disse;

Marcos 12:28-30 “Chegando um dos escribas, tendo ouvido a discussão entre eles, vendo como Jesus lhes houvera respondido bem, perguntou-lhe: Qual é o principal de todos os mandamentos? Respondeu Jesus: O principal é: Ouve, ó Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor! Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e de toda a tua força”.

Jesus deixa claro que devemos amar a Deus não apenas de palavras, mas de todo o nosso ser. A coisa mais importante que Deus requer de nós é ama-lo. Jesus disse que nos últimos dias o amor se esfriaria de quase todos, nesses dias nossa busca é em renovar nosso amor pelo Senhor para que possamos amar uns aos outros.

Como podemos amar a Deus?

1 – Conhecendo-o.

Ninguém ama quem não conhece.

Se pai e sua mãe antes de se casarem precisaram se conhecer, não se ama ninguém sem conhecê-lo. Entre você e sua esposa antes de surgir o sentimento de amor você teve que, vê-la, encontra-la, e conhece-la.

Primeiro se conhece, depois se ama. Então se eu não tenho amado a Deus é porque não O conheço.

Conhecer significa se aprofundar, por isso insistimos tanto para os irmãos fazerem os cursos. Oséias diz:

Oséias 6:3 “Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR;”

Oséias esta dizendo que precisamos conhecer a Deus de maneira continua, dias após dias, mês após mês, ano após ano. Conheça, busque conhecimento de Deus, procure a Deus, busque informação, saiba quem é Deus.

 Se a igreja tem falhado em amar é porque tem falhado em conhecer!

Isaías 1:3 “O boi conhece o seu dono, e o jumento sabe onde o dono põe o alimento para ele, mas o meu povo não sabe nada, o povo de Israel não entende coisa nenhuma.” (NTLH)

O povo não entende por que não conhece a Deus!

E de que forma conhecemos a Deus? Através da bíblia.

Você só pode conhecer a Deus em primeiro lugar através da bíblia, ela revela quem Deus é, ela mostra o seu caráter o que Deus gosta e o que Deus não gosta. A bíblia mostra o que Deus pensa, o que Deus sonha, a sua vontade, é a forma mais primária de se conhecer a Deus.

A bíblia é a palavra revelada de Deus para o homem, Deus se revelou através da palavra isso significa que, bíblia fechada ou aberta no Salmos 91 não tem valia nenhuma, não serve para nada e é sinal de alguém que não conhece a Deus e consequentemente não O ama.

Quantas vezes você abriu a sua bíblia esta semana? A resposta a esta pergunta mostra o seu interesse por Deus e o quanto você O ama.

2 – Relacionando com Ele.

O relacionamento acontece através da oração.

E eu não estou aqui falando de apresentar necessidades para Deus. Deus não é uma maquina de dar bênçãos!

Eu estou falando de “contato” com Deus, comunhão com Deus, laço com Deus.

Oração não pode ser monólogo onde só um fala, oração precisa ser diálogo, Deus também fala e você escuta.

Relacionamento com Deus precisa caminhar para o nível da intimidade, o amor só é desenvolvido no nível da intimidade.

Salmos 25:14  “A intimidade do SENHOR é para os que o temem, aos quais ele dará a conhecer a sua aliança”.

Quanto mais você investe tempo se relacionando com Deus nesse tipo de oração mais você começa a ter contato com Deus.

Sentir o calor da presença de Deus, a fragrância de Deus, como se particularidades do ser do Senhor fossem se tornando quase que palpáveis, muito perceptivas e não tão mais abstratas, você passa a sentir a Deus, identificar sua presença no ambiente.

Você passa a se tornar como Jesus disse aos seus discípulos, amigo de Deus, e por causa desse relacionamento você passa a manifestar sentimentos por Deus, sentimentos por aquele que eu leio, medito, tenho contato, sinto e etc.

Isso é algo interessante, você já teve e tem sentimentos por pessoas, mas, você tem sentimentos por Deus? Você sente falta, saudades da presença manifesta de Deus?

Esses sentimentos precisam crescer na medida em que você se relaciona com Ele até que tudo isso comine numa paixão e amor resultando em praticas que expressam esse amor.

Então cultuar a Deus passa a não ser pesado, orar não é pesado, meditar na sua palavra se tornar prazer porque agora você é movido por esse amor fruto de relacionamento.

Não pecar com medo das consequências do pecado é muito pobre e vil, a razão pela qual não devemos escolher o pecado é por amar a Deus, porque eu o amo eu não vou pecar!

3 – Obedecendo a Ele.

João 14:21  “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama;”.

Ter é conhecer, guardar é praticar.

Aquele que ama a Deus primeiro conhece a palavra e depois obedece a palavra.

Por tanto se você não conhece a palavra você não pode amar a Deus, e se você conhece, mas não pratica você também não ama a Deus, Jesus disse que o que o ama tem e guarda seus mandamentos.

Quem diz que ama a Deus deve praticar seus mandamentos diariamente, não adianta dizer que ama a Deus e ser um mentiroso, rancoroso, fofoqueiro, malicioso, impuro e sem caráter.

Há pessoas que dizem amar a Deus, mas não se colocam no padrão da sua palavra, isso não é amor.

Vir ao culto não é prova de amor, aqui você vem para aprender, a prova de amor acontece da porta pra fora, é quando você tem a oportunidade de praticar o que aprendeu.

Os olhos de Deus estão mais interessados em ver quem nós somos lá fora do que aqui dentro! Quem é você quando “ninguém” esta te olhando?

Mateus 21:28-31 “E que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na vinha. Ele respondeu: Sim, senhor; porém não foi.  Dirigindo-se ao segundo, disse-lhe a mesma coisa. Mas este respondeu: Não quero; depois, arrependido, foi. Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram: O segundo. Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus”.

Muitos estão como o primeiro filho, dizem sim nos cultos, mas quando viram as costas não obedece a vontade do Pai.

O segundo filho se arrependeu porque ainda que sua natureza o move-se para a rebeldia, o seu coração por amar seu pai foi movido para o arrependimento e obediência.

Que tipo de filhos nós somos?

4 – Colocando-o acima de todos os seus relacionamentos.

Mateus 10:34-37 “ Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. Pois vim causar divisão entre o homem e seu pai; entre a filha e sua mãe e entre a nora e sua sogra. Assim, os inimigos do homem serão os da sua própria casa. Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim;”.

Quando Jesus disse que não veio trazer paz não significa que ele veio fazer guerra e muito menos causar divisão por divisão.

O que o texto nos mostra é o resultado por amar a Jesus mais do que qualquer outra pessoa, a guerra e a divisão não vem da parte de Cristo, mas, sim daqueles que ficam incomodados por não serem os primeiro em nossas vidas.

Jesus usa os níveis de relacionamentos mais afetuosos que existem, filhos e pais, filhas e mães, nora e sogra (nem tanto…rs) para mostrar que ama-lo é colocar em segundo plano as pessoas mais próximas e importantes de sua vida!

Nosso amor a Deus passa pela disposição não de abandonar nossos entes queridos, mas de coloca-los como secundários, Jesus é antes de todas as coisas.

Agora, se você desejar ser politicamente correto com todo mundo, o “cara legal”, você não poderá amar a Deus.

Amar a Deus vai implicar em alguns momentos ser odiado pelas pessoas mais próximas de nós. Não dá para agradar a Deus e aos homens o tempo todo.

5 – Amando o que Ele ama.

Efésios 5:25  “Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela,”.

A Igreja é o objeto do amor de Deus. Cristo amou a igreja se entregando por ela, morrendo por ela.

A igreja é o sonho de Deus e o grande mistério que estava oculto da gerações passadas, mas que fora revelado a nós.

Colossenses 1:26-27 “o mistério que estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou aos seus santos; aos quais Deus quis dar a conhecer qual seja a riqueza da glória deste mistério entre os gentios, isto é, Cristo em vós, a esperança da glória;”

Cristo em vós é a igreja, a soma dos regenerados os quais unidos se tornam a habitação de Deus na terra, Igreja.

Muitos dizem, pastor Deus entregou seu Filho para me ter! Porém essa não é toda a verdade, a verdade é que Deus entregou o seu Filho para NOS ter, ou seja, IGREJA.

Ha outros que em sua ordem de prioridades colocam a igreja em lugares diferentes de Cristo. Eles dizem, primeiro Jesus, depois a família, depois a igreja…estão mutilando o corpo de Cristo.

Colossenses 1:18  “Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia,”.

Quando você anda por esta ordem de prioridades você separa a Cabeça, Cristo, do seu Corpo, a igreja. Se Jesus for o primeiro a igreja também deverá ser a primeira, pois não se pode separar a Cabeça do Corpo.

Se você deseja amar a Deus a maneira mais pratica é amando a igreja, seu corpo. Se você deseja fazer algo por Jesus a maneira mais pratica é fazendo pela igreja que é o seu corpo e assim em diante.

Quem não está envolvido com a igreja não está envolvido com Jesus, é por isso que Ele diz, quem não é a favor de mim é contra mim!

Jesus quando perguntou para Pedro se ele o amava, logo em seguida mostrou a maneira pela qual ele iria expressar esse amor, apascentado suas ovelhas, cuidando da igreja.

Cuidado e envolvimento com a igreja é uma das maiores expressões de amor que podemos ter para com Deus.

Não amemos só de palavras, mas de fato e de verdade!

O Preço da Presença – 22/01/2017

O PREÇO DA PRESENÇA

Sabereis que estou no meio de Israel e que eu sou o SENHOR, vosso Deus, e não há outro; e o meu povo jamais será envergonhado. E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões; até sobre os servos e sobre as servas derramarei o meu Espírito naqueles dias (Joel. 2:27-29).

Neste texto temos uma profecia de que o Espírito e a presença de Deus seriam derramados no meio do seu povo, e em João 14:16-17 Jesus disse que o seu Espírito estaria conosco para sempre. Isto nos fala de Vida de Deus. Vida de Deus é a presença de Deus manifesta nos seus filhos, de maneira que esse viver na companhia de Deus seja notória aos outros, ao ponto de dizerem: olha eu não sei o que o fulano é; mas ele é diferente.

Gostaria de tomar o livro de Ester para achar respostas a essa pergunta, e assim, podermos desfrutar de tudo aquilo que Ele preparou para nós como filhos amados. No livro de Ester 1:2 diz que há um rei assentado no trono, mas o que precisamos saber é que há um preço para se achegar a presença dele. Obviamente não é por meio da nossa justiça, mas certamente é pela fome do nosso coração por tal presença.

naqueles dias, assentando-se o rei Assuero no trono do seu reino, que está na cidadela de Susã (Ester cap. 1-2).

No capitulo um e dois de Ester, temos três personagens que representam três grupos de pessoas. E cada uma dessas personalidades desses três grupos pode ser você em alguma fase da sua vida. Pois cada um de nós viveu, vive, ou viverá essas experiências. Nos dias do rei Assuero, ele deu uma grande festa que durou cento e oitenta dias. Na ocasião havia um banquete onde ele ordenou que introduzissem a rainha Vasti a sua presença. Todavia a mesma se recusou a comparecer. Tal atitude ascendeu a ira do rei, que aconselhado por seus sábios promulgou um edito real irrevogável, onde vedava-se a Vasti entrar outra vez a presença do rei Assuero, e o seu trono seria removido e dado a outra, melhor do que ela.

Esse é o contexto, vejamos então cada uma das três personagens deste contexto:

1) Vasti

Vasti vivia na presença do rei, ela era esposa do rei Assuero. Vasti então, representa as pessoas que experimentaram da presença de Deus. São crentes que compartilharam e desfrutaram da presença do Rei. Em outras palavras, Vasti fala de crentes que tinham acesso a presença de Deus, que viviam diante da presença de Deus, mas que por alguma atitude saíram desse mover, saíram da presença. Vasti são aqueles crentes que dedicaram a sua vida a Deus, pagaram um alto preço e que investiram tudo para estar na presença do rei. Até que, em determinado momento parou de pagar o preço. Ou seja, eles não mais queriam pagar o preço que pagavam. Eles agora querem um pouco de comodidade para as suas vidas. É possível que esses crentes usem o argumento teológico da graça: É tudo pela graça: não vou orar, não vou jejuar, não vou ler a bíblia, não vou estudar estou na graça. Salvação é pela graça, mas presença de Deus tem preço. Reino de Deus é pelo esforço. Em João 14 Jesus disse algo poderoso sobre Ele manifestar a nós.

Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele (Jo. 14:21).

O manifestar Dele ao crente, tem como preço o guardar os mandamentos. Preste atenção, você quer ter o que nunca teve, então faça o que nunca fez. Você quer receber o que nunca recebeu, então faça o investimento que nunca foi feito antes. Você quer conquistar o que nunca conquistou, então lute como nunca lutou. A presença de Deus manifesta tem um alto preço. É para aqueles que amam, e amar aqui implica em colocar o Senhor como primeiro, e assim, viver de conformidade com a sua Palavra. Trazer a sua conduta para o padrão da Palavra é um alto preço, mas isso vai lhe dar acesso. Jesus garantiu que quando a Palavra Dele for prática em nossa vida Ele se manifestaria a nós. Isso é poderoso! A aparente dor e perda de se viver a verdade do Evangelho não se compara com a glória do desfrute da presença de Deus! Foram certas decisões de Vasti que lhe tiraram o acesso à presença do rei.

 Também a rainha Vasti deu um banquete às mulheres na casa real do rei Assuero. Ao sétimo dia, estando já o coração do rei alegre do vinho, mandou a Meumã, Bizta, Harbona, Bigtá, Abagta, Zetar e Carcas, os sete eunucos que serviam na presença do rei Assuero, que introduzissem à presença do rei a rainha Vasti, com a coroa real, para mostrar aos povos e aos príncipes a formosura dela, pois era em extremo formosa. Porém a rainha Vasti recusou vir por intermédio dos eunucos, segundo a palavra do rei; pelo que o rei muito se enfureceu e se inflamou de ira (Ester 1:9-12).

Precisamos ter cuidado para não tratar com naturalidade a presença de Deus! Quando isso acontece perdemos o temor, perdemos o zelo por Ela. Foi justamente o que aconteceu com Vasti, ela preferiu estar em sua festa particular, a estar na presença do rei desfrutando da festa dele. Preferiu suas vontades e desejos do que a do rei. Ela priorizou a sua agenda e não a do rei. Se nesses dias a sua situação é como a de Vasti, e você se esfriou em relação ao Senhor, e encontra-se distante da presença. Confie no favor de Deus, pois o Seu favor é diferente do favor do rei Assuero, e Ele pode restaurar a sua posição, e pode mudar a sua sorte. Basta você reconhecer, e assim, busca-Lo.

2) Moças

Então, disseram os jovens do rei, que lhe serviam: Tragam-se moças para o rei, virgens de boa aparência e formosura (Ester. 2:2).

Essas moças foram escolhidas entre as mais belas, e inteligentes. Essas moças tratadas no capítulo 2 de Ester, somos nós no momento inicial de nossa vida cristã. Agora é importante entender que, desejar ter a presença manifesta de Deus em nossas vidas, requer um alto preço. Assim como foi com essas moças.

Em chegando o prazo de cada moça vir ao rei Assuero, depois de tratada segundo as prescrições para as mulheres, por doze meses (porque assim se cumpriam os dias de seu embelezamento, seis meses com óleo de mirra e seis meses com especiarias e com os perfumes e ungüentos em uso entre as mulheres), então, é que vinha a jovem ao rei; a ela se dava o que desejasse para levar consigo da casa das mulheres para a casa do rei (Ester. 2:12-13).

Veja, ninguém vem a presença do rei de qualquer forma. Por isso vou insistir e falar novamente: É necessário pagar o preço. Qual o preço que você está disposto a pagar pela presença de Deus na sua casa, na sua família, na sua vida, na sua célula, no seu trabalho? Para o jovem rico era muito pesado vender tudo, dar aos pobres e seguir a Jesus. Para a mulher adúltera era deixar o seu pecado. Para Zaqueu era abandonar a vida ilícita. Essas moças se embelezaram por 1 ano, tudo isso, para achar favor perante o rei. Para poderem ouvir: Vem Noiva minha! Ouça, essa é a atitude que Deus espera de nós. Então o embelezamento simboliza tudo o que você faz pensando Nele e para Ele. Não se esqueça, nós compareceremos a presença do rei, porque Ele está escolhendo a sua Noiva. Ele escolheu as virgens prudentes e não as néscias. Ele escolheu Ester e não as outras. Hoje Ele está escolhendo aqueles que tem se embelezado para Ele, pagando o preço de viver em Sua presença. Hoje é a sua vez, não desperdice o tempo da sua oportunidade de se aprontar para o encontro com o Noivo.

3) Ester

Passadas estas coisas, e apaziguado já o furor do rei Assuero, lembrou-se de Vasti, e do que ela fizera, e do que se tinha decretado contra ela. Então, disseram os jovens do rei, que lhe serviam: Tragam-se moças para o rei, virgens de boa aparência e formosura. A moça que cair no agrado do rei, essa reine em lugar de Vasti. Com isto concordou o rei, e assim se fez (Ester. 2:1-2 e 4).

 Em se divulgando, pois, o mandado do rei e a sua lei, ao serem ajuntadas muitas moças na cidadela de Susã, sob as vistas de Hegai, levaram também Ester à casa do rei, sob os cuidados de Hegai, guarda das mulheres. A moça lhe pareceu formosa e alcançou favor perante ele; pelo que se apressou em dar-lhe os ungüentos e os devidos alimentos, como também sete jovens escolhidas da casa do rei; e a fez passar com as suas jovens para os melhores aposentos da casa das mulheres (Ester. 2:8).

 Em chegando o prazo de cada moça vir ao rei Assuero, depois de tratada segundo as prescrições para as mulheres, por doze meses (porque assim se cumpriam os dias de seu embelezamento, seis meses com óleo de mirra e seis meses com especiarias e com os perfumes e ungüentos em uso entre as mulheres). Ester, filha de Abiail, tio de Mordecai, que a tomara por filha, quando lhe chegou a vez de ir ao rei, nada pediu além do que disse Hegai, eunuco do rei, guarda das mulheres. E Ester alcançou favor de todos quantos a viam. O rei amou a Ester mais do que a todas as mulheres, e ela alcançou perante ele favor e benevolência mais do que todas as virgens; o rei pôs-lhe na cabeça a coroa real e a fez rainha em lugar de Vasti (Ester. 2:12, 15 e 17).

Ester se submeteu a todo o processo que as demais moças passaram, a Bíblia diz que ela passou a receber os unguentos e os devidos alimentos. Essas coisas que Ester recebeu nos fala daquilo que estamos digerindo espiritualmente, sejam coisas boas ou ruins. Fica uma pergunta: Quantos livros, filmes e coisas absurdas e impróprias que o mundo e a TV têm produzido que você tem digerido? O que muitos desconsideram é que tudo isso nos leva a uma horrenda aparência diante do rei. Todas essas coisas roubam a nossa beleza diante de Deus. Lembre-se, todos somos Suas virgens, mas nem todos desfrutaram das bodas. A restrição de não entrar no desfrute das bodas é graça também. Graça transformadora na vida da virgem que acomodou, pois só assim, ela poderá ter a imagem da Noiva desejava – para apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito (Ef. 5:27). A imagem do Noivo só pode ser produzida em nós em sua presença (2Co. 3:18).

No texto que lemos, diz que Ester e as demais moças tinham que se submeter a um ano inteiro de embelezamento (seis meses com óleo de mirra e seis meses com especiarias e com os perfumes e unguentos). A mirra era estimada pelo seu poder purificador. Mirra significa quebrantamento, e isso é resultado das nossas respostas diante do Senhor. Para se obter a mirra prensava um pedaço de uma certa madeira, e o resultado era uma gotinha de cada pedaço. Por isso a mirra era tão cara. Bíblia diz que Ester tinha que ficar completamente imersa em mirra. O preço da presença de Deus é um genuíno quebrantamento. Ao ponto de tocar a nossa vida por completo – espírito, alma e corpo. Todo o nosso ser precisa passar pelo quebrantamento – os 5 sentidos, os instintos, as emoções, a mente e a vontade. Além de ficar seis meses na mirra, Ester e as moças deviam ficar seis meses no perfume. Porque seis meses no perfume? Espiritualmente falando, esse embelezamento é a purificação do Senhor na nossa vida. Ficar no perfume, significa remover as “raízes e odores do mundo e da carne”. Para assim, exalarmos o perfume da realeza de Deus. Em outras palavras é: remover de você o cheiro do mundo e introduzir o bom perfume do Senhor. O resultado é prazer e satisfação do Noivo.

Conclusão

E finalmente a Bíblia mostra que Ester alcançou o favor dos homens e do rei. Qual é a consequência desse viver na presença do Rei?

1ª Consequência : Autoridade (a coroa foi tirada de Vasti e foi colocada sobre Ester);

2ª Consequência : Capacidade de alterar circunstancias (Ester mudou o rumo de uma nação);

3ª Consequência : Livre acesso aos tesouros do rei, a segurança da guarda do rei;

4ª Consequência : Intimidade e o amor do rei.

Achados por Deus – 15/01/2017

Achados por Deus

E, tendo tirado a este, levantou-lhes o rei Davi, do qual também, dando testemunho, disse: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade (Atos 13:22).

Uma das expressões mais lindas de toda a Bíblia é: Achei Davi, filho de Jessé, homem segundo o meu coração, que fará toda a minha vontade. Hoje, somos também achados por Deus e agraciados com o Seu favor e graça imerecida para o cumprimento do Seu propósito eterno, edificar Sua Casa.

assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor (Efésios 1:4).

Mas parece que as vezes ficamos presos em tantas coisas e situações, que nos roubam de expressar tamanho privilégio que temos, diante de tão grande graça que foi dispensada a nós. Precisamos aprender com a nuvem de testemunho que Deus amorosamente nos apresenta em sua Palavra, para que, assim, aprendamos a dar o nosso melhor a Ele. O fato de Davi ter um coração segundo o de Deus resultou no desejo de construir uma casa para Deus. Deus nunca havia falado a respeito do propósito de ter uma casa no meio dos homens. Deus não é um ser misterioso ou cheio de complexidade, mas simples como Jesus. O que impede as pessoas de conhece-lo é só uma questão de coração. De perceber o quanto somos amados, e assim, ama-Lo de todo o nosso coração. Agora, o nosso amor a Deus sempre resultará no desejo é interesse profundo pela Casa de Deus. Davi de uma forma simples expressa essa verdade a nós, mas é bom lembrar, ele não tinha todo o entendimento que temos hoje, mas mesmo assim, entendeu o nunca havia sido dito.

Sucedeu que, habitando o rei Davi em sua própria casa, tendo-lhe o SENHOR dado descanso de todos os seus inimigos em redor, disse o rei ao profeta Natã: Olha, eu moro em casa de cedros, e a arca de Deus se acha numa tenda (2Sm. 7:1-2).

Veja, Davi estava cumprindo o seu chamado de rei de Israel, mas havia em seu coração algo, que o inquietava. Uma das maneiras de Deus fazer através de nós é trazendo inquietações ao nosso coração. Davi não se conformava com a Arca, que simboliza a presença de Deus, ficar confinada a uma tenda, enquanto ele morava em um belo palácio. Ele se preocupou com o que ninguém se preocupou antes dele. E por isso, Davi surpreendeu a Deus (2Sm. 7:3-7). Deus não havia falado com ninguém, mas Davi percebeu o coração de Deus. Por isso ele quis fazer o que ninguém nunca imaginou. Davi não se via digno de morar em um palácio se a Arca estava em uma tenda. Ele sabia de onde saíra, e que só estava na posição de rei, por escolha divina (2Sm. 7:8-17). Enquanto Davi apascentava as poucas ovelhas da família, Deus viu o que homem nenhum viu. Davi não se preocupava em ser visto, ele apenas se ocupava em fazer com amor o seu serviço. É por isso que Davi sabia que só estava ali por causa da graça de Deus. O Senhor ao mencionar que o tirou por detrás das ovelhas estava deixando claro que se não fosse pela graça e poder divino, Davi continuaria cuidando de ovelhas. E tudo o que ele fizesse fora deste propósito ao qual Deus o havia designado, não teria valor algum. Há um propósito a ser cumprido. Deus é o autor do propósito de nossa existência, e devemos deixar-nos arrebatar por esse propósito. É grande fazer parte de algo que Deus faz. É grande aceitar a graça eletiva, ciente que não merecemos nada. Essa verdade nos faz rendidos ao propósito Dele, e cheios de amor para com o que Deus ama, Sua Casa! É debaixo desse entendimento que Davi ora: (2Sm. 7:18-29).

Quem sou eu, SENHOR Deus, e qual é a minha casa, para que me tenhas trazido até aqui?

Veja, Davi não via mérito dele em nada, apenas reconhecia a graça, mesmo sendo o grande guerreiro que foi. Todo esse entendimento de Davi sobre a graça de Deus sobre a sua vida, o levou a ter uma atitude responsiva de amor a Deus e a Casa de Deus. Ter um coração para Deus envolve amar a Deus e a Sua Casa, a Igreja! Se há um segredo em Davi por ser chamado homem segundo o coração de Deus é porque:

1) Davi amava a Deus

Davi era alguém que amava a presença de Deus, antes e depois de ser rei.

Temeu Davi ao SENHOR, naquele dia, e disse: Como virá a mim a arca do SENHOR? (2 Samuel 6:9)

Quando Deus é antes de todas as nossas coisas, todas as nossas coisas passam a ser prioridade para Deus (Mt. 6:33). Paulo compartilhou essa verdade com os colossenses. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste (Col. 1:17).

Se Jesus é antes da sua liderança, sua liderança subsistirá Nele. Se Jesus é antes do seu casamento, seu casamento subsistirá Nele. Se Jesus é antes da sua profissão, sua profissão subsistirá Nele….

Amar a Deus é muito mais do que palavras, são ações e motivações reais que nos levam a amá-Lo antes de todas as coisas. Então, precisamos aprender a amar a presença de Deus, e perceber o quanto somos amados. Quantos em nossos dias tem agido como Saul, não se valendo da presença de Deus? Em Apocalipse 1, temos a visão de Jesus no meio dos candeeiros de ouro, que simbolizam a igreja (Ap. 1:12-13). Sabe o que é interessante, Jesus está em nosso meio, Ele está aqui, mas não significa que a igreja está desfrutando de Sua presençaTalvez você pergunte: Porque há crentes que não desfrutam da presença de Jesus? Simples, Apocalipse 3:20 diz – Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo. Veja, a questão é permitir que Jesus tenha acesso ao seu coração, para que ambos, Jesus e você, possam desfrutar da presença um do outro. Não existe salvação sem a obra da cruz, mas também não existe viver cristão sem a presença de Deus. Ame a presença de Deus! Aprenda a desfrutar Dela.

 

2) Davi amava a Casa de Deus

E ainda, porque amo a casa de meu Deus, o ouro e a prata particulares que tenho dou para a casa de meu Deus, afora tudo quanto preparei para o santuário: (1Cr. 29:3)

Amar a Casa de Deus é também amar dar o dízimo e ofertas. É preparar-se para trazer recursos para que não falte nada nela. Davi deu uma oferta bilionária para a Casa de Deus. Ele preparou sua oferta para a Casa de Deus, essa palavra “preparei” significa, estar pronto e firmemente determinado. Nada e ninguém removia do coração de Davi a alegria de ofertar a Deus. E mais ele também se alegrava de ver o povo ofertando a Deus. Mas gostaria de ir um pouco além neste entendimento de dinheiro que é o contexto, vejamos dois princípios.

Primeiro, amar a Casa de Deus é amar o povo, é amar os relacionamentos. Davi relacionou com o povo de Deus, ele era querido pelo povo. Ele amou aqueles 400 homens da caverna de Adulão. Ele não os mandou embora. Davi estava fugindo do rei Saul. Qual é mais fácil quando se está fugindo, ir sozinho ou com 400 homens? Claro que é sozinho! Mas Davi se recusou deixar para trás aqueles homens que estavam em aperto, endividados e amargurados.

Em segundo lugar, amar a Casa de Deus é amar a edificação, ou seja, não aceitar que as pessoas que Deus colocou ao seu lado, continue sendo as mesmas. É insistir e investir para ver a obra do reino de Deus avançando na vida dessas pessoas. Quando amamos a Casa de Deus nos recusamos a deixa-la em ruínas. Davi possuía um encargo sacerdotal pela nação. A Bíblia diz que todos somos sacerdotes. Uma das partes da vestimenta sacerdotal era a estola. Ela tinha um peitoral com 12 pedras preciosas, representando cada uma das tribos de Israel. Isso nos fala que o sacerdote deveria trazer no peito, no coração, os irmãos. Isso nos mostra que esse era um dos aspectos sacerdotais, amor e encargo pelos irmãos.

Conclusão

Todos nós somos os sacerdotes de Deus nessa dispensação. Então, se Deus faz muito através de um só homem que ama a sua presença, imagine um povo que ama a sua presença e carrega os irmãos no peito com amor e encargo? O que irá acontecer com esse povo? Um grande despertamento, e vida fluindo!

Gostaria de investir um tempo adorando a Deus.

Ao Encontro do Noivo – 08/01/2017

Ao encontro do Noivo

Texto: Mateus 25:1-13 (Parábola das 10 virgens)

A grande questão desta parábola está no que qualificou as cinco prudentes a entrarem nas bodas, que foi ter azeite de sobra. Um fato inquestionável é que o Noivo está vindo buscar a sua Noiva, sabemos que as dez falam da plenitude da Noiva, a Igreja. Isso nos mostra que nem todos os crentes, mesmo sendo parte da Noiva, vai entrar para as bodas. Sendo assim precisamos aprender com essa parábola a lição para que o dia glorioso do arrebatamento dos vencedores não seja uma surpresa desagradável a nós, Noiva. É necessário então, ter azeite de sobra, ou seja, ser cheio do Espírito constantemente.

A igreja de Éfeso fez grandes obras, mas nada se lhe aproveitou – Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor (Ap. 2:4)Porque nada se lhes aproveitou? Porque eles perderam o primeiro amor. Perdeu a paixão! Não se preocuparam em estarem cheios do Espírito Santo. Veja, nada de errado em fazer, mas, mais do que o trabalho da obra devemos nos preocupar com a motivação do trabalho.  Devemos fazer por amor! Fazer a obra sem o combustível do amor em primeiro lugar, gera peso e desanimo.

No casamento isso fica bem visível. Quem ama não acha nada pesado e nem encontra dificuldade para agradar o seu amado(a). Bem como não desanima, pois, seu alvo é firme, a satisfação do outro.

Então é importante entender onde as néscias erraram, para que, nós também, não erremos. Pois elas não se preocuparam em se preparar para a vinda do Noivo. Vejamos seus erros:

1) Não levaram azeite consigo

A pergunta aqui é: O que as levou a não priorizar ter azeite de sobra? Creio que o apego a vida terrena e a preocupação que a vida nos impõe. A Bíblia diz que estarão dois no campo, um será tomado e outro deixado. (Mt. 24:37-42). Porque o Senhor deixou um? Porque nos dias do arrebatamento dos vencedores serão como os dias de Noé. E o que eles faziam? Comiam, bebiam, casava e davam-se em casamento, ou seja, cuidava apenas das suas vidas aqui na terra. Todas essas coisas são legítimas, mas não podem ser um fim em si mesmo. Esse crente que ficou, provavelmente estava mais preocupado com essa vida do que com o reino. Quando vivemos assim, não nos preocupamos em ter um coração aquecido para Deus e sua obra. Somos tomados pelas preocupações desta vida e acabamos vivendo em função delas. Jesus nos exortou quanto a isso. (Lc. 21:34-36)A palavra acautelai-vos significa, trazer para perto, num sentido do navio quando é trazido para a terra e simplesmente é atracado no porto em segurança. Nossa vida é esse navio que necessita ser conduzido até a presença do Filho do HomemNão devemos permitir que a voragem do mar (mundo) nos arraste e nos leve a sucumbir.

2) Não tiveram disposição de comprar azeite

Não levar azeite sobrando é perder o foco, mas não ter compro diz respeito a não ter disposição para fazer o que devia ser feito. Há coisas que eu não tenho porque não quero pagar o preço para ter. 

E que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Chegando-se ao primeiro, disse: Filho, vai hoje trabalhar na vinha. Ele respondeu: Sim, senhor; porém não foi. Dirigindo-se ao segundo, disse-lhe a mesma coisa. Mas este respondeu: Não quero; depois, arrependido, foi. Qual dos dois fez a vontade do pai? Disseram: O segundo. Declarou-lhes Jesus: Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus. Porque João veio a vós outros no caminho da justiça, e não acreditastes nele; ao passo que publicanos e meretrizes creram. Vós, porém, mesmo vendo isto, não vos arrependestes, afinal, para acreditardes nele (Mt. 21:28-32).

Você percebe que o primeiro filho sabia que havia um serviço a ser feito, ele até queria faze-lo. Porém o que lhe faltou? Disposição. Tenha disposição de pagar o preço e ter azeite de sobra naquele dia. Nos cortejos de casamento, usualmente eram levadas cerca de dez tochas acessas. O azeite era o único ingrediente necessário para assegurar um cortejo bem-sucedido. A presença de azeite nas lâmpadas servia de indicação da previsão e expectação daqueles que levassem tais lâmpadas. Mas a ausência de azeite nas mesmas mostrava um espírito de negligência, de despreocupação e de descuido. O azeite, portanto, em si mesmo pode ser um símbolo da atitude de expectação e preparo. A indicação do texto parece mostrar que as néscias realmente encontraram o azeite para comprar. Mas o ensino da parábola é que isso aconteceu muito tarde. O cortejo já chegara a mansão onde se celebraria a festa, e a porta já fora fechada. Todos os dias da nossa vida é o tempo oportuno de nos prepararmos para o encontro com o Noivo. 

Hoje é o dia de comprar azeite, de buscar o Senhor de todo o nosso coração, de vivermos como se fosse o último dia de nossas vidas. Hoje é o dia de transbordarmos do Espírito Santo.

3) Suas lâmpadas estavam apagando

Se o foco está errado, e se não há disposição de comprar azeite, o fim é a lâmpada apagar.

Você já viu crente apagado? Nós não podemos ser apagados. Se você está fumegando (apagando) Jesus disse algo a respeito do desejo do coração Dele.

Não esmagará a cana quebrada, nem apagará a torcida que fumega, até que faça vencedor o juízo (Mt. 12:20).

Jesus não vai apagar a luz que está fraca, a torcida que fumega. Isso se refere ao pavio da lamparina, que é a mesma coisa de lâmpada. Jesus deseja espevitar o pavio para que o fogo retorne. Esse é o desejo de Jesus. Mas precisa haver em nós a ação de acabar com o ciclo do abafamento do Espírito Santo. Paulo nos exortou: Não apagueis o Espírito (1Ts 5:19). Não atrapalhem a ação do Espírito Santo (1Ts. 5:19 – NTLH). Paulo está dizendo que: Quando o Espírito Santo te impelir para busca-Lo, não deixe que nada o atrapalhe.

Você precisa por um lado, não permitir que o mundo, o pecado e a carne abafe o fogo do Espírito Santo em seu espírito. Mas por outro lado, você precisa ceder a ação do Espírito Santo em você, para assim, manter acessa a sua lâmpada.

Mude o foco hoje, estabeleça prioridades espirituais em sua vida, e assim, aquele dia vai ser de muita alegria na presença do Noivo.

4) Não eram conhecidas de Jesus

É óbvio que elas eram salvas, pois eram virgens. A Bíblia nunca chama o ímpio de virgem. O conhecer não é o conhecimento objetivo e sim o subjetivo. Há duas palavras para conhecimento na Bíblia, uma é gnosko, que é o conhecimento objetivo (saber quem é). Jesus gnosko cada uma das cinco virgens néscias. Mas a outra palavra é oida, que é o conhecimento subjetivo (ter intimidade)Jesus não oida com nenhuma das cinco virgens néscias. Paulo faz uma afirmação poderosa quando a essa verdade, ele diz: Mas, se alguém ama a Deus, esse é conhecido por ele (1Co. 8:3).

Paulo aqui usa uma outra palavra, ginosko, que significa chegar a conhecer. Os judeus a usavam como expressão idiomática para relação sexual. Isso se refere então a ter intimidade com o Senhor. É pela expressão do nosso amor ao Senhor que demonstramos que somos íntimos Dele. Como expressamos amor ao Senhor?

Primeiro, amando o que Ele ama. Deus ama a Igreja, Ele não poupou o Seu único filho para tê-la (Rm. 8:32).

Segundo, fazendo o que Lhe agrada. O Senhor tem prazer naqueles que amam seus mandamentos (Jo. 14:21).

Terceiro, amando a cruz. É pela ação da cruz que nos parecemos com Cristo. Só podemos ser discípulos de Jesus se amarmos a cruz (Lc. 14:27).

Se amamos Ele, damos continuidade a Sua obra. Se amamos Ele, andamos em Seus caminhos. Se amamos Ele, somos íntimos Dele.

5) Não atentaram que o Noivo poderia demorar além dos dias de suas vidas

O Noivo tardou-se a chegar e as noivas adormeceram. Isso significa que elas morreram. Isso nos mostra que a nossa espera pelo Noivo é um teste. O casamento judeu havia três estágios. O primeiro era da apresentação dos noivos, depois o preparo por parte de ambos. E por último a festa do casamento.

No segundo estágio o noivo sai para preparar casa e recursos para poder viver com sua esposa. Ele só voltava depois de preparar tudo. Ninguém sabia quando ele iria voltar, tudo dependia de quanto tempo gastaria para aprontar tudo. Somente seu pai sabia o dia que voltaria para então casar. Jesus disse que o dia da volta Dele só o Pai sabe. O nosso papel de Noiva é nos preparar para esse dia, que pode ser a qualquer momentoEntão, em sua demora, não deixe para depois as ações mais importantes com respeito ao seu relacionamento com Deus e a Igreja. Não deixe para depois o que deve ser feito hoje com respeito a sua vida espiritual. O seu futuro, ou seja, se você vai ou não entrar nas Bodas, no Reino de Jesus, vai depender de sua vigilância e dedicação a Cristo e sua Igreja. As virgens prudentes, tinham tudo o que as néscias não tinham.

O Pr Aluizio diz que, vencedores fazem todos os dias o que derrotados fazem ocasionalmente. O que as prudentes faziam?

a) Eles vigiavam e oravam

Essa é uma advertência de Jesus recorrente nos textos que lemos. Certamente que as prudentes nunca negociaram a vigilância e a oração.

b) Tinham azeite de sobra

Porque estavam vigilantes e em oração não lhes faltou azeite. Quando morreram e ressuscitaram, seu azeite de reserva estava láPreste atenção, a morte não altera sua condição. Se morrer hoje com azeite, ele vai estar lá no dia que ressuscitar.

c) Tiveram disposição todos os dias de suas vidas para comprar azeite

As virgens prudentes sempre acharam tempo para orar, jejuar e dedicar ao estudo da Palavra. Elas estavam vigilantes, de olho nas coisas celestiais. Para elas não houve surpresa, pois se prepararam todos os dias de suas vidas para encontrar com o Noivo. Trabalhavam aqui nesta vida com o coração no céu, e quando dormiam, descansavam na certeza que estavam prontas para a qualquer momento encontrar com o Noivo. Elas eram cheias do Espírito Santo diariamente. Essa é a razão de estarem dois no trabalho e um será tomado e o outro deixado. Estarão dois na cama um será tomado e o outro deixado. Um preparou-se para a qualquer momento encontrar com Jesus. O outro não.

d) Elas amavam o que Deus ama

Elas estavam envolvidas no projeto eterno de Deus, que é a Noiva, a Igreja. Estavam sempre dispostas a entrar no desconforto para poder edificar os novos convertidos. A Bíblia começa com um casamento, que era apenas uma figura e termina com um casamento que é a realidade do propósito de Deus – Cristo e a Igreja. Você pode fazer muitas coisas em sua vida, mas nunca deveria deixar de lado o propósito eterno de Deus, a Igreja.

Conclusão

Hoje nós podemos fazer uma reflexão se estamos prontos para poder encontrar com o Noivo, pois Ele vem.  Podemos avaliar nossas atitudes olhando para as virgens prudentes e néscias. E assim, decidir viver um ano com mais intensidade e amor ao Senhor e sua obra. É um fato, Ele está vindo, ninguém sabe quando, por isso, todos nós devemos estar preparados para encontra-Lo a qualquer instante.

Precisamos viver dentro do primeiro amor, e assim, viveremos a tranquilidade de encontra-Lo naquele dia glorioso.

O Segredo do Reinício – 01/01/2017

O SEGREDO DO REINÍCIO

Uma das coisas mais interessantes da vida é quando o menino ou menina crescem e ficam com vergonha de brincar, ele de carrinho e ela de boneca, estão reiniciando uma nova fase em suas vidas e essas coisas não fazem parte mais deste novo momento.

Paulo escrevendo aos coríntios disse: Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino (1Co. 13:11).

Quando reiniciamos uma nova fase em nossa vida, desistimos das coisas da fase anterior. Um novo ano está começando, novas oportunidades, novas portas, e lembre, você tem novas chaves! Esse novo ano pode ser visto como um novo reinício para cada um de nós. Devemos sim, enfrentar as mudanças que esta nova fase chamada 2017, vai requerer de nós.

Um dos texto que mais me chamam atenção quanto ao reinício é o de Gênesis 1:1-3a: No princípio, criou Deus os céus e a terra. A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito de Deus pairava por sobre as águas. Disse Deus:…

Veja Deus criou tudo de forma perfeita, pois Ele não faz nada sem forma, vazio e com trevas. Entre os v. 1 e 2 algo aconteceu, que bagunçou toda a criação, e fez com que Deus reiniciasse tudo novamente. O que pode ter acontecido? Só há um evento que explica tal caos, a queda de Lúcifer (Ez. 28:11-19; Is. 14:12-15).

                  Cremos que a criação original de Deus incluindo os céus e a terra foram consumadas no v.1, no v.2 houve a destruição e a partir do v.3 temos a recriação ou restauração de Deus. Dando assim um reinício na criação. Então os princípios a partir do v.3 servem como norte para todo reinício em nossa vida, porqu a maneira como Deus criou e restaurou a criação é apenas um tipo de como somos restaurados pelo Senhor. Vejamos os princípios:

1) A EXPERIÊNCIA COM A LUZ – Disse Deus: Haja luz; e houve luz (v.3).

Todas as coisas foram danificadas pelo pecado. Nós fomos criados perfeitos em Adão, mas fomos danificados pela ação do diabo nos levando a pecar, assim, nos tornamos, sem forma, vazio, em trevas, com um abismo interior e coberto pelas águas da morte.

A primeira coisa que Deus fez foi dizer: Haja luz, e houve luz. Sem luz não tem como reiniciar nada. Onde há trevas, se faz necessário a manifestação da luz, todo reinício só acontece quando a luz vem, em qualquer área da sua vida: liderança, casamento, finanças, profissão, futuro, etc., você precisa de luz.

Um ano abençoado começa com sermos iluminados por Deus. A luz de 2016 não serve para 2017, isso se você deseja avançar!

A luz veio por causa de dois fatores. Houve a junção entre o Espírito e a Palavra de Deus. Se desejamos mais luz para avançar, precisamos entender que, buscar o Espírito e a Palavra de Deus é chave espiritual para esse reinício.

A luz só pode entrar se você for aberto à ação do Espírito Santo. Ele está pairando sobre você e está em você (Jo. 14:17), mas precisamos também da Palavra de Deus, em todo reinício para que a luz venha, necessitamos da Palavra criativa de Deus (Deus disse…).

                  Tudo o que Deus faz ele o faz pela Palavra e pelo Espírito, da união entre a Palavra e o Espírito a luz é gerada e a vida manifestada. A primeira coisa que Deus disse foi: “Haja luz”. Esta é a nossa primeira necessidade.

Onde há luz, há esperança!  Decida nesse reinicio de ano avançar para as coisas que estão diante de você (Fl. 3;13-14). Seu mais profundo desejo é que você receba luz. Ter luz é ter revelação, ter revelação é ter vida (João 1:4).

2) APRENDER A FAZER SEPARAÇÃO – E viu Deus que a luz era boa; e fez separação entre a luz e as trevas. Chamou Deus à luz Dia e às trevas, Noite. Houve tarde e manhã, o primeiro dia (Gn. 1:4-5).

Fazer separação é diferente de fazer acepção. Não se esqueça disso. Você faz acepção de pessoas e isso é maligno, mas separação você faz em sua conduta, isso é divino. É importante entender que a separação é o resultado da ação da luz. Ela só acontece porque a luz veio, podemos discernir o pecado logo que a luz vem.

                  Precisamos aprender a fazer separação da conduta errada, do caráter errado, do sentimento errado, do pensamento errado, da vontade errada e assim por diante. Este primeiro discernimento é algo objetivo e claro. Agora, se você não sabe distinguir essas coisas, provavelmente não perceberá as portas que Deus abrirá diante de você em 2017.

3) DISCERNIR O QUE É LÍCITO – E disse Deus: Haja firmamento no meio das águas e separação entre águas e águas. Fez, pois, Deus o firmamento e separação entre as águas debaixo do firmamento e as águas sobre o firmamento. E assim se fez (Gn. 1:6-7).

Saber distinguir a luz das trevas, dia da noite é simples, não é algo complexo. Mas se desejamos um reinício que traz a luz todo o desígnio de Deus precisamos avançar no discernimento. Paulo diz aos Coríntios: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas (1 Coríntios 6:12)” ou “Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam (1 Coríntios 10:23)”.

Alguns exemplos: comer é lícito, mas comida não vai me impedir de jejuar e consagrar a Deus. Não me deixarei ser dominado pela comida. Dormir e descansar é legítimo, mas não vou permitir que essas coisas atrapalhem a minha edificação. Vou para a célula e culto com compromisso e amor.

                  Nosso discernimento vai aumentando e depois percebemos que existem coisas que, mesmo não sendo pecaminosas, são reprováveis diante de Deus. Devemos ser guiados pelo espirito de Deus, discernindo sua vontade.

4) RECONHECER A ORIGEM – Disse também Deus: Ajuntem-se as águas debaixo dos céus num só lugar, e apareça a porção seca. E assim se fez. À porção seca chamou Deus Terra e ao ajuntamento das águas, Mares. E viu Deus que isso era bom (Gn. 1:9-10).

                  Separar terra e mar significa discernir a origem de onde as coisas procedem, se do céu ou do mundo, só há verdadeira vida nas coisas que procedem do céu. Tudo o que o mundo dá esta disfarçado de vida, mas ao fim é só morte.

Precisamos manifestar vida em nosso viver. A vida é o selo das coisas do céu! Cinco coisas aconteceram como resultado da ação destes princípios.

1º) Abundância de vida (v.11) –  Devemos manifestar vida em todo o nosso ser, João disse que não apenas a nossa alma deve ser prospera, mas em tudo devemos manifestar a prosperidade de Deus (3Jo. 1:2).

2º) Houve direcionamento(v.14-18) – Como resultado somos iluminados por Deus para poder andar no caminho da verdade. Nós já temos a luz residente em nós, mas ainda precisamos da luz de três fontes para nos ajudar: o sol, a lua e as estrelas. O sol simboliza o Senhor Jesus, a lua representa a igreja e as estrelas os santos individualmente.

3º) Multiplicação (v.22) – Deus não apenas restaura tudo em nossa vida, mas deseja multiplicar vida em cada área do nosso vida.

4º) Uma posição de autoridade (v.28) – O homem se torna o representante de Deus no exercício de toda autoridade sobre a criação. A autoridade é fruto da imagem de Deus em nós.

5º) Satisfação de Deus (2:3) Quando todas esses processos acontecem em nós e através de nós, Deus se enche de satisfação. Pois Seu propósito foi alcançado!

CONCLUSÃO

Veja, a cada recomeço do dia, da semana, do mês e do ano, Deus deseja nos levar a desfrutar de um crescente crescimento. Todos começamos num nível rudimentar e temos caminhado até chegarmos à estatura de varão perfeito, à perfeita varonilidade do Senhor Jesus (Efésios 4:13)

Nós éramos como a erva que hoje nasce e amanhã seca, mas pela graça de Deus fomos transformados em filhos de Deus por causa do seu poder.

Nós estamos debaixo do favor de Deus.

O Maravilhoso – 25/12/2016

O MARAVILHOSO!

Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz; Isaías 9:6 Este versículo e um dos grandes pronunciamentos messiânicos. Para os judeus essas declarações eram extraordinárias e quase impronunciáveis. Isaías chama Jesus de Maravilhoso Conselheiro, creio que essa é uma das mais extraordinárias maneiras de nomearmos o Senhor Jesus. Neste título nos é demonstrada a sabedoria de Cristo. É por isso, que não existem problemas, nos céus ou na terra, que Ele não possa resolver. Ele é de fato Maravilhoso e toda a obra que Ele realizou demonstra o valor do tí tulo a Ele atribuído. Ele é ao mesmo tempo Deus e homem. A sua pessoa é grande demais, ao ponto do apóstolo João dizer: Há, porém, ainda muitas outras coisas que Jesus fez. Se todas elas fossem relatadas uma por uma, creio eu que nem no mundo inteiro caberiam os livros que seriam escritos (Jo. 21:25). A descrição em Hebreus 1:3-14 manifesta toda essa extensão de sua pessoa maravilhosa – Deus/Homem. O autor começa mostrando que Jesus é o resplendor da glória, isso se refere literalmente a Sh’Khinah, ou seja, o brilho e glória que a Sua divina presença manifesta. Essa glória é a divina imanência de Deus, ou seja, é o próprio Deus, manifestada por meio de Jesus no mundo, pois Ele é – a expressão exata do seu Ser, Ele não é alguém cheio de Deus, Ele é o próprio Deus. E essa glória lhe é intrínseca ao Seu ser. Jesus é o que é, Deus! É por isso que a extensão de Sua pessoa vai desde sustentar todo o universo criado – sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder. Hebreus aos poucos deixa claro que ninguém mais poderia fazer o que Ele fez, e nada mais do que Ele fez deveria ser feito, Ele fez TUDO! Esta é a razão pela qual Ele está assentado à direita de Deus Pai. A vida eterna é conhecer essa Pessoa Maravilhosa (João 17:3), quanto mais conhecemos Ele, mas nos rendemos a Ele e O servimos, esse é o nosso desafio. Gostaria de mostrar algo mais sobre o nascimento do menino Jesus e sua encarnação:

1. A ENCARNAÇÃO DE CRISTO

Ao contemplar a criança na manjedoura, com toda a sua singeleza e pureza, podemos perder a ótica do propósito de Deus e da dimensão daquele acontecimento, que na verdade foi muito mais do que um nascimento. a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste (Jo. 17:21). Esse é o projeto da Trindade ser UM conosco, o nascimento de Jesus foi a porta para que Deus entrasse na humanidade. A divindade habita dentro de você! Esse foi o propósito da encarnação! O que é a encarnação? É Deus tomando a forma humana, o divino se revestindo de humanidade (Fl 2:5-11). O Seu nascimento, morte e ressurreição é a mensagem mais poderosa do universo. E nos é confiada a proclamação dela, toda a centralidade da mensagem do Evangelho está na obra de Cristo, e não nos nossos benefícios, ainda que eles sejam reais.
Para vencer a morte Ele teve que entrar dentro da morte. Para vencer o pecado Ele teve que se fazer pecado por nós. Para dar-nos a sua Glória Ele teve que provar a nossa humilhação. Para dar-nos a sua Divindade Ele teve que provar a nossa humanidade.

2. A CRUCIFICAÇÃO DE JESUS

Se olharmos na perspectiva de que o nascimento é a porta para Deus vir a nós, a crucificação e ressurreição de Cristo é a porta do homem ir a Deus. Na cruz somos introduzidos completamente no amor de Deus Pai e Deus Filho, por meio dela somos conduzidos de volta ao coração do Pai. (Ef. 1:3-14). A crucificação emudeceu o clamor do inferno sobre os condenados do pecado. A dívida foi completamente paga, não precisamos ter medo e a ressurreição bradou forte contra a morte – Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Foi vencido o último inimigo! Agora somos livres para viver inteiramente para o Pai, servindo o Filho e seguindo o Espírito Santo, eternamente! O verdadeiro Natal não esconde essas verdades simples, porém profundas a respeito de Cristo e sua obra. Feliz Natal, é celebrar essas verdades.

CONCLUSÃO

A encarnação de Cristo significa que Deus veio a nós. Cristo é o aspecto divino, o Ungido e a crucificação de Jesus, significa que o homem foi até Deus. Jesus é o aspecto humano, o legítimo Resgatador. O nascimento foi só uma parte dentro do plano eterno de Deus.
Quando olhamos para a manjedoura precisamos sim, contemplar a beleza da pureza e divindade naquela
criança, todavia, se faz necessário estender os olhos, e ver o Maravilhoso Salvador vindo atrás daquilo que foi
perdido, você e eu!
Mas podemos ser ainda mais ousados e perceber o coração de Deus Pai, que aguarda desde a eternidade
passada, o objeto do seu louvor, seus filhos! Mas para tal, era necessário que Cristo nascesse e morresse em nosso
lugar. A cruz é a maneira de voltarmos aos braços do PAI.

POR QUE DEUS ME DEU UMA ESPOSA E POR QUE DEUS ME DEU UM MARIDO – 04/12/2016

POR QUE DEUS ME DEU UMA ESPOSA E POR QUE DEUS ME DEU UM MARIDO – (Gênesis 2:18-24).

Neste texto temos vários princípios espirituais, gostaria de mencionar alguns que afetam nosso casamento, pois aqui mostra a origem e o propósito estabelecido por Deus para o casal. Precisamos aprofundar naquilo que é comida para nós, que somos filhos de Deus e cremos na sua Palavra.

  1. O PROPÓSITO DO CASAMENTO

                  Deus criou o casamento para mostrar o relacionamento de Cristo com a Igreja. Ele deseja mostrar o tipo de relacionamento que Ele quer ter conosco. O casamento é uma ilustração espiritual. Todo o alvo de Deus é espiritual, com o fim de nos levar para Ele. Adão e Eva na verdade são um quadro espiritual, um retrato de Cristo e a Igreja.

                  Veja como as coisas aconteceram. Primeiro, Deus forma o homem. A Bíblia diz que Deus fez o homem dormir. Dormir é um símbolo da morte, no sono de Adão Deus pegou de sua costela, e formou Eva. Isso significa que o homem foi feito do pó da terra, mas a mulher foi feita do homem.

                  A igreja é feita de Cristo, a matéria prima da edificação da Igreja é o próprio Cristo. Tudo o que não é Cristo não é igreja. Na cruz Cristo entrou na morte ao ser ferido por um soldado justamente do lado, porque é do lado de Adão que o Senhor tirou a mulher, e do lado de Cristo que a igreja é formada.

                  O nosso casamento é para falar de Cristo e a igreja é um testemunho profético. Nós somos homens e mulheres espirituais e quando olhamos para o nosso casamento com a ótica de Deus, a ótica espiritual, o nosso relacionamento muda completamente.

Adão e Eva são apenas um retrato, Cristo e a Igreja é que são a realidade. Devemos cuidar de nossas esposas como Cristo cuida da igreja, sempre dando a elas a nossa vida.

  1. O HOMEM DEVERIA ENSINAR A MULHER

Em Gênesis 2:15-17, Deus disse para o homem que ele não deveria comer do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Adão, ao que tudo indica, não ensinou Eva apropriadamente, pois o que vemos na conversa com a serpente, é que Eva não dominava o assunto.

Creio que Adão tinha esse papel de instruir sua esposa, até hoje, maridos tem uma responsabilidade sacerdotal na sua casa de instrução. E de uma maneira ou de outra ele determina posições na casa, direções na casa, pois ele é um sacerdote.

  1. O PAPEL INTUITIVO DA MULHER

                  Deus criou a mulher intuitiva. A mulher não decide com a mesma base que o homem. O homem decide com base em argumentos lógicos. Isso em linhas gerais, pois tem homens que são intuitivos também.

O que significa essa intuição? Que ela não é regida pela sua lógica racional, mas pelo sentimento que vem do espírito. Faz bem em ouvir sua mulher.

                  Intuitivamente Deus queria que Eva levasse Adão a comer da árvore da vida. Pela lógica ele não chegaria até ela, Eva seria o canal para conduzi-lo. Porque estou dizendo isso? Porque o diabo sempre entra em cena para destruir o propósito de Deus, o diabo entendeu que Deus queria usar a mulher para levar o homem a provar mais de Deus comendo da árvore da Vida.

                  Deus criou a mulher dessa maneira, para ajudar o seu marido a ficar mais próximo das coisas de Deus. Há um papel espiritual nisso. O problema é que algumas mulheres fogem do papel que Deus lhe deu. Outras agem movidas pela carne e não pelo espírito, e ai temos problemas.

Veja, as esposas tem um papel importantíssimo. Deus deu esse lado intuitivo a você, para que você traga sensibilidade para o seu esposo e dê equilíbrio à mente lógica dele.

  1. A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO

Psicólogos fizeram uma pesquisa, eles colocaram câmeras em uma creche de crianças de 2 a 5 anos. A ideia da pesquisa era ver a diferença de comportamento entre meninos e meninas. O resultado da pesquisa é que desde os 2 anos as meninas constroem frases – nós vamos agora brincar de casinha. Isso é fascinante! Depois mostraram os meninos, e é empolgante ver os meninos. Sabe o que eles conversavam? Tá, bum, zum morreu! Tá, tá, tá, papapapapa… As meninas fazem frases e o brucutu é tá, bum, papapapa. Sabe, o problema é que os meninos crescem e continuam no tá, bum, zum, papapapa…

Segundo o site da BBC, as mulheres precisam falar 20.000 palavras por dia. E os homens 7.000 palavras. Qual o problema? Ele vai trabalhar de manhã e gasta as 7.000 no trabalho e a mulher fica em casa cuidando do bebê, não teve como gastar as 20.000 e quando ele chega em casa, como ele gastou tudo, fica em silencio, mas ela não gastou quase nada. Nessa hora começam os conflitos, pois ele não quer conversa.

Foi Deus que criou o homem assim, mas o pecado agravou a capacidade de comunicação do homem. Para poder raciocinar melhor o silêncio é fundamental.

Observe a cena em Gênesis 3. Você tem a serpente falando, Eva conversando e Adão em silêncio. Adão ficou em silêncio porque ele não quer conversar! Nós precisamos mudar a nossa postura. Eva caiu porque Adão se calou. Quando você se cala, você permite que coisas aconteçam perto de você.

         Nosso papel, como líderes. Devemos instruir nossa esposa e falar ao coração dela.

  1. A MULHER É AUXILIADORA

                  O fato de haver funções distintas não quer dizer que exista uma relação de inferioridade. É importante entender que quando Deus criou o homem, Ele disse para ele dominar. Então Deus percebeu que Adão precisava de uma auxiliadora. Bons casamentos são aqueles que percebem o propósito original de Deus e assim, ambos trabalham cooperando um com o outro para o cumprimento dele. Você irmã, não foi criada para encabeçar, mas sem você o propósito não vai ser alcançado.

  1. UMA MULHER DO MESMO TIPO

O texto diz que essa auxiliadora é idônea. O que significa idônea? Significa, do mesmo tipo, mesma capacidade e não é em nada inferior. Ela está apta para trabalhar junta, apenas em funções distintas.

Algo interessante na Palavra de Deus é que tanto Paulo como Pedro quando instrui o casal eles começam falando para as irmãs. Porque será? Creio que é porque elas captam mais rapidamente as coisas espirituais. E depois de tanto falar, os homens vão entender. E depois, Paulo fala para o homem, pois é ele que governa, que está na gerência da casa.

  1. VOCÊ FOI FEITO PARA AMAR O SEU CÔNJUGE

Como é que o homem vai aprender a amar a sua esposa, como Cristo amou a sua igreja? É meditando como Cristo o ama. Porque ele é a igreja. Agora, como é que a mulher vai conseguir submeter ao seu marido? Se ela também meditar no amor de Cristo. Ela submete porque confia nesse amor. Ela submete como a Cristo.

Ela não submete porque ele é mais digno e inteligente, ou porque ela seja mais inteligente. Não! Ela vai submeter por causa de Cristo.

  1. O MARIDO SUSTENTA O CASAMENTO COMO CRISTO A IGREJA

Precisa entender que a igreja está de pé por causa de Cristo. O seu casamento vai estar de pé primordialmente por causa de você marido.

Não adianta você achar que é injusto, pois essa é a posição que Deus te colocou. Ele te capacitou para isso, te deu uma estrutura para isso, você tem emoções para isso e tem musculatura para isso.

Se o casamento desmorona ou não é o homem que define. A mulher edifica, mas é o homem que sustenta, ela constrói, mas é o homem que mantem. É ele que torna o casamento estável, sólido e permanente.

Existe dois princípios poderosos na criação. O primeiro é: Quando Deus criava algo Deus falava ao ambiente. E o ambiente gerava o que Deus queria. Para criar o homem, Ele falou para si mesmo, porque o ambiente que você tem que viver, é o ambiente envolvido pela presença de Deus.

Um peixe não vive fora d’água, um animal terrestre vai ficar pouco tempo na água, senão ele morre. Você também só vai ser suprido e sustentado se você alimentar o seu espírito com a presença de Deus. O seu ambiente é a presença de Deus.

O segundo princípio é: Aquilo que foi criado, vai ser mantido e sustentado pelo ambiente que o gerou. a mulher hoje é sustentada e mantida quando ela se volta para o homem. E se coloca na posição de onde ela foi tirada. Coloque ela na costela que está te faltando, abraçando-a.

Fé não faz sentido, fé faz milagres – 27/11/2016

Fé não faz sentido, fé faz milagres

O que tenho visto é que muitos irmãos são roubados em sua fé. Isso acontece quando eles ficam com o olhar fixo nos fatos que os cercam. Fatos negativos! Não estou falando que devemos negar os fatos, mas precisamos aprender a blindar o nosso coração da ação do espírito de incredulidade. Esse espírito age por meio do nosso olhar fixo nos fatos.

Veja o exemplo do povo diante de Canaã. Eles fixaram o seu olhar no tamanho dos gigantes, ainda que eles fossem grandes mesmo, mas esqueceram que Deus é maior. E os havia tirado da terra da servidão com mão forte. Quando você fixa os seus olhos nos fatos e circunstâncias negativas que te rodeiam, você se torna vulnerável ao espírito de incredulidade.

Agora veja, a fé não negligência os fatos. Josué e Calebe viram os gigantes também, mas se lembraram do que Deus havia feito por eles na saída do Egito. E por essa razão eles falaram com autoridade para – como pão, os podemos devorar; retirou-se deles o seu amparo; o SENHOR é conosco; não os temais (Nm. 14:9).

Josué e Calebe estavam com o coração blindado ao espírito de incredulidade. Mas essa proteção foi construída através de cada experiência que eles tiveram com Deus na saída do Egito. Você igualmente tem tido experi6encias com o Senhor desde sua conversão. Elas devem produzir em seu coração confiança e descanso. Independentemente do tamanho do seu problema ou situação que tem vivido, o seu Pai o conduzirá em triunfo. Fé produz descanso, incredulidade gera inquietação.

Talvez você diga: Mas pastor eu creio, porque não acontece comigo? Provavelmente porque existe um tipo de fé que não gera milagres. Qual é a fé que não gera milagres:

 

  1. a) A fé incompleta

E trouxeram-lho; quando ele viu a Jesus, o espírito imediatamente o agitou com violência, e, caindo ele por terra, revolvia-se espumando. Perguntou Jesus ao pai do menino: Há quanto tempo isto lhe sucede? Desde a infância, respondeu; e muitas vezes o tem lançado no fogo e na água, para o matar; mas, se tu podes alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos. Ao que lhe respondeu Jesus: Se podes! Tudo é possível ao que crê. E imediatamente o pai do menino exclamou com lágrimas: Eu creio! Ajuda-me na minha falta de fé! Vendo Jesus que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai deste jovem e nunca mais tornes a ele. E ele, clamando e agitando-o muito, saiu, deixando-o como se estivesse morto, a ponto de muitos dizerem: Morreu. Mas Jesus, tomando-o pela mão, o ergueu, e ele se levantou (Mc. 9:20-27).

A respeito de uma fé pequena só nos resta uma coisa: Pedir que o Senhor aumente nossa fé. Não pense que por estar sofrendo por passar por situações difíceis você será acudido porque o Senhor é bom. Ele é bom, mas a sua ação milagrosa é por meio da fé. Apenas fé!

  1. b) A fé de ânimo dobre.

 

Se, porém, algum de vós necessita de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-á concedida. Peça-a, porém, com fé, em nada duvidando; pois o que duvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não suponha esse homem que alcançará do Senhor alguma coisa; homem de ânimo dobre, inconstante em todos os seus caminhos (Tg. 1:5-8).

Tiago não está se referindo apenas a como obter sabedoria, mas o seu ensino visa ensinar como se obtém as coisas que pedimos a Deus. Muitos não recebem o que pedem porque tem ânimo dobre. Ele diz que tal homem não suponha que alcançará algo do Senhor. O que é ânimo dobre (dipsuchos)? É ser alguém inconstante de mente dupla. Que vive duvidando se receberá ou não, pois tem interesse dividido.

  1. c) A fé que não pede

Nada tendes, porque não pedis; (Tg. 4:2b)

Sabe qual é a maior característica de alguém que crê? Ele pede! Ele pede porque acredita que receberá. A palavra pedir é aiteo que significa requerer, mas não no sentido de dar ordens. Mas de usar o direito que lhe é conferido como filho. Filhos pedem aos seus pais.

Então a pergunta que fica é: Como posso evitar de ser roubado de minha fé? Para isso, é importante entender que o Evangelho EMPODERA (ato de dar ou conceder poder para si próprio ou para outro) a nossa fé no nível mais alto. Livrando nos assim, de uma fé que não gera. Através de uma fé que EMPODERA somos levados a agir no sobrenatural de Deus. Essa foi a experiência dos irmãos da igreja primitiva.

O propósito do casamento – 20/11/2016

O PROPÓSITO DO CASAMENTO

O que acha uma esposa acha o bem e alcançou a benevolência do SENHOR (Provérbios 18:22).

                  Nestes dias tenho percebido um grande ataque do maligno contra os casamentos. É importante entender que o diabo é muito hábil em incitar a nossa carne para nos levar a discórdia, aos conflitos e a incapacidade de experimentarmos o melhor de Deus. Ele nos convence que casamos errado!

Para Deus o casamento é algo muito precioso e belo. O casamento deve ser uma experiência de extrema alegria, mas essa não tem sido a realidade de muitos, isso porque o pecado furtou dos casais o propósito de Deus. Todavia, em Cristo, podemos ter tudo de volta e com mais glória. Para isso, o casal precisa comer de Cristo. Pois é em Cristo que iremos desfrutar de toda a plenitude de alegria.

Precisamos lutar pela família, independente se você é casado ou não. Precisamos prevalecer nesta guerra. Por isso, não podemos esquecer que a nossa luta não é contra carne ou sangue, ou seja, não é contra o seu cônjuge, mas contra satanás.

Então, não esqueça que você já começa na posição de vencedor. Exercer fé na obra consumada de Cristo é uma chave espiritual para o seu casamento. Vejamos cinco conceitos sobre o casamento:

  1. A PRESENÇA DE DEUS

O casamento foi criado para ser vivido na presença de Deus, e diante Dele, há plenitude de alegria e delícias perpetuamente.

                  Tu me farás ver os caminhos da vida; na tua presença há plenitude de alegria, na tua destra, delícias perpetuamente (Sl 16:11).

Quando Deus criou o casamento, nada faltava para completar a alegria de ambos. A satisfação não estava em coisas, mas apenas no casamento e na presença de Deus.

A primeira questão que você precisa compreender é que as coisas só estão certas, dentro do casamento, quando ambos se relacionam devidamente com o Criador do casamento. Segundo ponto, é que as coisas só estão certas para um homem e uma mulher quando um encontra o outro.  A alegria e satisfação são expressas em sua afirmação: Afinal, essa é ossos dos meus ossos e carne da minha carne. Terceiro, Adão foi capaz de dar nomes aos animais, e isso certamente com base nas particularidades de cada um.

Dar nome a mulher foi apenas uma continuidade em sua prerrogativa recebida. O fato de chama-la Varoa era uma espécie de adaptação ao seu nome (Ish para Ishah). Isso porque, para ele, ambos se ajustariam perfeitamente um ao outro. Eva é o nome redentivo, mas Varoa era o nome que os identificava em suas particularidades – um feito para o outro.

Quarto lugar, é evidente que a linguagem e a comunicação foi um dom que Deus lhe concedeu quando soprou em suas narinas. Muitos casais perderam a alegria e o dom de comunicação baseado nas particularidades. O novo nascimento restaura tanto a alegria como a comunicação entre os cônjuges. Por último, ao dar nomes aos animais, Adão tomou posse do domínio, antes da mulher ser formada. Isso nos fala da autoridade que nos foi dada. Sendo assim, a mulher compartilha junto com o homem do seu senhorio sobre a criação, não por direito, mas em virtude de ser ossos dos seus ossos.

Igualmente a igreja, apesar de possuir todas as coisas, não possui nada por mérito, mas apenas por estar em Cristo. Ela é a herdeira de todas as coisas.

  1. O CAMINHO DAS MUDANÇAS PERMANENTES

                  É importante perceber o quanto nós perdemos, como casais, por causa da queda. Agora o mais precioso é saber que em Cristo, temos tudo de volta! Podemos trazer de volta todo o propósito de Deus para o casamento e família. Mas é preciso crer! Sem fé nada pode ser recebido!

Há cônjuges que não acreditam mais nos seus relacionamentos, eles já desistiram! Hoje precisamos trazer de volta, pela fé, todo o desejo de Deus para o nosso relacionamento conjugal. Precisamos aprender o caminho das mudanças permanentes.

                  Creio que os nossos casamentos precisam é da palavra de Deus, pois é ela que é a rocha sólida, debaixo dos nossos pés. A psicologia e autoajuda motivacional podem até ajudar, mas essas coisas não produzem mudanças permanentes, elas produzem mudanças momentâneas e temporárias, e assim, faz aumentar a sensação de frustração.

                  Um casamento bem-sucedido não é uma questão de você seguir regras. Mas de crer na Palavra de Deus a respeito do propósito do casamento. Precisamos convidar o Senhor Jesus para o nosso casamento. Você terá um casamento bom do mesmo jeito que você tem uma vida cristã boa. O casamento é só uma extensão da vida cristã. E a única maneira de termos uma vida cristã vitoriosa é tendo o Senhor Jesus no centro.

Então qual é o caminho para um casamento feliz? Jesus disse: Eu sou caminho. Qual o caminho para prosperar? Jesus disse: Eu sou caminho. Então não importa aonde você queira chegar, só existe um caminho, Cristo é o caminho. Ele é o caminho para permanecermos na vitória. Ele é o caminho para santidade.

  1. O PODER DA FÉ

O Senhor Jesus começou seu ministério em uma festa de casamento. É precioso que o primeiro milagre que Ele fez foi transformar água em vinho. Isso porque estava inaugurando uma nova dispensação.

                  Porque Jesus iniciou seu ministério em um casamento? Creio que é para mostrar que desde o primeiro dia do seu ministério Ele deseja abençoar o casamento.

Um vinho deve ficar por 5, 10, 15 ou até 20 anos sendo envelhecido, para se tornar um bom vinho. São anos passando por processos para atingir a maturação, e se tornar um vinho de qualidade. Com Jesus a água foi transformada em vinho instantaneamente, e se transformou no melhor vinho. Nosso casamento pode experimentar do milagre instantâneo, e podemos desfrutar do melhor.

                  É isso que é importante você enxergar no Evangelho. Esse é o poder de Deus que muda qualquer história, de uma forma tão simples e inexplicável. Basta crer! Seu casamento não precisa ser como o processo de maturação do vinho, anos para se tornar bom. Ele pode ser um milagre, hoje!

                  Não falo isso para motivar os irmãos. Mas porque essa é a mensagem do Evangelho.

  1. A ORIGEM DO CASAMENTO

Temos que voltar a origem. Ao propósito original do casamento. Entender a origem de qualquer coisa é fundamental. Por exemplo, se você tentar usar um sapato para pregar um prego. O sapato não foi feito para ser martelo, eu estou usando ele da maneira anormal. Isso é um abuso. Todas as coisas que são abusadas, foram abusadas, porque foram usadas para um propósito diferente para o qual foram criadas. Muitos estão vivendo um casamento de abuso, vivendo fora do proposito de Deus.

Deus te deu uma esposa, Ele te deu um marido para que o casamento seja para o propósito de dEle. É precioso quando você entende o propósito que Deus tinha em mente com algo, e assim, você anda em linha com aquele propósito. O resultado é que você vai ver a vida fluindo espontaneamente.

  1. O CENTRO É CRISTO

                  Não há nada mais precioso quando entendemos que Cristo é o centro. Em Efésios 5:22 – As mulheres sejam submissas ao seu próprio marido, como ao Senhor. E depois no verso 25 diz – Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela.

Olha que interessante! Paulo não diz: mulheres submetam aos seus maridos. Se ele falasse isso seria só mais uma regra. Ele falou diferente, mulheres submetam aos seus maridos, COMO AO SENHOR. Maridos amem suas esposas COMO CRISTO AMOU A IGREJA.

O “como ao Senhor”, significa trazer Cristo para dentro da sua história. Traz Cristo para dentro do seu relacionamento. Só assim, você vai amar a sua esposa como Cristo amou a sua Igreja. Só assim você vai submeter ao seu marido como ao Senhor.

Na hora que você perceber o tanto que Cristo ama você, você vai espontaneamente amar sua esposa do jeito que Ele te amou. Porque estou afirmando isso? Porque no N.T. amor não é mandamento, mas uma resposta.

A palavra em 1 João 4:19 diz que nós o amamos porque Ele nos amou primeiro. Porque você recebeu amor, você responde com amor.

                  Quem não ama o Senhor é porque ainda não enxergou o amor Dele por si. E ai não consegue responder com amor pelo cônjuge. Amar como Cristo amou é muito mais poderoso. É muito maior. Então, é algo que você mesmo não pode fazer. Então, você precisa entender que Cristo deseja gerar esse amor em você.

                  E como é que Ele gera isso? Quando você medita, e tem revelação e entende o quanto é amado! Centralize Cristo e a obra da cruz.

CONCLUSÃO

                  Maridos e esposas que descobriram o quanto são amados, são maridos e esposas que amam desesperadamente, perdidamente e embriagadamente. Essa é a vontade de Deus.

Por que é tão importante crer? – 13/11/2016

Por que é tão importante crer?

Muitos sabem a definição de cor sobre fé (Hb11:1), porém, nem todos que sabem definir a fé em palavras conseguem experimentar dos plenos benefícios que ela pode nos proporcionar.

Se existe uma virtude espiritual na qual todos nós precisamos crescer na pratica é a fé, ela é o inicio, o meio e o fim pelo qual vivemos a vida cristã.

A sua história em Deus começou pela fé, você foi salvo por crer na mensagem do Evangelho. E essa história em Deus só pode continuar acontecendo pela fé.

Não há como negarmos que a fé é a grande chave espiritual que nos leva a entrar e vivenciar todos os benefícios provenientes da tão grande salvação em Cristo Jesus.

Ela foi o eixo pelo qual toda a reforma protestante se desencadeou, removendo o esforço e as habilidades humanas de cena para centralizar somente os feitos soberanos do Senhor.

A justificação só pode se dar pela fé!

A fé desentroniza o homem e entroniza a Deus colocando—O como a origem, meio e fim do que se possa ver e de tudo que esta para além de nossa compreensão.

A fé reduz o homem ao lugar de espectador para assistir a manifestação da grandeza e da multiforme sabedoria Daquele que pela loucura e escândalo da cruz fez o concerto definitivo do caos originado antes mesmo de Adão.

E mais adiante a fé convida o homem, espectador do concerto Divino, a participar de todos os benefícios dessa obra poderosa de Deus, da qual todos os méritos e honrarias são dados somente a Ele.

Sendo assim de tão grande importância, gostaria de apontar os porquês da importância da fé.

Porque a fé é tão importante?

1) Porque é a única maneira de receber toda a provisão de Deus

Ef 1:1-14 “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado, no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça, que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra; nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em Cristo; em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, ao resgate da sua propriedade, em louvor da sua glória”.

Somente a fé nos habilita a receber todas as benções da redenção. Todas elas nos foram dadas pelo prazer da vontade de Deus, mas só são recebidas pela fé.

Não existem os dez passos para a direita e os dez para esquerda para experimentarmos da provisão de Deus em todas as áreas de nossas vidas.

Não há formulas prontas, toda a realidade espiritual que provém da obra de Cristo só pode ser experimentada pela fé.

O texto é claro em dizer que nosso Pai celeste já tem nos abençoado, Ele não vai abençoar, Ele já está nos abençoando continuamente, basta crermos nessa verdade para que essas benções espirituais se manifestem em nosso cotidiano natural.

O ponto chave neste texto é “tendo nele também crido”, essa passagem nos mostra que a razão de sermos abençoados é crer em Jesus Cristo, em tudo aquilo que Ele realizou e em tudo aquilo que fomos feitos Nele!

Se você precisa de algo apenas peça crendo alinhado com a vontade de Deus e você recebera.

Mateus 21:22 “e tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis”.

Não há complexidade, é simples como mostra o texto, basta pedir crendo!

2) Porque é a única maneira de anular os efeitos da queda

A queda levou o homem a viver no natural, é somente mediante a fé que podemos viver o sobrenatural de Deus.

Gn 3:6-7 Vendo a mulher que a árvore era boa para se comer, agradável aos olhos e árvore desejável para dar entendimento, tomou-lhe do fruto e comeu e deu também ao marido, e ele comeu. Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si”.

Após a queda os olhos de Adão abriram-se para um olhar natural, sua visão espiritual foi totalmente comprometida.

Tudo indica que antes da queda Adão enxergava o mundo espiritual com seus próprios olhos naturais, ou seja, ele não necessitava da fé para ter convicção de fatos espirituais.

Pela passagem podemos perceber que o olhar de Adão e Eva foi de alguma maneira alterados após o pecado.

Eles começaram a enxergar aquilo que lhes causariam condenação, tristeza, sofrimento e dor.

Por isso a primeira percepção do homem foi a de estar nu, o que provocou a vergonha, um dos sintomas de acusação.

Da mesma maneira ocorre hoje, por termos uma visão espiritual comprometida pelo pecado, acabamos por estar fixos naquilo que é natural e caído.

A visão natural sempre ficará fixada nos efeitos da queda. (sou pecador, não consigo, não mereço, cheio de defeitos e etc)

Porém Deus providenciou outro meio de recuperarmos a visão espiritual, a qual Adão desfrutava antes da queda, o Senhor providenciou novos olhos para nós, são os olhos da fé.

A fé são os olhos espirituais para fixarmos em quem já somos em Cristo e não em quem já fomos em Adão.

Somente pela fé podemos anular os feitos da queda em nossas vidas trazendo para experiência diária a nova vida de ressureição em Cristo Jesus.

3) Porque nosso comportamento só pode ser mudado pela nossa crença

Aquilo que você crê define o seu comportamento.

Pv 23:7 Porque, como imagina em sua alma, assim ele é;”.

Se você crê que é santo, santo será. Todavia se você crê que é mentiroso, mentiroso será. Se você crê que é amado, amado será. Todavia se você crê que é rejeitado, rejeitado será.

Como você se imagina? (se vê)

É importante percebermos que Jesus sempre se preocupou em instruir aqueles que o rodeavam com os valores do Reino de Deus, pois assim poderia levar seus seguidores a se comportarem como cidadãos celestiais.

Comportamento é resultado de nossas crenças em valores que temos por verdadeiros ou não.

O mundo acha normal a traição, o namoro, o sexo antes ou fora do casamento e por acreditarem nesses valores se comporta assim, se desejamos ter um comportamento diferente do mundo, então precisamos renovar nossa mente com os valores do Reino e crermos que estes são melhores e verdadeiros.

Você ainda tem se comportado de maneira errada em algum aspecto da sua vida? Mude seus valores e você mudará seu comportamento.

Podemos perceber esse mesmo principio aplicado pelo apostolo Paulo na primeira carta aos coríntios.

Vemos claramente como os irmãos daquela igreja tinha um péssimo comportamento, agora, não é de se estranhar como Paulo começa a carta endereçada a eles?

1Co 1:1-8 “ à igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados para ser santos, com todos os que em todo lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: graça a vós outros e paz, da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo. Sempre dou graças a meu Deus a vosso respeito, a propósito da sua graça, que vos foi dada em Cristo Jesus; porque, em tudo, fostes enriquecidos nele, em toda a palavra e em todo o conhecimento; assim como o testemunho de Cristo tem sido confirmado em vós, de maneira que não vos falte nenhum dom, aguardando vós a revelação de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual também vos confirmará até ao fim, para serdes irrepreensíveis no Dia de nosso Senhor Jesus Cristo”.

Porque Paulo não começou a carta exortando os irmãos pelo péssimo comportamento que eles tinham?

Porque primeiro Paulo esta preocupado em mostrar quem eles já eram em Cristo Jesus.

Observe que ele sempre usa a expressão, em Cristo Jesus, ele sabia que se aqueles irmãos crescem da maneira correta a respeito de quem eles já eram em Cristo automaticamente o comportamento deles seriam afetados.

Uma fé correta produz um comportamento correto!

4) Porque é a única maneira de sermos úteis nas mãos de Deus

Estes sinais hão de acompanhar aqueles que creem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados.(Mc. 16:17-18)

Jesus disse que os sinais seguiriam os que creem. Jesus foi enfático em mostrar que tudo é possível ao que crê.

Ainda existe muito em nosso meio um olhar direcionado para o homem, a tendência dos irmãos é idealizar a pessoa que é usada por Deus como se ela fosse alguém totalmente fora do normal, “super-crente”.

Alguém que passa o dia todo orando, que não vê televisão, que jejua quarenta dias na agua, que ora no monte e etc.

Não estou tirando o mérito das disciplinas espirituais, de forma alguma, mas o que de fato nos torna aptos para sermos usados por Deus é a fé.

Jesus disse que os sinais hão de acompanhar aqueles que creem, não há outra condição.

Podemos ver esse principio também na passagem a seguir;

Marcos 9:17-25 “E um, dentre a multidão, respondeu: Mestre, trouxe-te o meu filho, possesso de um espírito mudo; e este, onde quer que o apanha, lança-o por terra, e ele espuma, rilha os dentes e vai definhando. Roguei a teus discípulos que o expelissem, e eles não puderam. Então, Jesus lhes disse: Ó geração incrédula, até quando estarei convosco? Até quando vos sofrerei? Trazei-mo. E trouxeram-lho; quando ele viu a Jesus, o espírito imediatamente o agitou com violência, e, caindo ele por terra, revolvia-se espumando. Perguntou Jesus ao pai do menino: Há quanto tempo isto lhe sucede? Desde a infância, respondeu; e muitas vezes o tem lançado no fogo e na água, para o matar; mas, se tu podes alguma coisa, tem compaixão de nós e ajuda-nos. Ao que lhe respondeu Jesus: Se podes! Tudo é possível ao que crê. E imediatamente o pai do menino exclamou com lágrimas: Eu creio! Ajuda-me na minha falta de fé! Vendo Jesus que a multidão concorria, repreendeu o espírito imundo, dizendo-lhe: Espírito mudo e surdo, eu te ordeno: Sai deste jovem e nunca mais tornes a ele”.

Vs.28-29  “Quando entrou em casa, os seus discípulos lhe perguntaram em particular: Por que não pudemos nós expulsá-lo? Respondeu-lhes: Esta casta não pode sair senão por meio de oração e jejum”

Muitos acabam colocando todo o peso deste texto na questão da oração e do jejum, afirmando serem essas duas disciplinas as responsáveis pela libertação daquele garoto.

Porém é importante observar que todo o texto gira em torno da fé, podemos ver tanto na afirmação de Jesus para o pai do garoto “Tudo é possível ao que crê”, como na exortação de Jesus para com os discípulos, “Ó geração incrédula, até quando estarei convosco?”.

O ponto chave aqui para a manifestação do dom de libertação é a fé.

Mateus narrando o mesmo acontecimento deixa isso mais claro ainda diante da pergunta dos discípulos:

Mateus 17:19-20 “Então, os discípulos, aproximando-se de Jesus, perguntaram em particular: Por que motivo não pudemos nós expulsá-lo? E ele lhes respondeu: Por causa da pequenez da vossa fé. Pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele passará. Nada vos será impossível”.

Mas onde entra a oração e o jejum neste caso? A oração e o jejum não lhe da mais autoridade sobre os demônios, todos nós temos a mesma autoridade dada por Jesus.

O objetivo das disciplinas espirituais é fortalecer a nossa fé para usarmos dessa autoridade e manifestarmos os sinais do Senhor. Os sinais hão de acompanhar os que creem.

5) Porque é a única maneira de agradarmos a Deus e sermos recompensado por Ele

De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam. (Hb. 11:6)

Deus ama a todos, porém, tem prazer em alguns, você é amado de Deus, mas eu tenho que te dizer algo, alguns dão prazer a Deus.

Meus filhos sempre têm o meu amor, mas precisam conquistar o meu coração ou seja eles tem que me agradar. A Palavra diz que você agrada a Deus quando você crê.

Não é um crer simplesmente no fato da Sua existência, a fé que agrada a Deus é a fé que crê na recompensa, que Ele é galardoador dos que o buscam.

A fé agrada a Deus, pois ela é uma firme confiança na sua palavra e promessas, a fé chama Deus de verdadeiro, enquanto a incredulidade chama Deus de mentiroso.

A fé agrada a Deus, pois para receber algo ela se apoia e espera unicamente na Sua bondade e fidelidade, enquanto o esforço próprio se apoia no mérito próprio e na justiça própria impedindo que a graça seja operosa em nossas vidas.

A fé agrada a Deus, pois é o meio de entrarmos na experiência de toda a herança que temos em Cristo Jesus, Deus tem prazer em abençoar os seus filhos.

Por estes e por tantos outros motivos é que afirmamos que, sem fé é impossível agradar a Deus.

Cinco disciplinas espirituais para enriquecer a sua vida – 30/10/2016

Cinco disciplinas espirituais para enriquecer a sua vida

Como crentes em Cristo não somos chamados para trabalhar para Deus, mas para descansar nEle. Nós não somos chamados a fazer qualquer coisa por ele, mas sim crer nEle. Isso não significa que seremos passivos, mas trabalharemos na força e no poder dEle.

Gostaria de compartilhar com você cinco disciplinas espirituais que sempre me ajudaram muito.

Sei que você sempre tem pensado em disciplinas espirituais que giram em torno de nosso esforço tentando fazer coisas para nos aproximar mais de Deus e dessa forma agradá-lo. Mas a verdade do evangelho é que já estamos em união com Deus, tão perto quanto podemos estar, pois ele está dentro de nós. No entanto, isso não significa que nós experimentamos esta realidades o tempo todo.

Nem sempre percebemos a presença do Espírito em nós. Daí a necessidade das disciplinas. O problema com as disciplinas espirituais é que as pessoas facilmente as transformam em leis. Por exemplo, a disciplina da oração.

A oração é, na verdade, um grande privilégio espiritual. É a oportunidade dada pela graça de Deus de mergulharmos na sua presença santa. É poder comer do maná escondido e desfrutar do rio que flui do trono de Deus. Mas quando a disciplina da oração se torna uma lei, eu me encho de cobranças e penso que Deus não está mais comigo se não consigo orar disciplinadamente.

Quando eu deixo de orar eu sinto fome, mas muitos sentem culpa. Infelizmente as disciplinas espirituais na vida de alguns produzem mais culpa do que bênção. Mas isso não precisa ser assim.

O objetivo da disciplina não é nos fazer ficar mais próximos de Deus, pois somos aproximados pelo sangue de Jesus e podemos entrar no Santo dos santos com ousadia.

As disciplinas espirituais também não nos fazem mais santos, pois somos santificados é pelo Espírito Santo.

Então qual é o objetivo das disciplinas espirituais? Creio que é ajudar a renovar a nossa mente. Renovar sua mente deve ser a motivação por trás de cada disciplina em sua vida. A transformação ocorre através da renovação da mente e esta é a chave para experimentar tudo o que Deus nos deu.

Cada área de nossas vidas experimenta a realidade poderosa da cruz quando começamos a ver a Deus, a nós mesmos, os outros e as nossas circunstâncias como Deus as vê.

Então, como já disse, eu quero compartilhar com você cinco disciplinas simples.

Estas são as disciplinas que tenho praticado em minha vida que me ajudam a ter o foco na fé e na Palavra de Deus em vez de olhar para mim mesmo. Creio que essas disciplinas podem alterar completamente seu relacionamento com Deus.

  1. Exagere a bondade de Deus

Precisamos ser honestos sobre isso. Nós simplesmente não acreditamos que Deus é tão bom quanto Ele diz que é. Se essa verdade fosse totalmente clara para nós não viveríamos tão ansiosos.

Eu creio que é impossível exagerar a bondade de Deus. Não gostamos de nada exagerado e sempre procuramos ser equilibrados e realistas, mas aqui está algo a respeito do qual você nunca conseguirá exagerar: a bondade e generosidade de Deus.

Não coloque limites para a bondade de Deus. Quando você faz isso é porque alguma crença errada está tomando espaço na sua mente.

“Esta bênção é grande demais para mim!” “Para receber essa bênção eu deveria ser um gigante espiritual como o fulano!”

Você percebe? Qualquer limite que você coloca na bondade de Deus é uma mentira maligna. Infelizmente muitos têm limitado a bondade de Deus por causa de conceitos falsos.

Você quer uma grande bênção? Então experimente aumentar essa bênção de forma exponencial. Você ainda crê que Deus é suficiente bom para lhe dar essa bênção?

A ideia não é estimulá-lo a ter pedidos maiores, mas ajudá-lo a não colocar limites na bondade de Deus.

Então eu quero encorajar você e tentar exagerar a bondade de Deus. Esta disciplina lhe dará uma imagem muito mais precisa de como ele é bom e sua fé vai crescer de acordo com a verdade!

  1. Esteja ciente do amor de Deus por você

Acorde todos os dias de manhã e declare: “Eu sou amado! Deus tem coisas tremendas para mim! Eu fui escolhido!”

Eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim. Jo. 17:23

É maravilhoso saber que Deus Pai nos ama do mesmo modo que ama a Cristo. O seu amor por nós não depende de nosso comportamento.

Nada é mais valioso para Deus do que seu Filho Jesus, no entanto ele entregou o seu Filho para nos ter. Esse é o valor que temos para ele.

Parece loucura, mas eu creio que Jesus nos amou mais do que a ele mesmo. Você crê nisso? Deixa-me lhe dar algumas provas.

Em Filipenses 2:3 o Senhor nos diz para considerarmos os outros superiores a nós mesmos. Como ele nos daria essa ordem se ele mesmo não a praticasse?

É assim que ele te ama. Ao morrer na cruz ele o fez porque nos considerou superiores a ele mesmo. Se fez servo de todos.

Romanos 12:10 diz que devemos  amar uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros.

Jesus é o primogênito entre muitos irmãos e ele prefere em honra os irmãos e irmãs mais do que a ele mesmo.

Exercite todos os dias a disciplina de pensar no quanto você é amado.

  1. Esteja ciente do fruto, mas trate a raiz

Eu gosto sempre de dizer que não há nada bom que eu possa fazer para Deus me amar mais. Mas também não há nada errado que eu venha a fazer que o faça me amar menos.

Entretanto eu preciso dizer ainda uma outra verdade. Depende de mim o fato de Deus estar satisfeito comigo ou não. Meus filhos aprenderam isso bem cedo.

Uma coisa é o meu amor por eles, outra coisa a minha satisfação com eles.

Muitas pessoas presumem que uma vez que Deus as ama, ele está satisfeito com elas.

É por isso que também nos esforçamos, quer presentes, quer ausentes, para lhe sermos agradáveis. II Cor. 5:9

Muitas vezes, quando as pessoas entendem as boas novas do evangelho elas concluem que agora seu estilo de vida não importa mais.

Em certo sentido, eles estão certos. Será que o nosso estilo de vida determina se Deus nos ama ou não? Claro que não!

Mas o nosso estilo de vida é muito importante. Lembre-se, mesmo que ele nos ame pode não estar satisfeito conosco.

É saudável ter uma postura de avaliar sempre os frutos de nossas vidas. É importante olhar para a nossa vida e ver se estamos dando bons ou maus frutos.

Sim, a graça de Deus permanece a mesma e nada pode impedir Deus de nos amar, mas isso não significa que ele está contente com os frutos ruins em nossa vida.

A Bíblia diz que o fruto vem de uma das duas fontes: ou do Espírito de Deus (o fruto do Espírito), ou da carne (quando nós tentamos fazer as coisas sem o poder do Espírito.)

Jesus disse que, se nós descansarmos Nele vamos dar bons frutos. Quando olhamos para a nossa vida e vemos o tipo fruto que está pendurado, podemos perceber imediatamente onde estamos.

Ou estamos descansando em Cristo permitindo que o Espírito trabalhe em nós e através de nós – ou estamos na carne, ou seja, tentando fazer as coisas em nossa própria força.

Constantemente avalie os frutos, pois isso lhe permite lidar com a raiz – as suas crenças. Ou cremos em Deus e descansamos ou acreditamos em nós mesmos e nos esforçamos.

  1. Peça a Deus que lhe mostre como Ele vê as pessoas ao seu redor

Assim que, nós, daqui por diante, a ninguém conhecemos segundo a carne; e, se antes conhecemos Cristo segundo a carne, já agora não o conhecemos deste modo. II Cor. 5:16

É maravilhosa essa revelação de Paulo. Ele se recusava a olhar as pessoas com uma ótica natural. Quando vemos as pessoas como Deus as vê coisas tremendas começam a acontecer.

Você não foi chamado para julgar aqueles que nos rodeiam, antes Deus lhe chamou para ver as pessoas da forma como ele as criou.

Fomos chamados para dizer as pessoas que elas foram criadas parecidas com Deus, à sua imagem e semelhança. Você nunca vai encontrar alguém que não foi feito à imagem e semelhança de Deus.

Mas precisamos também ver a nós mesmos como Deus vê. Tiago diz que feliz é aquele que não se esquece de como é a sua aparência, ou seja, a sua identidade (Tg. 1:23-24).

A intenção do diabo é que tiremos os nossos olhos da realidade espiritual e olhemos para nós mesmos segundo a carne.

Nós eventualmente passamos a acreditar em algo que é constantemente repetido, mesmo que não seja verdade. Esta é a tática maligna, a repetição da mentira em nossa mente.

O pior é que a mentira do diabo é como um ilusionismo, podemos ouvir e até ver a mentira.

Nisto é em nós aperfeiçoado o amor, para que, no Dia do Juízo, mantenhamos confiança; pois, segundo ele é, também nós somos neste mundo. I Jo. 4:17

A realidade mais impressionante é que nós já somos como Jesus nesse mundo.

Olhando de forma natural e carnal não podemos ver esta realidade, mas para percebermos esta verdade precisamos de revelação no espírito.

O alvo da maligno é impedir-nos de ver a realidade.

Precisamos também pedir a Deus: “Ajuda-me a ver os seus filhos como o Senhor os vê.” Recuse-se a ver os irmãos de maneira natural.

E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas. II Cor. 5:17

Uma das coisas mais desanimadoras é olhar os irmãos segundo a carne. Aquele que só vê defeitos nos outros se torna doente espiritualmente.

A maneira certa de exortar um irmão é dizendo: você não está agindo de acordo com o que você é. Você é santo, cheio do amor e do Espírito de Deus e suas ações não se harmonizam com  isso.

  1. Espere que Deus transforme tudo em sua vida para o seu bem

Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Rm. 8:28

É um fato da vida que nem tudo vai estar indo perfeitamente bem o tempo todo. Coisas acontecem conosco e muitas delas estão completamente fora de nosso controle.

Eu não sei quanto a você, mas eu às vezes me deixo abater pelas circunstâncias.

Todos nós lidamos com problemas de saúde, nas finanças, nos relacionamentos, ou numa das milhões de outras coisas que tentamos equilibrar em nossa vida fazendo enormes malabarismos.

No entanto o ponto central não é que temos problemas. O ponto é que não temos fé para solucionar esses problemas. No entanto a Palavra de Deus nos promete claramente que Deus vai transformar para o nosso bem todas as coisas que acontecem conosco.

Todavia, no meio da luta é muito fácil ver os problemas como maiores que o nosso Deus.

Quero desafiá-lo a exercitar a cada dia a fé de que Deus está transformando tudo ao seu derredor para o seu bem.

E quando a Bíblia diz que todas as coisas cooperaram para o bem daqueles que amam a Deus, é todas as coisas mesmo!

Deus pode transformar tudo ao seu redor de forma a cooperarem para o seu bem. Deus pode virar o jogo a seu favor!

PORQUE DEVEMOS IR ATRÁS DOS IRMÃOS DESVIADOS – 23/10/2016

PORQUE DEVEMOS IR ATRÁS DOS IRMÃOS DESVIADOS

Essa é uma pergunta importante e gostaria de responde-la baseado no texto de Lucas 15. Nós podemos pegar essas parábolas e interpretá-las de duas formas: 1) No contexto de evangelização; 2) No contexto de edificação. Usaremos no contexto de edificação.

As parábolas que se seguem têm o desígnio expresso de ilustrar por qual razão Jesus acolhia os pecadores, seu intuito era salvá-los. Mas ainda, visava mostrar como a graça de Deus ultrapassa a todos os obstáculos em seu infinito amor. Pois, os pecadores são de elevado valor aos olhos do Senhor, eles são seus filhos.

A graça de Deus ultrapassa a razão de se deixar 99 ovelhas, ainda que em segurança e ir atrás de 1 apenas. Ultrapassa a razão de vasculhar tudo até encontrar, e se alegrar por ter achado aquela que faltava. As outras nove era razão de alegria, mas pelo fato de faltar uma, a tristeza sobreveio a mulher. E por fim, a graça ultrapassa a razão do tamanho do desperdício feito pelo filho pródigo, mas mesmo assim, o Pai lhe proveu novamente recursos infinitos de sua graça para o desfrute daquele filho que estava perdido e voltou.

Gostaria hoje de tentar compartilhar um pouco do coração de Deus manifestado na parábola da ovelha e dracma perdida. E do quanto cada filho desviado é valioso e amado pelo Pai.

A PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA – LUCAS 15:1-7

Nesta parábola vemos a grande preocupação de Deus por cada um dos seus filhos. Nela é demonstrado o profundo amor de Deus por nós, seus filhos. Não importando se são jovens na fé, fracos em resistir o pecado, perdidos em si mesmo, encantados pelo mundo e os que estão cegos a respeito da verdade. Não importa a sua condição espiritual. A única coisa que importa é o valor que ela tem!

Não podemos apenas olhar para os irmãos desviados e acharmos que é uma perda numérica admissível. De maneira alguma! Devemos ir a trás de cada um deles. Mas para isso precisamos entender:

  1. a) O valor de cada crente individualmente

Essa parábola serve para mostrar o grande amor de Deus por cada um de nós individualmente. Ele mostrou que aquilo que qualquer homem faria em prol de uma ovelha, ele mesmo, em seu ministério, estava fazendo em favor dos filhos de Deus. Assim, mostrou ele o grande valor que atribuía a uma única alma. Você tem muito valor para seu Pai, mas cada um dos irmãos que se desviaram, são valiosos também.

  1. b) A atitude do pastor

O interessante que o texto não faz questão de enfatizar a razão pela qual a ovelha desviou. Mas o foco é a atitude do pastor em prol do rebanho. Sua atitude foi sacrificial em prol do resgate da ovelha amada, independente do que ela tinha feito. Essa deve ser a atitude de cada irmão, pois somos sacerdotes de Deus. Devemos ministrar a Deus, mas também aos homens o perdão e a justiça de Deus.

Não houve qualquer repreensão contra a ovelha que se desviara, nem mesmo murmuração por causa das dificuldades enfrentadas pelo pastor. Ele a põe nos ombros, e volta para a casa cheio de júbilo. Já não era uma questão de interesse próprio, mas aqui transparece o amor do pastor pela ovelha. É bem provável que a ovelha estava exausta de tanto vaguear pelo deserto, mas foi o pastor que lhe deu descanso. Os irmãos que vagueiam pelo mundo precisam encontrar o descanso que provém da comunhão com a igreja.

  1. c) Há acontecimentos aqui na terra que produzem alegria nos céus

Outro fato interessante é que o que acontece a um simples e singular crente, pode trazer completa alegria nos céus. Os céus fazem festa por sua causa! Mas também por aqueles que estão desviados e voltam. Isso é extraordinário.

É importante mencionar sobre o fato da ovelha estar perdida, isso não significa que estava condenada, mas que ao desviar seu estado era de miséria.

A ação do pastor de buscar, demonstra o amor de Deus pelas suas ovelhas, independente dos seus erros. E mais, esse amor não as abandona, antes está inteiramente comprometido em trazê-las de volta, quando necessário.

E assim, é precioso perceber que a nossa vida é vigiada e cercada por um governo de amor. Os céus celebraram porque seus olhos são sobre nós.

A PARÁBOLA DA DRACMA PERDIDA – LUCAS 15:8-10

A dracma grega era uma moeda de prata que tinha praticamente o mesmo valor do denário romano. O intuito da parábola é demonstrar aos religiosos que as pessoas sem importância para eles, eram importantes para Deus. Jesus ama cada uma delas! A maneira que o Senhor atribui valor é diferente do homem. Vejamos três coisas a respeito desta parábola.

  1. a) A razão do nosso valor

Veja, a moeda que a mulher encontrou tinha valor porque havia nela a estampa oficial do rei. Essa estampa era a efígie real, que lhe dava valor e autenticidade. Então, aquilo que concede valor à cada um de nós, é a estampa de Deus em nós. Isso porque Deus nos escolheu e selou nos para Ele. (Ef. 1:13-14).

Cada crente tem o valor do precioso sangue do Cordeiro de Deus. Em Atos 20:28 no discurso de Paulo aos Efésios ele fala que Deus nos comprou com o seu próprio sangue.

Atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para pastoreardes a igreja de Deus, a qual ele comprou com o seu próprio sangue.

O preço pago por cada um de nós, fala do nosso valor diante de Deus.

  1. b) A atitude da mulher

A mulher muito se alegrou por encontrar o que havia perdido. É importante entendermos que a ovelha se desviara por sua própria culpa, seguiu um caminho segundo a sua própria vontade. Mas não é o caso da dracma. Ela se perdeu por negligência da mulher – Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma.

Neste ponto é importante entender que no primeiro caso é um homem que aparece na parábola, mas aqui uma mulher. Ela simboliza a igreja. Se desejamos encontrar aqueles que perdemos, precisamos como ela acender a candeia, varrer a casa e buscar com diligência até encontrar. Acender a candeia nos fala de nos enchermos do Espírito da graça, para ministrarmos ao coração dos irmãos desviados. Varrer simboliza a nossa atitude de remover todo obstáculo de culpa e condenação da mente desses irmãos desviados. Mas primeiro devemos acender a candeia.

Então veja, a dracma representa o irmão que afastou, não por problemas com o pecado, o mundo ou as suas fraquezas, mas apenas pela negligência da igreja. Muitos são apenas esquecidos. Ele acabou se voltando para as coisas desta vida. Isso fica demonstrado pelo fato de ter sido achado no pó da casa.

Não olhe para o relatório da célula e veja apenas números. Não pense que é só mais um! Para nós pastores, cada número em nossos relatórios representa a vida de mais um, dos muitos filhos amados que o Pai tem. Esse cuidado deve haver no coração dos líderes e discipuladores. Então veja, aquela moeda dotada de pequeno valor, no conceito de alguns, para nós se reveste de extraordinário valor, pois era mais um filho amado.

  1. c) A alegria de Deus

A beleza do final desta parábola é a alegria. Ela é a cena final do drama. Todos nós conhecemos a alegria de encontrar pessoas ou coisas perdidas. Então não podemos perder o senso diante de verdades tão simples como essa.

Precisamos aprender a julgar a alegria de acordo com a percepção divina. Uma alma que se volta para Deus, produz alegria tanto na terra como no céu, sendo um júbilo melhor e maior do que quando – “as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de Deus (Jó 38:7)”.

O júbilo nesta parábola tem algo a mais do que na da ovelha perdida, além de festa nos céus, ele toca o trono de Deus. Isso dá mais significado ao retorno dos filhos desviados. O coração de Deus é pela sua Casa e pelos seus filhos amados. Cabe a nós traze-los de volta. Mas isso só poderá ser feito no poder do Espírito Santo e manifestação de Sua maravilhosa graça.

Conclusão

A ênfase destas parábolas não está no esforço do crente, mas sobre o grande amor de Deus e seus recursos ilimitados para edificar sua casa através dos seus filhos amados.

Senta, Anda e Permanece – 16/10/2016

SENTA, ANDA E PERMANECE

As escrituras declaram que o reino de Deus é justiça, paz e alegria no Espírito. Isso significa um grande sinal de que pregamos o evangelho corretamente é quando sentimos alegria e paz ao receber a Palavra de Deus [Rm. 14:17].

Mas é quanto há justiça? Essa justiça não seria as nossas obras de obediência? No Novo Testamento, duas justiças são mencionadas. Em Filipenses 3:9, Paulo diz que quer ser achado em Cristo, não tendo justiça própria, que procede de lei, se não a justiça que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé.

Quando o Senhor Jesus disse que devemos buscar o reino de Deus e a sua justiça, Ele estava se referindo a esse tipo de justiça, aquele que procede de Deus baseada na fé [Mt. 6:33].

Não estamos mais debaixo da lei em forma de ordenanças. Fomos libertos da lei. Mas isso significa que não existem mandamentos no Novo Testamento? Certamente eles existem, mas não são como os mandamentos da lei. É como se o Senhor dissesse: “Ordene ao homem faminto que coma. Eu ordeno ao cansado que descanse”. No meio teológico, isso é chamado de imperativo.

Todavia, antes de enfatizamos os imperativos, precisamos entender os indicativos. Você certamente deve se lembrar das aulas de gramática. Todo verbo possui um tempo e um modo. O tempo é presente, passado e futuro, mas o modo pode ser indicativo ou imperativo [é claro que existe também o subjuntivo, mas não vamos falar dele]. Os imperativos de Deus são baseados nos seus indicativos. Os indicativos nos dizem o que somos, o que temos e o que podemos fazer em Cristo. É somente em função disso que somos capazes de obedecer aos imperativos.

Porque Cristo nos amou, devemos amar a nossa esposa como Ele nos amou. Porque fomos ricamente perdoados, devemos perdoar livremente a quem nos ofende. Porque somos uma nova criação, já não viveremos como os ímpios. Porque o Espírito Santo agora habita em nós, já não usaremos o nosso corpo para a impureza e a prostituição. Nossa obediência aos imperativos divinos são apenas conseqüências do poder dos indicativos da cruz.

Precisamos crer e confessar que fomos feitos justiça de Deus em Cristo. Mandamentos são para ímpios e profanos, mas os justos precisam apenas crer na verdade da Palavra de Deus [2Tm. 1:9].

Não é possível crer na coisa certa e não viver da maneira certa. A sua conduta é sempre o resultado de sua crença. Se vivemos errado, é porque cremos errado. Evidentemente, o comportamento é importante, mas a ênfase maior é sempre sobre o que cremos. Os indicativos sempre apontam para Cristo. Quanto mais você contempla Cristo, mais se torna como Ele.

Em todas as epístolas do Novo Testamento, Paulo começa ensinando o indicativo de nossa posição em Cristo. Os mestres chamam isso deKerigma. Somente depois, disso, ele expõe os imperativos de Deus, também chamados de Didaquê. Toda epístola é dividida em duas partes: Kerigma e Didaquê.

Vamos tomar a epístola aos Efésios e observar mais atentamente esse princípio. Podemos dividir a epístola em três partes usando três palavras:“senta, anda e permanece”. O sentar é o Kerigma, enquanto o andar e o permanecer são o Didaquê.

SENTA

A primeira parte de Efésios vai do capítulo 1 ao 3. A palavra-chave dessa primeira parte é “senta”. Nós estamos assentados com Cristo nos lugares celestiais [ Ef. 2:6].

Estar assentado significa que tudo está terminado. Como tudo está terminado, eu posso me sentar e descansar. O Senhor disse: “ Está consumado! ” Isso significa que eu sou convidado a participar de uma obra que já está terminada.

No Cristianismo, somos convidados a participar de uma obra que já está pronta. Na sua morte e ressurreição, Cristo, já estamos prontos. Já somos filhos de Deus, justos, santos, habitação do Espírito, coerdeiros e muitos mais. A partir do conhecimento de tudo isso que já somos, podemos começar nossa vida cristã.

Com base nessa obra consumada, não oramos para ter a vitória, mas oramos por que cristo já venceu e agora podemos experimentar essa vitória. É por isso que Paulo diz que já fomos abençoados com toda sorte de benção espiritual. Nós começamos como abençoados, e não como quem ainda vai receber a bênção [Ef. 1:3].

“Pare de depender de seus esforços para se qualificar e obter as bênçãos de Deus em sua vida.”

Mas quando este sacerdote acabou de oferecer, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à direita de Deus. Daí em diante, ele está esperando até que os seus inimigos sejam colocados como estrado dos seus pés; porque, por meio de um único sacrifício, ele aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados. [Hb. 10:12-14]

No velho testamento o sacerdote ficava o tempo todo de pé ministrando diariamente e ofertando os mesmos sacrifícios que não podiam retirar o pecado. No Tabernáculo, não havia nenhuma cadeira no santo lugar. É assim porque a obra do sacerdote nunca era consumada. Mas a obra do senhor Jesus foi consumada, por isso Ele se assentou. E também nos fez assentar junto com Ele.

Assentar-se na Bíblia simboliza descanso. Isso significa que Ele consumou a obra para que pudéssemos sentar com Ele. Pare de depender de seus esforços para se qualificar e obter as bênçãos de Deus em sua vida.

ANDA

A segunda parte de Efésios inclui os capítulos 4 e 5. A palavra-chave dessa parte é “anda” [Ef.4:1 e 17, 5:2, 8 e 15].

A ideia é bem clara, uma vez que entendemos a nossa posição em Cristo e tudo o que nos foi dado por meio da obra consumada, podemos agora andar. O sentar-se é a base do andar. É somente porque entendemos a nossa vocação que somos capazes de andar de modo digno.

Efésios 4:25 começa com a Expressão; “Por isso […]”. Isso significa que todas as exortações à santidade são baseadas nos versos anteriores.

Nossa santificação, antes de ser uma separação de algo, é uma separação para alguém. É possível ser separado do Egito, mas ainda assim morrer no deserto. Santificação é ser separado para Deus, mas ser separado para Deus significa desfrutar de todos os indicativos do que somos em Cristo. A verdadeira santificação é entender o que somos, temos e podemos fazer n’Ele.

PERMANECE

Nós estamos envolvidos numa verdadeira guerra espiritual. Por isso, na terceira parte de Efésios, a palavra-chave é “permanece” [Ef. 6:13].

O inimigo vai nos atacar com enfermidades e problemas financeiros, pessoas se levantarão contra nós e teremos pressões de todos os lados. Mas ainda assim podemos ser inabaláveis em nossa fé até ver todas as obras do diabo debaixo de nossos pés.

O inimigo, porém, não se importa com aqueles que mentem e enganam nos seus negócios, vivem debaixo de impureza e sensualidade ou levam uma vida profana. O diabo simplesmente os deixa em paz. Ele quer que tais pessoas até prosperem porque são um mal testemunho para o reino de Deus.

Mas o inimigo odeia aqueles que aprenderam a descansar, que possuem uma vida cheia de alegria, com o brilho do Espírito nos olhos e um testemunho cheio de vida. Quando essas pessoas chegam, o ambiente se torna cheio da presença de Deus. São elas que enfrentarão a batalha espiritual.

Permanecer significa estar firme numa posição de vitória. O inimigo está tentando tirar a benção, a cura, a prosperidade, a gloria, mas você simplesmente permanece no terreno firme da vitória já conquista na cruz.

Não oramos para alcançar uma posição de vitória, nós já estamos nessa posição. Não oramos por vitória, mas nós oramos na posição de vencedor. Já vencemos, por isso permanecemos.

Alguns oram para ficarem mais perto de Deus, mas nós oramos porque já fomos aproximados pelo sangue. Alguns clamam para que Deus venha, mas nós sabemos que Ele já está em nós. Mude a sua abordagem e perspectiva. Permaneça na posição que Cristo nos conquistou.

Creia e Confesse – 09/10/2016

CREIA E CONFESSE

Existe algo que somente os filhos de Deus possuem: a fé segundo Deus. Sem fé é impossível agradar a Deus. Aquele que crê atrai a atenção do Senhor sobre si. É claro que a santidade também agrada ao Senhor, mas nada o atrai como a fé. Na verdade, a fé é um tipo especial de santidade. Aquela mulher que sofria de fluxo quebrou a lei ao tocar nas vestes do Senhor. Pela lei, ela não podia tocar em ninguém, mas, mesmo assim, a fé daquela mulher fez o Senhor parar toda a multidão.

A fé é a coisa mais importante aos olhos de Deus. Na esfera do espírito, a fé implesmente destrói as obras do diabo, por isso ele sempre tenta nos manter na esfera dos sentidos. Muitos somente dão atenção ao que veem, ouvem e sentem. Enquanto você permanece na esfera da fé, você é vencedor, mas quando o inimigo consegue mantê-lo na esfera dos cinco sentidos, você é derrotado.

Não ensinamos fé da forma como o faz a Nova Era. Eles ensinam que o importante é ter fé, não importando em quê. Acreditam na força da fé por si mema. É um tipo de autossugestão. Mas isso é absolutamente falso. É vital saber em quem você crê.

Também é importante dizer que exercitar fé é muito mais simples do que a maioria dos crentes pensa.  A primeira coisa que precisamos saber sobre fé é que ela opera por meio de nossas palavras.

A FÉ É UM ESPÍRITO

Tendo, porém, o mesmo espírito da fé, como está escrito: Eu cri; por isso, é que falei. Também nós cremos; por isso, também falamos. II Cor. 4:13.

Veja que a fé não é questão de fórmula, mas de espírito. Paulo diz que temos o mesmo espírito de fé de Abraão, Moisés ou Davi. Sendo a fé um espírito, ela é contagiosa e por isso pode se espalhar. Quando temos alguém na célula cheio de fé, toda a atmosfera da reunião é saturada de fé. No mesmo princípio, quando alguém aparece dizendo as dez razões porque ele não pode fazer algo, o espírito de incredulidade se espalha por todo o ambiente, porque a fé é um espírito.

Você deve se lembrar do dia em que os doze espias foram enviados para espiar a terra de Canaã. Depois de quarenta dias, eles voltaram e dez deles disseram: “não podemos conquistar essa terra. As muralhas são muito largas, os gigantes muito altos, e somos muito pequenos.” Mas dois deles, Josué e Calebe, disseram: “vamos conquistar a terra, como pão os podemos devorar; retirou-se deles o seu amparo; o SENHOR é conosco; não os temais” (Nm.14:9).

Toda a nação acreditou nos dez espias e, por causa disso, morreram no deserto, mas a respeito de Calebe, o Senhor disse que nele havia um espírito diferente. O que havia nele? Um espírito de fé. Que o Senhor possa dizer a respeito de nós que temos um espírito diferente.

Porém o meu servo Calebe, visto que nele houve outro espírito, e perseverou em seguir-me, eu o farei entrar a terra que espiou, e a sua descendência a possuirá. Nm. 14:24

QUANDO CREMOS FALAMOS

Na segunda parte de II Coríntios 4:13, Paulo diz: “Eu cri; por isso, é que falei. Também nós cremos; por isso, também falamos.” A nossa fé é liberada em nossas palavras. Simplesmente não podemos crer em silêncio. Se você crê em algo, fale em voz alta.

A maneira como exercitamos fé é bem simples: nós cremos e falamos. Como nós recebemos a salvação? É claro que foi pela fé. Mas como exercitamos essa nossa fé? Simplesmente falando.

Porque com o coração se crâ para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação. Rm. 10:10

A maneira como recebemos todas as bênçãos é da mesma forma como recebemos a maior de todas -, a salvação. Tudo o que o Senhor conquistou na cruz é nosso, mas por que alguns crentes desfrutam de mais bênçãos que outros? Será que é porque o Senhor dá mais para uns que para outros? Claro que não! A maneira como recebemos todas as bênçãos do Calvário é a mesma de como recebemos a salvação: crendo e falando.

FALE AO MONTE

No dia seguinte, quando saíram de Betânia, teve fome. E, vendo de longe uma figueira com folhas, foi ver se nela, porventura, acharia alguma coisa. Aproximando-se dela, nada achou, senão folhas; porque não era tempo de figos. Então, lhe disse Jesus: Nunca Jamais coma alguém fruto de ti! E seus discípulos ouviram isto. Mc. 11:12-14

 E, passando eles pela manhã, viram que a figueira secara desde a raiz. Então, Pedro, lembrando-se, falou: Mestre, eis que a figueira que amaldiçoaste secou. Ao que Jesus lhes disse: Tende fé em Deus; porque em verdade vos afirmo que, se alguém disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele. Mc. 11:20-23

Deixe-me compartilhar algumas coisas sobre figueiras em Israel. Durante o inverno as figueiras perdem as suas folhas e, então, na primavera, as folhas brotam novamente. Quando as folhas voltam, todos sabem que dentro de mais seis semanas o tempo dos figos estará chegando.

Mas, comumente, no tempo quando as folhas brotam, também brotam os figos temporãos. Era por esses figos que o Senhor estava procurando. Mas se uma figueira não tem esses primeiros figos temporãos, isso demonstrava que, seis semanas depois, não haveria figo nenhum.

As folhas da figueira foram mencionadas pela primeira vez quando Adão e Eva tentaram fazer cintas para si (Gn. 3.7). Elas simbolizam a obra humana procurando ter justiça própria diante de Deus. é um esforço humano para tentar cobrir o pecado sem o sangue de Jesus. A figueira com folhas e sem frutos foi amaldiçoada por Jesus.

Mas o que queremos enfatizar hoje é a forma como o Senhor Ministrou fé. Não é normal falar com árvores, mas foi exatamente isso o que o Senhor fez. Isso significa que podemos falar com demônios, e eles fugirão; podemos falar com a tempestade, e ela vai se acalmar; podemos falar com a doença, e ela vai sair. Essa é a maneira bíblica de expressarmos fé.

Foi exatamente esse o ensino do Senhor: “se alguém disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar, assim sucederá”. E preciso falar ao monte; devemos falar às nossas circunstâncias.

O monte pode ser qualquer coisa que se oponha diante de você. Pode ser uma enfermidade, um problema financeiro, um obstáculo ou qualquer outra coisa. Gostamos de falar com Deus a respeito da montanha, mas o Senhor disse que devemos falar ao monte.

O que o Senhor nos ensina é o mesmo que Paulo disse. Tendo, porém, o mesmo espírito da fé, como está escrito: Eu cri; por isso, é que falei. “Não podemos exercer fé em silêncio. É preciso liberar a Palavra.

A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto. Pv. 18:1

A FÉ E AS OBRAS

Fé é a moeda do céu. Mas, frequentemente, o inimigo enviará alguém para lhe dizer que crer e confessar não são suficientes, você deve fazer alguma coisa. Certamente, ele lhe dirá que, antes de exercitar fé, você precisa ter uma vida santa. O inimigo lhe dirá: “ você tem problemas com a ira e, também, com a impureza, como você acha que apenas crer e falar será suficiente? A verdade é que ele está com medo de que você comece a andar em fé.

Quando passamos a acreditar que crer e falar não são o suficiente, então concluímos que precisamos ter alguma ação, alguma obra. Creio que essa tem sido a causa de muitos problemas espirituais na vida de homens de Deus.

Por acreditar que não era suficiente confessar e crer, um homem com diabetes resolveu parar de tomar insulina. Infelizmente, ele não viveu muito tempo. Um pastor achou que confessar e crer era insuficiente e resolveu fazer uma grande dívida para comprar o prédio da igreja. Lamentavelmente, seu ministério faliu. O que havia de errado com essas pessoas? Elas deixaram de exercitar fé da maneira de Deus e resolveram agir na força humana. O resultado foi o inverso do que esperavam.

Mas não devemos ter um comportamento coerente com a nossa fé? E claro que sim. Se estou orando por chuva, é melhor comprar um guarda-chuva, Se estou orando por um carro, então preciso começar a aprender a dirigir. Mas eu não vou sair e comprar um carro sem dinheiro. Quando ajo assim, estou tentando fazer algo acontecer na minha força.

A Palavra de Deus não diz que a fé sem obras é morta? Esse é um texto bíblico que tem sido muito abusado. As pessoas já nem atentam para o contexto em que Tiago disse essas palavras.

Alguns usam esse texto para dizerem que a fé só tem valor se praticarmos também a lei. Há duas ilustrações que Tiago usa ao fazer essa afirmação. Primeiro, ele fala de Abraão prestes a sacrificar Isaque e, depois, de Raabe recebendo os espias. Abraão estava prestes a matar e Raabe teve de mentir para proteger os espias. Não são, portanto, boas ilustrações para sancionar os dez mandamentos.

Tiago pergunta: “Não foi por obras que Abraão foi justificado, quando ofereceu sobre o altar o próprio filho, Isaque?” Evidentemente, ele não foi justificado diante de Deus. Muito antes de Abraão ter um filho, Deus já o havia justificado diante dele. Gênesis 15:6 diz que Abraão creu no Senhor, e isso lhe foi imputado para justiça. Vinte anos depois, ele oferece Isaque no altar. Isso já não era justificação diante de Deus, mas diante dos homens.

Todos nós temos uma justiça diante dos homens e uma justiça diante de Deus. A nossa justiça diante de Deus é pela fé, mas a nossa justiça diante dos homens é segundo as nossas obras feitas em fé.

Mas a verdade é que fé e obras são conceitos opostos. O padrão de fé de Jesus é: creia e fale, creia e confesse. Não é creia e faça alguma coisa. Quando Deus criou todas as coisas, Ele apenas falou. Não houve uma ação correspondente. Ele não falou e depois fez alguma coisa. Esse é o tipo de fé segundo Deus.

Todas as vezes que alguém nos diz que crer e falar não são suficientes, o resultado é que paramos de falar, e o fluir também cessa. A fé, também, é bloqueada quando pensamos que só podemos confessar se tivermos uma vida completamente santa.

Mas a santidade é recebida pela fé do mesmo jeito que a salvação. Não é uma questão de performance, mas de fé. Pedro, explicando aos irmãos de Jerusalém sobre a conversão de Cornélio, disse que o coração deles tinha sido purificado pela fé.

Ora, Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, concedendo o Espírito Santo a eles, como também a nós nos concedera. E não estabeleceu distinção alguma entre nós e eles, purificando-lhes pela fé o coração. At. 15:8-9

Paulo diz que Cristo se tornou para nós salvação e santificação. Então, não é uma questão de performance, mas ter a presença dele em nós.

Mas vós sois dele, em Cristo Jesus, o qual se nos tornou, da parte de Deus, sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção. I cor. 1:30

Uma vez que entendemos que somos santos nele, temos ousadia para crer e falar e, quando exercitamos fé dessa maneira simples, vemos a manifestação do poder de Deus.