O centro é Cristo – P. Cláudio Gouveia – 04/02/2018

Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados. Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra, quer nos céus. E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis, se é que permaneceis na fé, alicerçados e firmes, não vos deixando afastar da esperança do evangelho que ouvistes e que foi pregado a toda criatura debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, me tornei ministro (Col 1:13-23).

 

Essa é a mais poderosa descrição da pessoa e obra de Cristo. Sendo assim, não podemos passar desapercebidos diante da verdade de quem é Cristo e a extensão e poder da sua obra! Nós só estamos aqui por causa d’Ele. Para servir aos propósitos d’Ele! Realizando a obra d’Ele! Veja, nada é nosso ou para nós – Tudo foi criado por meio dele e para ele.

Sendo assim, a coisa mais importante para nós, filhos de Deus, é a centralidade de Cristo. Errar nesse ponto, é errar em tudo o que se está fazendo e edificando.

Há muitos irmãos que lideram para eles mesmo, sempre desejam reconhecimento pelos seus frutos porque Cristo não é o centro.

Lembre-se, dar frutos é algo espontâneo da vida que flui para você que está em Cristo Jesus. Ele é a videira e você ramo!

Há irmãos gerando discípulos para si, e não para Cristo. Como sei que estou gerando discípulos para Cristo? Quando você, por alguma razão não os pode liderar mais, e a resposta deles é que, se não é você não serve outro para lidera-los.

Pais naturais as vezes caem nesses erros, mas nunca se esqueça, filhos sempre seguem as suas vidas em algum momento. Todavia, os pais sempre serão lembrados pelo investimento que fizeram na vida dos filhos. Esse é o genuíno reconhecimento que devemos almejar (2Co 3:2-3).

O alvo é Cristo e não nós! É n’Ele que tudo subsiste, inclusive a célula e seus relacionamentos. Sem Ele não podemos fazer nada (Jo 15:5). Não existe fruto se não for por meio d’Ele! Não existe discípulos sem Ele!

Até a sua vida pode ser um grande desperdício se você não vive para Ele. (Lc 14:15-21).

Sabe qual é o sinal de espiritualidade? Quando você deixa de ser o centro, Cristo deve ser o centro. Tudo que Deus te deu, a sua vida, seus talentos, seus recursos, família, etc. foi visando Cristo. (Davi até na disciplina escolheu Deus como centro)

Porque Cristo é o centro?

  1. Porque foi Ele que nos libertou

Ele nos libertou do império das trevas

Minha dívida, se é que tenho, deve ser para com Cristo (Rm 1:14). É comum ver um irmão preso a outro por ter recebido alguma ajuda em momento difícil da vida ou até mesmo uma ajuda financeira. Ele se prende a dívida de gratidão.

Nossa divida para com Cristo é o amor, é a única coisa que Paulo diz estarmos endividados.

Ele deveria ser grato a quem em última análise? Vejamos, em certo momento de dificuldade, tal irmão te ajudou, mas porque ele fez? Provavelmente porque alguém também lhe estendeu a mão. Mas porque ajudou? Porque Cristo certamente o libertou para ser um instrumento nas mãos d’Ele!

Não estou promovendo um descaso para com os irmãos, mas não coloque o irmão que Jesus usou no lugar que é de Jesus. Agradeça a Deus pelo irmão ser sensível a voz do Espírito, e por ter disposição de servir a Cristo servindo você! Hoje ele te serviu, mas amanha pode ser você que irá servi-lo.

Mas nunca se esqueça, a glória sempre é de Cristo! As recompensas do crente estão fora do campo dos méritos individuais, das realizações pessoais, porquanto se centralizam em Cristo. Ele usa pessoas, claro que sim, mas é Ele quem faz todas as coisas. Tudo é por meio d’Ele. Foi Ele que nos libertou! Paulo está aqui nos conclamando a lembrar deste fato, não se deixando levar por sentimentos que roubam de Cristo a glória.

  1. Porque n’Ele tudo subsiste

Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste.

Cristo é o primeiro quanto ao tempo e à importância.  Cristo está acima do tempo e da importância.

Segundo a teologia cristã e judaica, aquilo que é eterno, é divino. Ele é antes de tudo no tocante à importância, ao poder e à autoridade. Isso significa que Ele possui a prioridade.

E assim, tudo que se apoia n’Ele, subiste por meio d’Ele! As leis do universo são apenas expressões do Seu poder sustentador de todas as coisas. Ele sustenta todas as coisas! Sustenta seu casamento, seu trabalho, sua liderança, sua vida, seus relacionamentos, sustenta seus filhos, etc. (EX.Pr.Naor)

Sendo assim, pra quê, insistimos em manter o controle sobre áreas de nossas vidas? Porque não colocamos tudo o que somos e temos sobre o poder sustentador de Cristo? Para ter do que se gloriar? Algo para nos apegar? Tal atitude pode nos levar ao naufrágio da fé!

Porque naufragou na fé? Porque confiou em si mesmo como sustentador. Ouça, n’Ele tudo subsiste. Tudo inclui você e todas as coisas que possui. Você não precisa sustentar nada, nem mesmo a sua vida. Jesus fez uma afirmação poderosa em João 10:28 – Eu lhes dou a vida eterna; jamais perecerão, e ninguém as arrebatará da minha mão. Quando você coloca Ele como seu sustentador, você é tomado pelo descanso. Não tem como dar errado!

  1. Porque Ele tem a primazia

Se Ele é o sustentador, tem o direito da primazia, de ser o primeiro. Tal posição diz respeito a ressureição e sua aprovação por Deus, em reconhecimento a sua missão (Rm 1:4). Ele era supremo em relação ao universo sendo Deus, mas teve de tornar-se supremo em relação à Igreja, por meio da obra consumada, que é o Seu triunfo sobre todas as coisas.

Agora na Igreja Ele ocupa o primeiro lugar em tudo. Felizes seremos se dermos a Cristo em nosso coração o primeiro lugar, o lugar do meio e o último lugar, bem como todos os outros lugares que possam existir. Sua primazia deve alcançar nossos afetos do coração, na contemplação de nossa mente e nos mais elevados louvores dos nossos lábios. Ele é o primeiro em tudo!

Experimente viver a graciosa experiência de viver um dia colocando Ele como primeiro em tudo. Vai escovar os dentes, diga: Senhor tu és o primeiro e o que sai de minha boca glorifica o teu nome… Na hora do café: Senhor graças te dou tu és a provisão deste lar… Na mente: Senhor eu tenho a mente de Cristo, só penso no que é puro, de boa fama… Nas emoções: Senhor tu governas meus sentimentos… No trânsito: Tu me guardas por todos os lados, minha vida está em tuas mãos…

Ouse a colocar Cristo como primeiro em todos os eventos do seu dia.

  1. Porque por meio d’Ele fomos reconciliados com o Pai

A obra de Cristo produz paz e reconciliação. Isso porque o pecado produziu caos e inimizade entre Deus e o homem. Mas Cristo nos reconciliou, nos transferindo de um estado caído para uma posição superior e elevada de filhos de Deus.

Não honramos a Deus quando reduzimos a importância da missão de Cristo a menor do que ela realmente foi, ou diminuímos a sua glória com nossas suposições. O que Ele criou, será por Ele restaurado. A criação foi feita por Ele (alfa), e também foi para Ele (ômega).

Não havia possibilidade alguma de reconciliarmos com o Pai, éramos por natureza seus inimigos. Mas por meio da obra de Cristo estamos completamente seguros em paz eterna com o Pai.

Veja, se Ele fez isso quando éramos inimigos, o que Ele não fará hoje estando nós reconciliados? Paulo afirma em Romanos 5:10 que Ele vai nos salvar pela sua vida. Salvar em grego é sozo, que significa: salvar; manter são e salvo; resgatar do perigo ou destruição; poupar alguém de sofrer de algum tipo ou de uma enfermidade, fazer bem, curar, restaurar a saúde, etc.

Quando Cristo é o centro, prepare-se, pois grandes e maravilhosas sobrevirão a você e ainda que coisas ruins possam sobrevir a você, Ele te salvará por meio de Sua vida.

 

  1. Porque Ele nos fez seus ministros

Tudo o que fazemos para Deus. Todo o privilégio de fazer uma obra divina e eterna, só é possível por causa de Cristo. Nós somos seus ministros, para melhor esclarecimento, seus servos! Quando perdemos a centralidade de Cristo, perdemos a paixão e encargo pela obra Dele.

E assim, somos como um móvel corrido pelos cupins. Quando os cupins comem o interior de um móvel de madeira, deixam a casca externa aparentemente sólida. Esse móvel continua em pé até algum peso ser colocado sobre ele. Ao fim ele se despedaça, deteriorando completamente.

Há irmãos que perdem sua fé, paixão e encargo pela Igreja, desse mesmo modo. São comidos em pequeníssimas porções das incontáveis mordidas do mundo em seus sentimentos pela obra de Deus. Esse bicho de mordida feroz trabalha em segredo, sem que o crente perceba, até consumir todo a fé e paixão interior. E quando esses precisam apoiar-se sobre a sua fé e paixão, cedem e tudo vem a baixo!

Nessa hora muitos desistem, e não são poucos que afastam. Você foi feito ministro por Ele, centralize-O e nada poderá te impedir de cumprir o seu propósito como membro do Corpo de Cristo.

Conclusão

Você pode viver no lugar que Adão te colocou, no centro de todas as coisas, ou colocar Àquele que de fato, tem por direito esse lugar, Cristo!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *