Porque Paulo está escrevendo este texto? Em Atos 11, o profeta Ágabo profetizou que uma grande fome viria em todo mundo. E de fato isso aconteceu conforme Atos 18:2, o resultado disso foi a expulsão dos judeus de Roma, os quais retornaram para Judéia, pobres, sem casas, sem terras e sem trabalhado.

Quando Paulo foi enviado pelos apóstolos de Jerusalém (Gl 2:10), ele assume o compromisso de ir para os gentios e não se esquecer dos pobres. Ensinando para nós que na agenda da igreja de Cristo, evangelização, missões e edificação da igreja caminham de mãos dadas com ação social e cuidado com os pobres. Mas também a assumir o compromisso com os vocacionados de Deus, os pastores (1Co 9:1-14).

Hoje vamos aprender alguns princípios sobre generosidade! Você e eu somos apenas administradores, mordomos do Dono! A maior dificuldade sua e minha para ser generosos é a síndrome do dono! Nós achamos que somos donos, mas não somos!

  1. A contribuição cristã é uma graça de Deus concedida a nós – (2Co 8:1)

Qual é a definição que nós temos de graça? Graça é um dom imerecido! Geralmente quando damos uma oferta a alguém ou a obra, pensamos que nós estamos oferecendo algo a este alguém ou a obra. Paulo está desconstruindo essa ideia dizendo o seguinte, contribuição cristã não é algo que você faz para alguém. Antes uma dádiva que você não merece e que Deus lhe dá, a dádiva de contribuir. Isso é Graça!

  1. A contribuição cristã é sacrificial – (2Co 8:2)

Os irmãos da Macedônia eram pobres e estavam passando por um momento de perseguição, e apesar de serem pobres, eles demonstraram abundância de alegria em participar das ofertas para os pobres da igreja em Jerusalém. O que estava em evidência não era a quantidade de dinheiro que eles tinham, mas quão generoso era o coração deles em ofertar. Deus não olha contribuição pelo volume do dinheiro ofertado, mas pela generosidade do coração que oferta (oferta da viúva).

  1. A contribuição cristã é transcendente a sua oferta – (2Co 8:3-5)

O que esse texto está nos dizendo é que, antes de oferecermos algo, devemos oferecer a nossa vida! Antes da oferta, vem o ofertante! Caso contrário, sua oferta será por pressão, sem alegria e apenas para suprir uma necessidade eminente. Deus ama quem dá com alegria, por isso o ofertante deve ser oferecido a Deus antes de oferecer a sua oferta!

  1. A contribuição cristã não é resultado da pressão dos homens, mas do exemplo de Cristo – (2Co 8:8-9)

Foi o amor que moveu Cristo a se oferecer por nós, como oferta pelos nossos pecados! Sendo rico se fez pobre por amor de nós. Nós repudiamos igrejas que fazem pressão psicológica para arrancar o dinheiro do povo. Deus não se preocupa com dinheiro, o que Ele deseja é que nosso coração esteja no lugar certo! Paulo nos diz que não podemos ser generosos se não estivermos sendo motivados pelo amor.

  1. A contribuição cristã é proporcional na sua expressão (2Co 8:12-15)

A contribuição é um privilégio e não um peso. Deus nunca vai requerer de você algo que você não possa fazer! A contribuição generosa promove igualdade e não desiquilíbrio. Quem muito colheu, não teve demais… E quem pouco colheu, não teve falta.

  1. A contribuição cristã abençoa a você mesmo – (2Co 8:6)

Paulo está usando a figura da agricultura para afirmar que, assim como no campo a regra de quem semeia muito é colher muito. E assim também é com o generoso! A lei da semeadura é absoluta tanto no natural como na vida cristã – A alma generosa prosperará, e o que regar também será regado (Pv 11:25).

Categorias: Mensagem