Tinha Jacó feito um cozinhado, quando, esmorecido, veio do campo Esaú e lhe disse: Peço-te que me deixes comer um pouco desse cozinhado vermelho, pois estou esmorecido. Daí chamar-se Edom.

Disse Jacó: Vende-me primeiro o teu direito de primogenitura. Ele respondeu: Estou a ponto de morrer; de que me aproveitará o direito de primogenitura? Então, disse Jacó: Jura-me primeiro. Ele jurou e vendeu o seu direito de primogenitura a Jacó.

Deu, pois, Jacó a Esaú pão e o cozinhado de lentilhas; ele comeu e bebeu, levantou-se e saiu. Assim, desprezou Esaú o seu direito de primogenitura (Gn 25:29-34).

Uma das coisas mais impressionantes sobre a vida de Jacó é como ele desejava o favor de Deus.
Uma outra coisa igualmente interessante é como alguns crentes não valorizam o favor de Deus.
Eles preferem depender deles mesmo do que desfrutar do favor de Deus.
Esses são como Esaú.

Agora, mais fascinante é ver Deus que colocou ambos os irmãos nas posições certas só para expor o que estava em seus corações.
Pois se Deus quisesse fazer diferente bastava ter deixado Jacó ter nascido primeiro, mas não permitiu (Gn 25:26).

Então, há situações em nossas vidas que são necessárias, pois elas expõem o que está dentro de nós.
Deus pode usar tantas coisas e situações que aos seus olhos parecem injustas, mas elas expõem o que vai dentro de cada um de nós.

Agora é um fato, parece um absurdo para muitos que Deus preferiu usar um ladrão do que um guerreiro! Isso não te impressiona?

Ouça, comportamento errado não é um problema para Deus.
Deus não chamou nenhum dos seus servos que eram perfeitos em seus comportamentos, inclusive eu.
Esaú parecia muito pronto e perfeito, mas não era, fez muitas coisas erradas (Gn 26:35).
Sabe o que posso aprender com isso? Príncipe não vem pronto.
E Deus não forma príncipes de forma natural, é preciso passar pelos Seus processos.
Por isso é importante entender que, só caminha de forma continua no processo de formação de Deus quem O deseja muito.
Esaú era autossuficiente, mundano, desprezou as coisas preciosas de Deus e se tornou um profano.

Mas Jacó era dependente, inseguro e desejava as coisas preciosas de Deus.
Veja, as deficiências de Jacó geraram nele desejo das coisas de Deus.
Esaú, entretanto, em sua segurança pessoal e firmeza, desprezou as coisas de Deus.
Preste atenção, Jacó errou em enganar, mas Esaú errou muito mais em desprezar o favor de Deus.
São as suas debilidades e fraquezas que devem te aproximar de Deus, porém alguns ao vê-las acabam é afastando!
Essa é a razão por que eles não conseguem se ver como príncipes.
Quando andamos com Deus em seus caminhos, somos conformados na essência da realeza que nos gerou.
E assim, passamos a nos ver como Ele vê: Príncipes de Deus!
É importante lembrar que Jesus quando encarnou foi reconhecido pelos magos como Rei dos judeus.

Não foi uma percepção natural, mesmo porque um príncipe não nasce naquelas condições que Jesus nasceu.
Os magos tiveram uma percepção espiritual da identidade de Jesus.
Você precisa ter essa percepção a respeito da sua identidade.
Jesus não teve problemas com sua identidade de Rei.
Então, para você se ver como um príncipe, basta andar com o Rei.
Quanto mais você anda com Jesus mais e mais você se vê como príncipe que é (Atos 4:13).
Outro ponto a destacar é que Deus não tem dificuldades em transformar quem O deseja.
Todavia, é muito difícil, ou quase impossível, Deus transformar àquele que o despreza.
Sendo assim, nesse processo de transformação de filho em príncipe você precisa entender três coisas:

1. Deixe o que te impede de avançar

Interessante, Jacó teve que fugir de casa e abandonar sua mãe por causa do direito de primogenitura.
Foi abençoado mas teve que sair de casa.
É importante você perceber algo, sua mãe agora seria um problema para ele, pois foi criado na barra da sua saia.
Ele agora precisava de Labão para forjar seu caráter.
Ele precisa de um mais esperto do que ele para perceber o quão ruim é enganar os outros.
Jacó e sua mãe não confiaram na palavra de Deus.
Deus tem muitos meios e maneiras de ensinar.
Se você está tendo dificuldade em avançar será que não é hora de soltar alguma coisa que pode estar te prendendo?
Talvez você pergunte: Como sei se tem algo me prendendo?

Pergunte a Deus. Ele tem prazer em te falar e conduzir.
Veja, Deus queria abençoar Jacó, mas não poderia ser naquele contexto.
Essa é uma pergunta importante e honesta: Pai tem algo que está me impedindo de receber do teu favor?
Alguém pode dizer: Pastor, você disse que sou abençoado, como assim posso ser impedido de receber do favor de Deus?
Tem muitos irmãos que não conseguem desfrutar do favor, mesmo a Bíblia dizendo que ele já é abençoado.
Interessante é que foi só tirar Jacó do contexto que estava para o favor manifestar em sua vida.
Mas é importante lembrar, o favor não parou o processo de transformação dele em príncipe.

Em seu novo contexto Deus colocou Labão na vida de Jacó.
Porque Deus colocou um mais esperto no caminho de Jacó?
O sinal do favor de Deus só pode ser visto na sua vida quando o Labão tenta te roubar e te enganar.
O problema é que muitos nessa hora reclamam, e assim, perdem a oportunidade de desfrutarem do favor.
Pois Deus vai fazer algo para manifestar o favor em sua vida.
Deus ama preparar uma mesa de banquete na presença dos seus inimigos (Sl 23:5).
Labão é importante tanto quanto Golias.
Golias te promove, mas Labão te enriquece.
Pois tudo o que ele faz contra você, se torna uma oportunidade de você ser mais abençoado (Gn 31:22-42).
É nessa hora que as pessoas ao redor têm que reconhecer – ELE É UM FAVORECIDO DE DEUS (Isaque, José, Daniel, etc.).

Seu Pai visa o seu desfrute no favor dele, mas também a sua transformação em príncipe.
Sabe qual a diferença entre Esaú e Jacó?
Ambos foram feitos príncipes, Esaú a si mesmo, mas Jacó foi por Deus (Gn 25:23).
Veja, ambos enriqueceram, Esaú atribui a si mesmo:
Eu tenho muitos bens, meu irmão… (Gn 33:9).
Jacó enaltece a Deus:
…porque Deus tem sido generoso para comigo, e tenho fartura (Gn 33:11).
Seu Pai está levando você a ser um príncipe, uma princesa, não deixe que nada te impeça de prosseguir nos processos, nem mesmo você.
Então entenda, a aparente perda hoje se torna em grande lucro amanhã.

2. Vá de encontro ao que pode te transformar

Jacó aprendeu a dura lição de ser enganado.
Ele não queria enganar mais ninguém, mas para isso precisava ir de encontro ao transformador de almas e gerador de identidade.
Não dava mais para prosseguir com aquela identidade.
Todos nós em algum momento teremos a crise de Jacó.
Qual crise é essa?
Não dá mais para ser crente assim, preciso tomar posse do que é meu! Preciso ser quem eu nasci para ser.
Todavia, isso só acontece quando assumo quem eu sou em Cristo.

No vau de Jaboque, Jacó teve que enfrentar o Único que podia transforma-lo.
Ele já era favorecido, rico, muitos filhos, etc., mas ainda era um enganador enganado.
Ele agora, precisava encarar o Príncipe dos príncipes, o Rei dos reis, Jesus.
Precisava olhar em Seus olhos e se ver como um príncipe. Ele precisava ver a sua verdadeira pessoa.
Noé e Moisés viram o modelo, nós hoje também podemos ver o modelo (2Co 3:18).
Preste atenção, pare de buscar em homens o que você só irá encontrar em Jesus!
Homens são importantes para nos direcionar, mas nenhum deles podem transformar a vida de ninguém.
O único homem que pode produzir algumas mudanças em sua vida é você mesmo.

Mas elas são limitadas a comportamento, e nunca em sua essência.
Só Jesus, mas é só Jesus mesmo que pode fazer mudanças eternas em sua vida.
Jacó viveu vinte anos (Gn 31:38) com Labão, sofreu e agonizou, mas percebemos que Deus estava trabalhando nele, em sua identidade.
A escravidão que viveu pressionou ele a ir de encontro a quem podia lhe dar a sua verdadeira identidade e sentido de vida.
Há quantos anos você tem sofrido e agonizado?
Se você tem sido escravizado por alguma situação, não dissipe a pressão, mas deixe que essa pressão canalize você para o seu Pai.

3. Independente de onde você está no processo, gere!
O que mais caracterizou Jacó não foi o patrimônio que adquiriu por causa do favor de Deus em sua vida, mas os filhos que gerou.
Ele gerou uma nação.
As doze tribos de Israel são seus filhos.
Abraão é pai de multidões tendo apenas um filho, mas a promessa se tornou real na pessoa de Jacó.
Sabe o que me impressiona?
Que mesmo sendo alguém cheio de falhas e defeitos, Jacó não deixou de gerar para que o propósito de Deus se cumprisse.
Jacó entendeu que fazia parte do chamado de Abraão e não olhou para si mesmo.
Apenas se dispôs a cumprir esse chamamento.
Deus chamou você e o colocou dentro de um chamado, a Hebrom!

Então, enquanto Ele trabalha por meio de processos em sua vida, o que se espera é que você gere filhos espirituais para Ele.
Sua resistência aos processos de Deus na sua vida não desfazem sua identidade de príncipe, apenas dificulta para você se ver como é conhecido.
Isso porque nós temos a tendência de olhar para nós mesmo.
Isso piora quando nos envolvemos em confusões, conflitos e fracassos pessoais.
Essas coisas são oportunidades do inimigo trabalhar com a dúvida na questão da sua identidade.
É importante lembra-lo, Deus irá transformá-lo em príncipe pela razão simples, Ele já te vê assim.

Só entra nos processos de Deus aqueles que já são, por isso Esaú não entrou no processo, pois não era. Você já é um príncipe uma princesa, mas o processo é necessário para você se ver assim.  Sendo assim, não pare que gerar filhos para o Reino de Deus.

A responsabilidade quando você gera filhos espirituais é um excelente instrumento para mudar as suas escolhas. Pare de olhar para você, apenas entre no processo de Deus para a sua vida. Ele vai cuidar de tudo!

Repito, você já é um príncipe uma princesa!

Categorias: Mensagem