Todos nós relacionamos com o dinheiro se criança ou adulto, pobre ou rico, pouco ou muito não importa. A questão é: ele faz parte de nossas vidas. Sendo assim, todos nós precisamos aprender a relacionar de uma forma natural e espiritual com o dinheiro.

Pois ele é bem presente em nossas vidas e não é neutro. Paulo diz que devemos fazer tudo para a glória de Deus:

Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus (1Co 10:31).

Tudo inclui a maneira que lidamos com o dinheiro. Fazer tudo para a glória de Deus significa: fazer tudo de maneira que expresse a boa opinião ou imagem de Deus!

1. O princípio da servidão em amor – Mt 6:24

Veja, a nossa vida pode estar debaixo do governo de Deus ou das riquezas (mamon). Jesus deixou claro que não tem como servir aos dois.

Servir no grego significa servir como escravo, indicando fidelidade total, sem reservas, porquanto o escravo não tinha vontade própria, mas tudo fazia segundo a vontade do senhor. A palavra riquezas em outra tradução aparece como transliteração, mamon.

Não há certeza sobre a derivação original dessa palavra, mas parece significar aquele no qual alguém confia, como objeto de fé e confiança. É por isso que Ele disse que é impossível a alguém servir (como escravo em amor) a ambos esses deuses.

Jesus deseja mostrar que o senhor que finalmente obtiver a fidelidade do crente, terá, ao mesmo tempo, o amor desse homem ou mulher.

Agora, de fato, você entrega a homens, sempre foi assim na história do povo de Deus, mas sempre foi Deus quem recebeu.

2. O princípio da Honra – Pv 3:9-10

Uma coisa interessante é que gostamos de honrar as pessoas com palavras. Mas não é assim com Deus. Palavras são insuficientes, isso porque elas podem estar desconectadas das ações e motivações do coração. Isaías exortou o povo quanto a isso (Is 29:13).

A honra deve ser seguida por uma atitude de fidelidade e generosidade do coração. Por isso Paulo nos instrui:

Cada um contribua segundo tiver proposto no coração (2Co 9:7).

O seu coração deve seguir a honra dos seus lábios, através de gestos generosos. Mas isso só acontecerá se o seu coração estiver perto do Senhor.

Ter um coração perto diz respeito a não basear o seu relacionamento com Deus nos mandamentos, na Lei, mas na identidade de filho. Você é filho e Ele é o seu Pai!

3. O princípio das Primícias – Rm 11:16 NTLH

Nossas primícias são uma maneira de honrar a Deus. Aqui, Paulo lança mão de duas metáforas para nos mostrar o princípio das primícias.

A primeira é a metáfora da massa, da qual foi extraída uma porção, que seria as primícias, a fim de ser feito um pão consagrado.

Paulo está se referindo ao trecho de Nm 15:19-20, através dessa oferta, a totalidade da massa era santificada.

Os bolos eram movidos na direção leste-o este, e então na direção norte-sul, para frente e para trás, o que, simbolizava o reconhecimento do governo universal de Deus e seus benefícios universais.

Mas também era uma demonstração da origem da bênção de Deus, a cruz. Você foi feito abençoado porque a cruz te fez filho de Deus.

Na segunda, Paulo compara a nação de Israel a uma árvore. Espera-se que uma árvore produza frutos segundo a natureza de suas raízes.

Ora, essas raízes foram os patriarcas, mais particularmente, Abraão. O tronco representaria os demais patriarcas. Os ramos seriam os israelitas individuais. Paulo diz em Gálatas 3:7 e 9 que:

Sabei, pois, que os da fé é que são filhos de Abraão… De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão. Você é abençoado porque foi enxertado em uma árvore de raiz abençoada.

Quando você entrega seu dízimo como a primeira parte e no culto da virada entrega sua oferta de primícias, você está reconhecendo o governo de Deus em sua vida financeira.

Esse ato afetará todo o restante do seus bens e ganho por todo o ano. Tudo que você produzir no ano já está santificado, e o diabo não pode tocar!

4. Princípio da nova natureza

Assim como participamos da natureza da bênção de Abraão, participamos da natureza de Cristo. Paulo diz que somos nova criatura (2Co 5:17).

As coisas antigas já passaram se refere as coisas desde o começo. Sua maneira de pensar, agir e tudo o mais. Então, a maneira antiga de lidar com o dinheiro já passou! Passou a ansiedade de ter, o medo de faltar e a insegurança de dar.

Por causa da nova natureza damos com alegria e satisfação, porque parecemos com nosso Pai.

O Pai não poupou o seu próprio filho, antes, por todos nós o entregou… (Rm 8:32).

Ela é a mesma do seu Pai celeste que não poupou, ou seja, não reteve o que destinava a nos abençoar.

Mas também somos da mesma árvore de Abraão, o pai da fé, que quando voltava de uma grande vitória a primeira coisa que fez foi dar o dízimo.

E de tudo lhe deu Abrão o dízimo (Gn 14:20).

O seu dinheiro deve seguir sua natureza, sua identidade. Há irmãos que nasceram de novo, eles têm uma nova natureza e identidade.

Todavia, ainda possuem uma mente antiga e por isso eles não conseguem perdoar, amar como Cristo ama, mas também não conseguem entregar o dízimo e dar ofertas.

Hoje você pode mudar isso em sua vida. Siga sua natureza em todas as coisas, e assim, faça tudo para a glória de Deus!

 

Categorias: Mensagem