Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e lhes confiou os seus bens. A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua própria capacidade; e, então, partiu.

O que recebera cinco talentos saiu imediatamente a negociar com eles e ganhou outros cinco. Do mesmo modo, o que recebera dois ganhou outros dois. Mas o que recebera um, saindo, abriu uma cova e escondeu o dinheiro do seu senhor. Depois de muito tempo, voltou o senhor daqueles servos e ajustou contas com eles.

 

Então, aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou outros cinco, dizendo: Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis aqui outros cinco talentos que ganhei. Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.

 

E, aproximando-se também o que recebera dois talentos, disse: Senhor, dois talentos me confiaste; aqui tens outros dois que ganhei. Disse-lhe o senhor: Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.

 

Chegando, por fim, o que recebera um talento, disse: Senhor, sabendo que és homem severo, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste, receoso, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu.

 

Respondeu-lhe, porém, o senhor: Servo mau e negligente, sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Cumpria, portanto, que entregasses o meu dinheiro aos banqueiros, e eu, ao voltar, receberia com juros o que é meu.

 

Tirai-lhe, pois, o talento e dai-o ao que tem dez. Porque a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado. E o servo inútil, lançai-o para fora, nas trevas. Ali haverá choro e ranger de dentes (Mateus 25:14-30).

Pense comigo, o que aconteceria se eu falasse para você ir a savana da África procurar um leão para se relacionar. Tem como você se relacionar com ele? Claro que não! Você tem medo de leão e pode se tornar comida a ele.

Agora, qual a fonte do seu medo de leões? Você não tem a imagem do leão e sim do homem. Se fosse um leão não teria problema. Quando não se tem a imagem do outro você não consegue se relacionar com ele apropriadamente.

Veja, a primeira experiência emocional do homem depois do pecado ao encontrar Deus foi sentir medo. O medo do homem estava relacionado a imagem que ele perdeu e agora estava nu, sem essa imagem.

Sabe o que é interessante, depois do pecado a reação do homem foi esconder, mas a de Deus foi procurar e se achegar ao homem. Até hoje é assim, Deus sempre vem atrás da sua criação. Não era apenas uma questão de ter medo da morte, que seria o resultado de comer da árvore do conhecimento do bem e do mal.

O homem sabia da sentença se comesse. A questão é que o homem perdeu a imagem. Lembre-se, quando não se tem a imagem do outro não há como nos relacionarmos. O texto que lemos, havia um homem que é o Senhor Jesus e seus servos que é uma representação nossa.

Havia um servo que não conseguia ver a imagem que tinha, por isso ele distorcia a imagem do seu Senhor. Veja, é servo (crente), mas não sabia qual era a sua identidade. É possível também que você não conheça sua identidade porque desconhece sua imagem.

É importante lembrar que quando Jesus te salvou, e você se batizou, você foi revestido de Cristo, ou seja, foi devolvido a você a imagem que você perdeu (Gl 3:27). Ao devolver a imagem a você, foi devolvido também a sua identidade.

Qual era o problema daquele servo que tinha um talento? Ele não acreditava na identidade, que a imagem de Cristo nele lhe conferiu. Isso e tão verdadeiro que a imagem que ele tinha de Deus era totalmente distorcida.

Se você não reconhece a imagem de Deus em você, certamente não conseguirá ter uma imagem correta de Deus. Relacionamos com Deus porque temos a imagem de Deus em nós. Carne e sangue não pode chegar a Deus, assim como homem não pode chegar perto de leão.

Mas ao relacionarmos com Deus nossa identidade e nosso verdadeiro ser é afetado, transformado. É impossível ser o mesmo! Então porque aquele servo de um talento agiu assim? Creio que o servo relacionou com Deus a partir da sua imagem e identidade de velho homem, e por isso ele viu Deus como ele se via.

Alguém que é severo, que é capaz de colher onde não plantou e ajuntar o que não espalhou. Esse é o perfil do homem caído e não de Deus. Ele projetou em Deus ele mesmo!

Ele não conseguiu olhar para Deus e assim ter a imagem de Deus impressa em si mesmo. Antes olhou para si e projetou ele mesmo em Deus. Ele fez de Deus o espelho e viu que Deus era como ele. Todavia os outros dois servos não agiram assim.

Eles responderam segundo a imagem e identidade de Deus neles. O que eles sabiam?

1. Imagem gera identidade

Essa parábola nos revela que sem a ótica certa sobre Deus, jamais teremos entendimento da nossa identidade. Você não tem tudo porque não vê a imagem de quem tem tudo em você. Nessa hora você deseja tudo por meio daquele que não pode te dar nada, Adão! 

Veja, Jesus tem tudo? Jesus pode tudo? Ele tem e pode tudo! Quando Deus Pai olha pra Jesus ele nega algo a Ele? Não!

Porque? Porque Ele ama Jesus. Quando Deus Pai olha pra você quem Ele vê? Jesus!

Então você também tem e pode tudo. Aprenda a orar a partir da imagem de Jesus em você! Deus só ouve justos!

Porque assim como Ele ama Jesus, ama você também! Então do lado de Deus está tudo certo.

Qual o problema? Do nosso lado nem sempre está tudo certo.

Isso porque, as vezes vivemos o dilema: Hora fazemos algo para merecer, hora nos achamos incapazes de ter. Entenda, o receber de Deus não tem nada a ver com você, mas com a obra de Cristo!

Sendo assim creia na imagem que Ele restaurou em você é desfrute de sua identidade. E do que ela te dá, de graça, pela graça! Então, não diga o que você tem sentido, mas declare aquilo que faz sentido. Diga quem você é em Cristo!

O desfrute da vitória de Cristo em sua vida, está debaixo do seu nariz, na sua boca. O desfrute da vitória de Cristo começa com aquilo você diz! Por isso, não diga quem você quer ser, diga quem você é. Não diga o que você quer ter, diga o que você tem.

O que sai da sua boca é o que você construiu por dentro, na sua alma. Isso tem a ver com a imagem, como você se vê. Sua boca serve para mostrar quem é o verdadeiro eu dentro de você. A identidade que Adão te passou é de um ser pequeno e derrotado.

Mas a Palavra de Deus renova sua mente, seus pensamentos, para quê? Para te levar a experimentar tudo o que Jesus fez por você, tudo começa na sua mente. Agora é importante entender que o seu cérebro é o problema e a mente, ou imaginação é a chave de sucesso. O cérebro só repete os valores que já está nele.

O que coloca novos valores no seu cérebro é a sua mente, ou seja, a capacidade que você tem de pensar e imaginar – criar imagens.É por isso que você deve renovar a mente, para que o seu cérebro seja reprogramado para viver a repetição dos valores do Reino de Deus (explicar sobre a mentira na criança e adulto).

Então, ser crente não é suficiente no sentido da experiência com a imagem de Deus em você e sua identidade.

Sua mente precisa se ver como de fato você é visto – conhecerei como também sou conhecido (1Co 13:12b).

Viver a sua identidade passa pelo absorver os valores do reino de Deus para a sua vida. Então irmãos, dá um F5 na sua mente, você vai ver que a vida vai ficar bem mais alegre e cheia de satisfação. Uma outra coisa, porque Paulo disse que deveríamostodos nós, com o rosto desvendado, contemplar ao Senhor, como por espelho…?

Porque só assim trazemos à nossa alma a imagem de quem nós de fato somos, tal qual Ele é! Paulo está dizendo que em vez de você ficar pensando com os pensamentos caídos, pense com a mente de Cristo.

Mas não se esqueça, tem que estar com o rosto desvendado, ou seja, sem o véu da Lei. A Lei encobre a imagem do Senhor e mostra a sua o tempo todo. No N.T. não há o desvanecimento da glória, como foi com Moisés. Moisés colocava o véu porque a glória desvanecia (2Co 3:13).

É interessante que quando Moisés vinha falar com Deus ele tirava o véu e por isso seu rosto resplandecia (Êx 34:29-35). Tem crentes que vivem essa experiência, brilham na presença dos demais mais depois desvanece. Isso porque andam na Lei.

A glória da Nova Aliança é constante e cada vez maio – de glória em glória, sendo transformado na sua própria imagem

2. Identidade trás segurança

Segurança em quem eu sou e no que está disponível a mim. Todo o nosso medo reside em não sabermos quem nós somos e o que temos. Temos medo de alguém, de algo ou alguma circunstância.

Se você não sabe quem você é, você não sabe o que pode fazer e o quem tem ao seu dispor. A identidade te dá acesso a todos as coisas do seu Pai (exemplo dos nossos filhos). A Bíblia é enfática com respeito a identidade, isso porque, enquanto você não sabe quem você é, você não consegue ser quem nasceu para ser.

O propósito de Deus em você estará comprometido. Isso compromete suas habilidades e restringe seus recursos. Quem você é, tem haver com a imagem de Deus em você. Veja o exemplo dos servos de cinco e dois talentos.

O texto diz que foi dado a eles segundo a capacidade de cada um. Isso significa que cada um de nós é diferente do outro, apenas isso. Não é uma questão de superioridade e inferioridade. Mas olhe, ambos sem serem instruídos das habilidades e recursos que estavam disponíveis a eles, saíram e negociaram e multiplicaram o que lhes foi dado.

Porque eles fizeram assim? Como sabiam que podiam negociar e multiplicar o talento que lhes foi dado? Creio que eles criam em sua identidade porque tinha a imagem correta de Deus em si mesmo.

A capacidade pode variar, mas a habilidade e o recurso de negociar e multiplicar não muda é para todos! Todos tinham a seu dispor a habilidade e o recurso para negociar e multiplicar. Todos nós recebemos habilidade e recursos em nossa essência para multiplicar o que temos recebido de nosso Pai.

Assim como Jesus multiplicou, todos nós estamos aptos e capacitados para multiplicar tudo, mas é tudo mesmo!

Siga o exemplo de Calebe. O que ele tinha de diferente? Um espírito correto diz a Bíblia. Havia um ambiente de fé em Deus e em quem ele era, ao ponto dele se vê maior que os gigantes, e dizer que iria come-los como se come pão.

Esse ambiente era no espírito, na alma e no corpo dele. Todo o seu ser respondia a sua identidade de vencedor! Ele não pensou que venceria a batalha. Antes, já sabia que era mais que vencedor. Já sabia o resultado final, mesmo antes de ir a batalha.

Isso é apenas a demonstração do reflexo da sua identidade, ela dá segurança. Essa segurança é porque ele sabia quem era em Deus. Veja, sua identidade pode ser definida também por um espírito correto, um espírito de fé.

O que Calebe fez para usufruir de sua identidade? Apenas declarou quem de fato era! Não deseje menos do que a plenitude da sua identidade! Você nasceu para ser quem é, um filho de Deus cheio do Espírito Santo, como Jesus!

Você nasceu para fazer as obras de Jesus e ainda maiores!

Categorias: Mensagem